Fazendo o Alien – parte 3

Se você não viu as partes anteriores, aqui estão a parte 1 e a parte 2.

Já começo pedindo desculpas pelo meu sumiço. Alguns leitores chegaram a ficar preocupados com meu desaparecimento temporário. Ele se deveu a uma coincidência infeliz de situações que acabaram contribuindo para que eu não pudesse escrever no blog desde a semana passada.  Eu viajei no final de semana para a casa da minha sogra e lá eu soube que minha avó tinha dado um piripaque bizarro que baixou hospital em estado gravíssimo.  De fato ela quase morreu e os médicos temiam que fosse um câncer daquele tipo  agressivo no intestino. A coisa foi tão seria que não teve tempo nem de fazer diagnostico com imagem, os caras abriram minha vó para olhar o que tinha dentro dela. Felizmente, minha avó que já passou dos oitenta só tinha uma hérnia que travou o intestino dela, e um pedaço dele necrosou. Os caras removeram o pedaço morto, fizeram um conserto lá e agora ela está boa, se recuperando bem. Mas nesse ínterim, minha mãe também tinha operado os dois olhos, e então eu fui lá em Três Rios dar uma força pras duas e ainda ver o meu avô que já convive com um câncer há mais de dez anos e entrou nos “capítulos finais” recentemente, coitado. Quando voltei, o trabalho havia se acumulado, tive umas reuniões, e pra piorar, eu estava com uma gripe maldita que peguei na casa da minha sogra.  Como eu vou entrar de férias amanhã, precisava dar conta de entregar um monte de coisas, falar com varias pessoas e isso tudo afetou o andamento do blog.

Mas vamos deixar de conversa fiada, e vamos ao alien. Hoje, finalmente eu pude trabalhar nele. A primeira coisa que eu fiz foi remover as mãos da blocagem para colocar mãos novas no monstro.

Para fazer isso eu pego um arame fino e flexível, como este:

Fazendo o Alien - parte 3

Com um alicate de bijuteria, daqueles de ponta cônica, eu tranço o arame até formar a estrutura da mão. É importante que seja bem traçado, para que fique bem apertado e permita que a massa grude legal na armação.
Fazendo o Alien - parte 3


Depois que faço a primeira, começo a segunda.
Fazendo o Alien - parte 3
Aqui podemos ver as duas,eventualmente uso a primeira mão para verificar e corrigir a dimensão da segunda.

Fazendo o Alien - parte 3
Depois que eu construí a armação, eu coloco a mão na pose.  Note que eu juntei dois dedos para fazer um. Fiz isso porque resolvi no meio do processo fazer uma mão vagamente parecida com a anatomia da mão do alien original do Giger, que tem uma dois pares de dedos gêmeos centrais e dois polegares nas laterais. A mão do alien original é uma das anatomias de alienígenas mais fodas que tem, porque se você pensar, o monstro tem dois polegares opositores. Isso diz muito sobre a habilidade incomum do alien de escalar e agarrar em coisas.

Aqui tem uma foto da mão do alien original.

Fazendo o Alien - parte 3

Como os dedos gêmeos (embora possam) não costumam se mover de modo individual, eu achei melhor juntar o arame ali pra facilitar o processo da escultura.

Fazendo o Alien - parte 3
Eu começo colocando uma bolinha de massa no centro da mão e faço a palma. A partir dela começo a fazer o resto. Aperto minhoquinhas de massa ao redor dos dedos e vou dando a forma com instrumentais de dentistas (os temíveis “ferrinhos”).

Fazendo o Alien - parte 3

Vou esculpindo os dedos.
Fazendo o Alien - parte 3
Aqui a parte interna da mão.

Fazendo o Alien - parte 3

Aqui a mão espalmada que ficará apoiada no chão.

Depois de esculpidas as mãos, eu me volto para os pés do alienígena. Também optei por fazer uma referência aos pés do alien do primeiro filme, mas tive que fazer mudanças na anatomia, porque esta perna do alien era incompatível com aquele pé enorme que o alien do primeiro filme tinha, já que este é praticamente um digitígrado. A solução foi fazer um pé com planta pequena, e com os dedos que lembram os dedos do alien, o 8. passageiro.

Fazendo o Alien - parte 3

Aí eu assei as mãos e deu merda. Não sei que bobeira que eu dei e o forno torrou a parada. Eu creio que possa ter relação com a variação da pressão do gás. Sei lá. Sei que cada uma ficou mais torradinha que a outra:

Fazendo o Alien - parte 3
Quando isso acontece, eu entôo um mantra que um monge me ensinou. Ele começa com um sonoro “Puta que pariiiiiiiiu!”

Sem tempo a perder, eu comecei tudo de novo. Refiz as duas mãos. Aí – eu achando que o perrengue tinha acabado, comecei a fazer o rabo.

Se fosse fácil, não chamava rabo, meu amigo. O rabo do alien é a coisa mais merda, mais complicada e ingrata que tem nesse bicho. Eu fiz o rabo do alien nada menos que quatro vezes. A primeira versão queimou também.Mas eu não esquentei, porque tava mesmo uma bosta. A segunda, quando finalmente ficou pronta eu deixei perto da beira da mesa e ela caiu. Eu não vi e só descobri a desgraça quando eu passei com a roda da cadeira nela,  descacetando tudo.  Novamente, entoei o mantra.

E recomecei a terceira versão do rabo do alien. Comecei com um arame, que torci pacientemente.

 

Fazendo o Alien - parte 3

Depois cobri com massa. (uma merda para alisar)

Fazendo o Alien - parte 3
Então eu comecei a esculpir umas vértebras na mesa.(esqueci de fotografar esta parte) Depois usei um silicone denso, (um material de dentista que parece um chiclete) para fazer um molde para cada vértebra. Olha eles aí:

Fazendo o Alien - parte 3

Então eu colocava a massa ali dentro e apertava e então tirava com a ajuda de um instrumental. Isso permitiu fabricar rapidamente varias vertebrazinhas. Que prendi na base da cauda:

Fazendo o Alien - parte 3

Depois que eu fiz e assei, comecei a achar que tava uma merda.As vértebras estavam grandes demais, grossa demais, o rabo parecia mais com o de um dinossauro de museu. Enfim, tava escroto.

Comecei a quarta versão do rabo do alien.

Torci o arame novamente, cobri com massa alisei o melhor que deu. Dessa vez, eu fiz a cauda reta. Com o pente fino, fiz marcações nela todinha, e usei o instrumental para fazer milhares de cortezinhos na cauda toda. Depois, usei uma toalhinha sobre a mesa, para poder trabalhar na peça sem que a superfície dura da mesa danificasse a parte já modelada. Eu nunca tinha testado isso, e funcionou maravilhosamente!

Fazendo o Alien - parte 3

Sobre a cauda apertei uma grande minhoca de massa e com os dedos modelei uma forma triangular nela toda.

Em seguida, com instrumentais eu fui fazendo os cortes e criando as vértebras, tentando deixar tudo quase no mesmo tamanho, com uma redução progressiva bem discreta.

Fazendo o Alien - parte 3

Este visual me agradou mais.

Fazendo o Alien - parte 3

Criei uma ferramenta, adaptando uma pinça que eu tinha, para puxar a parte do topo de cada vértebra da cauda.

Fazendo o Alien - parte 3

Depois pacientemente, fui prendendo minhoquinhas de massa (um saco!) ao redor de cada vértebra, passando por baixo da estrutura da cauda.

Fazendo o Alien - parte 3
Depois que eu fiz isso, com muito cuidado fui dando uma leve torção na cauda. E ela se comportou exatamente como a cauda do filme. Foi bem legal de ver. Aí eu assei.

Fazendo o Alien - parte 3

Adicionei mais detalhes no alien.
Fazendo o Alien - parte 3

Fazendo o Alien - parte 3
Fazendo o Alien - parte 3
Fazendo o Alien - parte 3
Fazendo o Alien - parte 3
Fazendo o Alien - parte 3
Fazendo o Alien - parte 3

Depois que a cauda assou, eu prendi ela no bicho usando durepoxi.

Fazendo o Alien - parte 3
Fazendo o Alien - parte 3

Eu também tomei a liberdade de fazer um ânus para o alien. Afinal, se ele come, ele tem uma porta de entrada. E portanto, precisa ter uma porta de saída, né?
Fazendo o Alien - parte 3

E finalmente, estava pronto. Aqui esta uma outra foto sem essa bagunça toda.
Fazendo o Alien - parte 3

Estava na hora de assar o alien. (momento cu-na-mão de medo do forno torrar o alien)

Fazendo o Alien - parte 3

Felizmente, o alien não torrou. Eu sabia que ele ia dar umas rachadas espetaculares, mas até que foram poucas rachaduras. Só duas: Uma na cabeça e outra perto do ombro.
Fazendo o Alien - parte 3

Com um pouco de durepoxi diluído em álcool isopropílico eu fiz uma pasta de epoxi que usei para calafetar essas partes do alien.
Fazendo o Alien - parte 3

Agora está finalmente pronto para a próxima etapa: A pintura e acabamento. Se tudo der certo, amanhã eu posto. Até lá.

 

Related Post

38 comentários em “Fazendo o Alien – parte 3”

  1. Olá Phelipe, achei realmente muito bacana sua arte, este alien é praticamente perfeito ( e ainda nen está pronto), parabens.
    Eu também gostaria de saber se vc vende estas Réplicas? Pois sou fã de miniaturas e acho até que vc fazia miniaturas para d&d.
    Obrigado, abraço.

    Ahh, meu nome é Sthenniel e sou de Minas Gerais.

    P.S. minha esposa lê seu contos todos os dias… e adora.

    • OI cara. Eventualmente eu faço bonecos e vendo, mas como a maioria das peças que eu faço são peças únicas, não produção em série, acaba que fica muito caro. Eu fazia sim bonecos de D&D. A empresa chamava IDD. (irmandade do dragão dourado)

  2. Cara, você sempre nos surpreende! Muito bom! Parabéns! E cuidado com esse forno ai, ele é uma super tostadeira e você num sabe! hehehehe

  3. Philippe, sem duvida, esse foi o mais trabalhoso e também o mais detalhado que você já fez. Sem sombra de dúvida, é muito show o seu boneco e também o seu talento! Isso é coisa de gente que tem TOC, heheheheh….

    Abraço, jovem!

    • Eu não achei que ele foi o mais trabalhoso. O Aquarex e o viking warrior deram mais trabalho. O foda foi a minha vocação natural para entrar em cagadas, com o forno maluco e com os rabos que não deram certo.

  4. Parabéns….tá ficando perfeito………dei muita risada com o mantra kkkkkkkkkk e a katana na parede é original? ………….esperando a próxima etapa…..

    • A minha katana não é original, porque uma original sai caríssimo, né? Se bem que eu vi uma original do japão do século XVIII que foi vendida num leilão por míseros 200 dólares. Mas essa minha é só decorativa mesmo. Aqui em casa é cheio de espadas. Muitas eu que fiz.

  5. Cara , parabens!!! Eu adoro de ver esses tipos de trabalho  passo a passo…muito 10…e eu me achando que sei desenhar e so…mais legal pegar na mao q ficar no papel hehehe

    Se for pra lixeira esse, pq nao faz um concurso sei la pra doar….ja sou um q vai participar =^D

    abraçao! E melhoras ai pra sua familia!

  6. Phillipe, posta o link do Viking Warrior aí pra gente, pois eu não cheguei a ver… Infelizmente!

    E na média de quanto +- saíria uma miniatura do tipo?! Pois eu realmente estou apaixonado. E pagaria um bom valor por algum do tipo. hehehe

    Você já é um cara inspirador pra mim. Mas se você fizer um Cavaleiro Medieval, tipo um Templário assim, com uma armadura bem estilosa, segurando ou um machadão bem sinistro ou aquelas espadonas gigantes que eles usavam, quase maiores que eles próprios, numa pose de ataque ou bem sombria mesmo que seja, você seria MEU ÍDOLO! haeuiaehuiae

    Fica aí a minha sugestão. 🙂

    • Ja postei aqui, faz algum tempo. Va,os por partes:
      Aqui tem o longa metragem (o maior post do Mundo Gump) http://www.mundogump.com.br/viking-warrior-a-saga-de-varmod/

      E aqui estão os posts do boneco:
      http://www.mundogump.com.br/o-proximo-boneco-viking-warrior/
      http://www.mundogump.com.br/viking-warrior-parte-2/
      http://www.mundogump.com.br/viking-warrior-parte-3/
      http://www.mundogump.com.br/viking-warrior-parte-4/
      http://www.mundogump.com.br/viking-warrior-parte-5/
      http://www.mundogump.com.br/viking-warrior-parte-6-final/

      • Sinto muito. Sinto mesmo. Recentemente perdi meu pai. Tb viajei após o acontecido. Mas eu fui pro mar… Vai fazer bem. Nada como a velha e boa cinza vulcânica do vulcão Chileno pra te deixar novo e com a sensação de estar empesteado com talco povilho antiséptico e seu aroma sulfuroso. eheheheh. Novas experências. Traz um bocadinho de cinza vulcânica pra suas esculturas.

  7. Cara, o alien tá ficando show e eu queria dar uma sugestão não só pro alien mas pra todas as esculturas que você ainda vai fazer: quando você finalizar o projeto, além de colocar as fotos habituais de todos os ângulos de visão, seria legal se você colocasse uma foto da escultura ao lado de uma régua ou da sua mão mesmo, só pra gente ter uma noção do tamanho da criatura. Valeu.

  8. Parebéns pelo Alien Kling ele está ficando alucinante, vendo esses posts lembrei de algo que queria te perguntar, você sabe me dizer algum curso aqui no Rio que ensine esse trabalho com massa? não só esculturas de personagens, mas que tembém tenha uma ênfase em modelagem de objetos maiores e etc, como a fantasia do predador que você postou aqui.

  9. parabens cara, o alien tá ficando sinistro!
    agora, deixa só eui fazer um comentario de nerd chato:)
    o alien não come! pelo menos não seres de carne, por que o metabolismo  dele é a base de silicone, e o nosso corpo a base de carbono nao serve de alimento pra ele. seu objetivo é matar e se reproduzir, já que ele foi criado para eliminar qualquer tipo de vida, para abrir espaço para novos ecossistemas criados pelos “space jockeys”( seus criadores)-nerd mode off:)
    desculpa a minha chatice, mas eu achei que seria interessante comentar sobre isso!
    valeu!

    • Tem razão. Mas será que o alien não come mesmo? Pq, pensa bem, ele tem boca, tem dentes… E ele cresce entre os estágios, logo precisa obter energia em algum lugar.

  10. Cara parabens, vc manda muito bem. 
    eu descobri a pouco tempo (com biscuit) que adoro escultura e seus passo a passos são como uma “fonte de agua viva” para reles pecadores como eu. hehe
    Desculpe minha falta de jeito com a internet mas… vc ainda não postou o bixo pintado, certo?
    se postou eu gostaria do link pois não encontrei, se ainda não, estarei aguardando ansiosamente.

    Muito bom esse seu blog q virou site,  parabens mais uma vez!
    Tudo de bom pra vc e sua familia!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares