36 Comentários


  1. Bem, você não é o único que “não tem o que fazer às 05:30”, hahaha 🙂

    To precisando de uma barraca dessas, inteira de couro para o próximo acampamento, haha! 😀

    Abraço!

    Responder

  2. Muito bom, cara. Tá quase um roteiro, bastando adicionar umas falas.

    Só toma cuidado pro pessoal não te plagiar de novo, vai que alguém de hollywood vê isso aqui…

    Hehehe, cinematográfico.

    Responder
  3. Pedro Jairo Mesotti

    olá, muito bom esses seus textos, ninguém le uma ova.. quando posso eu sempre leio os textos que vc escreve. sempre coisas legais e interessantes.

    e esse viking vai ficar show de bola

    abraços

    Responder
  4. Cheetara (Mário)

    Só um negocinho, Felipe. Quando o Orlyg e o Värmod estão se preparando pra sair da vila, pra caçar o bichão, o Orlyg fala “vamos tomar café”.

    Só que nessa época o café só existia na Etiopia (e só como planta, eles nem sabiam que dava pra fazer Café do Café)

    Responder
  5. Marcel

    Caraca Maluco!
    Fiquei hoje de manhã lendo essa parada 2 horas…
    Parecia que eu tava vendo o filme…
    Muito bom…
    Criatividade 100%

    E o boneco deve ficar punk mesmo…
    Vlw cara!

    Responder
  6. hugo

    como assim uma história viking sem nenhuma citaçao ao todo poderoso Thor??

    Responder
  7. Val

    Värmod não é mais do que seu ser interior, no fundo é você mesmo, Phil.
    Vou te contar uma experiência: os Deuses Vikings exitem mesmo.
    Não sei se é numa outra dimensão, não sei se é no inconsciente coletivo, mas eles existem.
    Quando eu escrevi as RUNAS em pedras, e você sabe, RUNAS são caracteres mágicos de origem nórdica, ou viking, vamos dizer assim, eu as escrevi procurando sorte. Recebi a energia das Runas.
    Caí em extase, em minha cama.
    Tive uma visão de Freija.
    Ela é alta, bem alta, igual aquela personagem do filme O Senhor dos Anéis, aquela de um povo que vivia nas árvores.
    Loura, cabelos longos e lisos amarrados para trás, usa um colete de pele amarrado com tiras, bem rústico. Plena de luz, bela, o que me impressionou foram os olhos, o olhar. Algo assim como dizendo: eu lhe salvarei do inferno.
    Aí vi eu mesmo deitado numa espécie de maca, a coisa flutuava e novamente um ser parecido com aquele anâo do filme Senhor dos anéis, só que não era um anão, era um sujeito normal, mas os traços eram os mesmos, a barba vermelha, muito cabelo, o mesmo colete de couro amarrado em volta, começou a me levar naquela maca feita com galhos de árvores.
    Lá fui eu. Percebi que ele estava levando minha alma doente para curar. Escreva as RUNAS nas pedras, Phillipe. Você também vai saber.

    Responder
  8. Raphael

    Valeu pela historia, demorei um pouco pra ler, mas ficou muito bom
    Agora so falta sair uma animacao ou filme mesmo para fica perfeito
    e parabens pelas modelagens, quero ver como vai ficar esse barbaro ai

    Responder
  9. Miguel

    Wow, duas horas lendo 😀
    Muito bom mesmo, compensou cada segundo que gastei lendo

    Responder
  10. Leandro Carrasco

    P.E.R.F.E.I.T.O

    King Kling, realmente esse texto é uma obra de arte, vc poderia escrever um livro detalhado sobre essa historia, ficaria perfeito .. não foi o mais engraçado que li, mas foi o melhor ..

    abraço cara ..

    Responder
  11. Edu

    Muito boa essa história, parabéns pela criatividade.

    Minha humilde opinião:
    O início é impolgante, a ambientação no começo e o desenvolvimento de Ragnar e Sigurd foi bem elaborada, foram meus favoritos. Até a parte do enterro de Dalla/partida de Värmod, dou nota 10, prende bem o enredo, só que depois a história ficou um pouco chata, não sei, faltou albuma coisa no final, mas em geral ficou muito boa. Parabéns

    Responder
  12. Deco666

    Nossa, lí o texto hoje, e só posso dizer uma coisa: FODA!

    Parabéns!!

    Responder
  13. Robson

    li tudo
    start @ 19:28
    end @ 21:21

    melhor passagem: ‘Uma explosão de sangue toma conta da praça. O povo aplaude.’ 😛

    Responder
  14. Milton Mauad

    “For the king, for the lands, for the montains!!!!”…..kkkk

    Responder
  15. Prof. Luciano Gonzales

    Cara, esta é uma excelente história, empolgante e perfeita para uma adaptação cinematográfica. Porém, acredito que, fora Värmod e Ragnar, nomes comuns no antigo idioma nórdico, os demais nomes necessitariam de uma pesquisa histórica mais detalhada: Maldof é um nome originalmente saxão, e Inga e Sabba são nomes oriundos do thiois, variação dialetal do teuto (alemão antigo) falada no império de Carlos Magno. Não que não se pudesse haver trocas culturais, mas era muito comum que os filhos herdassem o nome dos pais mortos em batalha na forma do patronímico (nome do pai acrescido de -sson, que significa “filho de”). Logo, nosso herói se chamaria Värmod Styrsson.

    Til stals!

    Responder
  16. Prof. Luciano Gonzales

    P.S: Espada viking? Certamente não essa da ilustração, com cabo longo. Vikings davam preferência a armas de curto alcance: espadas de punho para uma só mão, com no máximo 1m de lâmina e cabo adormado de ouro e prata (para os nobres, ou jarls); machados de lâminas largas (grüsöx) ou estreitas, de arremesso (skeggöx), usados pela maioria dos guerreiros livres (karls), bem como a lança; arco-e-flecha somente em assaltos a fortalezas, e normalmente seus portadores eram escravos; mesmo a lança, arma de certo prestígio por ser na mitologia a arma do próprio Odin (Gungnir, a lança que nunca erra o alvo, em cujo cabo estavam gravadas as primeiras runas) apresentava uma haste de no máximo 1,80m.

    Responder
  17. Prof. Luciano Gonzales

    O motivo era o mérito em batalha; um guerreiro que quisesse pôr os pés no Valhalla não poderia se acovardar e se esconder atrás de escudos largos e armas longas. O contato físico e mesmo os ferimentos eram sinal de bravura em combate; daí o fato de as armas vikings serem mais curtas do que as do continente europeu à época.

    Responder
  18. Henrinen Vale

    Devo dizer que foi um dos melhores contos que já li, senão o melhor. Ótimo para se ler antes de dormir. Phelipe, você realmente se superou, está de parabéns. Espero um dia ter um boneco desse, sem dúvida ficaria perfeito na minha estante (rs). Hail!

    Responder
  19. Hermínio

    Li todo, muito bom!! Mas coloquei no Word e deu 70 páginas, tá?rsrs

    Responder

    1. OI Herminio, obrigado por ler tudo. cara vc sabe que se botar letra 6 e espaço simples vai dar até menos, né? O certo é usar o padrão manuscrito (tem na biblioteca de modelos do word) que usa o padrão internacional que os editores consideram. Usando ele dá 160 paginas cravadinho.
      As páginas têm margens de aproximadamente 2,5 cm em todos os lados e o texto tem espaço duplo na fonte Times New Roman, que é uma fonte de espaço fixo. Os parágrafos são recuados cinco espaços ou aproximadamente 1,25 cm, da esquerda e são justificados à esquerda. O formato não usa hifenação em palavras e nem itálico. Essas são preferências (em grande parte dos casos, exigências) dos editores pq que facilita a leitura dos manuscritos.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.