Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Eu tenho um notório problema com o queijo. É uma estranha relação de amor e ódio. Alguns queijos eu gosto muito, outros, abomino.

Este é o caso do queijo parmesão ralado de saquinho. Acho que tudo começou num dia quando eu tinha por aí uns 15 anos e estava sozinho em casa. Eu estava com fome, e não queria descer para comer nada na rua. Também não tinha nada em casa para comer. Meus pais estavam viajando e eu acabei procurando alguma coisa que fizesse sentido alimentar.

Essa coisa se resumiu a uma banana preta, que encontrei atrás de um pratinho na geladeira. Era uma banana solitária, murcha. Era deprimente só olhar pra ela. Procurei mais alguma coisa e achei em cima da geladeira, um saquinho com umas torradas que devia estar lá, dada a camada GEOLÓGICA de gordura no saquinho há pelo menos dois anos. De fato, as torradinhas pareciam pedra.

Morda uma pedra pomes e você saberá o que é essa torrada.

A banana preta em cima da torrada ficou legal, mas ainda faltava uma coisa para dar uma “liga”. Essa coisa eu achei numa gaveta. Um saquinho com um resto de queijo ralado. Estava meio verde, mas ora bolas, “o alface também é verde e a gente come”.

Peguei aquilo, joguei em cima das minhas pequenas torradinhas de adamantium com banana preta e joguei no microondas. Larguei lá pra gratinar.

Quando eu tirei do microondas, confesso que a vontade era de vestir um traje pressurizado. Mas eu precisava mostrar a mim mesmo que eu era um homem feito. E homem feito, sabe como é, ele se vira nos trinta.

Fechei os olhos, peguei aquilo e mandei pra dentro.

Pra meu espanto, desceu fácil. A banana liquefeita amaciou a torradinha. No fundo, virou uma gosma que parecia as tripas de um alien. Mas mandei ver. Comi mesmo. Com a mesma expressão do Bear Grills comendo verme.

Eu acho que posso dizer que aquilo se manteve por dois minutos no meu estômago.  O problema todo foi que eu bebi coca-cola para atenuar o gosto e a coca-cola produziu um pequeno arrotinho. O arrotinho, discreto em sua dimensão sonora se provou a pior das pragas do Egito no contexto retrogosto.

Não deu pra segurar. Até tentei, desesperado tampar a boca, mas uma potente cascata de vômito espirrou por entre meus dedos. E quanto mais eu vomitava, mais eu vomitava. Eu achei que nunca ia acabar. Eu vomitando e pensando, “porra, não é possível, eu não comi tanto”!

O fato é que comi um e vomitei dois de cada daquele troço. Daquele dia em diante, passei a ter um problema com o queijo. Se eu sentisse cheiro de queijo gratinando já me batia um negócio, já ficava macambúzio, tudo rodava, eu começava a achar que ia morrer, e aquele cheiro que pra muita gente abre o apetite pra mim era como desfrutar do buquê das partes mais íntimas da virilha de um mendigo.

E isso acontecia até em restaurante.

Foda é que te dá um troço assim, você passa a sentir a porra do cheiro chulezento do queijo em tudo que é lugar. Engraçado que o meu problema era especificamente com o queijo parmesão de saquinho. O ralado na hora é sossegado.

Com o tempo, a coisa foi atenuando até que eu consegui estar numa mesa de restaurante e ver um potinho de queijo ralado sem dar um ataque de ferrôvômorrê.

Então eu tava aqui lembrando disso, porque bem agora eu cheguei na janela e senti esse cheiro. Alguém está gratinando alguma merda de queijo ruim para o reveillon. Me lembrei também que foi prestes a vivenciar um reveillon que passei outro aperto devido ao queijo e meu problema com ele.

Eu estava na casa daquela minha ex-namorada com o qual quase morri no motel e estava calmamente vendo televisão quando minha ex-sogra, chegou por trás de mim e sem perguntar se eu queria, ou se estava afim, enfiou uma coisa na minha boca. Coisa de sogra, sabe como é.

Pra ela aquilo era ótimo.

Imediatamente após ela enfiar aquilo, senti a porra do sabor do queijo. Pensa em alguém enfiando um pacote de merda na sua boca.  Era quase isso. Um treco feito de queijo.

Ela só disse: “Bom né?”

Eu balancei a cabeça, enquanto tentava um malabarismo com a língua. Tentava manter aquela porra contaminada afastada do interior da minha boca. Quem já tentou esconder um cigarro aceso na boca sabe o perrengue que é.

Movi a cabeça enquanto entoei um mantra: Hummmmm! Cara de satisfação, afinal, ninguém é louco de criar atrito com a sogra no último dia do ano.

Por dentro, eu era o caos. Meu cérebro entrou em modo de economia de energia. O sinal de alerta soava… Os operadores corriam de um lado para o outro tentando conter o vazamento radioativo. O comandante do alto do trono mandou puxar o relatório de danos. A estrutura estava comprometida. Havia vazamento no reator. Minha boca de fato estava enchendo de cuspe numa velocidade tão impressionante que parecia um estouro de represa. O que aumentava o gosto.  Eu precisava fazer alguma coisa.

Levantei e educadamente fui até o banheiro. Tranquei a porta. Eu já estava tão desesperado que não conseguia fechar a porra daquela porta de banheiro. Corri na pia.

“Na pia não! ” – Pensei no último segundo. A boca repleta de um caldo nojento de queijo e sei la mais o que que tinha naquele atentado terrorista. Cuspi no vaso.  O bolinho ou seja la que maldição for caiu na água. O som quase me fez vomitar. Me segurei.

Então minha namorada bateu na porta para dizer que não era pra usar o vaso que ele tava entupido.

– Puta que o pariu!  Ali estava o bolinho, prestes a me denunciar. Eu apertei a descarga e ele subiu rodando, vergonhosamente rodando e dando pinta de que não iria descer.

– Caralho, fudeu! – Eu só pensava “caralho fudeu”. O que fazer? O bolinho rodando no vaso… Eu precisava sumir com ele.

Alguém ia entrar ali e ver o bolinho. Minha sogra saberia que eu cometi a maior das maiores desfeitas do universo: cuspir a comida dela.

Meti a mão no papel higiênico e improvisei uma “luva”. Eu solenemente pesquei o bolinho de queijo da privada. Precisava me livrar dele de algum modo. O nojo só aumentavam, porque a sensação era de ser pescador de bosta.

Enrolei aquilo em mais um monte de papel. Pensei em jogar da janela, mas a janela dava para a área. Se eu jogo, tinha risco do Jonsu, o gato dela comer o bolinho com papel e tudo e aí ia ficar pior.

Sem saber pra onde correr, Peguei o bolinho e resolvi lançá-lo discretamente da varanda. Mas assim que saí do banheiro, ouvi o tio dela chegando.

Eu sabia que ele vinha direto apertar a minha mão e eu tava com aquela bosta na mão. Enfiei correndo aquilo no bolso, e não deu outra. Dois segundos depois veio ele com a mão estendida para apertar a minha. A casa estava enchendo de gente, e eu precisava desovar aquela porra. Precisava ser discreto.

Eu disse que ia na varanda ver uma coisa. Eu queria jogar logo aquela porra fora, pois estava já a molhar o meu bolso. E de água da privada.

Cheguei na varanda, encostei a porta de vidro para ocultar meu lançamento. Não havia espaço para erros.

Verifiquei se não havia ninguém me olhando, nenhuma câmera para testemunhar o meu delito. A rua parecia deserta e a hora era propícia. Estava escurecendo rápido. Ninguém ia ver.

Peguei a gosma dentro do bolso, já tava desmanchando.

Preparei o lançamento jogando o braço para trás. Minha meta era jogar no terreno baldio do outro lado da rua, mas assim que preparei para jogar, ouvi um – “Oi Philipe”

Aquilo ferrou meu lançamento. Abortei o movimento e fingi que estava me exercitando na varanda. Era a tia dela.

Perguntou o que eu estava fazendo lá e eu dei uma desculpa. Disse que estava apreciando as samambaias.

“É que eu falo com elas” – Disse ela.

Eu só pensava na massaroca de queijo e água da privada na minha mão. Concordei e tentei cortar o assunto, mas ela começou a me contar o nome de cada uma das plantas. Parecia que o universo queria que aquela porra ficasse morando no meu bolso para sempre.

Mas então, pra minha sorte, alguém chamou ela e eu fiquei sozinho na varanda.  Assim que me vi apenas tendo as samambaias como testemunhas, não me fiz de rogado, tratei de jogar aquela merda em qualquer direção.

Finalmente eu tava livre. O mundo era bem melhor sem uma bolota de coisa de queijo com água da privada e papel higiênico no bolso.

Foi quando eu ouvi um:

-Taca a mãe, filho da puuuuta!

Um cara que vinha passando havia levado o meu porrolho bem no meio das costas.

Ele era grande e forte e estava fazendo menção de descer da bicicleta e subir pra me encher de porrada. Não havia muito o que fazer além de correr. Mas certamente isso levaria o sujeito mal encarado a se encher ainda mais de ódio. Minha saída para acalmar os ânimos foi olhar para o chão e meter o esporro no nada.

-Porra moleque! Quem mandou você jogar coisa nos outros? Vai apanhar! Tá de castigo! Já pra dentro. Uma semana sem videogame!

Eu olhava de rabo de olho pro cara que estava parado me vendo falar com uma criança imaginária. Minha esperança é que ele pensasse que havia alguém atrás da sacada. Deu certo. Ele pareceu ficar mais calmo ao ver que eu estava brigando com o “autor” da traquinagem.

Estendi a mão para o alto e mandei um: -Desculpa aí, moço. Criança é foda.

Ele nem me deu resposta, virou as costas e saiu com sua bicicleta e eu vi claramente a roupa toda cagada.

Só então notei toda a família reunida na sala me olhando com uma cara estranha.

-Eu… Eu tava falando com as plantas.

 

Meu problema com o queijo

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

35 ideias sobre “Meu problema com o queijo

  • 30 de dezembro de 2013 em 20:42
    Permalink

    Kkkkkkk, sensacional, adoro os perrengues da sua vida.

    Resposta
  • 30 de dezembro de 2013 em 20:56
    Permalink

    kkkkkkkkkk…tô rachando aqui de tanto rir…hilário…cara me aconteceu algo parecido mas foi com o doce “marrom glacê”,nem posso sentir o cheiro…corro léguas…já a “parada” de acetar os outros…kkkkkkkk é muita sorte mesmo viu ? Uma vez…morando em apartamento consegui acertar o côco de um sujeito com uma esfera de rolimã…cara absolutamente sem querer…também saí com essa..culpar o “moleque”…kkkkkkkkkkkk !!! Muito bom o texto…parabéns ! Feliz Ano Novo !

    Resposta
  • 30 de dezembro de 2013 em 21:55
    Permalink

    UAHuhauhauhauhauha chorei!

    Resposta
    • 1 de janeiro de 2014 em 20:26
      Permalink

      Eu tava na sala, o lixo era na cozinha, se eu fosse jogar no lixo ela ia ver.

      Resposta
      • 2 de março de 2015 em 15:07
        Permalink

        Poderia ter sido no lixo do banheiro!

        Resposta
  • 31 de dezembro de 2013 em 22:39
    Permalink

    “Eu estava na casa daquelA minha ex-namorada com O qual quase morri no motel e ”

    Correção ai, antes que o “efeito Ronaldo” venha … XD

    Resposta
  • 1 de janeiro de 2014 em 11:37
    Permalink

    Cara, você foi responsável pela minha primeira crise de risos do ano! Kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 1 de janeiro de 2014 em 12:17
    Permalink

    Cara, você ja leu isso antes, mas foda demais como você escreve. Quando a gente nota, já tá envolvido pelo conto.

    Parabéns!!

    Resposta
  • 1 de janeiro de 2014 em 14:19
    Permalink

    meu irmao, eu ri! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.. nao lembro de nenhuma comida asquerosa ou situacao parecida q tenha acontecido comigo apesar de ter tido problemas no figado quando pequeno por causa de “exageros” no consumo de determinados alimentos, mas o que me causa asco so em pensar e é isso q to passando agora lembrando pra escrever aqui foi uma vez ter q tomar akele hidróxido de magnesio ou a velha e conhecida LEITE DE MAGNÉSIA por causa de uma prisao de ventre e que dizem q akela desgraca é um otimo laxante!…. PUTA QUE PARIUUUUU, so de lembrar agora eu já fico com ansia de vomito e o gosto travoso na minha boca comeca a ficar latente, q coisa ruim, meu Deus!!.. e diziam, toma a de sabor hortelã que é melhor.. quem é q pode achar akilo bom? … vishhhhh, gosto nem de lembrar, quando penso que tudo isso poderia ter sido evitado se me apresentassem o lacto purga, nao teria passado tanta agonia!!…kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 1 de janeiro de 2014 em 17:08
    Permalink

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, bizarro.

    Uma vez, desagradei uma ex-sogra e foi fatal.

    Ela mostrou uma foto da filha e perguntou se ela não era linda. Apesar de bonita, ela estava mal naquela foto.

    Caí na besteria de falar isso. Cara, eu morri pra ela. Quando ia na casa deles, ela me dava boa noite e sumia.

    Nunca mais falou comigo. O namoro não resistiu muito, ela e a mãe eram muito ligadas e fui pra vala.

    Praga de sogra é a morte, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 1 de janeiro de 2014 em 20:02
    Permalink

    Não ria tanto desde o conto do peido/cagada do elevador com a velha culpando o entregador

    Resposta
  • 1 de janeiro de 2014 em 23:23
    Permalink

    ja descartei um telefone antigo dakeles q tu roda o troço pra ligar…da sacada do meu predio e acertei um bebado de bicicleta kra..era umas 2 da manha…tem coisas mt gump q acontecem…meus amigo se mijavam de rir incrédulos…lendo tua história ke ri pracarai lembrei dessa minha ai…

    Resposta
  • 2 de janeiro de 2014 em 8:05
    Permalink

    E eu aqui esquentando a cabeça com a vida e os problemas de inicio de ano como ipva, dpvat e coisas assim e me vem essa hilária história que me botou logo um enorme sorriso nos lábios. Com o devido respeito pela situação terrível que qual você passou, é admirável transformar uma situação dramática numa deliciosa sátira do cotidiano. Parabéns…

    Resposta
  • 2 de janeiro de 2014 em 14:42
    Permalink

    Cara, esse post não pode ser lido no trabalho.
    Philipe, eu gosto de queijo mas tem uma coisa que eu abomino e é feita de queijo: um docinho de festa feito com leite condensado e queijo parmesão. Ele se camufla entre os beijinhos de coco e os brigadeiros brancos e eu perdi a conta das vezes em que eu comi uma porra dessas e saí xingando o fdp que inventou esse doce que na verdade é salgado e acaba ficando com gosto de sabão.

    Resposta
    • 2 de janeiro de 2014 em 17:28
      Permalink

      Nossa esse então é de lascar. Treco ruim da porra!

      Resposta
      • 2 de janeiro de 2014 em 17:48
        Permalink

        Eu só conheço UMA pessoa que gosta dessa titica e fico me perguntando: POR QUE AINDA FAZEM ESSE DOCE DO INFERNO, POR QUÊ?

        Resposta
  • 5 de janeiro de 2014 em 0:13
    Permalink

    uma vez comi umas dez mariolas acompanhado de uma sprit… digo, uma refri de limão de 600ml XD …

    e só não digo que tive meu dia de rei por que fiquei 2 dias limpando meu eu interior, nos 2 sentidos, cima e baixo, no segundo dia ainda saia tudo na mesma cor roxeada de mariola …

    nem no dia que eu bebi (ao longo do dia) o equivalente a 1,5 L de leite com açúcar e mais leite em pó (pra ficar concentrado saca) eu passei mal assim … (mas esse dia foi de rei … XD)

    Resposta
  • 8 de janeiro de 2014 em 12:59
    Permalink

    Ha,ha,ha!…. Choreiiiii largaaaaaadoooooo!

    Resposta
  • 8 de janeiro de 2014 em 19:58
    Permalink

    É o seguinte cara, eu vejo seu blog dês daquela época de ouro onde seus contos davam um sucesso, acho que 2007/2008, e sepá, 2006, eu acompanho fielmente até agora, teve umas época que até parei de visitar o site, mas sempre continuei, cara, na boa, você é DEMAIS, você é DEMAIS mesmo, DEMAIS maiúsculão, seus contos são tão bons que eu cansei de ler todos umas dez vezes e até mesmo me dava uma depressão monstruosa saber que tu nem postava mais contos.
    CARA, CONTINUA POSTANDO CONTOS!
    Você é demais.

    Resposta
    • 9 de janeiro de 2014 em 8:48
      Permalink

      Valeu mesmo, Bruno. Fico feliz que vc goste, cara. Continuarei! Abração.

      Resposta
      • 9 de janeiro de 2014 em 12:43
        Permalink

        Sim, sim! Suas histórias são boas mesmo, quando vi um comentário seu falando que tudo oque te aconteceu de ruim aqui foi apenas 10% de tudo, continua aí que você sempre vai ter um cara lendo, alías, seus contos também são dahora, principalmente o do cartão e do Zumbi.

        Resposta
  • 17 de janeiro de 2014 em 23:37
    Permalink

    Puta merda!! Tô chorando de rir aqui!! P.S. já faz tempão que venho aqui no blog, encontrei um dia por acaso e desde então sempre dou uma passada, é ótimo!!

    Resposta
  • 30 de março de 2014 em 10:25
    Permalink

    kkkkkkkkkkkkkk que dizer mais? kkkkkkkk

    Resposta
  • 24 de abril de 2014 em 21:13
    Permalink

    Cara, adorava ver você contando esta história no programa do Jô! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 12 de outubro de 2014 em 14:04
    Permalink

    quando vc bebeu o coca cola depois a banana/queijo ..eu previu explosao na frente rsrs.

    Eu adoro queio rolado com massa, particularmente Pecorino Romano que e dificil encontrar no Brasil. Mas confesso que nao suporto o cheiro das lojas do Pau de Queijo …. odieo o cheiro dessas lojas e sempre evita espaco deles no shopping.

    Resposta
  • 11 de novembro de 2014 em 2:02
    Permalink

    Primeiramente sou fã da suas historias e aventuras e já li reli suas aventuras reais algumas vezes e uma duvida que passou na minha mente agora é Já que você resgatou o “Artefato” com uma luvas de papel ,porque não pegou mais p/ ele ficar selado e não colocou na lixeira que geralmente fica no Banheiros ?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.