Jurado de morte – parte 3

-Quem tá aí? -Zé Walter resolveu gritar.
Não houve resposta. Apenas mais um soco na porta do quarto. Fosse quem fosse, não estava interessado em conversas.
Zé se desesperou. Só podia ser o bigodudo do opala preto.
Zé Walter voltou na janela. Olhou lá pra baixo novamente. O opala ainda estava lá.
A porta do quarto era esmurrada com violência. Subitamente ela recebeu um enorme baque e chegou a envergar no meio. Zé pegou o telefone e tentou ligar para a polícia.
Sem sinal. Alguém havia cortado o fio do telefone na sala.
Zé olhou ao redor, pensando em como fazer para escapar. Pensou em passar pela janela e andar no parapeito, mas ele era muito estreito. A morte seria certa. Pensou em se esconder sob a cama, mas aquilo pareceu-lhe ridículo demais. O cara certamente estava de tocaia e sabia que ele estava na casa. Chegou na janela e começou a berrar como um louco por socorro. Mas ninguém parecia ouvir. A porta continuava a ser socada e chutada e ao redor da maçaneta uma enorme rachadura se formou. Zé estava atrás da cama quando a porta finalmente cedeu. Do outro lado, estava o homem do opala preto, segurando uma escopeta.
-Perdeu, filho da puta! – Foi só o que ele disse.
O homem puxou o gatilho da escopeta, mas Zé Walter saltou antes, caindo dentro do banheiro.
Zé levantou e tentou fechar a porta. Mas o assassino enfiou o pé entre a porta e o batente. Zé fez toda a força que podia para tentar fechar a porta, mas o bigodudo era extremamente forte. Ele deu um empurrão na porta e Zé tropeçou no tapete embolado. Caiu por cima do vaso sanitário.
A porta do banheiro se abriu lentamente.
O homem entrou, vestindo uma jaqueta de motoqueiro. Seus óculos Ray Ban de aviador, contrastavam com o bigodão grisalho. O assassino não disse nada. Apenas entrou segurando a escopeta. Nas mãos, Zé viu que ele usava luvas cirúrgicas.
-Porra, porra, caralho. Não fode, não fode… – Era só o que Zé conseguiu articular.
O homem da jaqueta preta lentamente apontou a arma na direção dele.
-Na cara não. – Implorou, cobrindo o rosto com as mãos.
O bigodudo do opala parecia alheio a todo aquele sofrimento. Continuou apontando o cano preto na direção da cara de Zé.
O dedo recoberto com borracha esfregou-se sensualmente no gatilho da arma. Zé fechou os olhos e não teve nem tempo de pensar em nada.
Bum! Estourou a cabeça, espalhando sangue e pedaços de miolos nas paredes.
O corpo de Zé agora jazia no banheiro, com o que sobrou do seu crânio enfiado no vaso sanitário. O resto estava escorrendo pelo azulejo branco, tingindo a parede de rosa e se acumulando sobre as pastilhas, no chão banheiro.
-NÃO! -Zé acordou berrando, banhado em suor. Levou dois ou três segundos para se conscientizar que não estava morto no chão do banheiro, mas sim empapado na cama, suando em bicas.
E então, quando ele se deu conta de que havia dormido, e tudo aquilo era um sonho, sentiu-se maravilhosamente feliz. Pegou o cigarro no criado mudo e foi até a janela. Acendeu o cigarro e na primeira baforada que deu, viu parado lá em baixo o opala preto. Na mesma vaga do sonho.
Aquilo o assustou. Foi aí que ele ouviu um soco forte na porta. E dessa vez não era sonho.

CONTINUA…

Related Post

7 comentários em “Jurado de morte – parte 3”

    • Hahahaha. Leitor viciado é foda. Po, cara. Tá todo mundo de férias.
      Inclusive eu, e vc quer que eu fique igual um escravo atualizando o tempo todo? Eu tô atualizando uma vez ao dia, porque a primeira dama ta cheia de compromissos sociais que exigem minha presença.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares