Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Cilício é uma espécie de cinto metálico, tipo uma corrente com espetos parecidos com uma enforcadora de cão bravo que algumas pessoas usam no corpo para provocar dor.
Não acredita? Pois a verdade é que no século XXI, a era da tecnologia, instrumentos medievais de auto-flagelação estão em pleno uso.

A parada transcorria na clandestinidade, como bem convém a estas maluquices de seitas, mas a revista ÉPOCA em sua recente edição jogou aquele holofote de Xênon bem no meião da Opus Dei e embasbacado com tamanha coragem de se “mortificar pela fé” descobri o cilício e a auto-flagelação católica.

O termo vem do latim cilicinus que quer dizer feito de pêlo de cabra, ou cilicium que quer dizer tecido áspero ou grosseiro de pelo de cabra ou vestido de gente pobre. Hoje é conhecido como forma de mortificação voluntária ao lado do jejum e abstinência dentre outras formas.
Olha que eu sempre achei que algumas linhas pentecostais eram manifestações impressionantes da fé, com pessoas falando línguas malucas (prometo que em breve conto minha aventura na igreja dos meus sogros) usando paninhos na cabeça ou dançando em rituais vestidos de roupas que fariam a Elke Maravilha se envergonhar, como aquelas de Brasília.

Mas eu nunca, nunca mesmo, imaginei que na Igreja católica ainda havia este tipo de medievalismo ainda nos dias de Hoje.
Quando se estuda Psicologia como eu fiz, entende-se que a auto-flagelação, a privação de sono, a privação de alimento, utilização de ervas alucinógenas e tantas outras privações são caminhos estratégicos para reduzir a censura psicológica e fragilizar a consciência ao ponto de provocar sensações de experiências místicas e assim estender o contato com a fé.
Acontece com o ser humano desde tempos imemoriais, e continuará acontecendo.
Discutir religião é algo complicado e perigoso. Não pretendo entrar nesta senda sem correr o risco de me machucar ou provocar ódio em pessoas que gosto e convivo.
É por isso que eu vou parar por aqui, mas antes, alguém que sabe mais de Bíblia e filosofias religiosas do que eu pode me dizer em que passagem JESUS MANDA que seus seguidores violem o próprio corpo? Ou Buda? Ou Maomé? Confúcio?

Essa coisa de atrelar sofrimento com fé não me parece muito lógico, mas cada um sabe de si.

fonte

Cada um tem o cilício que merece

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

12 ideias sobre “Cada um tem o cilício que merece

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.