Comida feita no óleo de esgoto – Mais nojeira direto da China

Compartilhe

A cada dia que passa surge uma coisa nojenta na China. É sopa de cobra, morcego, sapo vivo no prato, sangue de cobra puro, insetos no espetinho, gente comendo feto humano, carne falsificada, ovo falsificado… A cada  novidade gastronômica bizarra, eu acho que “chegamos ao fundo do poço”. Mas ao que parece, o poço não tem fundo. Saca só o grau de bizarrice:

 

inline 3 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China
Mais estranho que comer cavalo marinho no espetinho

Comida feita em Óleo de esgoto

D173A91C7D76 21 1024x768 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China
Deu fome?

Diariamente, milhões de pessoas se alimentam de “comida de Rua”. Na China então, isso é MEGA comum, e para tudo que é lado tem gente fritando coisas na rua. Realmente, amigos meus que já foram lá dizem que certas comidas de rua na China são deliciosas. Outras, podem causar espanto, porque não estamos acostumados a ver gente vendendo aranha empanada.

fritinha Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China
Um vendedor de aranhas fritas posa com uma aranha enquanto espera clientes na estação de ônibus em Skun, província de Kampong Cham, no leste de Phnom Penh. Ele cobra 4 reais por 10 aranhas fritas, que vêm temperadas com alho. Os aracnídeos do tamanho de uma mão fechada, são crocantes por fora e tem gosto de frango gosmento no interior.(Xinhua / Reuters)

Acontece que para cozinhar, o comerciante de rua muitas vezes usa o chamado “óleo de esgoto”.

Trata-se exatamente do que o nome diz. Esta gordura é coletada no esgoto! Mas não só lá. Eles também compram gorduras de fontes de pouco apetitosas, como graxa de matadouros, subprodutos da limpeza de caixa de gordura dos restaurantes e assim por diante…

Toda essa gordura é processada e vai passar por algumas etapas que as fazem parecer com o óleo convencional.

Tudo começa com um maluquinho como este aqui em baixo, que vai coletar uma lama oleosa de um bueiro de esgoto! A imagem é um frame de um video feito por um morador da cidade de Shenzhen.

china slop1 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

chinas ministry of health just inadvertently green lighted the gutter oil industry Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

swill cooked dirty oil 3 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

 

Essa gosma do esgoto vai parar na comida, mas antes, ela segue para um processamento em uma instalação subterrânea escondida dos olhos de curiosos. Ali ela irá ser misturada com outras gorduras animais. Depois de filtrada, será fervida em grandes tonéis.

oil 461 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

0013729e784910e4a19809 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

 

 

Tente imaginar o cheiro NAUSEABUNDO desse lugar!




gutter oil Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China


No final do processo, a gordura reciclada é vendida em galões como “óleo de cozinha” e chega aos vendedores ambulantes e proprietários de cafés a céu aberto por uma rede de revenda própria, clandestina. Os ambulantes preferem comprar este óleo porque ele é mais barato e isso lhes permite aumentar suas margens de lucro, historicamente pequenas.

O problema maior com o óleo de esgoto da China, nem é a questão de ser nojento, já que o conceito de coisa nojenta é cultural.

Por exemplo, um judeu pode achar o cúmulo da nojeira comermos a orelha de um porco numa feijoada. Um seguidor do hinduísmo pode vomitar só de imaginar uma picanha sangrenta do seu churrasco. O problema do óleo de esgoto é que como grande parte dele é obtido clandestinamente de esgotos variados, (em boa parte é gordura humana de cabelos e pele que se acumula) ele vem contaminado com diversos metais pesados e outras substâncias, algumas delas cancerígenas, que não são reduzidas no seu “processamento”. Certas substãncias podem até se tornar mais perigosas ainda sob a alta temperatura. Sem falar nas que são adicionadas para “tratar” a gosma.

Aqui podemos ver o video do Óleo de esgoto.

Outras versões de óleo de esgoto utilizam pedaços de carcaças descartadas de animais, gordura animal e peles, órgãos internos, e carne de baixa qualidade ou mesmo pedaços vencidos de carne, a maioria podre,  (é isso que os guardinhas estão destruindo ali no video)  que são cozidas em grandes cubas, a fim de extrair o seu óleo. 

É um bom negócio! O óleo de cozinha usado pode ser comprado por entre 859 e 937 dólares por tonelada, enquanto um produto limpo e refinado não sai por menos de 1.560 dólares por tonelada.

Assim, há um grande incentivo econômico para produzir e vender o óleo de esgoto. Estima-se que cerca de um em cada dez pequenos estabelecimentos de alimento da China use óleo de esgoto!

Considerando que é na China, isso é coisa pra dedéu!

aaaa103228419 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China
Polícia investiga depósito de óleo de esgoto

O primeiro caso documentado de óleo de esgoto foi relatado em 2000, quando um vendedor de rua foi encontrado vendendo óleo suspeito que ele disse que obteve no lixão de um restaurante.

Em setembro 2012 , uma investigação (ainda em curso) sobre a suspeita de uso de óleo de esgoto como matéria-prima na indústria farmacêutica chinesa foi revelado.

0019b93bd68d0fe11a6501 Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

Trata-se de um problema grave, uma vez que por natureza, a comida chinesa é geralmente muito dependente do óleo.

A China consome cerca de 22,5 milhões de toneladas de óleo de cozinha por ano, e, tanto quanto uma de cada dez refeições dos restaurantes foi feita em óleo de esgoto, diz  He Dongping, professor da Universidade Politécnica de Wuhan, à mídia estatal no ano passado.

Como a maioria dos alimentos são fritos, o impacto do custo do óleo é significativo na planilha de gastos de um empresário. A situação se torna mais grave uma vez que é difícil distinguir óleo de esgoto já processado de óleo legítimo. Água sanitária  é usada para transformar a cor escura do óleo de esgoto processado, clareando-o. Depois, aditivos alcalinos são usados para neutralizar o pH anormal causado pelas elevadas taxas de gorduras animais . Não se sabe ao certo quanta química é empregada na transmutação de óleo de esgoto em óleo vegetal fake.

%name Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

 

Pode haver de tudo ali dentro, sendo que só agora começaram os testes para saber o que isso pode estar causando nas pessoas que o consomem.

Óleo de esgoto tem demonstrado uma altíssima taxa de toxidade. Os efeitos mais brandos são a diarréia e dor abdominal. Há também relatos de que o consumo a longo prazo desse óleo pode causar câncer de estômago e fígado, bem como deficiências de desenvolvimento em recém-nascidos e crianças.

oleo Comida feita no óleo de esgoto   Mais nojeira direto da China

Testes de algumas amostras de óleo de esgoto apreendidas, revelaram vestígios de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos ( PAH), um perigoso poluente orgânico capaz de causar câncer. Há também  aflatoxinas ,  um grupo de micotoxinas produzidas por muitas das espécies do fungo Aspergillus.  Estas substâncias são tóxicas, ligando-se ao DNA das células provocando uma inibição da replicação do DNA. São causadoras de câncer em humanos e outros animais.

Zeng Jing do Hospital da polícia de Guangdong, disse que o  óleo de esgoto  composto de restos de animais,  gordura vegetal e resíduos de óleo refinado passará por ranço, oxidação e decomposição após a contaminação, e produzirá no processo, substâncias tóxicas como o arsênico. Tudo isso será ingerido por pessoas sem imaginar que estão se envenenando. 

As autoridades estão empenhadas em desbaratar as quadrilhas do óleo de esgoto. Até o momento, já foram feitas mais de 2.000 prisões, mas apesar disso, é como dizem, o “buraco é mais embaixo”. He  Dongping diz a um entrevistador  do China Youth Daily que  “pode levar dez anos antes de o país solucionar o problema do óleo de esgoto”.

Realmente, não sei onde que este mundo nosso vai parar. Mas uma coisa que eu pensei que é de arrepiar os cabelos é: No Brasil também temos esgoto, ganância e muitas pastelarias! Nada impede que uma pratica similar já esteja ocorrendo por aqui.

Bom apetite!

fonte fonte fonte fonte

Artigos relacionados

73 comentários em “Comida feita no óleo de esgoto – Mais nojeira direto da China”

  1. Parece que serei o primeiro. Bem, a China finalmente criou seu programa de controle populacional, envenenando a turma – para variar – mais pobre. Diferenças culturais à parte (alguém vai insistir nisso, como no post da Índia e a cremação dos corpos), essa é uma questão de saúde pública… ou da falta dela. As “autoridades” sabem do problema, conhecem as dimensões e, a julgar pela “inspeção” retratada na foto, não estão nem ai. Quem for comer que se preocupe.
    De longe a China é um bom (ou seria mau?) exemplo do que um planejamento populacional bem feito poderia ajudar, quando os recursos naturais começam a escassear. Volto a afirmar: não se trata de genocídio, nem de eugenia. Trata-se sim de constatar o óbvio: não existem recursos materiais para suprir a necessidade de tantos!
    Não se trata de sair matando ninguém, mas sim programar, com consciência, quantos virão ao mundo. Há, mas e se fosse com você, dirão alguns. Eu responderia: é justo trazer alguém ao mundo para sofrer na miséria? Penso que não. Sou favorável a um controle de natalidade sério, onde cada família precisaria planejar, devidamente orientadas, claro, quantas pessoas poderiam colocar no mundo, observadas as necessidades de vestuário, alimentação, remédios, educação e por aí vai.
    Sei que nem todos concordam, mas vamos observar as opiniões.

  2. Aí é problema de saúde pública mesmo.

    Uma coisa é querer comer rato, morcego, aranha, insetos, etc e outra é querer comer ovo, mas acabar comendo um composto químico que imita ovo. Querer comer frango e acabar comendo rato. Querer comer peixe e acabar comendo gato. Aí é enganação, fraude…

  3. Mas se eles tratarem isso que nem trataram o caso do leite contaminado, a galera que coleta esse óleozinho legal aí vai tudo pra terra dos pés juntos. Assim como aconteceu aqui no Brasil, andaram fraudando o leite na China, colocando soda cáustica, bicarbonato e outras coisinhas pro leite “render”. Os donos da fábrica pediram desculpas mas não adiantou muito não: foram fuzilados.
    Nesse caso aí, acho que as autoridades não sabem ou são coniventes. O povo aposta na China como próxima nação dominante, mas eu acho que antes disso eles vão meio que naufragar nesses problemas todos…

    • Amiga, como sou interiorano do Estado de São Paulo, conheço muitos produtores do chamado “leite caipira”. E posso afirmar que ele é de boa qualidade, sim. O que se adiciona ao leite “in natura” é peróxido de hidrogênio (a velha e boa água oxigenada), e um alcalinizante, não necessariamente a soda caustica, para corrigir o PH do leite, impedindo que ele fermente e acidifique (alcalinizante), e se mate algumas bactérias presentes (H2O2), desde a coleta. Tanto é que o “povo da roça” está aí, vivo e forte para contar.
      Para aumentar o “volume’ do leite, os produtores desonestos adicionam água mesmo, e o soro do leite, que é um subproduto do leite que foi usado para fazer queijo. nada prejudicial à saúde, mas que aumenta os lucros.
      Você mesma deve ter tomado leite “batizado” sem o saber, e nem por isso morreu, ou teve problemas sérios.
      Agora, a turma dos chineses leva a “malandragem” à um nível nunca antes imaginado por muita gente!!!

        • Nesse caso, tem que matar mesmo. Em termos de volume, não é economicamente viável que se adicione produtos caros, como a água oxigenada, e algum alcalinizante, mesmo que na proporção de 10% do volume total do produto. Imagine a situação: para cada cem litros de leite, você teria que acrescentar ao menos cinco de peróxido, e cinco de alcalinizante, para obter apenas dez litros a mais de “leite”. Não compensaria. A proporção era muito pequena, e atualmente, com a mecanização da ordenha, e padrões de controle mais rígidos, praticamente não há necessidade de se adicionar conservantes para estabilizar e manter o leite. Já em termos de adulteração, tudo é possível.
          Mas esse pessoal que adultera produtos não pensa que alguém próximo, familiar, amigo, conhecido, possa se utilizar do produto falsifica? Ou até mesmo o próprio falsificados, no caso de medicamentos, por exemplo.

  4. Eu desde que vi numa pastelaria o pastel cair no chão e o cara pegar e pôr de volta na vitrine jamais comeria nada de origem chinesa. Eita povinho porco e cruel com os animais Vejam quantas mortes nesses espetos, cada vidinha linda destruída por puro capricho. Outro dia vi reportagem do cérebro de macaco vivo servido à mesa… E a dor do bichinho? Nada pra eles… Quase surtei ! Eles não respeitam a vida!

    • Citando: “…cada vidinha linda destruída por puro capricho.”. Lieuzinha, pelo jeito você não conhece nada da China. Primeiro, eles não fazem isso por capricho, não. É por necessidade, mesmo, já que a comida por lá, entre a maioria da população é escassa e muita gente passa fome. E por acaso a “vidinha” de um cavalo-marinho é mais “lindinha” do que a de um lambari fritinho, que nós, brasileiros, tanto apreciamos, acompanhados de uma boa cerveja?
      entenda, eles comem o que encontram por necessidade, não por “estilo”. Tá certo, há quem procure coisas exóticas, e pode pagar por elas. mas a maioria está mesmo morrendo de fome e “matando inseto à dente”.

      • Em tempo: deixe para surtar depois, e me responda: se você é da turma “natureba”, e vegetariana, por acaso uma planta deixou de ser um ser vivo? Plantas também não podem “sofrer”? Então, pare de comer qualquer coisa viva, e passe a se condoer de todo ser vivo, e não apenas do ramo animal da natureza. Os vegetais também merecem consideração!!! Pelo menos, soaria mais coerente!!!

  5. A China nunca me surpreende com sua “culinária”.Acho que se um dia aparecer dizendo que na China andam comendo defunto , eu realmente não irei me assustar.

  6. Isso me fez lembrar de um japonês que inventou um tipo de carne de… (eca!!)… cocô. Fezes de humanos, retiradas dos esgotos da cidade, que são transformadas em carne. Inclusive, o Philipe postou aqui sobre isso.
    http://www.mundogump.com.br/confirmado-o-mundo-esta-ficando-cada-vez-mais-maluco-vamos-comer-merda/

    • Pedro, essa história é um “hoax” já identificado e reconhecido. Do que sobra da digestão humana, pouca coisa é nutriente, e acrescentar o que falta à “comida” ficaria mais caro que a própria!

  7. rapaz, sem comentários! deve ser por isso e pelos casos relatados de coisas bizarras que so acontecem na china que pode-se ter uma justificativa! quando vemos aqueles casos de criancas com alguma doenca bizarra ou pessoas q desenvolveram alguma bizarrice ao longo da vida deve ser no fim das contas por causa dessas coisinhas! imagine ter q controlar a ganancia e a mafia num territorio que tem pra mais de 1 bilhao de pessoas em cima! sem condicao! nós aqui com menos de um quinto da populacao e territorio muito menor nao conseguimos conter certos esquemas, é leite com formol, comidas com vencimento alterados, etc, etc..

    Só pra finalizar, nao me espanta mais nada vindo de la!! depois dakele caso que descobriram pedacos de frango vendidos que tinham sidos abatidos na decada de 60, 70, o resto é fichinha.. pra relembrar esse caso bizarro: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/07/policia-desvela-rede-que-vendia-frangos-vencidos-ha-mais-de-40-anos-na-china.html

  8. Não dá pra comentar da china sem antes saber o que se come no Brasil.

    Quem aqui põe a mão no fogo pela alimentação no Brasil?

    Faz muito tempo, em uma empresa, foi implantado o almoço para os funcionários. Nas entrevistas que se seguiram, um fornecedor de um restaurante falou que tinha como fornecer a ração.. ops.. o cara sacou que usou a palavra “ração”. E ficou sorrindo meio sem graça querendo fazer graça.

    Desde o dia que tomei conhecimento dessa história, prefiro nem saber de onde vem a comida. Evito locais sujos sim e comer na rua, mas não vou atrás da procedência da comida. Fico com a consciência mais tranquila.

    • Atitude curiosa, a sua Paulo, e pouco recomendável. Quer dizer que você aceita ser enganado, desde que não saiba como isso acontece? E esclarecendo outro ponto, o termo “ração”, dependendo do contexto, não significa alimento de pouca qualidade, ou mesmo destinado à animais. No jargão militar, soldados em campanha levam suas “rações” para, no mínimo, três dias de incursão. Pessoas que se aventuram na natureza costumam carregar consigo “rações de sobrevivência”. Essa ração é um tipo de alimento simples, que pode ser conservado facilmente e que fornece as calorias necessárias para se sobreviver. Nada “gourmet”, mas que cumpre sua função. Somente isso.

      • John, quem aqui vai atrás da procedência de TODA comida consumida por si? Quem, QUEM, me garante que todo local que eu vá comer tem boa procedência e manejo do alimento? Vamos tomar como exemplo o McDonald’s. Para mim, e um exemplo de eficiência em restaurante, mesmo com algumas pessoas achando que a comida de lá tem gosto de plástico. Mas notei que alguns atendentes manuseiam dinheiro e comida. Outros tocam a comida sem luvas. Alguém pode argumentar que uma mão asseada é tão eficaz quanto uma mão com luva. Mas não aceito isso. Esse foi um caso que preferi ignorar e me deixar enganar.

        Eu jogava RPG. Meus personagens, quando iam se aventurar, levavam rações… rsrsrs… Concordo na mudança do contexto da palavra ração. Mas o cara usou em tom pejorativo, jocoso, depreciativo. Havia outras palavras que ele poderia ter usado, simplesmente comida, por exemplo… Mas não, usou ração…

        Hoje em dia, quando a comida não tá boa, falo foi devido a ração não ser whiskas… rsrsrsrsrsr

        • Realmente, creio que ninguém vai atrás da procedência dos alimentos, de forma metódica e calculada. Muitos sequer notam o prazo de validade das coisas nos supermercados. Mas pessoalmente prefiro não me conformar com isso, e procurar saber como é o lugar onde vou comer, e como é a comida preparada, sempre que possível. Não sei se ainda está na moda entre as “selebridades” (sic) trazer de casa a própria alimentação, nos velhos moldes da boa marmita. No mais, estamos de acordo!

    • Tem um ditado conhecido no Brasil que diz que se você for na cozinha você não come no restaurante. Certamente que em um ou outro, isso não se aplica, mas no grosso… Meu, que nojento. recentemente a vigilância sanitária achou carne podre nas geladeiras do Copacabana Palace. O turista paga O OLHO DA CARA para comer carne podre. Pode isso Arnaldo?

      • O ditado é: “passado de mulher e cozinha de restaurante. Se você conhecer, não come!”. Sem conotação machista, tá.
        Certo mesmo está o Prof. Mario Sérgio Cortella, que em uma de suas palestras, disse que a maior prova de que as pessoas estão enlouquecendo, ou coisa parecida, está no fato de que a família se reúne no domingo e saem para procurar um restaurante que faça… COMIDA CASEIRA, em vez de a preparar em casa!
        Por essas e outras, também não levo muita fé nos tais “produtos orgânicos”. Primeiro, que não se sebe até que ponto são mesmo “orgânicos”; segundo, que não dá para se ter controle preciso sobre qualidade de água, insumos e manejo de tais “culturas”.
        O ar está poluído; a água está contaminada com um sem-número de produtos químicos, até mesmo hormônios, que as pessoas consomem como medicamento, e depois deixam os restos e metabólitos no vaso sanitário, que vai direto para o rio.
        Tá meio difícil ter esperanças de melhorias. Mas é curioso: atingir essas coisas pode fazer o feitiço se virar contra o feiticeiro: os próprios causadores posem ser atingidos… ou será que sabem algo que não sabemos?

        • John, não me lembro bem, mas li uma reportagem que alguns produtos “orgânicos” não poderiam ser consumidos pois estavam contaminados por um fungo. Esse fungo apareceu pois não foi usado um pesticida necessário para eliminar a praga. Algo tão simples, mas que passa desapercebido, principalmente para o povo que faz o “escarceu” propagandeando quanto produto orgânico é bom.

          A verdade é que ninguém quer comer algo ruim, mas há certo procedimentos que são necessários pra poder alimentar uma população que cada vez aumenta mais.

          E passado de homem é mil vezes pior que de mulher. Já ouvi relatos cabulosos de prostitutas.

          • Concordo, Paulo. Precisamos aprimorar as técnicas e produtos para o controle de pragas, e melhoria da produção, sem que isso prejudique a saúde das pessoas. Ir na contramão seria retrocesso, seria involuir. E duvido que alguém queira voltar ao arado puxado por animais… se bem que em alguns lugares ele ainda existe.

  9. Se for analisar bem, não tem muita diferença entre as porcarias consumidas na china e os conhecidos “churrasquinhos gregos” (döner kebab) e outras porcarias vendidas às toneladas em grandes cidades brasileiras. Churrasquinho de gato, cachorro quente dividoso e muitas “cositas” mais que os brasileiros consomem fariam muito chinês salivar, com certeza!

  10. Tem umas coisas no Brasil que são meio ridículas, por exemplo: agora é moda consumir alimentos orgânicos, supostamente sem aditivos e “mais saudáveis”… só que aqui não existe certificação controlada em padrões internacionais para o que é “orgânico”, então, fica tudo na base da confiança entre o produtor e o consumidor.
    Trocando em miúdos: se o cara quiser pegar aqueles moranguinhos mais mirrados da plantação, cheios de agrotóxicos e tudo mais que tem no morango comum e etiquetar como “orgânico”, ele pode, tranquilamente que não vai aparecer ninguém para prendê-lo por fraude. Não tem fiscalização para isso.

    • “Produto orgânico” no Brasil, na grande maioria das vezes, significa de baixa qualidade, pouca quantidade e absurdamente caros. Mas, como tudo o mais no país, se tem quem pague, porquê agir diferente?

    • Aline, imagine fiscalizar cada plantação de cada produtor, pelo país afora. Impossível e impraticável! Dependeria da honestidade de cada um, para não fazer tal coisa. Mas essa é outra história!!!

  11. AUHhuahuahua Eu estava em Shenzhen ontem e comi espetinho na ruaaaaaa aahuahuahuahuahuhua Ai vc me quebra, Philipe!

    Mas falando com pé no chão, realmente a higiene por aqui é algo “dispensável” para eles. Já fui em restaurantes que você joga os restos de comida no chão, as pessoas entram e saem pisando em tudo, cospem no chão, e de quebra a mulher limpa a mesa com o pano que tava usando pra limpar o chão. Mesmo assim vc continua comendo lá. É a cultura de ALGUNS LUGARES.

    Realmente eles comem coisas estranhas que são vendidas nas ruas. Porém a maioria delas são só exoticas, ao invés de assustadoras (como essa aranha empanada). Você encontra tofu fedido, espetinho de tentáculo de polvo, sopas em potinhos, espetinhos de carnes de todo tipo, macarrão frito na hora… Esse é o tipo de coisa que se vê com frequencia. Escorpião no palito, aranha empanada, cavalo marinho no espeto, carne de cachorro, são coisas extremamente incomuns e não são consumidas pela população geral.

    Que fique claro que a higiene duvidosa é algo da classe menos favorecida da China. Quando você pula para a alta sociedade, a higiene supera os hábitos europeus, chegando ao ponto de eles não fazerem comida em casa pelo receio de que cozinhar suja tudo. É algo normal para eles viverem com esse tipo de dia a dia, mas generalizar é complicado.

    • Citando: “…É a cultura de ALGUNS LUGARES.”. Rodrigo, por mais boa vontade que se tenha, certas práticas de alguns povos não podem ser desculpadas sob a ótica de “cultura”. É barbárie mesmo, e da grossa! Além do mais, se falta de educação, de higiene e de honestidade forem “atributos culturais”, no Brasil com sua corrupção onipresente tá tudo certo, pois seria um “fator cultural”. E o que dizer então das meninas que são mutiladas em algumas tribos africanas, tendo os clitóris removidos sem anestesia, sem esterilização e com o uso de lâminas de barbear! Dá para usar a desculpa da “prática cultural”? Penso que não. Alegações como essas me faz pressupor que quem as usa o faz porque pode se beneficiar com isso, ou mesmo para justificar atos que pratica. Não é possível aceitar isso em pessoas minimamente civilizadas. Na China, com essa mutretas; na Índia, com o costume de cremar, ou mesmo jogar corpos nas águas do mesmo rio onde outros se banham e tomam a água; nos países islâmicos, com a submissão das mulheres que nem podem andar sozinhas nas ruas, sem o marido, ou um homem que seja parente próximo. Isso é “cultura”??? Se for, prefiro me tornar selvagem!

      • Em tempo, Rodrigo, mesmo que a “zelite chinesa” nem mesmo faça sua comida em casa, para não se contaminar, quem garante que não comerão produtos de fornecedores duvidosos e canhestros, como o caso em que se apreenderam pés de frango, um petisco tradicional por aí, vencidos desde a década de 60!!! Eles eram vendidos tanto nas barraquinhas de rua quanto nos restaurantes sofisticados, pelos malandros, sem distinção de classe social. Não existe uma barreira clara ou definida, que possa “blindar” os mais ricos de serem atingidos também por essas práticas criminosas. Daí o fato de punirem duramente os malandros, com a morte. Algo bem diferente do nosso “Brasil-sil-sil”. E olha que a copa está chegando, e todos os problemas serão “esquecidos” temporariamente.

      • rapaz, por essa otica, entao qual seria a cultura mundialmente aceitável? qual a visao que vai ser mais “correta”? querendo, aceitando ou nao, tem coisas q simplesmente sao culturais, sejam elas horriveis, abomináveis, selvagens etc!.. o que é impossivel é delimitar um parâmetro pra dizer que o seu ponto de vista e cultura é melhor ou pior do que o outro! da mesma forma que na índia o boi é considerado um animal sagrado, portanto, elemento da cultura do país, o que eles achariam dos nossos modos de criaçao de gado e dos abatedouros? será que algum indiano que nunca pisou aqui se sentiria bem ao entrar num açougue e ver trocentas peças do animal q eles julgam e tratam como divindade? entao, se fóssemos julgados por eles tb seríamos considerados demônios, bárbaros por fazerem isso que por aqui é completamente natural e sempre foi.. como tb seria chocante pra qualquer um ir na propria china e ver pessoas comendo carne de gato, cachorro, cobra, rato, etc… a propria corrupcao q vc citou vira logo sinônimo de “jeitinho brasileiro” que mta gente acaba dando pra poder se dar bem.. e quem nao o faz, é o trouxa, o mané, o otário.. imagine qual julgamento que algum árabe de um desses países mais radicais q punem o roubo e a corrupcao com a morte nao julgaria nós aqui? o julgamento feito seria o correto, a visao do “culturalmente aceitavel” pelo ponto de vista dele seria a ideal? logico q nao, até pq nem todos os brasileiros são corruptos, ladroes e nem compactuam desse tal modo! entao, nao há como fazer pre-julgamentos utilizando-se da visao que vc acredita ser a correta.. nao há um ponto de vista e sim diversos, multiplos.. se fosse fácil enquadrar todo mundo num tipo de cultura unica, ideal, perfeita, linda, cheirosa e higiênica o mundo seria padronizado em uma coisa só como desejava Hitler ao idealizar a “raça pura ariana”.. o que presta é o que eu digo que é bom e moralmente aceitável e esteticamente agradável de se ver, sentir e o resto deve ser fuzilado e eliminado pq nao se enquadra no que acredito ser ideal ou simplesmente pq acho escroto.. nao é por ai!!

        • Rodrigo Vieira, você confundiu alhos com bugalhos. Não existe uma “cultura perfeita”; não existe um país “ideal”; não existe um povo “modelo”. Todos tem costumes e tradições que podem ate chocar alguns, mas certas coisas, como a adulteração de alimentos, de medicamentos e coisas desse nível são inaceitáveis para qualquer pessoa medianamente esclarecida. Diferenças, sim, existem, mas daí a rotular tudo como “prática cultural” é exceder o limite do razoável. Ou então poderemos considerar “cultural” a perseguição feita pela Ku-Klux-Klan aos negros nos EUA; o genocídio patrocinado pelo Khmer Vermelho no Cambodja e outras práticas citadas acima, só para não ser repetitivo.
          Se tudo tiver um viés “culturalmente aceito”, então a humanidade estará mesmo condenada, pois se arrumou uma justificativa universal para qualquer coisa! mantenho minha opinião: certas práticas são puro barbarismo, nada possuindo de “cultural”!

      • John concordo com vc nesse sintido sim. Tem coisas que são complicadas de se aceitar rotulando como cultura. Os exemplos de maus tratos que vc mencionou são coisas que vao além de cultura. A questão da alimentação duvidosa na China é cultura sim, já que seja como for, o povo opta por ser assim quanfo poderia estar mudando. Eles sobrevivem desta maneira, assim como eu sobrevivo aqui no meio disso. É irônico mas a corrupção é algo cultural no Brasil sim, já que trocando em miudos nós mantemos isso por escolha e comodismo. Tráfico de drogas na frente de todo mundo, bandido cometendo crime e não ficando na cadeia. Se for pra condenar, isso é mais preocupante que comer comida de origem duvidosa.
        Não esqueça que certas práticas nossas para eles também são condenáveis. Nossos big brother da vida são programas proibidos e vistos como manifestação demoníaca aqui na China. Até mesmo beijar em público é algo repudiado aqui. Isso é cultura. São os valores que cada nação dá de acordo com sua trajetória.
        O ser humano tem direitos como ser humano mesmo. O que está além disso é cultura, aprovemos ela o não.

        • É por aí, Rodrigo C. Mas conforme disse ao seu xará acima, certas práticas, como as que mencionei, nunca poderão ser rotuladas como “culturais”… ou então justificaremos o holocausto nazista como pratica aceitável, já que muitos alemães (não todos, alguns eram até contra) se achavam “superiores” aos judeus. Não, tudo deve ter um limite, dentro do razoável, do aceitável e do possível. Nenhum dos extremos é bom, já que o equilíbrio fica no meio de dois pontos…

        • É por aí, Rodrigo C. Mas conforme disse ao seu xará acima, certas práticas, como as que mencionei, nunca poderão ser rotuladas como “culturais”… ou então justificaremos o holocausto nazista como pratica aceitável, já que muitos alemães (não todos, alguns eram até contra) se achavam “superiores” aos judeus. Não, tudo deve ter um limite, dentro do razoável, do aceitável e do possível. Nenhum dos extremos é bom, já que o equilíbrio fica no meio de dois pontos….

          • John bem por ai. Realmente o mundo seria um lugar bem sem sal de se viver se não existissen diferenças culturais. Realmente extremos são complicados mas diversidade é bem vinda. E eu escrever “sintido” foi lindo. Adoro meu celular.

  12. então além da carne ser falsa, no gioza ter papelão moido invés de carne, é tudo preparado com “óleo de bosta” …

    Só falta o grilo no palito não ser grilo … XD

  13. Ai Philipe, te agradeço por estar ajudando na minha reeducação alimentar, porque cada vez que bate aquela vontade de comer algo frito eu lembro desse post! HAUHAUHUAHAUAUH

    • Cumpadre, não simpatizo com o comunismo, não, mas não acredito também que o regime “faça” alguma coisa com a cabeça dos outros. Assim como os homens-bomba terroristas, creio que eles procuram por pessoas que se identifique com a ideologia, e a partir daí “trabalham” essa pessoa para que ela sirva à “causa”.
      Não consigo pensar que alguém, em sã consciência, dê a própria vida pela causa alheia, quando quem defende tal causa não dá a própria vida por ela. Alguém já viu os “mentores intelectuais” dos terroristas se matando por alguma coisa???

    • o problema é quando se para de pensar nos consumidores como pessoas e começa a ver os mesmos como números, dessa forma tanto faz usar óleo comum, óleo de esgoto ou óleo de carro, afinal o que sai mais barato e da mais lucro para eles é o que importa, afinal números só servem para devolver dólares para eles.

      o que me espanta é que em um local assim tenha gente com a cara de pau de dizer que a China é um país “comunista” sendo que nem socialista essa país consegue ser.

  14. É., galera, o negócio é começar a boicotar esses lanches de ruas e “frituradores” desde já , porque do jeito que a coisa anda logo, logo, teremos isso por aqui também. Porque uma coisa é certa; a gordura das frituras já está sendo reaproveitada para as proprías frituras. já reparou no sabor das “batatinhas dos fast food? Os caras não trocam a gordura (oleo), só vão acrescentando mais conforme vai baixando o nível, com isso ela fica queimada e reduzida e com um gosto horrivel. Compare com uma fritura feita na sua casa e com o oleo usado de primeira vez, é ouro naipe, bom apetite!

  15. Na minha cidade, depois que a população começou a colocar em dívida a higiene dos açougues e padarias dos supermercados ele modificaram as paredes e colocaram vidraças para que os fragueses pudessem ver o que estava acontecendo lá dentro durante o preparo e manuseio dos produtos. Moral da história? Melhorou, o aspécto, limpeza e o cheiro em 100 %.
    Esses chineses são muito porcos, (os daqui do brsil, principalmente) pelo menos para nós que estamos acostumados com outra noção de “limpeza” haha!

    • Pois é Camila, por isso sou vegana!!!! No máximo vou comer um legume ou uma fruta com agrotoxico , mas não vou comer carne podre de nenhum bichinho…

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.