Stanislava Tomczyk: A bizarra mulher Telecinética da Polônia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

Em 1910, ela foi examinada pelo Laboratório de Física de Varsóvia por um grupo de cientistas sob rigorosas condições de teste, deixando-os impressionados e incapazes de detectar quaisquer sinais de fraudes. Ela também foi estudado pelo cientista alemão Baron von Schrenck Notzing.

 

No final do século 19 e no início do século 20, viveu na Polônia uma mulher que supostamente possuía uma gama muito ampla de superpoderes.

Seu nome era Stanislava Tomczyk  e ela era capaz de fazer objetos se moverem com influência de sua mente.  Chegou a fazer vários objetos e levitar no ar, conseguiu por mais de uma vez interromper a rotação de uma roleta, conseguia parar o movimento do relógio e ficou célebre por realizar outras proezas intrigantes.

Inicialmente, sua fama se espalhou pela Vístula, uma cidade no sul da Polônia, mas rapidamente se estendeu além de suas fronteiras e logo Tomczyk se tornou conhecida em toda a Europa.

Após a fama, ela despertou a atenção de cientistas. Quando o famoso psicólogo polonês Julian Okhorovich acreditou em seus superpoderes e decidiu testá-la em uma série de experimentos para verificar o quão forte os efeitos telecinéticos de Tomczyk poderiam ser.


Okhorovich começou submetendo Tomczyk a sessões de hipnose, e durante essas sessões ela afirmou estar em contato constante com um uma espécie de entidade, que às vezes assumia completamente o controle de seu corpo. Ela chamou esse espírito de “Little Stasya” e garantiu que ele não era o fantasma de uma pessoa, mas algum outro ser sobrenatural bem mais complexo que um “espirito”.

Às vezes, durante essas sessões de hipnose, Ohorovich conseguia se comunicar diretamente com Little Stasya. Ele se revelava muito travesso, não particularmente cruel ou ameaçador; mas se comportava como uma criança pequena.

Okhorovich observou as habilidades de Tomczyk em várias demonstrações, às quais ele depôs posteriormente:

“Criação de luz, efeitos produzidos sem contato em placas fotográficas no escuro ou na luz vermelha, ou em um galvanômetro. Deposição repentina de produtos químicos em solução e visão por meio de uma tela opaca. Sua força parece alternar de uma classe de fenômenos para outra, e cada classe surge em um momento em que as outras não aparecem. “

Ele também pôde observar como Stanislava levitou uma variedade de objetos no ar, incluindo tesouras, rolhas, bolas, cigarros, colheres e uma caixa de fósforos, que foram colocados na mesa à sua frente e que ela fez subir e voar sem tocar eles, mas simplesmente colocando as mãos em cada lado do objeto. Todos esses experimentos foram, entre outras coisas, capturados em fotografias.

De acordo com Stanislava, quando ela fazia todos esses “pequenos milagres”, ela sentia algo como uma corrente saindo de suas mãos, e as pontas dos dedos começavam a formigar.

Okhorovich sugeriu que essa telecinesia se deve a alguns “raios” que emanam dos dedos de Stanislava. Ele também notou que se você mantiver a palma da mão no ar entre os dedos de Stanislava e o objeto levitado, poderá sentir algo como um fio muito fino e completamente invisível se projetando das extremidades.

“Senti esse fio na minha mão, no meu rosto, no meu cabelo. Quando ela separa minhas mãos, o fio fica mais fino e desaparece. Lembra uma teia de aranha.”

Ao contrário de muitos outros médiuns e médiuns da época, Tomczyk conduziu todas essas demonstrações em salas bem iluminadas, onde ela tinha poucas chances da típica manipulação de objetos por charlatães.

Além disso, ela sempre usava uma blusa de mangas curtas para que todos vissem que ela não escondia nada nos punhos ou nas mangas.

Depois de Okhorovich, alguns outros cientistas também abordaram o fenômeno Stanislava Tomchik. Em 1909, ela foi investigada em Paris pelo professor Theodore Flournois, que acabou a deixando, totalmente convencido de que ela realmente possuía o poder da telecinese, ou a habilidade de mover objetos com a ajuda da mente.

Em 1910, Tomczyk foi examinada pelo Laboratório de Física de Varsóvia por um grupo de cientistas sob rigorosas condições de teste, deixando-os impressionados e incapazes de detectar quaisquer sinais de fraudes. Em 1913, também foi estudado pelo cientista alemão Baron von Schrenck Notzing.

Ela também logo atraiu a atenção da Sociedade Britânica de Pesquisas Psíquicas, que em 1914 também se dedicou ao estudo dela e de suas supostas habilidades no mais cuidadoso esforço. O comitê que veio estudá-lo consistia dos pesquisadores Mark Barr, W.J. Woolley, W.W. Baggalli e Everard Feilding, que conduziram uma série de experimentos para ver do que essa mulher era realmente capaz.

Eles tiveram um total de 11 sessões com Tomczyk e notaram que suas habilidades eram muito semelhantes ao fenômeno poltergeist. Especificamente, Feilding escreveu o seguinte:

“Eles ocorrem de forma espontânea e geralmente inesperada em seu estado normal e incluem bater, mover mesas e cadeiras sem contato visível, jogar ou transportar objetos pela casa em que ela mora, muitas vezes nas proximidades imediatas, mas também muitas vezes em lugares diferentes de onde ela está, por exemplo, fora da sala em que ela está, ou mesmo em outra sala cuja porta esteja fechada. “

Tomczyk também mostrou a eles seus truques padrão de telecinese, sentada em uma mesa na qual vários objetos estavam dispostos à sua frente. Ela os fez levantar e levitar após focalizá-los por 10-45 minutos.

O grau de controle que ela tinha sobre os objetos parecia depender de quanta “corrente” ela poderia coletar em qualquer momento em suas mãos, e seu grau de influência sobre os objetos poderia variar de um simples movimento leve a pairar completamente sobre uma mesa ou mesmo objetos girando, embora o último tenha sido observado apenas uma vez em todos os 11 experimentos, quando ela fez a bola pairar e girar 23 centímetros acima da mesa.

Em alguns casos, ela não conseguiu fazer os objetos se moverem; em três desses experimentos, nenhum movimento foi detectado. Embora os pesquisadores tenham partido, convencidos de que ela ainda era uma verdadeira vidente, seus resultados foram cientificamente inconclusivos.

Feilding também expressou a ideia de que sentia que os poderes dela estariam enfraquecendo, possivelmente devido à instabilidade mental de que ela sofria na época. O fato é que pouco antes desses experimentos, Tomchik foi presa por 10 dias por participar de protestos na cidade, após os quais ela começou a desenvolver histeria e dissociação mental.

É curioso que esse experimento tenha tido resultados inesperados, durante o qual Tomczyk e Feilding se tornaram muito próximos e se casaram 5 anos depois, em 1919.

Após o casamento de Stanislav, Tomchik parou de conduzir suas aparições públicas com telecinese e, desde então, a questão se ela era uma pessoa real dotada de um dom incomum ou uma fraudadora engenhosa ainda paira no ar.

Ela definitivamente tinha muitos detratores.  Alguns mágicos disseram que suas sessões eram apenas prestidigitação, mas Tomczyk nunca foi condenada por fraude, ou mesmo teve o truque descoberto.

Um dos principais argumentos céticos é que, como às vezes havia um certo “fio” entre suas mãos e o objeto, esse era supostamente um método de falsificação. Os céticos afirmavam que Tomczyk usava fios extremamente finos, quase invisíveis, para fazer vários objetos se moverem e subirem no ar. No entanto, muitos dos cientistas que a examinaram viram esses fios surgindo de suas mãos e tentaram examiná-los. Parece um tanto estranho que esse seja o “truque” uma vez que ela não escondeu o misterioso filamento e deixou que fosse examinado e ele se desmaterializava diante dos cientistas.

Os céticos também não explicam como ela foi capaz de confundir tantos pesquisadores profissionais que nunca notaram qualquer tópico ou outra ferramenta nas sessões com ela e nem mesmo como ela produzia fenômenos de telecinese projetados, isso é, em ambientes diferentes de onde ela estava.

Quem era essa mulher e do que ela era realmente capaz? Eram manifestações reais ou ela era apenas mais uma impostora em busca de atenção e fama?

Na verdade, ninguém sabe, e o caso de Stanislava Tomchik permanece um estranho mistério.

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Uma resposta

  1. Fico me perguntando como eu ficaria sabendo dessas histórias incríveis se não fosse esse fantástico site, parabéns pela matéria e pelo site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

© MUNDO GUMP – Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.