1979: Ufos sobre a Itália

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Este incidente é considerado um dos avistamentos e fotografias de OVNIs mais confiáveis, graças aos radares, observações visuais e testemunho de Cecconi, que foi considerado um piloto altamente respeitado.

Em 18 de junho de 1979, o piloto militar Giancarlo Cecconi estava retornando à Base Aérea de Treviso, Itália, em seu caça G-91R com seu grupo G-91R 14 do 2º Regimento de Caças da Força Aérea após completar uma missão de reconhecimento.

De repente, o centro de radar Istrana (TV) registrou a presença de um “intruso não autorizado” em suas telas de radar e instruiu Cecconi a se aproximar de uma aeronave não identificada que entrou na área restrita.

Cecconi tinha uma câmera no avião com filme não utilizado e, quando começou a voar até um objeto não identificado, ligou a câmera. 

Então temos aqui a seguinte conjuntura:

Piloto treinado, elemento registrado no radar, avião de caça, câmera especial militar equipada com filme APROPRIADO

Seguindo com o caso, ele se aproximou do OVNI a uma distância de 70-80 metros (perto pra carai)  a uma velocidade de cerca de 300 nós (450-500 km).

 

Ao mesmo tempo, a equipe de solo do aeroporto assistia à ação por meio de binóculos.  (ou seja todo o teatro de acontecimentos estava sendo triangulado em tempo real  de radar, observadores na torre e pelo piloto)

Cecconi foi então convocado pela torre de controle de Treviso pelo radio. A torre vinha avisá-lo de que o objeto estava deixando uma estranha trilha azul.

O piloto começou a perseguir o objeto oval a uma altitude de cerca de 2 km, mas não percebeu a trilha azul indicada, no entanto, ele notou que o objeto estranho balançava regularmente para cima e para baixo, fazendo uma subida ou descida muito acentuada de cada vez.
Quando o piloto inicia as passagens próximas ao objeto, este está a uma altitude de 7.000 pés,  então começa a subir e descer com deslocamentos de mais ou menos 1.000 pés de cada vez, até aproximadamente a uma altitude de 13.000 . Cecconi executa sete / oito passadas perto do objeto e a cada vez está pronto para fotografá-lo com suas câmeras, obtendo um total de 82 frames retratando o intruso.

O OVNI visível estava estacionário em relação ao G-91, mas o centro do radar confirmou a Sesconi que ele estava se movendo e seu curso e velocidade puderam ser determinados.

O OVNI está aparentemente estacionário em relação ao G-91, mas o centro do radar confirma a Cecconi que ele está se movendo em vez disso, com um curso e velocidade definidos. O piloto tenta ultrapassá-lo (e levá-lo de volta) exatamente ao lado dele, mas falha porque o objeto “parece manobrar” para se colocar à sua frente ou em qualquer caso em posição inclinada, sem jamais lhe expor o lado completamente.

A aparência do objeto lembra a testemunha de um “tanque de combustível” escuro e opaco. Suas dimensões parecem ter 8 metros de comprimento e dois e meio metros, no máximo três, de diâmetro.

Externamente, o OVNI parecia um objeto cilíndrico escuro fosco com uma pequena “cúpula” quase transparente localizada em seu lado superior. A cúpula tinha o formato semelhante à cúpula de um carro esportivo. Provavelmente algo assim: 

Cecconi disse mais tarde que o OVNI que viu era definitivamente um objeto sólido, e não algum tipo de “nuvem” ou outro fenômeno atmosférico, porque quando ele chegou muito perto dela, ele não foi afetado pela turbulência de seu caça G-91.

O caça G91

Enquanto Cecconi fazia outro sobrevoo para tirar a próxima série de fotos, o radar de Istrana ligou e relatou que o objeto havia desaparecido repentinamente de seus e de outros radares. – É possível que a aeronave tenha feito a clássica subida zenital a toda velocidade para o espaço, e por isso o “plot” some do radar, porquê ultrapassa a altitude da varredura. 

Segundos depois, a torre de controle de Treviso confirmou que o OVNI também havia desaparecido visualmente para eles. Poucos minutos depois, o avião de Cecconi pousou, seus filmes foram retirados e revelados rapidamente.

O piloto está muito curioso para ver como surgiram as fotos tiradas do objeto e depois vai examiná-las, pegando também uma em que o objeto possa ser visto muito bem, inclusive a “cúpula” branca. Ao fundo, as estruturas e a pista do aeroporto, bem como a zona urbana de Treviso, também aparecem em boas evidências.
Essa foto mostra claramente a pista do aeroporto e dá uma dimensão muito boa de como a visibilidade seria perfeita do desencadear dos fatos no espaço aéreo bem acima do aeroporto, pelos vigias da Torre, especializados em seguir aviões com binóculos.

 

 

O objeto tinha pelo menos oito metros de comprimento e não mais que três metros de diâmetro, ou seja, era relativamente pequeno.

Essas duas fotos acima podem fazer parte da sequencia de fotos daquele dia.

Este incidente é considerado um dos avistamentos e fotografias de OVNIs mais confiáveis, graças aos radares, observações visuais e testemunho de Cecconi, que foi considerado um piloto altamente respeitado.
Das 82 fotografias registradas pelo piloto da Força Aérea Italiana, apenas quatro delas foram divulgadas. Sim, você leu bem, apenas quatro!! Hoje os militares alegam que “perderam as fotos” mas teriam mandado algumas delas para um jornalista da revista Época italiana que também alega que perdeu, e enfim, existem 4 fotos sendo uma que o próprio piloto roubou, perdeu, achou, depois fez copias, e três que teriam sido mandadas pela Força Aérea para a revista na ocasião de uma publicação e alguém “perdeu” o material no meio da historia publicando apenas 3 na matéria. O pacote continua, segundo fontes, mais de dez fotos originais.

Para mim a melhor de todas as fotografias divulgadas é esta:

Se você observar com cuidado, poderá ver a “bolha” que parece ser de vidro ou acrílico ou algum material translucido por cima da estrutura, que não parece ser como uma capsula, e sim parece ter um tipo de ressalto, como uma “bossa” de design na superfície, como seria de se esperar de um “carro espacial” de ficção científica-retrô-futurista.

A maquina que registrou o UFO:

 

Foto tirada em 18 de junho de 1979, acima do aeroporto de Treviso (Itália), com uma câmera Vinten F-95

• Formato de filme 70×70 mm

• Distância focal desconhecida, com 4 valores predefinidos possíveis: 76 mm, 100 mm, 152 mm ou 300 mm.

A hipótese do balão solar

As próprias características do avistamento excluem, por exemplo, possíveis explicações de tipo meteorológico natural ou astronômico. A absoluta falta de asas, hélices ou ejeções como em mísseis resultou em que sobrou o “balão” como hipótese necessária ao contraditório.

Geralmente, quando se trata do ufo tipo charuto, que é o caso aqui, é comum que se alegue na contraposição da possibilidade de um ufo real e concreto, que seja um erro de interpretação, um engano. E enganos definitivamente podem acontecer. Nesse caso, poderia ser um engano com um balão solar.

Balões solares foram origens de muitos “avistamentos e registros” de ufos tipo charuto pelo mundo todo desde seu surgimento no final da década de 70. Este tipo de brinquedo foi popularizado na França pelo fanzine Pif Gadget (edições especiais em julho de 1981 e junho de 1982), mas já existia antes em vários países, em particular na Alemanha, com o fanzine YPS semelhante (YPS n ° 450 e Yps-Extra n ° 3 em maio de 1980: o Solarzeppelin desencadeou então uma onda de relatos de OVNIs), Pif na Espanha e Romênia, assim como outros em outros países.

Típica foto de balão solar confundida com UFO na época

Como pode ser facilmente compreendido, o voo desses balões é totalmente descontrolado, sujeito em todos os momentos aos caprichos do vento e às correntes convectivas que se desenvolviam dentro do mesmo balão, acompanhando o aquecimento ou resfriamento do ar contido em decorrência de um maior exposição ao sol de uma parte do balão do que de outra. A incontrolabilidade do balão causou alguns riscos excessivos para a navegação aérea, a tal ponto que após algumas colisões perdidas entre aeronaves em vôo e alguns desses balões, a comercialização do UFO-Solar foi definitivamente proibida por decreto de 1985.

O que compromete a hipótese do balão são justamente os registros de radar e o relatório do caso que aponta que o objeto estava se movendo rápido demais, subia e descia inteligentemente, não foi perturbada pelo jato em seu percurso e voltas, e lançou algum tipo de “ejeção azul”.  Ouro elemento que depõe contra a hipótese do balão solar é justamente o depoimento do piloto, militar de experiência indiscutível e com um currículo profissional respeitável e que chegou a apenas 80 metros do objeto, podendo ver bem claramente suas características de superfície.

Balão UFO-Solar – único disponível na Itália no período –  tinha cerca de 3 metros de comprimento e 70 centímetros de diâmetro, enquanto Cecconi descreve o objeto que observou e fotografou como um “tanque de combustível” de oito metros de comprimento e pelo menos três de diâmetro. Além disso, o Ufo solar vinha com inscrições de “ufo solar” nas laterais de fora a fora dos dois lados da “salsicha aérea” e o piloto não viu e nas fotos não se pode ver também nenhuma inscrição.

E devemos imaginar que nem mesmo as inscrições aparecem nas demais fotos nunc levadas à público, pois parece provável que se o Ministério da Defesa, empenhados numa campanha de acobertamento tivesse disponibilizado fotos em que as palavras “UFO-Solar” fossem claramente visíveis, teria emplacado a desculpa do balão. Outro detalhe que não se coaduna com um UFO-Solar tradicional é a presença da cúpula (ou carenagem) cristal notada por Cecconi na parte superior do objeto.

Esse tipo de balão sobe com o ar quente dentro dele aquecido pela ação do sol na superfície preta  do material. Isso faz com que a superfície desse tipo de balão não seja “estável”, sofrendo ondulações  e perturbações, conforme a superfície é impactada pela ação do vento. Outra característica desse tipo de balão está em sua constituição: è basicamente um saco na forma de uma salsicha preta enorme, amarrada nas extremidades. Essa amarração produz uma característica marcante que vemos nas fotos acima, formando pregas. Essas pregas não podem ser vistas nas fotografias tiradas pelo caça italiano. O piloto também descreve o objeto como opaco, o que é diferente desse tipo de balão de superfície plástica que também embora seja preto, é brilhosa.

Há outro detalhe: O balão de superfície fina que é o ufo solar, não reflete ondas de radar. E o UFO foi registrado em mais de um radar.

Por fim, de acordo com o piloto, em poucos minutos o objeto passou dos 7.000 pés iniciais para mais ou menos 13.000, alternando as fases de subida e descida.

Mesmo esta taxa flutuante de subida não parece compatível com balão.

Outro elemento que desconstrói a história do balão é que os militares que acompanhavam de binóculos viram o objeto sumir e um balão não some. Há duas hipóteses possíveis para o objeto sumir da observação direta dos vigias da Torre:

  1. Fuga em ultra-alta-velocidade, hyper-espaço ou similares
  2. Ligou algum tipo de camuflagem

As investigações do caso

No final de 1979, o ufólogo Antonio Chiumiento estava investigando um avistamento no aeroporto de Treviso quando acidentalmente soube que no mês anterior de junho um piloto da 2ª Asa havia fotografado um OVNI de seu avião. Chiumiento agiu para descobrir o nome da testemunha, a quem foi entrevistar na companhia de Maurizio Caruso.

Na ocasião, Cecconi relutou em falar (ainda estava na ativa na 2ª Asa), porém contou os fatos aos dois investigadores, implorando que mantivessem em sigilo. Ele também mostrou aos dois a fotografia, retratando o misterioso objeto, que ele guardara para si.

Em 1983, Cecconi deixou seu serviço na Força Aérea e Chiumiento julgou oportuno voltar a entrevistá-lo para aprofundar as informações recebidas na época. A testemunha poderia ser mais generosa com as notícias, continuando a pedir uma certa discrição.

Em 1984, o Ministério da Defesa, em resposta a uma questão parlamentar de 10 de julho, declarou oficialmente que todos os dados relativos ao fenômeno OVNI poderiam ser consultados por organizações civis e acadêmicos através do Gabinete do mesmo Ministério.

Assim, Chiumiento, em 24 de agosto, pediu oficialmente ao Ministério da Defesa a divulgação das fotos pertencentes à série tirada por Mareesciallo Cecconi, bem como a opinião das autoridades militares sobre o que essas fotos representavam.

Tentativa de acobertamento

A hipótese do balão foi levada à cabo pelo próprio ministério italiano na época. Como de costume, prometeram investigar e disseram ser um balão. Obviamente que os envolvidos na operação não concordavam, mas aquela foi a explicação “oficial”.

Em 2 de novembro de 1984, o Ministério batia o martelo. Para além de uma breve descrição do acontecimento (algumas linhas), a carta dirigida a Chiumiento afirmava: “O objecto em questão, imediatamente identificado, foi fotografado com as máquinas de bordo e inequivocamente identificado pela equipa de intérpretes fotográficos em forma cilíndrica balão, feito com sacos plásticos pretos “.

Os jornais se apropriaram da notícia. No dia 12 de novembro apareceu no Gazzettino (jornal veneziano) um artigo de Leopoldo Petto, intitulado: “O OVNI visto em Treviso era apenas um balão de ar quente”. A reportagem citava as falas desse Luigi Milan, professor de educação técnica do ensino fundamental de Azzano Decimo (PN), que se dizia o construtor, junto com seus alunos, do balão lançado do pátio da escola no início de junho e que teria dado origem ao avistamento.

A reportagem também trazia a foto do balão, que na verdade não parece ter muito a ver com o objeto descrito pelo piloto.

Mas uma nova virada na história veio com a publicação na revista Época , em 19 de abril de 1985, do artigo assinado por Remo Guerrini e intitulado “Relato secreto de OVNIs”. O artigo fez valer a explicação dada pelo Ministério (balão de brinquedo) e publicou com exclusividade três fotografias do objeto recebidas pelo mesmo Ministério.

Em resposta, no Stampa Sera de 7 de maio, Chiumiento afirmou que a foto que Cecconi lhe mostrou era muito mais interessante do que as publicadas pela Epoca , perguntando-se, entre outras coisas, por que as fotos mais importantes não haviam sido divulgadas. Posteriormente, Chiumiento, com base nas supostas incoerências existentes entre a foto vista por ele e Caruso e as publicadas pela Época , chegou ao ponto de afirmar que esta última poderia não pertencer à série tirada pelo olheiro.

Em 17 de fevereiro de 1986, o caso Cecconi reapareceu em vários jornais após a divulgação pelo Estado-Maior da Aeronáutica do “Extrato de avistamentos de objetos voadores não identificados para o período de março de 1979 a abril de 1985”: no processo, o caso em questão é foi catalogado como “não identificado”. O que é estranho, tendo em conta a anterior identificação “inequívoca” o que deu margem para especulações que os militares como historicamente vem ocorrendo , tentaram dar um “Migué” com o lance do balão. Nem vou falar daquele papo de que os militares “perderam” as 80 fotos. 

 

 

fonte fonte fonte

1979: Ufos sobre a Itália

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

LUMINÁRIA UFO 

compre a sua em www.obscura.art.br

error: Alerta: Conteúdo protegido !!