O crânio – Parte 6

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

Bruno chegou não viu a Bia. Ela estava oculta pelo bolinho de gente que havia se formado ao redor.
Bia estava chorando, tampava o rosto, sem graça. Uma amiga dela logo pediu pra galera se afastar e correu com a Bia lá pra dentro da mansão.
As pessoas logo se dispersaram, e só restaram ali a moça da pizza, Bruno e Gui.
-Cadê aquele filho da puta? – Perguntou Bruno.

Gui deu de ombros. Disse que não sabia. Aparentemente, os seguranças interviram e o colocaram pra fora da festa.

-Se eu achar aquele paspalho eu acabo com a raça dele. – Disse Bruno.

Bruno entrou pela Mansão em busca de Bia. Encontrou as amigas dela na sala. Estavam colocando gelo no rosto dela.

-Porra… – Bruno gemeu quando viu a mancha roxa no rosto dela. Ela ainda estava cuspindo sangue.

O rapaz correu até a Bia. Sentou-se ao lado dela e a abraçou sem dizer nada. Bia tampouco disse qualquer coisa. Apenas soluçava.

Logo, as amigas da Bia disseram qualquer coisa sobre chamarem elas se precisasse, e saíram, deixando os dois a sós na sala. Bruno permaneceu quieto, “na dele”, por um longo tempo. Ele não ousava dizer nada.
Foi ela que rompeu o silêncio onde ainda se ouviam as batidas abafadas que vinham do salão de festa: – Desculpa, Bruno.
-Tudo bem… Shhhh. Não fala nada.
-Não. Desculpa. Ele mexeu nas minhas coisas. Ele viu sua carta. Eu não mostrei pra ele, mas eu não pude impedir que ele lesse.
-Eu não tô nem aí pra ele. Eu tô cagando pra aquele tampinha. Só me interessa você nesse mundo, Bia.

Ela baixou os olhos. Tentou disfarçar a mancha no rosto com o cabelo comprido. – Ele ficou transtornado depois que te viu lá no salão. Ele pirou. Deu um ataque de ciúmes. Ele queria brigar, queria te achar pra dar porrada.
-Levar, né?

-É um idiota, Bia. Um idiota faz essas coisas.
-Me leva pra casa?
-Claro. – Bruno disse, para só no segundo seguinte lembrar que estava de carona com o Gui. -Espera aqui que já volto.
Bruno foi atrás do Gui. Ficou meia hora vagando pela festa em busca do Chêquévara. Finalmente encontrou o amigo na fila do banheiro.
-Véio, a Bia quer ir pra casa. Vou levar ela de Taxi, beleza? Não vou voltar contigo.
-Aê Brunão! Vai comer!
-Porra cara.
-Ops, foi mal. Ó, toma aí. Dirige a nave com cuidado, hein filho da puta?
-Não, meu. Não.
-Pega, porra. Pega “saporra” aí, garanhão! Vai lá e abate!
-Pô, valeu então.
-Eu disse Abate. A-Ba-Te. Não Bate, ouviu? Cuidado com a Millenium Falcon!
-Eu sei dirigir, Zé Ruela.
-Claro, aprendeu com o melhor, né sua bicha?

Bruno correu de volta até a sala. Bia ja estava mais apresentável. Havia disfarçado a marca no rosto com o cabelo.
-Vamos?
-Que papel é esse?
-É do valet. Pra pegar o carro do Gui.
-Do Gui? Do maluco do Gui? Ele comprou mesmo?
-Você não vai acreditar!

Bia e Bruno saíram da festa. Logo, o Valet buscou o carro. Quando Bia viu, se espantou: -Meu Deus! Olha isso!
-Não é sensacional?
-É a cara do Gui!
Bruno dirigia o Maverick devagar, na esperança de não dar de cara com uma barrera policial. Durante um tempo, Bia ficou quieta, tentava ajustar o toca-fitas.
-Tem eras que não mexo num desses!
-Olha, tem uma fita do Kid Abelha aí no porta luvas. – Disse Bruno.
-Sério? O Gui escuta isso?
-Sei lá. Já devia estar no carro quando ele comprou. O Gui só escuta aqueles reggaes doidos e os pancadões trashmetal…
-O Gui é foda.
-Sabe como ele chama esse carro?
-Deixa eu adivinhar…. Corcel Negro?
-Não, mas é de filme.
-Calma, eu sei, eu sei! É… Herbie?
-Não. Ultima chance.
-Sei lá, não sei.
-Millenium Falcon!
-Há! Claro, só podia ser. Só podia ser! Como não pensei nisso?

Bia aumentou o som e a voz de Paula Toller ecoou no interior do carro.
Bruno espertamente esticou o braço e aconchegou a moça para junto dele. Ela não reagiu. Parecia estar deixando rolar.

Minutos depois, chegavam em frente ao prédio da Bia, na Tijuca.

-Bom, chegamos.
-Obrigada pela carona, Bruno.
-Bia…
-Bruno, por favor.
-Escuta, Bia.
-Não, não faz isso, Bruno. – Ela disse. Mas aquilo soou estranhamente dúbio.
Bruno hesitou. Mas logo avançou e beijou Bia.
O beijo avançou e o clima foi ficando mais e mais quente.
-“Não, não” – Ela sussurrava, mas nada indicava que não estivesse gostando.
Bruno mal teve tempo de verificar se não estava sonhando quando escutou bia gemer baixinho no ouvido dele: – Vem, vamos subir.
-Mas e sua… E sua tia?
-Viajou.

Eles subiram para a casa dela.

——X——-

O telefone tocou. O dia estava amanhecendo. Bruno havia acabado de chegar em casa. Estava emborcado na cama, ainda enfiado na roupa de gari.

-Bruno é o Gui. – Disse Sandra segurando o aparelho ao lado dele.
Bruno ergueu os olhos para a mãe. Ela estava séria. Parecia brava.
Ele pegou o aparelho. A voz eletrônica incomodava.
-Faaaala pegador! Comeste ou não comeste “fidumaégua”?
-Porra Gui. Cara. Meu… Não fode, Gui. Não são nem meio dia, cara…
-Ah, já vi que comeu. Pela voz eu já sei. E meu carro. Me diz que trouxe o carro direitinho.
-Cara então. Deixa eu te falar.
-… – Gui ficou mudo.
-Veio, sabe aquela pilastra que tem ali na entrada da garagem?
-Porra… Não… Porra! Não!!! Diz que é zoeira. Diz que é zoeira. Eu vou te matar, puta que pariu, não acredito. Ah, não! Não!!!
-Hahahaha. É zoeira, viado. O carro ta de boa. Estacionei direitinho na ladeira.
-Porra… Caralho, não morro mais. Puta que o pariu! Você não sabe brincar cara. Você foi Joselito!
-Cara, então…
-Já tô até vendo. Pela sua voz, aposto que vocês voltaram.
-Voltamos.
-Aê, moleque! Aí sim, mostrou que sabe! Quem sabe, sabe!
-Cara… Eu acho que…
-Nem precisa falar. Já sei a merda que eu vou ouvir. Vai dizer que foi a pedra da caveira!
-Né?
-Meu… Não. O cara deu um tapão nos córnio da Bia, véio. Ela ficou toda abalada, daí você chega todo carinhoso e tal. Gol. Cadê a caveira nisso, minha caralha?
-Cara, sei lá, mas tudo foi encaixando. Você não percebe?
-Claro que isso é paranoia da tua cabeça sequelada, maluco. Você que ta dando sentido aos fatos de acordo com o que acha. É pura viagem, Bruno.
-Meu… Sei que cheguei morto.
-Atleta de alcova… Pô, vamos sair mais tarde e comer um sanduba?
-Vamos. Eu penso melhor comendo.
-Corrigindo: Você não pensa melhor nunca!
-O dono do teu cu desliga.
-Vai.
-Hã?
-A merda.
-Hahaha…

Gui desligou e Bruno tentou voltar a dormir. Mas não conseguiu. Só pensava na Bia. Lembrou da noite intensa de amor que tiveram na madrugada. Bruno se levantou, foi até a caveira e agradeceu.
-Eu sei que foi você. – Ele disse baixinho.
Olhou bem dentro das pedras brilhantes nos olhos da caveira e então teve uma ideia…

CONTINUA

Comments

comments

3 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Eu dei duro aqui

Com 15 anos de sangue suor e lágrimas, eu me esforcei para fazer um dos blogs mais antigos e legais do Brasil. Mis de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários, mais de 20 livros, canal, programa de rádio, esculturas... Manter isso, você pode imaginar, não é barato. Talvez você considere me apoiar no Patreon e ajudar o Mundo Gump a não sair do ar.
Ajuda aí?

Conheça meus livros

© MUNDO GUMP – Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.