Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Eu já falei sobre os nudibrânquiosaquinomundo gump antes, mas essa lesma especificamente, é bem curiosa, pois ela se auto-decepa no melhor estilo Highlander, só que para poder viver mais.
Pesquisadores japoneses descobriram recentemente essa incrível capacidade de uma lesma do mar de basicamente cortar sua própria cabeça e simplesmente fazer crescer um novo corpo, completo com novos órgãos vitais.

 

 

A autotomia, o comportamento pelo qual um animal solta ou descarta um ou mais de seus próprios apêndices, geralmente como mecanismo de autodefesa, apenas para cultivá-los novamente mais tarde, está bem documentado no mundo animal. No entanto, a autotomia geralmente envolve membros ou caudas, apêndices que não apresentam órgãos vitais, por isso que uma lesma do mar que pode aparentemente decepar sua própria cabeça e então desenvolver um novo corpo completo com esses órgãos vitais surpreendeu os cientistas.

Pesquisadores da Universidade Feminina de Nara, no Japão, estavam observando espécimes de lesmas marinhas do gênero Elysia, quando observaram algo peculiar. Uma das lesmas parecia perder todo o corpo, continuando a viver apenas como a cabeça. Os cientistas calcularam que ele morreria logo depois, mas em poucas horas, a lesma começou a se alimentar de algas novamente. Em poucos dias, a ferida onde a cabeça foi cortada foi curada e, em três semanas, havia desenvolvido um novo corpo, completo com órgãos vitais.

“Ficamos realmente surpresos ao ver a cabeça se movendo logo após a autotomia”, escreveram a aluna de PhD Sayaka Mitoh e a ecologista Yoichi Yusa em um estudo publicado esta semana . “Pensamos que ele morreria em breve sem um coração e outros órgãos importantes, mas ficamos surpresos novamente ao descobrir que ele começou a regenerar o corpo.”

“Este é o primeiro exemplo de tal autotomia extrema, até onde sabemos”, acrescentaram os dois co-autores. “Alguns outros animais, como planários, estrelas do mar e poliquetas, têm maior capacidade de regeneração , mas a maioria deles não tem coração (nos poliquetas, os vasos sanguíneos com bombas musculares às vezes são chamados de coração).”

Curiosamente, enquanto os pesquisadores relataram esse tipo notável de autotomia em nove espécimes, eles concluíram que apenas espécimes jovens eram capazes de crescer de volta em seus corpos. Lesmas do mar mais velhas, que eclodiram de 480 a 520 dias antes de cortar suas cabeças, não sobreviveram à decapitação. Eles não conseguiram se alimentar e morreram em 10 dias.

Estranhamente, os corpos descartados das lesmas não voltaram a crescer com a cabeça, mas responderam a estímulos táteis por até 10 meses após a autotomia. Os pesquisadores relataram que as batidas do coração ainda eram visíveis pouco antes de o corpo se decompor! Ô loco! Me lembrou até o Mike, o frango que vivia sem cabeça.

Os cientistas não conseguem explicar como as lesmas-do-mar sobrevivem sem órgãos vitais até que criem novos, mas uma possível explicação é que elas podem usar cloroplastos das algas que comem para se sustentar por meio da fotossíntese, até que seu corpo se regenere completamente. Essa é apenas uma teoria, porém, que ainda precisa ser provada como verdadeira.

Sim, pq além de cortar a própria cabeça para pegar um corpo novinho no melhor estilo do “Golpe do seguro”, esse é o único bicho conhecido na natureza que também faz FOTOSSÍNTESE!

Quanto ao propósito dessa bizarra, mas notável, autoamputação, os pesquisadores acreditam que é um mecanismo evolucionário que permite que as lesmas do mar se libertem dos parasitas. Todas as lesmas do mar que cortaram suas cabeças durante este estudo estavam infectadas com algum tipo de parasita, do qual eles se livraram com sucesso após descartar seus corpos. Em contraste, nenhum dos livres do parasita sequer tentou essa forma de autotomia.

“Achamos que essa autotomia exige um grande custo (perder 80% do peso total) e os mais velhos simplesmente não conseguem suportar o fardo. Então a autotomia pode parecer uma escolha ‘boba’, mas os antigos morrerão logo de qualquer maneira e pode haver uma chance de sobreviver e regenerar um corpo livre de parasitas.”

Mitoh e Yusa continuarão a estudar esta nova e intrigante forma de autotomia em ambos os tecidos e níveis celulares, e também investigar se este fenômeno ocorre em outras espécies de sacoglossans.

A lesma do mar que decepa a própria cabeça

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!