Desaparecimentos inexplicáveis

Os desaparecimentos humanos seguem sendo um dos problemas mais difíceis de solucionar

Entre os diversos mistérios que se espalham pela face da Terra, os desaparecimentos humanos inexplicáveis são dos que mais me intrigam.
Desde sempre pessoas desaparecem, algumas vezes, bem diante dos olhos de testemunhas. Sem qualquer explicação. Num momento a pessoa está ali e no outro ela sumiu. Muitas vezes, para sempre. Mas em algumas vezes, elas voltam! 


Como isso é possível? Como isso pode acontecer, assim deliberadamente e não se tratar de um problema dos mais graves para a ciência?
Normalmente, o desaparecimento humano acaba sendo atribuído a fatores mundanos: Sequestros, tráfico de pessoas, assassinatos, fuga, doença mental, entre outros. Mas não estou me referindo a esses casos, que obviamente são o grosso da maioria dos desaparecimentos humanos, não há dúvida.

Casos efetivamente bizarros

No turbilhão dos acontecimentos do dia-a-dia não nos damos conta de muitos desses desaparecimentos, e eventualmente, nosso sistema de crenças/religião contribui de uma maneira prejudicial na investigação dos fatos. Alguns sumiços podem ser atribuídos a ação de anjos, demônios ou espíritos. Ideias como alienígenas ou universos, espaços liminares, realidades alternativas, como sete além, mundos paralelos também ocupam uma boa porcentagem das hipóteses mais “viajantes” para desaparecimentos estranhos.

Aí, muitas vezes, histórias ficcionais e creepypastas acabam ganhando uma dimensão de realidade deliberada (Não raro, por pura falta de caráter de influenciadores digitais do eixo mistério-paranormal – você possivelmente sabe de quem estou falando) sendo apresentados como verdades, eventualmente por ignorância, mas muitas vezes sabendo que se trata de mentira, mas conteúdo é conteúdo, gera engajamento e isso se reverte em dinheiro, então, “foda-se”. E seguem iludindo os jovens-místicos.

O fantástico caso do homem de Taured

O efeito do permanente estado de um copiando do outro, que se tornou a realidade da internet hoje, vai construindo toda uma aura de realidade, de tantas vezes que a mentira é repetida, as pessoas começam a pensar que são reais. Um bom exemplo disso é a história fictícia “o homem de Taured” um homem que supostamente veio de um universo paralelo e que aparece num voo com passaporte e até dinheiro de um país chamado Taured, que não existe na nossa realidade e fica perto do Japão.

Essa é uma história puramente fictícia, mas que ainda hoje circula em livros e artigos como a pura realidade. Assim também ocorre com casos de viajantes do tempo e etc.
(estranhamente, não consegui localizar no mundo gump meu post onde desminto detalhadamente a história do Homem de Taured) Esse blog está ficando tão lotado de informação que pesquisar nele, virou um inferno.

Tendo isso em vista o fato de que essas histórias muito espetaculares podem ser casos como “homem de taured” que surgiu num pequeno conto de ficção científica, ou casos como o do bebê diabo, criados apenas para causar, as fronteiras entre as certezas e as incertezas vai se tornando tênue. Isso contribui para atrapalhar a investigação e estudo do fenômeno dos desaparecimentos bizarros.

Mas ainda assim, há casos estranhos demais para serem  descartados. E alguns são tão antigos e misteriosos que acabaram entrando para a história.

As primeiras menções ao desaparecimento misterioso de pessoas remontam a séculos atrás. Por exemplo, nos anais chineses é descrito que em 295 d.C., durante a dinastia Jin, desapareceu um importante oficial:

Mal ele saiu para a rua para pegar sua carruagem, ele se dissolveu no ar diante dos olhos atônitos dos presentes.

Um incidente semelhante ocorreu em 301 d.C. na Roma Antiga, quando um jovem do círculo íntimo do imperador desapareceu misteriosamente: ele pegou as rédeas de um cavalo e de repente desapareceu no ar. O mais estranho é que ele sumiu, mas o cavalo, não!

O cavalo, assustado, relinchou e ficou em pé sobre as patas traseiras, demonstrando extremo medo.

Existe uma versão de que o principal oponente de Genghis Khan, Khwarezmshah Jalal ad-Din, em 1231 d.C., não foi morto por gananciosos curdos, mas desapareceu misteriosamente da vista dos guerreiros mongóis que o perseguiam.

Entretanto, esse desaparecimento histórico em especial pode ser questionado como uma tentativa de justificação moral, Se o comandante desapareceu, ele não foi morto pelo inimigo. Funcionaria como um apelo ao sobrenatural para manter a moral das tropas.

Seja como for, um grande impacto nos espectadores foi causado quando uma história de desaparecimento estranho veio a público em 1787 na França:

Em um instante, em uma loja, três pessoas começaram a perder suas formas nítidas e rapidamente se dissolveram no ar.
De uma só vez. Assim, na baciada!

Em 1809, um diplomata britânico, voltando para casa com um amigo, parou em uma pousada para jantar. Quando estavam prontos para continuar a viagem, os homens se aproximaram dos cavalos e o diplomata estendeu a mão para acariciar um dos animais. Nesse momento, ele desapareceu no ar diante dos olhos do amigo. Novamente, só ele sumiu. O cavalo continuou lá.

Mas nem todos os casos estranhos chegam no nível desse aqui:

Em 1867, um caso de desaparecimento repentino ocorreu na França. Um paciente, Lucien Bousier, foi ao médico, tirou a roupa e deitou-se na maca. O médico se virou por um momento para pegar um instrumento e, quando olhou novamente, o paciente não estava mais lá, embora suas roupas ainda estivessem na maca.

Ele evaporou na frente do médico, deitado na maca.

Como isso pode ser possível? Por que alguns somem com suas roupas e outros não?

Existirá algum tipo de síndrome da desmaterialização, algo raro e desconhecido, que afeta pessoas aleatórias, sem aviso, como parece ocorrer com a combustão humana espontânea? Nesse caso, haverá algum sintoma, uma sensação ou algo que precede o fenômeno? O caso a seguir indica que talvez sim:

Em 1894, em Barcelona, o espanhol Hugo Martinez, sentado à mesa de festa, de repente se levantou, desculpou-se com os amigos dizendo que se sentia estranho e foi para uma sala ao lado. Nunca mais foi visto.

Desaparecimentos coletivos

A hipótese de uma síndrome misteriosa de desmolecularização em cadeia tem um empecilho: Ela deveria afetar apenas uma pessoa, como a combustão humana espontânea. Mas há evidências de desaparecimentos coletivos. E talvez isso indique mais de uma causa para sumiços repentinos.

Na primeira metade do século XX, o chamado Triângulo de Bennington, no estado de Vermont, EUA, ganhou ampla notoriedade, onde de 1920 a 1950 desapareceram misteriosamente 19 pessoas.

Por exemplo, em 1928, um destino trágico recaiu sobre o pequeno Paul Jackson, de cinco anos. A criança brincava pacificamente no quintal sob a supervisão da mãe. Em volta havia uma cerca alta e os portões estavam bem fechados. A mãe entrou em casa por um minuto e, quando voltou, não encontrou mais o filho. Em 1945, um idoso, Sr. Gatford, desapareceu em um ônibus de linha regular. Ao entrar em Bennington, os passageiros se lembravam de que ele estava sentado no fundo do ônibus perto da janela. Mas, vinte minutos depois, quando o ônibus parou, o homem tinha evaporado no ar. No assento, apenas um jornal do estado vizinho e os óculos dele foram encontrados, confirmando que ele estivera no ônibus.

Locais problemáticos

Uma floresta no parque nacional da Califórnia recebeu, em 1955, o sinistro nome de “Floresta das Crianças Perdidas“. Ao longo dos anos, centenas de pessoas desapareceram lá, principalmente crianças e jovens. Por exemplo, em agosto de 1957, um menino de oito anos, Tommy Bowman, desapareceu na trilha da floresta. Ele desapareceu em segundos, sem um som ou vestígio.

Um desaparecimento misterioso ocorreu em 1971 perto de Stonehenge. Um grupo de sete jovens decidiu acampar entre as pedras do monumento megalítico. Durante a noite, uma patrulha policial passou pelo acampamento barulhento e viu as enormes pedras subitamente iluminadas por uma luz azul brilhante. O carro da polícia se dirigiu imediatamente para o local, mas encontrou apenas pertences, tendas e nenhum sinal das pessoas. Sete pessoas desapareceram sem deixar rastro, de uma só vez.

Nos Estados Unidos, em 1997, uma família de quatro pessoas – marido, esposa e dois filhos – desapareceu misteriosamente. Enquanto viajavam, pararam em um café no estado do Novo México. Enquanto o pai terminava sua refeição, a mãe e os filhos decidiram dar uma volta pela área. Nunca mais foram vistos.

O século XXI não libertou a humanidade desse fenômeno misterioso. Em 2002, na cidade de Davenport, Iowa, EUA, uma jovem chamada Emily David desapareceu misteriosamente enquanto fazia compras em um supermercado.

A história conhece muitos casos em que não só indivíduos desapareceram misteriosamente, mas grandes grupos de pessoas e até todos os habitantes de vilas inteiras.

Em 1589, centenas de colonos – homens, mulheres e crianças – da colônia de Roanoke desapareceram misteriosamente. Soldados que entraram na vila viram que as velas ainda estavam acesas nas casas, a comida estava nas mesas, mas os moradores haviam desaparecido. Inicialmente, pensou-se que os nativos os haviam matado, mas não foram encontrados sinais de violência, sangue ou corpos. Apenas uma inscrição apressada, intrigante e incompleta foi encontrada em uma árvore perto da casa do sacerdote:

“Não é o que parece…”.

Em 2001, todos os 47 habitantes de uma pequena vila no Zaire desapareceram. Seus pertences estavam intocados, as mesas postas. Parecia que os moradores estavam prestes a almoçar quando desapareceram. Em 1930, foi registrado o desaparecimento de uma vila inteira de esquimós às margens do lago Anjikuni, no Canadá. Um caçador encontrou a vila completamente vazia, mas todos os pertences e roupas quentes estavam no lugar, embora fosse inverno. Não havia pegadas na neve ao redor da vila.
Se não me engano, nesse caso até os mortos enterrados sob terra congelada e praticamente inacessível tinham sumido também – o que deu um ar ainda mais bizarro a tudo, já que o enterro dos mortos é tabu e jamais se mexe num morto naquela cultura.

Em março de 1931, um evento misterioso ocorreu perto da vila de Lyada, na região de Pskov, quando várias dezenas de camponeses exilados, juntamente com suas famílias, desapareceram sem deixar vestígios.

Em 1916, perto da vila francesa de Amiens, uma companhia de soldados alemães inteira desapareceu misteriosamente. Os ingleses, que atacavam as posições alemãs, ficaram surpresos ao encontrar as trincheiras inimigas vazias, ainda com armas carregadas, roupas secando ao lado do fogo e até uma sopa fervendo nas panelas.

Na noite de dezembro de 1937, três mil soldados chineses tomaram posição perto de Nankin. Na manhã seguinte, a comunicação foi perdida e a patrulha enviada não encontrou vestígios dos soldados.

Em 1991, a KGB desclassificou informações sobre o desaparecimento de um avião AN-2 perto de Sverdlovsk, 30 anos antes. O avião foi encontrado destruído na floresta, mas nenhum corpo foi encontrado, não havia ossos nem tecidos, nada. Apenas um círculo queimado de origem desconhecida, com 30 metros de diâmetro, foi descoberto perto do avião, o que estimulou a hipótese extraterrestre.

Em 1939, durante a construção de um dos campos de trabalho, um grupo de prisioneiros desapareceu misteriosamente junto com a unidade de soldados do NKVD que os guardava.

Isso ocorreu 150 quilômetros ao norte de Krasnoyarsk, em uma área pantanosa conhecida como “Colina do Diabo”. Durante a investigação, não foram encontradas evidências que indicassem fuga. Apenas chapéus foram encontrados, correspondendo ao número exato de pessoas desaparecidas.

Esse negócio dos chapéus é extremamente intrigante. Onde quer que tivessem ido, por que todos deixariam os chapéus ara trás?  Isso é um elemento de simetria no desaparecimento. E simetria parece não estar ligada a algo de origem natural-caótica.

Em novembro de 1945, a 12ª companhia do NKVD da URSS, composta por 100 homens, desapareceu. Eles partiram da cidade em direção a uma estação ferroviária e não retornaram. As buscas revelaram apenas uma fogueira apagada e tendas montadas para descanso, e nada mais.

Em 12 de agosto de 1915, na península turca de Gallipoli, 250 soldados e oficiais do Regimento de Norfolk inglês entraram em uma faixa de névoa branca e não saíram mais.

Companheiros de armas que permaneceram nas posições testemunharam que, naquele dia, seis a oito nuvens densas e perfeitamente circulares pairavam sobre a altura. Apesar do vento, as nuvens não se moviam e não mudavam de forma. Outra nuvem desceu ao solo e cobriu o leito seco de um rio. Os soldados do regimento entraram nessa nuvem e nenhum deles saiu. Logo a nuvem subiu e se juntou às outras, movendo-se em direção à Bulgária e desaparecendo de vista. Este evento foi oficialmente classificado por cinquenta anos. Os soldados desaparecidos foram procurados por muito tempo, mas nenhum deles foi encontrado, nem entre os mortos, nem entre os prisioneiros libertados pelos turcos após o fim da guerra e está relacionado com a hipótese extraterrestre também.

Em junho de 1936, perto de Krasnoyarsk, na aldeia de Elizavetino, um pequeno grupo de geólogos se estabeleceu. Certo dia, os cientistas saíram em uma expedição de alguns dias. Ao retornarem, experimentaram um verdadeiro horror: os pertences nas casas estavam no lugar, duas bicicletas estavam no meio da rua principal. Só não havia pessoas. Os moradores foram procurados sem sucesso pelos funcionários do NKVD. Testemunhas foram obrigadas a assinar um acordo de confidencialidade para não semear pânico.

Raifuku Maru

Em 15 de fevereiro de 1924. Nesse dia, o navio cargueiro japonês “Raifuku Maru” enviou uma mensagem aterrorizante enquanto estava em algum lugar entre as Bahamas e Cuba. As últimas palavras do rádio foram:

“Perigo incrivelmente grande. Venham rápido. Não podemos escapar.”

Ninguém jamais soube qual era o perigo. Mais intrigante ainda, o navio que se apressou em socorrer o “Raifuku Maru”, ao chegar à área indicada, não encontrou nada: nem destroços, nem corpos.

Embora na ampla maioria dos casos as pessoas simplesmente sumam, há pelo menos um que parece indicar que essa “passagem” é traumática.

Em 31 de dezembro de 1909, na véspera do Ano Novo, Oliver Thomas, um garoto de 11 anos de Gales, saiu para buscar água. De repente, seus parentes ouviram seu grito desesperado. Todos correram para ajudar, mas Oliver já tinha desaparecido.

As pegadas na neve estavam claramente visíveis, mas terminavam abruptamente antes de chegar ao poço. O menino desapareceu para sempre.

Há também um outro caso que é surpreendente, porque a pessoa que sumiu não podia andar e desvaneceu bem diante de duas testemunhas:

Em 26 de junho de 1763, na Inglaterra, na presença de sua irmã e enfermeira, um velho marinheiro paralisado desapareceu de sua cadeira de rodas na varanda de sua casa.

Em agosto de 1840, perto da capital das Bahamas, Nassau, foi encontrado o navio francês “Rosalie”, à deriva no mar com as velas içadas, mas sem tripulação. Não havia danos no navio, a carga estava intacta, e parecia que as pessoas tinham acabado de sair do navio. Como resultado, o navio foi apelidado de “fantasma” e comparado ao “Holandês Voador”.

Em 21 de agosto de 1845 uma expedição polar americana desapareceu misteriosamente. Podem ter sido congelados e cobertos pelo gelo? Talvez.

Perto da vila de Lyada, na região de Pskov, em um lugar anômalo conhecido como “Ravina do Diabo”, em agosto de 1974, um grupo de coletores de cogumelos de São Petersburgo também desapareceu sem deixar vestígios.

No início de março de 2011, a bordo do luxuoso navio de cruzeiro “Disney Wonder”, realizando um cruzeiro dos EUA ao México, desapareceu misteriosamente a britânica de 24 anos Rebecca Coriam. As buscas não levaram a nenhum resultado.

Em julho de 1978, em Sverdlovsk (agora Ekaterimburgo), um residente da cidade, Andrey Fedoseev, desapareceu misteriosamente. Ele tentava alcançar alguns garotos que haviam feito uma travessura contra ele e, de repente, desapareceu para sempre.

Há pelo menos um caso em que uma poderosa descarga elétrica está envolvida e ocorreu diante de dezenas de testemunhas oculares. É o caso a seguir:

Nos arquivos do Departamento de Assuntos Internos do Comitê Executivo Regional de Sverdlovsk, há um caso criminal curioso ocorrido em setembro de 1972, em um ônibus que transitava pela rua em Nizhny Tagil, um homem de meia-idade desapareceu à vista de várias dezenas de passageiros. Durante um forte raio que caiu próximo ao ônibus, ouviu-se um leve estalo no salão, seguido pelo desaparecimento do homem, que literalmente se dissolveu no ar.

Nem com buscas envolvendo grandes somas de recursos e nem mesmo com recompensas polpudas algumas pessoas são encontradas.  Um exemplo é o caso Macmillan. De acordo com o jornal “Daily Chronicle”, em 30 de julho de 1889, o Sr. Macmillan, membro da família proprietária da famosa editora “Macmillan”, subiu ao topo do Monte Olimpo, na Grécia, acenou para seus amigos e então, “puf!” desapareceu. Apesar das buscas meticulosas e da recompensa oferecida, ele nunca foi encontrado.

FENÔMENO INTRIGANTE

O fenômeno do desaparecimento de pessoas hoje é um fato amplamente reconhecido. As pessoas desaparecem, saem do campo de visão de parentes, conhecidos, colegas de trabalho. Existem muitas causas naturais para esse fenômeno, que pode afetar a vida de qualquer pessoa. Mas aqui estamos falando de casos específicos de desaparecimento de pessoas. Gente que desaparece instantaneamente e para sempre não pode ser algo a ser entendido dentro do que convencionamos “normalidade”.

Existem muitos exemplos de pessoas que literalmente se dissolveram no ar na frente de testemunhas atônitas. Não é possível compreender logicamente tais desaparecimentos misteriosos, assim como não é possível explicá-los do ponto de vista da ciência moderna. O número astronômico de tais casos leva à conclusão de que isso é um problema verdadeiramente global, e há um fator misterioso contribuindo para o desaparecimento enigmático de pessoas.

O fenômeno do desaparecimento misterioso de pessoas acompanha a humanidade desde a sua existência. O estudo desse fenômeno foi entregue a pesquisadores independentes. Estes, por sua vez, interpretam essa questão complexa e misteriosa de diferentes maneiras. Alguns tentam explicar o fenômeno através da teoria dos “buracos negros”, argumentando que essas formações minúsculas, mas de enorme densidade, simplesmente absorvem a carne humana. Outros falam da natureza extraterrestre do fenômeno: supostamente, uma inteligência alienígena sequestra pessoas, perseguindo objetivos além da compreensão humana. Outros ainda afirmam que a causa de tudo são mundos paralelos: de tempos em tempos, portais ligando outra realidade à terrena surgem em nossa realidade. A pessoa que se encontra no epicentro dessa formação cai em outra dimensão, onde permanece para sempre. No entanto, nenhuma dessas teorias é capaz de explicar todos os casos conhecidos de desaparecimentos misteriosos de pessoas como uma causa única.
O mistério persiste, para nosso infortúnio e angústia.

Se você chegou até aqui, meus agradecimentos.
A fonte para a elaboração desse post é um artigo científico russo que tenta estabelecer uma conexão entre alinhamentos planetários e um tipo de interferência de natureza cósmico-vibracional cíclica, que interferiria na nossa realidade. O artigo está aqui: Космофизическая природа явления таинственного исчезновения людей

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Sobre o caso da Rebecca Coriam, baseado no que temos de imagens do navio, ela provavelmente deu cabo da vida ao se jogar do cruzeiro. Momentos antes as cameras pegam ela transtornada fazendo ligações para uma pessoa que ela tinha um relacionamento. A camera pega ela andando pra lá e pra ca no navio, provavelmente matutando a ideia do suicidio.

  2. Esse tanto de casos me lembrou aquele do escoteiro que sumiu (Marco Aurélio, pico dos Marins, 1985) que nunca acharam o paradeiro. Foram até perguntar ao Chico Xavier que disse que ele estava vivo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimos artigos

Gripado

O dia da minha quase-morte

Palavras têm poder?