Mulher processa empresa por estar há 20 anos sem dar nada pra ela fazer

Ela processou a empresa porque queria trabalhar, mas só recebia o salario em dia por 20 anos

Sim, meu amigo, tem gente que processa a empresa até por não dar serviço pra ela, apesar de estar pagando seu salario em dia faz duas décadas!

Laurence Van Wassenhove foi contratada como funcionária pública pela France Telecom em 1993, antes da empresa ser adquirida pela Orange.

Seu empregador original sabia que ela era hemiplégica – paralisia parcial do rosto e membros – desde o nascimento e sofria de epilepsia, e lhe ofereceu um cargo adaptado às suas condições médicas.

Ela trabalhou como secretária e no departamento de RH até 2002, quando pediu para ser transferida para outra região da França. Seu pedido foi aprovado, mas o novo local de trabalho não era adequado às suas necessidades, e um relatório de medicina do trabalho confirmou que o cargo não era adequado para ela. Apesar disso, a Orange supostamente não fez ajustes em seu trabalho, preferindo pagar seu salário integral pelos próximos 20 anos, sem lhe dar nada para fazer.

Apesar dos esforços da Orange para ignorar Van Wassenhove, a mulher com deficiência fez o possível para relatar a situação ao governo e à Alta Autoridade de Luta contra a Discriminação.

Em 2015, um mediador nomeado pela Orange foi designado para resolver a situação, mas nada melhorou, pois a empresa continuou a pagá-la sem lhe atribuir tarefas. Seus advogados alegam que a gigante das telecomunicações estava tentando coagi-la a pedir demissão.

“Eles preferem pagar a fazê-la trabalhar”, disse o advogado de Laurence, acrescentando que a mulher entrou com uma queixa contra a empresa e quatro de seus gerentes por “assédio moral e discriminação no trabalho vinculados à sua condição de saúde”.

“Trabalho para uma pessoa com deficiência significa ter um lugar na sociedade, reconhecimento, laços sociais que são criados”, disse o advogado da mulher. Neste caso, Laurence Van Wassenhove foi privada de tudo isso por “ser colocada de lado” por 20 anos na esperança de que ela desistisse.

O jornal francês La Dépêche entrou em contato com a Orange sobre o caso de Van Wassenhove, e a empresa disse que fez de tudo para garantir que a mulher trabalhasse nas melhores condições possíveis.

A empresa também afirmou ter levado em consideração a “situação social pessoal” da mulher e pagado seu salário integralmente, além de várias ajudas não reembolsáveis. “Um retorno ao trabalho em cargos adaptados” também foi planejado, mas nunca se concretizou porque a funcionária estava regularmente de licença médica.

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimos artigos

Gripado

O dia da minha quase-morte

Palavras têm poder?