Faces de Bélmez: Os rostos misteriosos que intrigaram o mundo

Estranhos rostos começaram a aparecer no chão de uma cozinha na Espanha

“Todos nós somos assombrados por rostos do passado de uma forma ou de outra”, afirmou Maria Gomez no final de sua vida em 2004.

Rostos do passado podem retornar para assombrar tanto indivíduos quanto países inteiros. Às vezes, são verdadeiros fantasmas; outras vezes, são memórias escondidas profundamente no inconsciente coletivo ou individual. Mas e quanto aos rostos que começaram literalmente a aparecer no chão da cozinha de Maria Gomez? Essas faces foram projetadas a partir de seu inconsciente ou elas se originaram no passado sombrio e conturbado da Espanha? Segundo alguns parapsicólogos, as Faces de Bélmez foram o fenômeno paranormal mais importante do século XX.

Rostos que surgiram subitamente e de forma misteriosa no chão da cozinha de uma casa na pequena cidade andaluz de Bélmez em 1971 continuaram a dividir a opinião pública sobre sua origem até hoje. Rotulados por alguns como um dos fenômenos paranormais mais intrigantes e convincentes já registrados, mas descartados como uma farsa por cientistas do governo e pela Igreja Católica, esses rostos permanecem um enigma.

As Faces de Bélmez, como ficaram conhecidas, foram extensivamente escritas. Como na maioria dos eventos paranormais, a maioria dos escritos publicados foi crítica. Na melhor das hipóteses, as faces eram projeções do subconsciente de Maria Gomez, a personagem central da história, embora alguns escritores e pesquisadores tenham ido ainda mais longe e chamado todo o episódio de uma cruel farsa perpetrada tanto por Maria quanto por sua família em busca de ganho financeiro. Cientistas do governo, chamados para examinar a cozinha, encontraram amostras de vinagre e fuligem no chão e concluíram que esses devem ter sido os principais ingredientes da tinta usada para produzir os rostos. Mas isso foi apenas um artifício conveniente para desacreditar os ocupantes da casa e desviar a intensa fiscalização da mídia da vila que, em certo ponto, estava sendo comparada a Fátima e até mesmo a Lourdes?

Já se passaram mais de 40 anos desde que a aparição dos rostos se tornou notícia de destaque na Espanha. Eles continuaram a dividir tanto a opinião pública quanto a de especialistas da mesma forma que os fenômenos anômalos invariavelmente fazem. Os eventos em torno dos misteriosos rostos foram deixados para que os leitores decidissem por si mesmos se eram de origem paranormal ou se tinham uma explicação mais lógica. Pelo menos era o caso até recentemente.

De acordo com um artigo recente na imprensa espanhola, os rostos reapareceram subitamente, mesmo que Maria Gomez tenha falecido há mais de sete anos. Se, como a imprensa espanhola afirma, os rostos fizeram uma re-aparição, então seria um momento apropriado para voltar ao verão de 1971 e reexaminar os eventos e personalidades centrais que cercavam o enigma que se tornou as Faces de Bélmez.

Bélmez é uma cidade sonolenta de casas caiadas ao sol escaldante da Espanha, cercada por alguns dos maiores olivais da Andaluzia. Até 1971, o General Franco estava lentamente perdendo seu controle sobre a Espanha e a imaginação espanhola, e os turistas começavam a chegar à Costa del Sol, abrindo séculos de isolamento a níveis de escrutínio nunca antes vistos desde que a Brigada Internacional foi para lá lutar contra o fascismo nos anos 1930. Esses novos turistas não tinham ideais socialistas; eles se aglomeravam na Espanha pelo sol e pelo álcool barato. Eles levavam de volta sombreros e pôsteres de touradas, mas qualquer outro exame minucioso da cultura e tradições espanholas foi deixado para intelectuais de classe média e escritores que ressurgiam do cisma que o fascismo nazista afundou a Europa Ocidental durante a Segunda Guerra Mundial.

Auxiliados por livros como “Homenagem a Catalunha” de Orwell, o foco gradualmente se voltou para o passado sombrio e problemático da Espanha, particularmente a guerra civil, e foi dentro desse pano de fundo cultural que outros tipos de rostos do passado da Espanha começaram a aparecer no chão da cozinha de Maria Gomez…

A Rua Real 5 foi o endereço da casa ocupada por Maria Gomez Camara e seu marido Juan Pereira quando os rostos apareceram pela primeira vez em 23 de agosto. Eles eram pessoas comuns que não tinham educação formal. Muitos locais em Belmez acreditavam que Maria tinha habilidades psíquicas, mas fora isso, nada diferenciava a família de outros típicos andaluzes.

Inicialmente, eles naturalmente confundiram e assustaram Maria e sua família. Só se pode especular sobre a perturbação que trouxeram à família. Ela explicou como seu marido havia quebrado e refeito o chão, mas os rostos reapareceram no concreto fresco. Até a Páscoa do ano seguinte, a casa havia se tornado um local de peregrinação, com centenas de turistas indo a Bélmez para testemunhar os acontecimentos milagrosos da Espanha. Muitas pessoas vivendo na Andaluzia eram católicos devotos que descendiam de tradições ciganas com fortes associações com a Virgem Maria.

Eles precisavam de pouca persuasão de que os rostos tinham origem em outra dimensão e acreditavam que Belmez era a sua Lourdes. A intensa atenção da mídia junto com o grande volume de visitantes que se dirigiam à cidade preocupava os políticos locais. Da mesma forma que os políticos locais em Lourdes no século 19 tentaram desacreditar as alegações de que a Virgem Maria havia aparecido a uma menina camponesa chamada Bernadette no lixão da cidade, os oficiais do governo local em Belmez estavam igualmente ansiosos para desacreditar e diminuir os rostos que apareciam no chão da cozinha de Maria.

Num esforço para resolver o mistério de uma vez por todas, o chão foi completamente escavado e o que os cientistas encontraram os chocou. Vários esqueletos – a maioria femininos – foram encontrados. Estimativas de suas idades variaram, mas os cientistas geralmente concordaram que eles tinham aproximadamente várias centenas de anos, com os mais antigos datados do século XIII. Descobriu-se que a casa havia sido construída em 1870 sobre o que havia sido um cemitério. Posteriormente, descobriu-se que, antes disso, toda a área havia sido um local de sepultamento tanto para invasores romanos quanto muçulmanos.

De acordo com José Martínez-Romero em seu livro “Las Caras de Bélmez”, novos rostos estavam aparecendo o tempo todo. No início, foi um rosto assombrador que apareceu. De acordo com Maria, a expressão do rosto mudava diariamente. Após um tempo, mais rostos apareceram e, desde que o fenômeno começou, milhares de pessoas têm ido à casa para vê-los, fotografá-los, estudá-los e até mesmo orar a eles. Muitos foram fotografados por jornais e estão todos disponíveis para escrutínio na internet.

Embora os rostos não possam ser descritos como realistas, eles têm uma aparência muito assustadora e surreal. Vale a pena procurar imagens dos rostos na internet. Em particular, um site coloca os rostos com uma música cacofônica e discordante muito perturbadora.

Os meios de comunicação espanhóis e os políticos locais estavam ansiosos para desmascarar todo o fenômeno, alegando que os rostos eram falsos. O filho de Maria, Diego Pereira, foi apontado como o culpado por perpetrar o golpe. Quando seções do chão foram retiradas para análise detalhada, foram encontrados vestígios de fuligem e vinagre. Segundo a opinião de especialistas, pensava-se que esses fossem os principais ingredientes da tinta usada para produzir os rostos. As provas apresentadas pelos cientistas para desacreditar os rostos foram consideradas por muitos como fracas e típicas do tipo de evidência usada para explicar fenômenos anômalos. Fuligem e vinagre, claro, seriam encontrados na maioria das cozinhas. Ao olhar para os rostos em detalhes, é extremamente difícil acreditar que eles foram forjados por alguém, muito menos por um garoto.

Ramos Perera, presidente da Sociedade Espanhola de Parapsicologia, disse que, ao testar o primeiro rosto com infravermelho em La Pava, ficou em dúvida se ele havia sido pintado. Como Perera chegou a essa conclusão é desconhecido, mas psicólogos que entrevistaram Maria estavam convencidos de que ela não era a autora de uma cruel farsa.

Hans Bender, um investigador paranormal alemão que teve acesso à casa e entrevistou Maria extensivamente, também não concordava com a hipótese de fraude. No entanto, ele acreditava que os rostos estavam aparecendo paranormalmente por um processo chamado ‘pensografismo’. Essencialmente, Bender acreditava que os pensamentos inconscientes de Maria eram responsáveis pelo aparecimento dos rostos. Ele afirmou que isso era uma forma de efeito telecinético, embora não tivesse ideia de como isso realmente acontecia na realidade. No entanto, ele ainda registrou que os rostos eram um dos eventos paranormais mais importantes do século XX e se recusou a aceitar que atividades fraudulentas fossem responsáveis pela sua aparição.

Outro psicólogo e investigador paranormal, Germán de Argumosa, entrevistou Maria extensivamente e também estava convencido de que os rostos não eram fraudulentos. Argumosa foi um dos pioneiros iniciais no Fenômeno de Voz Eletrônica (EVP). Ele montou equipamentos delicados de gravação de som na cozinha trancada durante a noite e obteve sons gravados de sussurros e suspiros. Uma análise cuidadosa das fitas identificou vozes distintas dizendo coisas como “Continuo enterrado”, “Maria, quero sair” e “Olhe abaixo”. Seria interessante saber se as fitas ainda estão disponíveis para pesquisas futuras, pois a tecnologia de som melhorou exponencialmente desde o início dos anos 1970.

José Martínez Romero publicou um livro também endossando a hipótese paranormal: ele argumentava que a teleplastia era a energia por trás da criação dos rostos. Teleplastia é um termo usado para descrever como um médium usa ectoplasma para recriar uma forma espiritual. Neste caso, a energia de Maria estava sendo usada para criar os rostos no chão. Isso sugere que, se aceitarmos a explicação paranormal, então temos que reconhecer o papel que Maria desempenhou como uma médium consciente ou inconsciente, fornecendo a energia psíquica para que os rostos se manifestassem. Na Inglaterra, Andrew Mackenzie, um escritor sobre o paranormal, dedicou o primeiro capítulo de “O visto e o invisível” às Faces de Bélmez.

Mackenzie não falava espanhol e dependia muito de um tradutor amador durante sua estadia. Seu relato legível das faces também apoiava a explicação paranormal, embora não possa ser classificado como uma investigação crítica sobre o fenômeno.

Mais tarde, no início dos anos 1990, um padre católico, Padre JM Pilon, conseguiu recuperar duas das lajes inicialmente levadas por cientistas do governo para o Instituto de Cerâmica e Vidro para análise posterior. No entanto, ainda havia muitas perguntas sem resposta para que uma linha fosse traçada sob o que Hans Bender considerava um dos eventos paranormais mais importantes do século XX.

Pouco foi dito sobre Maria nisso tudo. Análises químicas foram realizadas nessas lajes e nenhum vestígio de tinta foi encontrado. É claro que, naquela época,

tanto o governo quanto os oficiais da igreja consideravam o caso encerrado: não havia mais perguntas a responder. A ciência interveio para declarar os rostos fraudulentos. No entanto, para muitas pessoas ainda há constantemente refutadas as alegações de que os rostos eram de alguma forma falsos. Ela morreu em fevereiro de 2004, aos 85 anos de idade e, portanto, não é mais capaz de dar sua própria versão dos eventos.

No entanto, se olharmos para a maneira como Maria lidou com os rostos pelo resto de sua vida; como ela veio a aceitar e aprender a viver com eles, e até mesmo a amá-los, há muito que podemos aprender com ela. Nos anos posteriores, Maria aprendeu a valorizá-los. Eles lhe deram a segurança que ela buscava sobre a natureza da vida e da morte e ela disse que esperava que os rostos a acompanhassem para o além. Os rostos desapareceram tão rapidamente e repentinamente quanto apareceram em agosto de 1971, quando Maria morreu.

Isso vincula inequivocamente Maria aos rostos, embora se eles eram de origem paranormal ou um exemplo de ‘pensografismo’ ou ‘teleplastia’ como Hans Bender e José Martinez Romero reivindicam respectivamente, permanece sem resposta. Embora a fraude nunca possa ser completamente descartada, o consenso geral aponta para isso ser muito improvável. A tinta era uma explicação muito conveniente usada por políticos desesperados e provavelmente assustados para suprimir o sensacionalismo popular e aumentado. Neste curto artigo, tentei dar um relato equilibrado de tudo o que foi relatado ter acontecido em 1971.

O problema que temos em buscar verificar relatos escritos, especialmente aqueles originários em outro idioma, é enorme. Enquanto os contra-advogados da hipótese parapsicológica têm um trabalho mais fácil do que os investigadores paranormais, muitos não-céticos tornam sua vida muito mais fácil ao comprar a explicação psíquica de imediato.

Precisamos continuar a fornecer relatos equilibrados e este caso, acima de todos os outros, destaca a necessidade de uma documentação cuidadosa e precisa desde o início. O desconhecido é frequentemente encontrado com medo e talvez a resposta de Maria aos rostos seja uma lição para todos nós?

Talvez as Faces de Bélmez nos ensinem sobre a natureza dos fenômenos paranormais e como eles podem tocar a humanidade de maneiras muito especiais. Independentemente de os rostos serem genuínos ou não, eles certamente tocaram e afetaram Maria.

Maria deixou registrado que os rostos a confortaram em seus últimos anos. Quando muitas coisas na sociedade estavam mudando, os rostos permaneceram uma constante em sua vida. Embora ela tivesse temido os rostos quando eles apareceram pela primeira vez, ela acreditava que isso era simplesmente porque ela falhou em entender e deveria ter a última palavra aqui.

De acordo com relatos de testemunhas oculares em 1984, o ano em que Maria morreu, eles eram responsáveis por fornecer as conclusões mais intrigantes de qualquer história. Após a morte de Maria, os rostos apareceram repentinamente em uma casa mais acima na mesma rua.

Para a maioria dos habitantes de Bélmez, isso não foi nada surpreendente: era a casa em que Maria havia nascido.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos