O prato mais horrível da China: Sopa de feto

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

O leitor Carlos Guedes me enviou um email com varias fotos e a descrição de “uma iguaria caríssima e exclusiva” que me deixou preocupado com o destino deste nosso mundo. Ok, o mundo em que vivemos cada vez mais parece com um ônibus desgovernado descendo uma ladeira de favela. Mas olha só pra isso e veja se você não sente vergonha de pertencer à mesma raça humana do cara que faz isso pra vender – e  principalmente do cara que paga caríssimo para comer isso:

EDITADO: A pedido dos leitores eu tenho que avisar que tem fotos grotescas e chocantes à frente. Pense duas vezes antes de clicar pra ver o post. 

Após adquirir o feto no mercado negro, o chef inicia os trabalhos limpando as gorduras e películas aderidas na carne.

O feto escolhido quase sempre é de menina, pois as meninas na China, sobretudo nos lugarejos mais pobres não são bem recebidas pela família. Isso explica o numero gigantesco de crianças do sexo feminino que são abandonadas em todo o país. Graças ao avanço da tecnologia, as mulheres chinesas estão descobrindo cada vez mais cedo se estão grávidas de crianças do sexo feminino. Isso resulta num numero assustador de procedimentos abortivos diversos. Não tardou para que compradores especializados em “carnes nobres” descobrissem no comércio dos fetos abortados um filão. Os chineses começaram a acreditar que como o feto humano contém um grande numero de células tronco, o consumo dessa carne humana traria grandes benefícios para a saúde. Os rumores são de pessoas se curando do câncer a homens impotentes que juram ter adquirido grande vitalidade e potência sexual.  Entretanto, para o melhor aproveitamento, o feto precisa ter uma idade específica (que o email não diz, mas julgo pelas fotos ser um feto entre cinco e seis meses). O procedimento de remoção do feto também deve ser feito com cuidado afim de não danificar a preciosa carne.

Após a triagem, o feto escolhido é misturado a ervas raras e aromáticas, além de temperos especiais, parte de uma receita secreta, que visam maximizar a energia gerada pela ingestão do neném. Carne de frango também é adicionado ao prato, para dar volume, já que o feto é muito caro e tem pouca carne. Além disso, ninguém deseja que o comensal pague caro e vá com fome para casa.

O feto é bem lavado com uma bebida alcoólica que lembra saquê. Ele fica marinando na mistura de saquê, ervas e temperos por algumas horas, para entranhar melhor o sabor.

Após esta etapa, o feto recebe uma rápida fervura e é retirado da água para a remoção do cordão umbilical, que também é comido.

Em variações desse prato, o codão umbilical surge como elemento decorativo, além da placenta, que também consta como ingrediente em algumas receitas.

O neném, a placenta, o cordão umbilical, e os pedaços de frango são então cozidos em momentos separados para que a textura deles fique bastante evidente ao paladar do comensal.

Ao fim da preparação, a sopa de feto está pronta. É importante que o neném não cozinhe demais, pois se ele desmanchar o prato perde muito do seu valor. Os comensais desejam ver claramente o bebê, com o qual costumam até brincar antes de devorá-lo.

Em algumas receitas, o neném é frito em óleo muito quente por um tempo curto, de modo que ele fique tostadinho por fora e tenro por dentro.

Enfim, basicamente foi este o email que eu recebi. Confesso que o email me chocou muito. Mas a última foto disparou um alarme na minha cabeça, porque eu já havia visto esta imagem antes.

Rapidamente, futiquei pela internet e descobri quem é este cara que está comendo o neném aí. Ele se chama Zhu Yu.

EDITADO: Caro leitor, antes de apressadamente querer me avisar que são fotos falsas desse cara, note que EU SEI DISSO. Mas note porém, que a maioria dos sites atribui duas sequências de imagens distintas a uma mesma origem. Veja a preparação do prato de Zhu:

Note que a luz é diferente, ele usa uma camisa azul, é mais gordo, a foto foi feita com flash e o bebê é completamente diferente, tanto no aspecto dimensional como na questão tonal. Até a cozinha difere entre as duas sequencias. Eu não entendo como tantas pessoas no mundo podem ser cegas a essas diferenças e pensar que todas as imagens provém da mesma fonte. Note que com isso, não estou dizendo que as da sopa são reais. Podem ser, podem não ser. Se eu pudesse afirmar isso, eu o faria, mas não posso.

Mas certamente, todas as fotos não são parte de uma mesma sequencia, como todos os sites de “investigação” na web apressadamente dizem.  Há três origens para fotos de fetos sendo cozidos neste post. A do Zhu Yu, a da sopa e uma final, que não achei origem, e que fecha o post. Dito isso, vamos continuar o texto.

O cara é um artista que chocou o mundo anos atrás com uma “obra de arte” exposta no festival de arte de Shangai em 2000, onde ele mostrava  fotos de um feto sendo preparado e comido por ele mesmo.

É fácil de entender porque algo assim causa comoção. A antropofagia é um dos maiores tabus da humanidade, e Zhu resolveu brincar com este sentimento em seu trabalho. Para fazê-lo ele não usou um feto de verdade, e sim partes de bonecas, trabalhadas para parecer um ser vivo frito. No entanto, as fotos da sopa de feto parecem bem mais reais que as duas fotos de Zhu comendo a boneca. Seriam mesmo verdade?

A resposta é que eu sinceramente, não sei.

Mas vamos nos ater a claros elementos que nos dão pistas sobre a índole de alguns chineses.

1- Alguns chineses comem cachorro. Fato.

Para um ocidental, isso soa como uma aberração, já que vemos os cães como animais de companhia e estimação. Mas lá nem sempre foi assim. E isso ocorre em lugarejos distantes. E esses lugarejos estão espalhados por toda a China.Aliás, não só pela china. Vários países orientais se alimentam de carne de cachorro. Eles comem cachorro, rato, morcego e tudo mais. Até aí, do ponto de vista de que somos também animais, é até compreensível. O problema é que eles acreditam que a dor melhora o sabor da carne. E isso abre a porta para toda sorte de crueldade que faz filme enlatado de terror parecer a “Santa Missa em seu lar”.

2- Na preparação do cachorro, eles acreditam que filhotes tem uma carne mais macia. Fato.

O açougue

3- Como a crença popular é que a dor faz o prato ficar mais saboroso, por conta disso, costumam arrancar a pele do cachorro com ele agonizando, ainda vivo e pendurado num gancho. Fato.

4- As pessoas na China gostam de comer a comida fresca. Quando eu digo comida “fresca” no padrão chinês digo uma comida que se mexe no seu prato. Duvida? Olha aqui.  Fato.

5- Os chineses não medem esforços para buscar virilidade. Por conta disso eles comem toda sorte de vermes, insetos, aracnídeos, cobras, bile de urso, pênis de jumento, baleia, tubarão, golfinho, cavalo e tudo mais que se mover, voar, nadar e rastejar. Fato

 

Este animal foi assassinado porque um chinês sentiu dor de cabeça fonte

6- Os chineses acreditam muito na sua “farmacologia tradicional”. Durante milênios os chineses estiveram na crista da onda em termos medicinais. Eles conceberam conceitos avançados que só hoje vão sendo compreendidos e aceitos pela ciência tradicional, como a Acupuntura.  Fato

Ocorre que, há milênios, uma receita que exigia pedaços de arraia era obtida por um sujeito e um barquinho. Como o mundo evoluiu e a população na China explodiu a ponto de se tornar  a maior do planeta, certas receitas antigas se tornaram riscos ambientais. O que antes era obtido com um sujeito e um barquinho, hoje é um navio fabrica usando sonares sofisticados, com redes de arrasto. Algumas receitas de “remédios” exigem coisas esdrúxulas, como a bile de certos ursos. Uma crueldade do cacete. Imagine o estrago causado por uma significativa parcela da população de mais de 1 bilhão e 200 milhões de chineses, que  recorrerem aos “remédios clássicos” sempre que sentem algum problema.

Ursos nas gaiolas onde são feitas as "ordenhas": sem espaço suficiente nem para se sentarem, eles vivem deitados

 

A medicina tradicional chinesa é uma tragédia para alguns dos animais mais bonitos do planeta. Impiedosamente caçados para que seu pênis seja usado como remédio para impotência, os tigres do sul da China estão reduzidos a trinta exemplares. Dos rinocerontes da ilha de Sumatra, cujos chifres abastecem as farmácias chinesas, restam apenas 300. Não impressiona só o massacre promovido pelo curandeirismo oriental. As fazendas de criação de ursos da China são cenário de chocante crueldade. Os animais são mantidos em cativeiro para a extração da bile, líquido produzido pelo fígado. Há 3.000 anos esse é um dos remédios mais populares da medicina oriental. Os chineses – e também seus vizinhos da Coréia, Vietnã, Japão, Malásia e Cingapura – acreditam que o líquido de cor amarelo-esverdeada, que no organismo participa do processo de digestão, tem poderes para curar dezenas de doenças, de problemas cardíacos a febre. Um método doloroso de extração da bile do animal vivo permite aos chineses manter um comércio em escala industrial. […]

É a chamada “ordenha”. Provoca tanta dor que os ursos urram e mordem as patas durante o processo. […]

Recentemente, laboratórios descobriram a existência de um ácido na bile do urso, chamado UDCA, e passaram a sintetizar a substância. Mas poucos chineses aceitam trocar o produto natural por um sucedâneo de laboratório. Não há evidências científicas da eficácia dessa medicina tradicional. O uso se deve unicamente a crendices populares e raízes culturais fincadas no curandeirismo. O tigre é visto como um animal forte e heróico, o que tornaria produtos feitos a partir de seu organismo bons para as deficiências humanas. “Na própria medicina tradicional há dezenas de substitutos para os ossos de tigre, mas a literatura, a ópera e os ditos populares chineses exaltam tanto a bravura desse animal que as pessoas preferem consumir produtos que tenham partes dele nas fórmulas”, diz a médica Huang Lixin, da Faculdade Americana de Medicina Chinesa. É uma lástima.

fonte

Como o caso dos chifres dos rinocerontes, a extinção dos tigres e a desgraça da extração de bile de ursos demonstra, a farmacologia tradicional, que está intimamente ligada à Medicina tradicional chinesa, somada com a ignorância cultural do povo, vem produzindo graves efeitos na natureza. Enquanto a China comunista estava limitada à pobreza nos anos 60 e 70, essa devastação natural vinha limitada ao poder econômico deles, que era pequeno. Quando a China começou a crescer, fazendo coisas baratas para todo o mundo, eles começaram a ganhar dinheiro. De 1980 a 2004 o produto interno bruto (PIB) da China registrou uma média de crescimento real de 9,5%, tornando-a a sexta maior economia mundial. Quando o país começou a crescer, ele passou a ter dinheiro, e com dinheiro, a devastação em nome da farmacologia cresceu de modo exponencial.

Olhando do lado de cá, fica parecendo que todo chinês é um belo dum filho da puta. Mas isso não corresponde com a realidade. Os chineses são vítimas de um sistema totalitário, que ferra com a maioria deles. A grande maioria teria a mesma reação que você e eu ao ver a horrível sopa de feto. E há muita gente que não concorda com atrocidades contra tigres, ursos, tubarões, etc por lá.
Como isso tudo começou? Foi sempre assim?

No caso do cachorro, podemos até dizer que sim. Já na dinastia de Qin (221-24 A.C) ele era usado para alimentação. O cão doméstico apareceu há 16.000 anos no Extremo Oriente, e a ideia inicial era a domesticação para o uso culinário, do mesmo jeito que fizeram com os porcos, galinhas e etc. Segundo manual médico de 1578 – “Bencao Gagmu”, o cão era descrito como alimento que fazia muito bem para os ligamentos, circulação sanguínea e a digestão.

Mas muitos animais estranhos como o morcego e insetos, passaram a entrar no cardápio posteriormente. Ocorre que ao longo dos milênios, o povo chinês passou por maus momentos em sua história. Grandes períodos de fome assolaram a China no passado. Sendo o mais famoso período de fome generalizada  a Fome de 1958 a 1961 ou Grande Fome Chinesa. Este período trágico culminou com a morte de milhões de pessoas na China. A culpa era um misto de erros políticos com ações desastradas do governo, aliados a grandes desastres naturais. Não preciso lembrar que quando o ser humano se vê numa situação de matar para comer, qualquer coisa se torna comida.

Mas será que os chineses chegariam ao ponto de comer gente?

Embora emocionalmente eu prefira descartar essa possibilidade preferindo pensar nela apenas como uma estranha e questionável “obra de arte” de Zhu Yu, racionalmente sei que existem muitos rumores de que a sopa de feto realmente exista.

Quando o ser humano recorre a antropofagia, seja ritualística como os povos distantes da oceania praticavam até o século XIX, ou como os índios tupinambás brasileiros, que comiam os inimigos para obter sua força e coragem, ou ainda como os sobreviventes do desastre aéreo nos andes precisaram recorrer para não morrer de fome, nós compreendemos, afinal são questões culturais e extremas.

Mas na China, os rumores de que pessoas estão comendo gente por simples prazer vem se avolumando.

Um indicador disso é o livro The Seven Surrows of China, que diz com todas as letras que lá se come feto de gente.

O livro descreve como as políticas de controle populacional como a lei que obriga o filho único produziram deformações sociais como a naturalização do aborto. De fato, o aborto na china tornou-se um procedimento corriqueiro como ir a um dentista. Uma solução simples para um problema igualmente simples.

O livro é extremamente bizarro quando trata das bizarrices de uma nação mega-bizarra:

“Novas manifestações macabras dessa mentalidade aborto inconsequente incluem a recente abertura de cinco restaurantes na região de X, que começou a servir a sopa fetal, pelo preço de 4000 yuans (aproximadamente U$ 400) uma tigela!

Recentes publicações médicas têm elogiado a saúde excepcional e benefícios para o consumidor de “restos fetais” (este jargão lhes permite esquecer o que este bebê é realmente um ser humano não nascido). Portanto, os empresários locais aproveitaram a oportunidade para distribuir esta nova descoberta no campo da saúde para os poucos escolhidos que podiam pagar o preço.

É tão grotesco e escandaloso o comércio da sopa fetal que o Governo encerrou os sites de publicidade dos restaurantes, com medo de que eles iriam escandalizar a reputação da República Popular da China para países e investidores de fora.

Eu que achava que a maior bizarrice de lá era comer cachorro, fiquei pasmo ao saber que eles comem bebês. Mas tão louco quanto isso, foi a descoberta das “esposas fantasmas”. O livro explica:

 Esta é a prática de fornecer o cadáver de uma mulher para ser enterrado com um homem morto, de modo que o homem, até então solteiro, possa ter companhia na “próxima vida”. Dessa forma, distribuidores de corpos de mulheres descobriram que os homens estavam dispostos a pagar muito mais para um corpo “jovem” de uma mulher. Assim, o assassinato de meninas, adolescentes e mulheres jovens de localidades pobres e distantes seguiu para preencher a nova demanda das esposas fantasmas fresquinhas.

 

Será?
Será?


Eu não sei se o livro está mentindo ou se a realidade é tão horrenda assim. O que eu sei é que de fato, há uma lei sobre ter filhos por lá.

Um certificado de permissão é necessário para que um casal possa ter um bebê em um hospital chinês. É o governo que diz quantos filhos você pode ter – e quando!

Na cidade, os casais são limitados a uma criança. Nas regiões agrícolas de uma família, se o primeiro filho for uma menina, às vezes pode ser permitido ao casal uma nova tentativa para um menino como um segundo filho, porque os chineses acreditam que um filho “macho” faça falta nos afazeres de uma fazenda. Mas mesmo neste caso, o governo irá controlar quando eles podem tentar o menino. Isso se dá geralmente com um intervalo compulsório de cinco anos após o primeiro filho.

O governo também usa a pressão psicológica para manter a política, que varia de região para região. Dessa forma, um casal deve ir para o hospital com o seu certificado de autorização para poder receber o seu filho. Se eles chegam ao hospital sem o certificado de permissão, os funcionários do hospital fazem contato com a polícia populacional.

Segundo o livro, neste momento, é a polícia que irá decidir, com base nas circunstâncias da família e a história do casal, qual deverá ser o destino da família. No pior dos casos, a criança vai ser injetada com veneno na própria maternidade, o casal vai ser multado e dependendo das circunstâncias e local, eles podem ter a sua casa incendiada. Ocorre também a possibilidade de demissão.

Mas esse é o pior dos casos. Nem sempre é assim. O mais corriqueiro é que a criança não receba o reconhecimento oficial de que ela existe. Sem o “Cartão de Segurança Social Chinês”,  a criança não é tecnicamente uma cidadã, não podendo ir à escola ou participar de qualquer direito de um cidadão. Isso praticamente conduz este indivíduo a uma potencial escravidão em fabricas e indústrias que pagam somas miseráveis aos pais.

Não é raro que bebês acabem sendo abandonados à própria sorte, indo parar numa das mais vergonhosas e ultrajantes “soluções finais” para o problema infantil. Os quartos da morte:

Ao que parece, a sopa de feto pode revelar que os quartos da morte são apenas uma das múltiplas facetas de um genocídio silencioso. Não posso confirmar e nem negar que algumas pessoas estejam comendo fetos na China. Só posso lamentar que talvez isso ocorra e usar este espaço para mostrar essa realidade aos demais. Investigando para o post, me deparei com uma imagem assombrosa que mostra o que parece ser fetos humanos cozinhando num panelão:


fonte, fonte, fonte, fonte

 

EDITADO – Eu ainda estou investigando a origem as fotos da sopa. Essa foto acima não consegui descobrir de onde ela veio. Supostamente ela não pertence a uma série. Ela é possivelmente apenas uma foto do “ponto de venda” de corpos para serem usado em culinária bizarra. Se você olhar com atenção, verá inclusive uma tag hospitalar no pulso da criança, indicação que o mercado negro de corpos está comendo solto.

Eu já consegui uma pista sobre as fotos da sopa. Ao que parece, elas provém de uma matéria jornalística de um cara chamado Juan Treminio, que foi visitar uma familia de canibais na china. O cozinheiro chefe pessoal de um dos canibais chineses informou ao jornalista que desde 2002, havia preparado cerca de 60-70 bebês para o anfitrião.

Observei que embora a concha seja metalica na foto do jantar e a mesa de vidro seja aparentemente a mesma, a aparência da sopa de feto parece ligeiramente diferente nessa imagem e na que mostra o feto escurecido pelo cozimento:

Outro detalhe que me chamou a atenção é a decoração do vasilhame, que não aparece na foto do jantar canibal em familia. Mas talvez seja causado pelo flash. Ou era uma foto obtida em outro dia, portanto, fora da sequencia da sopa de feto.

Os caras tomaram sopa de placenta e serviram o jornalista, que foi documentando tudo em fotos. Aqui está a foto da placenta e a caixinha (é vendido por cerca de U$ 10 por lá:

Nas fotos de Treminio, eu pude ver que fizeram edições grosseiras numa das imagens que mostra o feto. (isso explica o embaçado que um leitor me perguntou) Aparentemente tentaram apagar o buraco feito com a faca para extrair o sangue do bebê. A receita detalhada por Treminio também difere da que recebi no email.As fotos de Treminio (embora reduzidas para a web) estão muito mais nítidas, indicando que são de uma geração inferior as fotos que circulam no email. Isso é um indicio de que ele pode realmente ser o autor das fotos.

Há também esta foto que não mostra o bebê, mas é parte da sequencia original que circula no email:

Vamos continuar cavucando para descobrir se isso é um hoax bem feito ou não.

fonte

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

199 respostas

  1. philipe hj vc se superou com esse post, nunca imaginava q alguém teria a audácia de publicar algo desse tipo…  chocante mesmo.. tem coisas que só vemos aqui no mundo gump!!!

    1. Deus tinha que pezar mais a mão encima deste povo, ridículo que não sabem o que é o respeito,as imagens e semelhança do pai.ai vem está porra de doença do corona viros que eles mêsmo por falta de limpeza e falta de ética,fazem aos olhos nu isso para mim tem nome e eu chamo de pescicopatas, bebês agora meu Deus,onde vamos parar com tanto desrespeito uns com os outros , só tenho uma coisa para dizer,que a irá do meu bom Deus prevaleça sobre este povo imulndo sem temor e sem Deus não coração ,ele tá voltando

  2. porra cara devia ter avisado antes de por essas fotos!
    joga isso pra dentro do post porfavor e avisa “fotos chocantes dentro do post”

    to falando serio sou pai, e muitos leitores tambem, isso desrespeitoso

    1. Peço desculpas a você e a todos os leitores que ficaram horrorizados pelas imagens chocantes. Farei isso (embora esses avisos sempre tenham efeito inverso).

        1. Quem publicou não tem parte com “coiza ruim” e, sim quem pratica…
          O autor da matéria veio abrir nossos olhos para uma realidade que , sem fotos e mais nós não daríamos crédito…..

    2. Não entendo a ojeriza de vocês. É a mesma técnica de preparação de carnes (nobres ou não) de animais de muitos restaurantes. 
      As imagens do acontece nos interior dos abatedouros e frigoríficos são pra mim igualmente e até mais chocantes.
      Muitos de vocês , provavelmente, admiram e  idolatram cultura e medicina chinesa e devem volta e meia comer uns salgadinhos de carne (imagino a origem e processo de confecção) com caldo cana em suas pastelarias e sem nenhum ressentimento.

  3. Noosa!!! pode ser bem verdade sim, porque já ouvir de alguem que alguns indios brasileiros comem a placenta de recem nascidos…. e a ultima foto tenho 98% de certeza que é real….

    agora é rezar para que essa gente não tome o lugar dos eua…. como policia do mundo….

  4. Foi difícil conter a emoção aqui, cara!
    Eu como ser humano não consigo me imaginar sequer perto de uma situação dessa.
    Eu realmente estou chocado. Acho que foi o ápice de algo horrendo que o ser humano pode fazer!

  5. Posso dar uma sugestão??? coloque as fotos escondidas, em um lugar que apenas clicando a pessoa possa ve-las.
    sao imagens muito chocantes, que sinceramente eu preferia nao ter visto, apenas lido o texto…

    1. Paula, eu não tenho como separar as imagens do texto (talvez com um pouco de programação) mas tenho como colocar o leia mais para as imagens não aparecerem na pagina da frente. Eu devia ter feito isso ontem, mas fiquei tão chocado que nem me liguei disso.

  6. Eu estou meio balancando (chocado), mas vou comentar umas coisas que lembrei: o maior sadico-pedofilo-canibal do mundo, o Grey Man que andou comendo umas criancinhas nos EUA na decada de 30, agiu inspirado por historias que ouviu da China (ele tinha o miolo mole e deve ter ficado impressionado), de que la durante uma grande fome as criancas que morriam de pneumonia eram, digamos, reaproveitadas – e o bumbumzinho era a parte mais tenra e saborosa, existindo ate acougues de carne humana.
    Considerando que em 1910 30.000 pessoas morriam de fome por dia na capital chinesa, a coisa procede.
    Na Russia entao, nem se fala, da para fazer uma lista de um quilometro so com casos “horripilentos”…inclusive uma dona que catava os anjinhos NO CEMITERIO e por ai vai…
    Agora, crueldade com animais e uma coisa que deveria acabar. Eles tem inteligencia, sentimento e sao nossos irmaos, pois todos evoluimos da mesma lesma.
    O fato do homem ser uma anomalia natural, que teve o cerebro superdimensionado por mudanca de funcao numa proteina nao lhe da o direito de ser cruel com as outras criaturas. Deveria aproveitar bem tua consciencia para serdes  responsavel, oh humanidade!

    1. O caso do Gray Man é mesmo horripilante, e o mais grotesco é que ele escreveu uma carta, seis anos depois do desaparecimento de uma menina de 10 anos, aos pais dela dizendo como a apanhou, matou e comeu em 9 dias.

      Uma das primeiras marcas da civilização de um povo é se abster de canibalismo e de incesto.

      1. Cara, algo me diz que tem gente comendo gente a pampa por aí. Eu não tenho provas e nem indícios investigáveis disso, mas é uma sensação estranha, permanente. Quando vejo o numero assustador de pessoas que simplesmente somem do nada diariamente, isso me intriga ainda mais.

        1. Sem entrar no mérito, se é ou não um Hoax ou se tudo isso não passa de puro preconceito, você tem uma dúvida que também me atormenta há anos…Pq é que tem tanta gente que desaparece, sem deixar rastros, sem resíduo de corpo, indício de crime e tal??? Quando houve o caso do Bruno x Eliza Samúdio, voltei a pansar nisso e sinceramente, tb acho que deve ter gente comendo gente por aí…

    1. Cara vc indicou como link um dos links que eu usei como fonte do texto. O que o snopes diz é que a foto do cara comendo o feto é um trabalho de arte. E isso eu disse no texto. Mas o snopes não tem como alegar que não se coma gente na china, como faz o livro que eu indiquei e os outros links.
      Ao mesmo tempo, há uma diferença brutal entre as fotos do artista e as da sopa de feto, sobretudo a foto do final do post.
      Como o trabalho de “arte” do cara não era real, muitas pessoas passaram a pensar neste assunto como resolvido, solucionado. Mas talvez não seja bem assim, e é justamente disso que o post trata.
      O fato de alguem ter feito um hoax sobre essa questão, não torna a questão em si uma fraude, do mesmo jeito que ocorre na questão ufologica.

  7. Tem gente que vive dizendo que não duvida de nada que venha da China, da Indonésia ou de outros países da Ásia de etnias e costumes bem diferentes dos nossos. Mas também não é assim. Trata-se de um belo preconceito e uma ignorância contra outras culturas. Vamos ser racionais.

    1. Falou o relativista. Se não é assim é o quê? Rastrear um costume é saber onde ele se manifesta, o preciosismo de querer ser “polido” ao se referir a essas culturas é só seu.

      1. Entendo sua colocação, mas não é o que eu quis dizer. Não questiono se impressionar com uma cultura muito diferente, mas taxá-la de algo extraterrestre me parece demais. Como se não fosse diferente, mas anormal. Como se eles, os diferentes, fossem bichos, e nós humanos.

    2. Falou pouco e disse tudo Apolo. Creio que a falta de conhecimento das pessoas sobre outras culturas desencamba muitas vezes para o “senso comum” e acaba causando um pré-conceito (no sentido literal do termo) exagerado. Monstros existem em todos os lugares, independente da cultura. Não é porque um país tem costume diferente dos nossos que eles sejam canibais malvados que comem criancinhas… faça-me o favor né!?

  8. Phil! Bom dia!

    Vc está de parabéns pela matéria!

    falo sempre pra minha namorada, ser humano é o pior bixo que existe…e a china é o esgoto humano…

    essa matéria eu ja tinah visto algumas fotos etc… porém o que vc escreveu + o video da sala da morte me impressionou muito!

    lembrei até de uma foto que vi a muito tempo de como eles tão nem ai em o que é ser certo ou errado… aqui a foto ( http://2.bp.blogspot.com/_JUozGOYC-po/TRE1BbtQ4VI/AAAAAAAAAf4/GkwIPnOODEg/s1600/feto.jpg )

    Abraços

  9. Phil! Bom dia!

    Vc está de parabéns pela matéria!

    falo sempre pra minha namorada, ser humano é o pior bixo que existe…e a china é o esgoto humano…

    essa matéria eu ja tinah visto algumas fotos etc… porém o que vc escreveu + o video da sala da morte me impressionou muito!

    lembrei até de uma foto que vi a muito tempo de como eles tão nem ai em o
    que é ser certo ou errado… aqui a foto (
    http://2.bp.blogspot.com/_JUozGOYC-po/TRE1BbtQ4VI/AAAAAAAAAf4/GkwIPnOODEg/s1600/feto.jpg
    )

    Abraços

  10. Eu preferiria muito não acreditar. Gostaria demais que isso fosse um hoax daqueles pra escandalizar velhinhas que se passa por e-mail, cuja finalidade é desumanizar uma certa nacionalidade ou etnia com cenas chocantes, e fazer o possível pra apagar isso da minha cabeça, que nem criança que fica repetindo pra si mesma que “é tudo de mentirinha”, quando assiste filme de terror. Já tinha visto as imagens do artista comendo os pãezinhos de feto, lembro desse caso, mas a sequência da “preparação” é nova. Mas o problema é exatamente o que vc disse: tem muito pra ser verdade – ou se não for, para se tormar verdade em pouco tempo – é todo um conjunto de situações que tem tudo pra acabar convergindo num horror desses. Além do senso de moral coletiva (o senso de ética já foi pro vinagre faz tempo), não há mais nada que impeça que isso esteja mesmo acontecendo por aí. Outro dia eu estava vendo um artigo num site de humor que dizia que não importa o quanto absurda seja uma situação que você invente para criar uma piada, a realidade sempre vai, sem o menor esforço, superar a sua mais bizarra criação.  Ignorância tem aos montes, e o politicamente correto que se lasque, mas tem certos grupos nesse planeta que ainda hoje exibem um primitivismo atordoante. Casos de mutilações sexuais na áfrica (não digo só o lance da extirpação do clitóris em meninas, mas também de situações escabrosas onde garotos têm seus pênis amputados para serem usados em poções de feiticeiros), orfanatos na tailândia que são verdadeiros bordéis, ou nem precisa ir muito longe, já que muitos dos nossos folclóricos casos de engravidamento pelo “Boto” podem ser explicados por um certo costume de iniciação sexual paterna que é visto como corriqueiro em certas comunidades. É nessas horas que eu sinto uma necessidade enorme de crer que o inferno existe…

  11. E gostaria de acrescentar: como tem viado comentando aqui, que frescura de ter que colocar e tal. É fake, mas se fosse verdade, seria e pronto, foda-se.

    Quanta gente tosca e hipócrita nesse bloguizinho.

    1. Até o momento, só tem comprovação de ser fake as fotos do tal artista chinês. (que está escrito no post)

      Quando uma pessoa se diz chocada com um ser humano comendo seu semelhante por prazer, ela não está sendo fresca nem dando ataque de perereca. Está externando uma sensação ruim que a matéria passou pra ela.

      É melhor ser honesto e dizer que ficou escandalizado do que fazer como você fez de bancar o “sou foda” aqui.

      1. Concordo, mesmo se for fake o caso dos animais é bem verdade, o problema não é se alimentar de animais, ate porque, animais comem outros animais, o problema a a forma que eles fazem, os bicos sentirem dor, isso é desumano demais, qualquer pessoa que tenha um pingo de consciencia sabe que ninguem deve se beneficiar do sofrimentos dos outros…

  12. Já tinha lido algo a respeito, e não há só isso, há também uma padaria na Tailândia que gosta de “chocar” com um provérbio de Buda.

    “Não acredite em algo simplesmente porque ouviu. Não
    acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito. Não
    acredite em algo simplesmente porque esta escrito em seus livros
    religiosos. Não acredite em algo só porque seus professores e mestres
    dizem que é verdade. Não acredite em tradições só porque foram passadas
    de geração em geração. Mas depois de muita análise e observação, se você
    vê que algo concorda com a razão, e que conduz ao bem e beneficio de
    todos, aceite-o e viva-o.” – Buda

    Aqui há fotos da padaria e de suas “atrações”:

    http://blendup.com.br/9704/artes-design/nsfw-imagens-fortes-padaria-gore/

    1. É óbvio que eu não vou apagar, mas eu gostaria de saber o que te faz pensar que sua sugestão poderia ser aceita. Por que motivos você acha que eu deveria apagar este post? Só porque te chocou?

      Aliás, não é justamente você que entrou certa vez aqui para comentar que os posts do Mundo Gump estavam cada vez mais idiotas e que você não perderia mais seu tempo por aqui?

      Tenho quase certeza que foi você, mas se não foi, desculpa o mau jeito aí.

  13. Primeiro, é fake isso. Segundo, achei o jeito que falou sobre os chineses, generalizando uma raça inteira foi bem exagerado. “Chineses comem cachorro e acreditam que os filhotes tem a carne mais macia”. Bom, você mora no Brasil e sabe que aqui uma das carnes mais apreciadas é baby beef. Isso aí é cultural, eu jamais comeria cachorro, nunca. Pra mim não tem cabimento! Assim como na India nós somos monstros por comer vaca, e imagine só, os bezerrinhos também. Além de boa parte da população adorar comer o estomago de um bode, hein? Meio rídiculo retratar isso como se eles fossem uns monstros, porque é pura cultura. E esses “fatos” que você coloca no fim de cada afirmação que fez tirando de base matérias como a sua na internet estão bem ambíguos.  Tão preconceituoso quanto dizer que brasileira é puta.
    “Por conta disso eles são responsáveis diretos pela morte e extinção de inúmeras espécies de animais. ” – Tanto que tem o jardim dos pandas na China, além de aquários incríveis. 

    Sobre o tema principal, tem todo tipo de merda no mundo, TODO. Em todos os cantos, de todas as nacionalidades, não achei bacana transformar essa filha da putisse do ser-humano como algo chinês.  Perdeu o ponto aí, mas bem… todo brasileiro curte um sensacionalismo, né?

    1. Quando eu digo assim: “Os chineses comem cahorro. Fato. ” – Eu não estou generalizando. Eu só estaria generalizando se eu dissesse: “TODOS os chineses comem cachorro.”

      Não creio que precise desenhar para você compreender que há uma diferença entre uma coisa e outra. Mas eu espero que você concorde com a questão lógica que é impossível falar isso sem citar o que os chineses fazem. è um argumento até ceryo ponto engenhoso dizer que é “cultural”. Para um indiano o churrasco de baby beef é uma coisa tão horrenda como comer fetos. É claro que isso é cultural.

      Só que eu não sou indiano. Eu sou Brasileiro. Eu não creio que brasileiros acreditem que a dor e o sofrimento amaciem a carne, como a cultura oriental ignorantemente crê, e não conheço nenhum matadouro que jogue ´pagua fervente num animal ainda vivo para estimular a dor nele, nem dê pauladas antes de arrancar sua pele viva. Também não conheço nenhum restaurante daqui que sirva um peixe se mexendo no prato do freguês.
      Essas coisas me espantam, e me espantam justamente porque fazem parte de uma outra cultura. Talvez, se eu fosse oriental, acharia um barato a extinção dos rinocerontes para fazer remédio pra broxa.

      Mas eu não sou. Eu não tenho como negar minha cultura. Se eu fosse indiano, talvez eu estivesse escrevendo sobre a crueldade dos matadouros.

      Independente desses frágeis argumentos que atribuem certos horrores criminosos à diferença cultural, eu penso que é inaceitável.
      Eu aceito, por exemplo, que um cara de sumatra coma o cadáver do pai dele numa cerimônia. Mas um sujeito vender um feto para outro comer, só porque este “lixo hospitalar” existe aos montes e dá uma boa grana, acho o cúmulo da bizarrice.
      Quando um leitor se dá ao trabalho de compilar dados e me enviar por email com uma longa carta me pedindo para denunciar, eu o faço, não apenas como um grito desesperado de atenção para problemas cruéis como os quartos da morte, mas também em respeito ao cara que acredita que expondo esses fatos aqui eu possa contribuir para esclarecer se são horrorosamente reais ou horrorosamente inventados.

      Como você bem justificou em seus argumentos, a filhadaputice é inerente ao ser humano, tanto faz ele ser indiano, japonês, brasileiro, americano ou chinês. No caso deste post, fala de um problema chinês. Mas isso não exclui e muito menos melhora a situação dos outros povos. Se você procurar, verá que eu meto o pau em diversos povos, incluindo os nórdicos e aquele espetáculo grotesco de chacina de baleias, que os defensores alegam como sendo “cultural”, ou a farra do boi, que os idiotas mentecaptos também dizem ser “cultural”, ou ainda nas touradas, brigas de galo, ringues de cães, pescando predatoriamente como os japoneses fazem, e etc.
      Eu acho que o povo tem todo direito de se divertir, menos torturando e matando animais e pessoas para isso.

      A questão aqui não é que os caras comem cachorro. Como eu disse no post, isso é assim lá desde sempre. A questão que importa é que os caras – segundo varias fontes – estão comendo carne de gente. E estou questionando sim até que ponto podemos considerar culturais os atos oriundos, direta e indiretamente das atitudes de regimes totalitários sem respeito pela vida humana, como o governo chinês.

      1. E você acha que o hamburguer que você paga pros seus filhinhos no final de semana enquanto passeia no shopping vem de onde? de vaquinhas que morreram dormindo e contando carneirinhos? [Hipocrisia mode on] ¬¬ Se fossemos falar de principios (já que, pelo visto, a unica intenção desse post é gerar sensacionalismo barato) o alimento que você coloca na boca é tão “injustiçado” quanto criancinhas que morreram na china e serviram de alimento. Pelo menos elas não são criadas em cativeiro com esse proposito. Em nenhum país do mundo existe o habito (digo PAÍSES CIVILIZADOS, não uma tribo perdida nos cafundós de um lugar qualquer) de comer gente. Me impressiona que alguém que se diga tão erudito como você ainda faça sensacionalismo com isso.

    2. Ah, se você puder provar que é fake, eu agradeceria muito, já que eu investiguei para fazer este post, e quanto mais eu procurei mais diferenças eu vi entre as fotos do “artista” que indiquei no post e as fotos da sopa. Há também a questão deste livro, que fica tão difícil dizer que é tudo mentira quanto dizer que é tudo verdade, porque o cara foi lá e viu. E eu não fui.

      Então, se você puder provar que tudo isso é fake, vai me poupar um belo trabalho.

    1. Por favor, me mostre as falhas na argumentação para que eu possa melhorar o meu texto, já que dizer que é uma “materiazinha safada” não ajuda em nada. Faça um comentário decente e não um comentário “safado”, por favor.

  14. Matéria completamente tendenciosa e preconceituosa. Dá peso pra conjecturas sem fundamento e se apoia em raciocínios completamente falseáveis. Esqueceu de destacar a evidente imparcialidade do autor de The Seven Sorrows of China, Mark Miravalle, autor quase exclusivamente de obras religiosas! http://www.queenship.org/contributorinfo.cfm?ContribID=40 – nada confiável em matéria de isenção!

    1. Bom, aí estamos supondo que o autor do livro está mentindo. Eu não tenho como negar nem confirmar isso. O fato de ser professor de teologia poderia pesar contra se ele estivesse argumentando que os orientais fazem isso controladas pelo diabo.
      Enquanto ele se mantém questionando as leis do país com relação ao aborto e ao destino dos corpos das crianças, ele está se limitando a discutir fatos que não são teológicos. Eu não vejo porque deveria desconsiderar a opinião do cara porque ele é um pesquisador de assuntos religiosos. Talvez até por sê-lo, terá uma visão totalmente fragmentada no que diz respeito às diferenças culturais e portanto, este assunto poderia chocá-lo mais do que a um antropólogo. Mas no que ele escreveu e eu coloquei no post, não há nenhuma menção a fatores religiosos. Logo, eu deixo a critério do leitor formar uma opinião sobre se o autor está mentindo deliberadamente para justificar pontos de vista religiosos em sua argumentação ou está narrando fatos que viu na China. Como eu disse no post, não fui lá, não vi.

      Outra coisa, se um cara é um teólogo, é natural que escreva sobre o que? Física? Não, né?
      Agora, o fato de escrever sobre teologia faz dele alguém que não pode ser considerado? Isso me leva a refletir sobre até que ponto essa discussão sobre o preconceito e a generalização pode se estender.

      O que eu tenho são fotos que recebi de um leitor, cuja procedência não descobri, e que não parecem fazer parte da série do artista, que também tem fotos misturadas e devidamente identificadas no post.
      O que eu consegui descobrir são sites que dizem que o assunto é falso, mas limitam-se a citar as fotos do artista apenas. E se as outras são o fato real? E se a suposta “arte” do cara é na verdade uma denuncia velada?

      1. Vou começar me desculpando pela reação um tanto violenta ao post – lembrando que a reação, claro, advém de um ação. E a ação que eu reprovo é a da confecção do texto, que apesar do seu evidente apreço pela racionalização e a isenção, implica numa visão distorcida de vários pontos, seja na escolha dos termos, seja no seu desconhecimento da cultura chinesa. Isso é, não basta a boa intenção, essa de não perder de vista a apresentação de supostas provas ou raciocínios, é necessário também se imaginar que tipo de efeito isso pode ter nos seus leitores. E um efeito possível é a adesão à essa suposta “bizarrice” do povo chinês. Tese a qual fica bem claro que você adere, e que é um preconceito, que se não reprimido, pelo menos não deveria ser divulgado. Não tenho tempo pra comentar o texto todo, mas acho que isso fica bastante evidente na escolha de termos como “nação mega-bizarra”, ou “crendices sem pé nem cabeça”.

        Resumindo: se a ideia é ser isento e especular sobre possibilidades, custa nada dar uma enxugada nesses deslizes preconceituosos e procurar ordenar melhora a reflexão, a apresentação do texto, para que, tenha um sentido univoco e não parcial. Por exemplo: você poderia colocar as dúvidas e incertezas no começo do texto, muitas pessoas podem não o ler inteiro. Por que não o fez? Em vez disso colocou julgamentos fortes que já tomam a questão como verdadeira… 

        1. Aí é sua interpretação do que leu. Eu não coloco a questão como verdadeira. E muito menos escrevo qualquer coisa que seja levando em conta as pessoas que não lêem o post inteiro. Se o cara não lê o post inteiro e conclui uma merda totalmente diferente, o problema não é meu, é dele. Eu escrevo para quem lê tudo, porque senão fica um negócio neurótico, já que uma parcela significativa nem sequer lê, só vê as figuras.

          Os termos que eu uso são justamente isso: Os termos que EU uso. Esta não é a Revista Veja, jornal O Globo, a revista Isto é. Este é o blog de um cara (eu) que nem sequer é jornalista, e que escreve do jeito que fala.

          Quando digo que os chineses são bizarros, não sou preconceituoso. Digo porque são mesmo! Os caras comem pinto de jumento, colocam um peixe se debatendo semi-frito no prato. Isso é diferença cultural, eu sei, mas do meu ponto de vista, é um comportamento bizarro.

          Mas eu não digo que só os chineses são bizarros. O mundo todo é. E o primeiro paragrafo do texto já diz isso. Do mesmo jeito que eu sei que criancinhas dançando funk de cunho erótico e gente sendo queimada num “microondas carioca” é completamente bizarro para um monte de outras culturas.
          Você me acusa de ser preconceituoso, mas creio que desconhece o real sentido de um preconceito. O preconceito é um conceito a priori. Logo, se os caras fazem uma coisa bizarra, a ação deles produz em mim a sensação de que eles são bizarros. Não é a priori. É a posteriori. Logo, não é preconceito. É conceito.
          Mas mesmo que fosse um preconceito…Você acredita numa utopia de ser humano sem preconceito? Parabéns. Eu não.

          As “crendices sem pé nem cabeça” no qual eles se agarram para buscar “saúde” também é uma coisa auto-explicativa, já que está mais que comprovado pela ciência que osso de tigre moído não faz ninguém virar super-homem. Se fizesse eles não eram oprimidos pelo governo.

          A questão central do post é só uma e permanece aberta: Será que caras estão comendo gente?

          Torno a repetir que eu também gostaria sinceramente que essas coisas bizarras como o quarto da morte e a noiva fantasma não fossem verdade.

          1. Ah, então tá explicado. Eu pensei que a ideia era fazer uma reflexão imparcial baseada em um texto isento, mas me enganei. Considere minhas dicas anteriores se um dia quiser atingir esse objetivo. Over and out. 

          2. Você acha mesmo que usar a expressão “bizarro” pra um comportamento cultural atestado em outro lugar promove o preconceito? Como o Philipe disso, isso chega a ser contraditório. Mas a preocupação das pessoas em relativizarem juízos de valor diante de um texto como este chega a ser absurda: elas se dão ao trabalho de reclamarem de expressões facilmente compreensíveis, mesmo entendendo perfeitamente o significado do texto – isso é completamente desnecessário. Quer dizer, é uma pura necessidade de colocar em prática essa patrulha anti-generalização auto-evidente ao invés de pensar o tema do texto de uma vez.

  15. Phillipe, quanto aos fetos eu não sei. Já vi há muito tempo atrás algumas dessas fotos, incluindo de fetos sendo vendidos em latinhas, no mercado, tipo pêssego – além de pessoas sorridentes e nem ai tirando fotos e comprando. Só que diziam ser da Tailândia se não me engano…

    Mas sobre as esposas, já vi outras matérias sim, em especial do comércio de noivas na fronteira da Coréia do Norte

    http://www.sankakucomplex.com/2009/03/29/north-korean-sex-slaves-sell-for-450/

    E sim, o site em si é bem preconceituoso em relação a China e Coréia – às vezes até com o próprio Japão – mas tem sempre a fonte no fim da noticia.

  16. Juro que entendi perfeitamente sobre o Hoax e sobre as questões que você levantou…
    é sim muito chocante apenas a pensar na possibilidade… mas bem menos chocante do que se fosse como na foto!
    Comer por necessidade quando a escolha é entre fazer ou morrer eu até posso compreender (embora não aprove e espero nunca ter que descobrir se eu o faria), mas o mais chocante seria fazer isso por mero capricho visando maior virilidade e pagando fortunas por isso.

  17. Entendo que isso venha da cultura super diferente, que cresceu nesse período de fome.
    Mas essa de comer por ser afrodidíaco…Minha mãe tem uma frase (bem grosseira, admito) para isso: “Esse povo deve ser o mais brocha de todos! Afinal, buscam taaanto esses ‘afrodisíacos’, devem precisar demais!”
    Me lembrou um filme que vi há pouco tempo na TV Cultura: “Escravas da Vaidade” (nome original “Dumplings”), em que uma atriz, já na idade madura, busca a ajuda de uma senhora que diz ter bolinhos mágicos que rejuvenecem, feitos com carne de feto (chamados dumplings). São caríssimos, mas atriz não se importa, nem com o valor nem com as consequências.
    Eu gostaria que tudo isso fosse apenas estória de filme…ou apenas pra meter medo. Mas pelo que sei do ser humano essa deve ser a ponta do iceberg de aberrações.

  18. Olá, Philipe. Parabéns pelo post, como sempre muito interessante, sou um fã antigo. Gostaria de chamar sua atenção, no entanto, para um detalhe, minoritário para os propósitos do post, mas que me chamou atenção por um outro motivo. Trata-se do comentário sobre a medicina chinesa. Por favor, informe-se um pouco melhor sobre a medicina chinesa e você verá que ela não tem nada de “curandeirismo” nem “crendices sem pé nem cabeça”. Os chineses já realizavam dissecções completas, pesagens de órgãos e outros estudos avançadíssimos de anatomia e fisiologia enquanto o ocidente estava mergulhado na Era das Trevas acreditando que as doenças eram possessões satânicas, humores e coisas do tipo. Você se refere a uma das técnicas da medicina tradicional chinesa, a fitoterapia e farmacologia. Várias das substâncias utilizadas em medicamentos alopáticos patenteados no ocidente foram descobertas pelos chineses em seus estudos milenares, e a própria eficácia das fórmulas magistrais tradicionais é comprovada há séculos (a ciência ocidental só agora começa a conhecer seus benefícios, como já reconhece há algumas décadas os benefícios da acupuntura, a técnica mais famosa da MTC). O problema que você aborda é de fato seríssimo e pernicioso, como qualquer brutalidade contra a natureza. No entanto, trata-se de um desvio moral e cultural da indústria chinesa, pois o dinheiro corrompe tudo. O que quero dizer é que a chacina dos tubarões e dos rinocerontes, entre outras barbaridades, é levada a cabo pela INDÚSTRIA da saúde (que nos fode a todos aqui no ocidente também, lembre-se dos testes de cosméticos e medicamentos em animais inocentes), e não pela “medicina chinesa”. A crença de que alimentar-se de fetos ou animais vivos traz algo de vitalidade trata-se de um desvio, uma imbecilidade, uma má interpretação completa dos fundamentos da medicina chinesa. E esse tipo de estupidez deve ser visto como algo pontual, não como uma regra, muito menos como algo defendido e propagado pela medicina chinesa. Nós, praticantes conscientes da medicina oriental, sabemos perfeitamente que os tempos são outros e que hoje em dia há prioridades ambientais que devem prevalecer sobre uma determinada aplicação terapêutica da substância, portanto defendemos a substituição do ingrediente por outro que não cause danos à natureza. A medicina oriental (gosto de chamar assim porque ela não é exclusiva da China) é um sistema médico-filosófico belíssimo e muito sofisticado. Não é uma crendice, é uma ciência. Só não é reconhecida plenamente pela ciência ocidental porque dela faz parte uma substância que os aparelhos dos cientistas não conseguem medir com os parâmetros da lógica newtoniana-cartesiana: o Qi. Se você tiver interesse em conhecer um pouco mais, posso te explicar os fundamentos básicos de Yin e Yang, 5 elementos, Qi e outras substâncias.
    Grande abraço,
    Pedro

    1. Você tem razão, Pedro. Eu quis me referir a farmacologia e acabei acusando a medicina erroneamente. Eu vou reescrever este pedaço lá fazendo justiça. Obrigado por chamar a atenção pra isso.

      1. Obrigado pela atenção, Philipe. Eu não perderia tempo escrevendo se não achasse que você leria. Parabéns mais uma vez pelo post. Não conheço nenhum blog melhor do que o teu.
        Só pra constar, a matéria da Veja reproduzida no post está muitíssimo equivocada. Volto a dizer que a Medicina Chinesa não promove chacina nenhuma. Acho válida a denúncia dos maus tratos e barbaridades, mas estão apontando o dedo para as pessoas erradas. É verdade que muitas fórmulas tradicionais contêm substâncias de origem animal, e defendo mais uma vez a sua eficácia, comprovada por séculos de uso amplo. No entanto, hoje em dia os estudos de fitoterapia e botânica estão avançados o suficiente para permitir substituições de componentes animais por vegetais ou minerais, que não causem danos à natureza ou sejam extraídos às custas do sofrimento de animais inocentes. A maioria dos fitoterápicos usados no Brasil, por exemplo, são manipulados com adaptações de plantas locais com efeitos semelhantes aos das fórmulas tradicionais. Agora, seria muita inocência acreditar que nenhum dos remédios e produtos cosméticos que consumimos no ocidente possuem substâncias de origem animal, muitas vezes também obtidas na base da tortura. Podemos não comer peixe vivo, mas o franguinho que compramos no supermercado vive uma vida miserável desde pintinho, quando serram seus bicos e os confinam a espaços minúsculos, onde vivem sob constante stress, comendo rações adulteradas até chegarem ao tamanho certo para o abate. Não vemos a tortura, por isso não sentimos culpa, mas ela existe. Enfim, voltamos ao ponto principal do post: o ser humano é a criatura mais doentia da face da Terra e ponto final, sejam brasileiros, chineses, americanos ou qualquer outra cultura.

  19. Olá, gostaria de avisar a vocês, que essa notícia é falsa, na verdade as imagens em questão, são uma “arte conceitual”, os fetos são cenográficos, a “obra” foi criada por um artista chinês, chamado Zhu Yu.. Vocês podem saber mais sobre o assunto:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Zhu_Yu_(artist)
    http://urbanlegends.about.com/od/horrors/a/eating_babies.htm
    http://www.urbanmyths.com/index.php?/Food/fetus-soup-anyone-the-myth-of-chinese-baby-soup.htm

  20. Achei nada tendenciosa, muito menos ignorante! Conhecendo este blog de cabo a rabo como conheço, posso afirmar que o autor sempre busca a verdade, sempre duvida, buscando uma resposta lógica e demonstrando sempre imparcialidade nos comentários.
    Sem querer ser pucha saco, mas defendo o que acho certo, e este blog, na minha opinião, é rico em cultura!

  21. Philipe, sobre a sopa nao sei dizer, mas essas fotos do cara comendo o feto frito já foram desmentidas em algum lugar (nao lembro a fonte), parece as fotas eram o trabalho de algum artista com intençao de chocar mesmo.

  22. Bom dia, Philipe!
    A única coisa que tenho para dizer é que esta matéria acabou com o meu dia, estou chocada. É o fim do mundo mesmo. Fiquei muito mal. Estou chorando até agora. Se eu pudesse pegaria todos esses bebes para mim…

    1. Oi Andreia,
      Realmente é uma merda ler um post assim. Eu sei e peço desculpas por isso, mas se não falo dessas coisas que também me chocam, eu não consigo dormir. Você ficaria passada se visse o tanto de coisas horrendas que leitores me mandam. Algumas são grotescas demais e eu nem tenho como postar aqui, tipo necrofilia, necrofagia, e cenas de violência gratuita contra animais.

  23. antes de tudo quero dizer que vc é o meu heroi philipe e é a primeira vez que eu comento.da pra ver que oque ele ta comendo é uma boneca

  24. É Philipe, arranjou uma bela sarna pra se coçar com esse post hein? O mérito é todo seu! 🙂 Há verdadeiros tratados nos comentários, e haja saco para aguentar a turminha do “politicamente correto” e dos “mimimis”… aliás, meu convite pra vir tomar uma Paulaner aqui no Saanga em Curitiba ainda tá no ar, e quem sabe até comer um Baby Beef, já que agora eles também têm no cardápio!

  25. A humanidade ta de Parabéns, descartamos a Fé e abracamos o materialismo disfarcado de Racionalismo.
    Aqueles que aprovam o aborto mesmo quando nao é por estrupro ou ameaca da mae e o do proprio nenem devem estar felizes. Porque se para eles a vida de um feto nao tem valor que mal tem usa-lo como ingrediente culinario?
    Viva a humanidade!!! Vamos seguir desgovernados ladeira abaixo sem nunca dizer NAO aos nossos caprichos! Se tivermos sorte um muro vai surgir no nosso caminho e todos vamos quebrar a cara juntos como aconteceu com outras civilizacoes anteriores…
    Faz o que tu queres pois é tudo da lei…hahahahaa…

  26. Notícia chocante! E aguardem as próximas, agora que a China ameaça de verdade a supremacia financeiro-política norte-americana. Num Jornal Nacional perto de você! rs…

  27. Olha enquanto o ser humano dizia k duença era coisa lah d baixo , os chineses tentavam curar as doenças . Mas opaaaaaaaaaaa pera ae não eram todos os brasileiros u.u e os indígenas , eles não faziam medicina pela carne e sofrimento dos bichos , eles procuravam nas plantas . sou descendente de indígena , mas tipo não odeio os chineses , eu só odeio os que fazem essa crueldade horrível . O q ta faltando neles eh pura vergonha na cara e compaixão , pk se eles se colocassem no lugar do outros eles agiriam de outra forma , se eles pensasem : E se fosse eu no lugar desse feto cozinhando ? e se fosse eu tendo os pelos arrancados do corpo e sendo espancado até a morte ? E se fosse o bebezinho que foi abandonado , desprezado e comido por puro prazer antes de mesmo de nascer , antes mesmo de ter uma noção de um mundo ? 

    O QUE TA FALTANDO NESSE MUNDO E A VERGONHA NA CARA ,TO POUCO ME LICHANDO PRA OPNIÃO DOS OUTROS + ESSES AI QUE COMEM GENTE E QUE MALTRATAM OS ANIMAIS E A NATUREZA TÃO PRECISANDO DE UM BALDE AGUA FRIA , É ASSIM É QUANDO ELES FOREM PRO INFERNO , ELES CONCERTEZA VÃO PASSAR POR TUDO O QUE FIZERAM OS OUTROS SOFREM TOMARAAAA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 

  28. Sério,  a matéria pode até ser real, mas as primeiras fotos são fakes, certeza… trabalho em hospital, já vi alguns fetos, e esses da foto são falsos  com toda certeza. 

  29. Philipe,

    Em uma rápida investigação, levei 30 segundos, encontrei este link.

    http://www.urbanmyths.com/index.php?/Food/fetus-soup-anyone-the-myth-of-chinese-baby-soup.html

    Nele, estão quase todas as fotos que mostrou e categoricamente o autor afirma ser uma notícia falsa com fotos artísticas.

    Vou citar uma fonte de inteligência externa. “Os chineses, devem ser considerados uma ameaça a ser contida até 2030!”. Já li isso no passado com relação aos vermelhos! Na década de 50, os russos comiam crianças, acho que estamos assistindo isso de novo.

    O que esta acontecendo é uma nova “guerra fria”, muito mais ideológica, on-line, virulenta, incômoda e invasiva, do que foi contra o comunismo, ela vai acontecer aqui, na internet, onde americanos irão se opor culturalmente e tecnologicamente aos chineses.

    Dá uma lida aqui.
    http://scisec.net/?p=67

    Quanto ao conteúdo do post, não se assustem leitores, o que vale é botarmos as cabeças para pensar…

    Abração.

    1. Cumpadre, como você sabe, a internet está repleta de sites que afirmam categoricamente coisas, sem no entanto, prová-las de forma incontestável. Com uma pesquisa de 30 segundos você realmente vai achar um monte do mesmo texto traduzido em sites desmentidores de hoax, que surgiram aos borbotões, imitando o snopes.com

      A questão que o site que você indica aponta é a mesma que eu já disse no Texto. No entanto, eles usam as fotos que -ao que tudo indica – não são as do Zhu Yu. O texto diz uma coisa, mas a imagem diz outra.
      Se pararmos para olhar a sequencia das fotos do Zhu Yu e essas que aparecem na preparação do feto veremos algumas diferenças. As mais obvias são: O feto do Zhu é claramente uma boneca com um pedaço de coelho.
      http://s3?sa?east?1.amazonaws.com/mundogum/wp?content/uploads/2011/08/zhu-yu-canibal-02.jpg
      Há discrepância de direção da luz, flash e tonalidade.

      As outras de origem desconhecida, mostram claramente um bebê – que poderia ser uma escultura, embora possamos vê-lo em diferentes posições. Logo, se for uma escultura, se deram ao trabalho de usar silicone aqui.

      Nas fotos do Zhu a tonalidade global da a imagem é diferente. E ele esta sempre usando uma camisa azul, enquanto nas outras, quem cozinha usa camisa branca. Além de dar pra ver claramente que nas fotos do Zhu é ele mesmo que cozinha o suposto neném, enquanto na outra, é alguém mais magro.

      Há um último detalhe, que é o fato de Zhu aparecer comendo com as mãos, e os chineses raramente comem com as mãos. Quase tudo que eles fazem é picado para ser comido com hashi. A sequencia de fotos do homem da camisa branca não mostra ninguém comendo. Apenas a preparação. E as duas sequencias de preparação são inteiramente diferentes. Não faz sentido cozinhar um mesmo prato de duas maneiras e comer só uma vez.

      Então a minha percepção é que há uma gigantesca confusão que se espalhou na internet onde atribuem duas sequencias distintas de fotos de um mesmo assunto a uma só origem. Mas pense como seria estranho o mesmo cara fazer duas obras iguais. Entrando no site da galeria que representa o trabalho dele, não há menção a uma segunda sequencia de fotos do preparo do feto, o que corrobora minha hipótese de que talvez fotos reais de um feto venham sendo atribuídas a uma boneca por sites de ceticismo, que nada mais são que caras que traduzem o trabalho de outros caras.

      A ultima foto, que na minha opinião, é a mais chocante, eu não consegui achar a origem. Foi postada por alguém no 4chan, mas nem lá eu achei. Só encontrei referencias às fotos já batidas e manjadas do Zhu Yu. Ela é totalmente desvinculada das duas sequencias, então este post tem fotos de três origens distintas: As do artista, que são falsas, as da sopa que podem ser reais ou não e as da panelona, que parecem muito reais e mostram diversos fetos em estágios de maturação bem diferentes. A pele descolando da caixa craniana ainda em formação, desmontada em pedaços. Se não for real, é muito, muito bem feito mesmo. Dá pra ver que a principal é uma criança de quase oito meses, e oriental.
      Fazer este post me levou a conclusões curiosas acerca da personalidade humana. As pessoas quase sempre reagem a certos impactos de maneiras bastante similares. Alguns se horrorizam de cara e acreditam de imediato naquilo que estão vendo, sem nem ao menos questionar, outras buscam desesperadamente se agarrar em qualquer coisa que negue o horror. Eu tenho buscado ficar na corda bamba de duvidar. Duvido que seja 100% real. Duvido que seja 100% uma farsa. As políticas culturais e de controle populacional são radicais pra caramba por lá. A quantidade de abortos (até pelo numero total da população) é a maior no planeta. E tem os quartos da morte, que ninguém consegue negar que exista (só o governo). Então, não me cabe dizer ao leitor no que ele deve acreditar, como fazem os sites desmentidores de hoaxes como o snopes. Aliás, o proprio snopes diz apenas que as fotos do Zhy são falsas. Ele não cita a sopa.

      Mas por mais real que eventualmente seja, é certo que isso vem à tona por alguma razão. E acho sua hipótese para isso bastante plausível.

      Agora, concordo com você que pode ser uma coisa plantada para sacanear os chineses. Talvez tenham feito uma sequencia com um bebê morto de verdade, mas se foi eles se ferraram, já que 90% das pessoas aceita como verdade a primeira explicação: De que é uma boneca num trabalho de gosto duvidoso feito por um artista.

      1. Concordo que as imagens são de fontes diferentes, e acredito ser mais simples a explicação das imagens serem de clínicas clandestinas de aborto, salpicadas com um toques de “gastronomia” antropofágica.

        O fato do governo Chinês censurar informações, ajuda ainda mais na confusão, a “cortina de fogo”, os Russos tinham uma de ferro, piora o caso.

        Que já houve antropofagia, que ela ainda acontece, que  a fome leva a insanidade, não há dúvida. Mas por outro lado, pela natureza da Internet, e pela conjuntura política e cultural das coisas, já fiz minha escolha.

        Parabéns pela investigação!

        Um grande abraço. 

  30. O Jonathan Swift escreveu no séc. XVIII uma sátira absurda pra criticar a Irlanda daquele tempo, chamada “A Modest Proposal”, em que propõe ironicamente que bebês de pessoas pobres sejam aproveitados como alimento. Acho que o absurdo da sátira já encontrou a realidade.

    A verdade é que relatos de atrocidades cometidas em tempos de fome, pelo menos, são muitos durante toda a história. Um leitor comentou sobre Albert Fish, o chamado “Gray Man”, serial killer e canibal americano dos anos 30. Ele mesmo escreveu uma carta aos pais de uma garota que tinha matado dizendo o seguinte sobre notícias da China no final do século XIX:

    “In 1894 a friend of mine shipped as a deck hand on the Steamer Tacoma, Capt. John Davis. They sailed from San Francisco for Hong Kong, China. On arriving there he and two others went ashore and got drunk. When they returned the boat was gone. At that time there was famine in China. Meat of any kind was from $1–3 per pound. So great was the suffering among the very poor that all children under 12 were sold for food in order to keep others from starving. A boy or girl under 14 was not safe in the street. You could go in any shop and ask for steak—chops—or stew meat. Part of the naked body of a boy or girl would be brought out and just what you wanted cut from it. A boy or girl’s behind which is the sweetest part of the body and sold as veal cutlet brought the highest price. John staid there so long he acquired a taste for human flesh. On his return to N.Y. he stole two boys, one 7 and one 11. (…)”