Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Pegue seu chapéu de alumínio e venha comigo para um caso no mínimo “esquisito”.

 

Em 28 de janeiro de 2002, o microbiologista russo, acadêmico da Academia Russa de Ciências Andrei Brushlinsky, morreu como resultado de um ataque de bandido em Moscou. Então, duas semanas depois, Valery Korshunov, de 56 anos, também um microbiologista conhecido, foi morto na entrada de sua casa em Moscou.

 

Para muitos, isso pode parecer o enredo de um filme de suspense: dezenas de cientistas e especialistas técnicos que trabalham em programas classificados e estão todos associados a uma empresa em particular – morrem um após o outro em circunstâncias altamente controversas e incomuns.

O problema é que isso não é ficção. Isso realmente aconteceu nos Estados Unidos e no Reino Unido há mais de 30 anos e este caso ainda permanece sem solução.

Tudo gira em torno do trabalho ultrassecreto da Marconi Electronic Systems, que ainda existe hoje como parte da BAE Systems Electronics Limited. Seu trabalho inclui o desenvolvimento de armas futurísticas e tecnologia de satélite .

Em março de 1982, o professor Keith Bowden, cujos conhecimentos de informática o tornaram um valioso colaborador da Marconi, morreu em um acidente de carro. Seu carro saiu de uma rodovia de três pistas em alta velocidade e bateu em um ramal. A morte, dizem, foi instantânea.  Ok, talvez tenha dormido ao volante. MAs foi aí que tudo ficou “estranho”.

A polícia disse que Bowden estava bêbado e dirigia muito rápido, mas sua esposa e o advogado acreditavam o contrário. Amigos que estavam com Bowden naquela noite negaram que ele tivesse bebido.

O advogado de Bowden contratou um investigador de acidentes para examinar os destroços. Alguém havia trocado os pneus normalmente imaculados do carro de Bowden por um conjunto que estava gasto e velho.

Cientistas assassinados ou somente muitas coincidências?

Em março de 1985, Roger Hill, o especialista em projetos da Marconi, foi morto pela explosão de sua espingarda. Morreu instantaneamente, e uma vez que não era novato na posse e manuseio de armas sua morte foi considerada suicídio.

Poucos meses depois, o corpo de Jonathan Wash, funcionário da British Telecom com extensas ligações com… Adivinha? Isso mesmo, a  Marconi, foi encontrado na calçada de um hotel na Costa do Marfim, na África Ocidental. Wash caiu ou foi empurrado para fora da sacada de seu quarto e se espatifou morrendo instantaneamente. O curioso é Wash morreu depois de expressar a conhecidos que estava “temendo pela sua vida”.

Mais intrigante ainda foi a morte de Vimal Dajibhai, 24, que pulou da ponte suspensa de Clifton em Bristol em agosto de 1986. Dajibhai estava trabalhando na Marconi em sistemas de controle de computador para torpedos Stingray.

Outro veredicto aberto foi devolvido. Dajibhai foi encontrado com as calças em volta dos tornozelos e um ferimento do tamanho de uma agulha na nádega. O legista de Bristol ficou preocupado com isso – “era um mistério na época e continua sendo um mistério agora.”

Talvez a mais perturbadora de todas as mortes tenha ocorrido 2 meses depois. Arshad Sharif, 26, outro cientista da computação que trabalhou em sistemas de orientação por satélite na Marconi morreu nas circunstâncias mais estranhas que se possa imaginar.

Sharif também viajou para Bristol, amarrou uma ponta de uma corda ao pescoço, a outra ponta a uma árvore, depois pisou no acelerador do carro e se decapitou.

Um dia antes de sua morte, Sharif estava agindo de forma estranha e foi visto pagando por acomodação em uma pensão com um maço de notas bancárias de alto valor… Comportamneto de quem estava FUGINDO. Fugindo de quem, ninguém sabe.

Um parente convocado para identificar o corpo percebeu algo suspeito em seu carro. O que parecia ser uma haste de metal estava caída no chão do carro ao lado do acelerador. Tinha sido usado para puxar o pedal?

O legista não ficou feliz.

“Isso é uma coincidência do passado …Não irei concluir este inquérito até saber como dois homens sem ligação com Bristol vieram pra cá pra morrer”.

Ele nunca descobriu o porquê, mas os dois homens eram suspeitos de estarem trabalhando em um projeto ultrassecreto chamado Cosmos, que envolvia sistemas de orientação subaquáticos, estabelecendo uma nova conexão entre os dois.

Milhares de pessoas trabalharam na indústria de defesa do Reino Unido em meados dos anos 80, e essas mortes – espalhadas por 3 anos, poderiam ser facilmente descartadas como coincidências. Na verdade, ninguém na época fez qualquer conexão.

Mas, entrando em 1987 e 1988, o ritmo das mortes aumentou maciçamente, e a imprensa do Reino Unido e alguns parlamentares começaram a juntar os pontos.

O último foi Malcolm Paddy, que morreu em 1991. Certa vez, ele disse a seus superiores na Marconi que havia tropeçado em algo incrível. O que foi, ninguém sabe, porque apenas vinte e quatro horas depois disso, Paddy estava morto. Seu corpo foi retirado de um canal perto de sua casa. Como ele foi parar lá? Ninguém sabe. 

Acha que acabou?  Não!

1987 começou com a morte de Richard Pugh. Outro especialista em computação na indústria de defesa e consultor do MOD, o corpo de Pugh foi encontrado em seu apartamento – seus pés amarrados, um saco plástico na cabeça e uma corda grossa enrolada em seu corpo. O veredicto do legista foi um acidente devido a desventura sexual.

Poucos dias depois, outro cientista envolvido em um trabalho ultrassecreto para o MOD – o Dr. John Brittan, morreu em sua própria garagem de envenenamento por monóxido de carbono.

No mês seguinte, outro engenheiro da Marconi, David Skeels, também morreu envenenado por monóxido de carbono, encontrado em seu carro com uma mangueira conectada ao escapamento.

Também em fevereiro, mais dois engenheiros de defesa e cientistas morreram – Victor Moore de overdose e Peter Peapell, outra vítima de envenenamento por monóxido de carbono.

A morte de Peapell foi particularmente preocupante. Depois de passar uma noite com amigos, ele e sua esposa voltaram para casa e Peapell foi guardar o carro.

Na manhã seguinte, sua esposa encontrou seu corpo preso embaixo do carro, com a boca enfiada no cano de escapamento. A polícia não estava convencida de que era suicídio porque parecia impossível que ele pudesse manobrar o corpo para a posição estranha em que foi encontrado. Um veredicto aberto foi finalmente retornado.

John Whiteman supostamente se afogou em sua banheira, o corpo cercado por pílulas e garrafas vazias de álcool. No entanto, a autópsia não revelou vestígios de drogas ou álcool em seu corpo indicando que o cenário havia sido montado para induzir a conclusão de uma overdose.

Em março, David Sands, um cientista sênior que trabalhava em um radar controlado por computador em uma empresa irmã da Marconi, fez uma volta repentina em seu carro e bateu em alta velocidade em um café vazio.

Ocorre que seu veículo estava inexplicavelmente cheio de latas de gasolina, fazendo com que o carro fosse totalmente consumido por uma bola de fogo. O carro delçe funcionava normalmente e não havia razão para ele transportar gasolina dentro do carro. Nâo foram localizados postos que apontassem se ele mesmo comprou o combustível.  Sands foi identificado apenas com referência a seus registros dentários.

Em abril, de maneira quase idêntica a Richard Pugh no início de 1987, Mark Wisner, 24, foi encontrado morto com um saco plástico na cabeça e um filme plástico enrolado no rosto. O veredicto foi morte por desventura sexual.

No ano anterior, a Marconi comprou a empresa de eletrônicos de defesa Plessey. Dentro de um mês, entre maio e junho de 1987, dois de seus cientistas morreram – Michael Baker, 22 em maio e Frank Jennings, 60, em junho.

No início de 1988, o técnico de laboratório Russel Smith, 23, pulou de um penhasco na Cornualha. Um engenheiro de computação sênior em Marconi – Trevor Knight, foi vítima de mais um suicídio pelo escapamento de um carro, parecido com a morte de Peapell.

Em agosto, ocorreram duas eletrocuções horríveis de figuras seniores da Marconi, algumas das mais suspeitas de todas as mortes.

Alistair Beckham, 50, era um engenheiro de computação que acredita-se estar trabalhando em programas piloto ultrassecretos para a Iniciativa de Defesa Estratégica da América. Depois de alguma jardinagem leve na tarde de domingo, Beckham retirou-se para seu galpão, prendeu os fios ao peito, colocou-os em uma tomada elétrica e, com um lenço enfiado na boca, ligou a energia.

A esposa de Beckham tinha certeza absoluta que seu marido não cometeu suicídio. Ela acreditava que ele havia sido assassinado. Beckham era altamente sigiloso sobre seu trabalho e, poucas horas depois de sua morte, homens do Ministério da Defesa chegaram ao local e levaram vários documentos e arquivos da casa de Beckham.

De maneira semelhante, mas ainda mais horrível, o diretor da Marconi, John Ferry, 60, enfiou fios desencapados em suas próprias obturações dentárias e se eletrocutou. (ok. Essa porra foi claramente um assassinato, pq é impossível segurar os fios desencapados ligando-os em sua obturação do dente para morrer assim. Na primeira convulsão muscular decorrente do choque, o fio desencostaria da obturação, impedindo a morte dessa maneira.)

A essa altura, várias matérias na imprensa haviam aparecido questionando se realmente havia algum tipo de conspiração da KGB ou do bloco oriental para matar os cientistas. Vários parlamentares e o líder sindical Clive Jenkins pediram um inquérito sobre as mortes. Jenkin escreveu que as mortes foram – “estatisticamente incríveis” e falou sobre a preocupação entre seus membros sobre “esses grupos de suicídios, mortes violentas ou assassinatos”.

O governo conservador de Margaret Thatcher rejeitou os pedidos de inquérito, alegando que as mortes não eram estatisticamente incomuns e eram apenas “coincidências”, talvez exacerbadas pelos altos níveis de estresse na indústria de defesa.

 

Weeeeeird….

O que há com o desenvolvimento de armas avançadas e satélites que exigiriam a morte de dezenas de pessoas em apenas alguns anos?

Esta é a pergunta que não quer calar.

Agora considere outro exemplo, desta vez relacionado ao setor bancário. Em 2016, o Projeto Pensamento Livre relatou o seguinte:

“Em 2015, uma teoria da conspiração popular surgiu na Internet após uma série de misteriosos ‘suicídios’ por profissionais bancários seniores. O que antes parecia uma especulação insana agora está começando a se assemelhar a uma vasta conspiração criminosa em torno do escândalo de manipulação de taxas Libor.

Mais de quarenta banqueiros internacionais supostamente cometeram suicídio no período de dois anos após um grande escândalo internacional envolvendo empresas financeiras em todo o mundo. No entanto, três desses suicídios aparentemente não relacionados parecem compartilhar traços comuns, apontando para seus laços com o Deutsche Bank.

Os suicídios dos três banqueiros em Nova York, Londres e Siena, Itália, ocorreram com 17 meses de diferença em 2013/14, no que os investigadores descreveram como uma série de suicídios não relacionados. ”

Parece assustador, mas suponha que sim, os banqueiros estavam planejando algumas transações financeiras sombrias e quando algo deu errado, foi decidido “queimar o arquivo”. Podemos dizer que se trata apenas de uma continuação das “gloriosas tradições”  da máfia.

Vamos agora dar uma olhada no mundo da microbiologia , onde tudo parece muito mais sinistro.

Dos últimos meses de 2001 a meados de 2005, muitas pessoas que trabalham na área de microbiologia, que se define como o estudo de organismos que são pequenos demais para serem vistos a olho nu, como bactérias e vírus, morreram em circunstâncias que alguns na mídia, informações e o governo começaram a considerá-los altamente suspeitos e de natureza séria.

Será simplesmente impossível listar todas as mortes neste único post, ou ele vai ficar igual meu post das professorinhas travessas. Na verdade, para enumerar as mortes esquisitas nesse setor no mundo, será necessário um livro inteiro.

A onda de mortes de cientistas estranhos começou principalmente em novembro de 2001, quando o Dr. Benito Kue, um biólogo celular com foco em doenças infecciosas, incluindo o HIV, foi encontrado morto fora de seu laboratório na Escola de Medicina de Miami, Flórida.

Os repórteres do Miami Herald especularam que sua morte ocorreu enquanto ele caminhava em direção a seu carro, um Ford Explorer branco, estacionado na Northwest 10th Avenue. A polícia disse que ele pode ter sido “vítima de ladrões”.

Então, em 21 de novembro de 2001, o Dr. Vladimir Pasechnik, ex-microbiologista da Biopreparat, uma instalação de armas biológicas que existia na Rússia antes do colapso da União Soviética, foi encontrado morto fora de sua casa em Wiltshire, Inglaterra. Seu voo para a Grã-Bretanha em 1989 revelou pela primeira vez ao Ocidente o escopo do programa de guerra biológica da União Soviética.

De acordo com a inteligência britânica, Pasechnik morreu das consequências de um derrame massivo e nada mais, mas os teóricos da conspiração ocidentais atribuem persistentemente sua morte a alguém ligado a Petrov e Boshirov.

Em 28 de janeiro de 2002, outro microbiologista russo, Acadêmico da Academia Russa de Ciências Andrei Brushlinsky, morreu como resultado de um ataque de bandido em Moscou. Então, duas semanas depois, Valery Korshunov, de 56 anos, também microbiologista renomado, foi ferido na cabeça e morreu na entrada de sua casa em Moscou, Rússia. Acontece que ele chefiou o Departamento de Microbiologia da Universidade Médica do Estado da Rússia.

Os teóricos da conspiração russos atribuem essas mortes às atividades de agentes da CIA.

Que tal algo semelhante também no campo da saúde alternativa ? Em outubro de 2015, Freedom Outpost postou o seguinte artigo do autor Tim Brown:

“Em julho, relatei que cinco médicos holísticos morreram prematuramente em 30 dias e de forma suspeita, e outros cinco estavam desaparecidos e ainda não foram encontrados. Poucos dias depois deste relatório, mais dois médicos foram encontrados mortos em circunstâncias suspeitas, ou seja, 7 pessoas no mês.

Agora, em 90 dias, onze médicos foram encontrados mortos em circunstâncias suspeitas e, pouco antes de este artigo ser escrito, a décima segunda médica holística, Marie Paas, foi encontrada morta devido a um aparente suicídio. “

Eita carai!

Tudo isso tem aquele cheirinho de conspiração… As mortes dos cientistas ligados à Marconi, ao que tudo indica, poderiam envolver nada menos que o Projeto Guerra nas Estrelas – Um programa de defesa espacial que a grosso modo – E para o eleitor – se justificava como uma forma de defender os EUA e seus satélites de ataques espaciais vindos da União Soviética.

1983, a Guerra Fria comendo solta e Ronald Reagan lança o projeto Star Wars

 

 

Por outro lado, essa série de mortes poderia ser apenas uma coincidência? A resposta é sim.  Um jornalista cético do Snopes.com escreveu sobre esta estranha sequência de mortes de médicos:

“Em março de 2015, havia entre 897.000 e pouco mais de 1.000.000 de médicos nos Estados Unidos, e para cada 100.000 pessoas (todas as profissões), cerca de 821 pessoas morrem a cada ano. Só com base nesses números, há entre 6.500 e 8.200 médicos estatisticamente, morrerá por uma variedade de razões em um determinado ano. “

Ocorre que se você observar os dados usando um viés de confirmação, eles parecerão interligados. Bem, de fato que muitos desses casos aí com cenários montados e gente sabotando carro, marcas de injeção, pessoas que são eletrocutadas na obturação do dente, não são nada comuns, né? Mas os céticos nunca olham para esses detalhes, concentrando-se nas questões estatísticas, talvez por conveniência.

Um exemplo concreto de extermínio de cientistas

Um exemplo concreto de extermínio de cientistas que ninguém ousa negar são os assassinatos aos cientistas do Irã.

Entre 2010 e 2012, quatro cientistas nucleares iranianos ( Masoud Alimohammadi , Majid Shahriari , Darioush Rezaeinejad e Mostafa Ahmadi Roshan) foram assassinados , enquanto outro ( Fereydoon Abbasi ) foi ferido em uma tentativa de assassinato. Em novembro de 2020, outro cientista ( Mohsen Fakhrizadeh ) foi assassinado.

Duas das mortes foram realizadas com bombas magnéticas fixadas nos carros dos alvos; Darioush Rezaeinejad foi morto a tiros e Masoud Alimohammadi foi morto na explosão de uma motocicleta.  O governo iraniano acusou Israel de cumplicidade nas mortes.

De acordo com a agência privada de inteligência americana Stratfor , um quinto cientista iraniano foi envenenado pelo Mossad em 2007.

Essas mortes revelam o assustador fato concreto que conspirações existem, e grandes potências não hesitam em recorrer ao assassinato quando precisam. Mas é claro, nem tudo é conspiração. Coincidências também existem, e elas podem ser muito bizarras também.

 

fonte  fonte

Vários membros de uma equipe científica morrem em situações estranhas: Obra do acaso ou uma conspiração sinistra?

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Uma ideia sobre “Vários membros de uma equipe científica morrem em situações estranhas: Obra do acaso ou uma conspiração sinistra?

  • 16 de julho de 2021 em 19:00
    Permalink

    não sou muito fã de teoria da conspiração, mas achei esquisito a visita do diretor da cia ao bolsonaro. dias depois ocorre as manifestações em Cuba, pais fortemente apoiado pela esquerda.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!