20 Comentários

  1. Joe D. "S.W" Lamberti

    GREAT! GREAT!.

    Cara… Fazia tempo que nao postava uma historinha.. rçrç.

    Agora, vou te pedir uma coisa, de coração.

    Se eu te mandar uma historinha voce posta no seu blog? Iria ser uma HONRA.

    Ah, e, claro… Voce vai, sim, gostar da historia…

    Responder
      1. Joe D. "S.W" Lamberti

        QUE BELA PORCARIA!

        Seerio. Era boa a porcaria da historia. Quem foi que inventou esses Termos de Uso?

        HUMPF…

        QUE BELA PORCARIA!

        ====

        Acabei de ler TODO o seu blog. *-*. Otimo’s,

        Responder
      2. Joe D. "S.W" Lamberti

        E ah! Vou publicar no meu “blog”, então. Dai voce vai lá e da uma olhada.

        Responder
  2. Ygor

    genial a historia,mas tenho uma duvida,porq o papai noel entrou pela porta em vez de descer pela chaminé?

    Responder
    1. Philipe3d

      Creio que a lenda de que ele desce pela chaminé começou porque as pessoas não faziam ideia de como o Noel entrava nas casas. Mas, talvez não tenha sido o Noel.

      Responder
  3. Jotape_TR

    Cara parabéns pelo conto de NATAL, como sempre demais. Parabéns!!
    PS. Vamos marcar aquele chopp.

    Responder
  4. vitor

    Caralho matei o Papai Noel! Foda essa história, no começo não gostei, parecia uma história falha escondida atrás de palavras complicadas, mas a história é muito boa mesmo. Enfim, e agora quem será o Papai Noel?

    Responder
  5. Andrekling

    HAHAHA muito boa, no inicio me lembrou muito do filme do clint eastwood “Gran Torino”, mas ficou exelente, uma pena q ficou um tempo sem formatacao e eu sem querer li o fim AHHHH, mas muito boa hehe. Abs e feliz natal cara.

    Responder
  6. Sacerdotiza Kikyou

    Nossa matar papai noel foi totalmente macabro,mas com a vida que o cara levava naquela lugar realmente ele nunca iria imaginar, ótimo conto mas eu sei que você consegue escrever um conto que o final seja esperançoso,não sei mas o que eu venho notando não somente em mim mas nos outros e em blogs é que estamos cada vez mais amargos mesmo que não percebamos,eu mesma hoje estou totalmente deprimida porque amanhã meu pai faria faria 83 anos senão tivesse morrido em outubro deste ano :/
    Mas parabéns você escreve muito bem e sempre me surpreende no final .
    Eu queria sinceramente que desse uma olhada no meu blog mas nas postagens antigas, eu escrevia tambem contos e poemas mas agora estou na duvida se devo continuar, se for aprovado por você eu continuo.
    http://mysecretsmylove.blogspot.com/
    Feliz Natal e muita paz!

    Responder
    1. Philipe3d

      Sacerdotiza, nem todos os meus contos são trágicos, embora eu confesse a você que tenho uma tendência a deixar meus contos muito tragicos.
      Engraçado tocar neste assunto. Teve um dia, numa mesa de bar, que cercado por amigos, uma colega de trabalho me perguntou isso: “Por que seus contos são tão trágicos e cheios de mortes?”
      Dizer que é meu “estilo” não seria uma resposta exatamente comprometida com a verdade. Eu mesmo não sei bem explicar porque, mas tenho algumas hipóteses. A primeira delas é que nos contos, eu quase sempre escrevo coisas sobre as quais não vivi. Logo, ao contrario do que poderia parecer a princípio, eu tenho uma vida boa pra caramba, muito melhor que de mais de 80% das pessoas do mundo, e talvez por isso, eu escreva sobre o que é desconhecido pra mim. Eu perdi poucas pessoas na vida, passei por situações esdrúxulas, mas raramente por algo tão horrível que tivesse o poder de me deixar uma marca de amargura. Ou mesmo qualquer tipo de marca que precisasse ser exorcizada através da escrita.
      Eu cresci lendo alguns classicos e tive muito contato com as tragédias gregas, e talvez por isso eu tenha me contaminado com esta coisa do final trágico.
      A parte trágica do texto é sempre um exercício de um poder literalmente divino naquele universo ficcional. O autor pode matar pelo bel prazer de sentir que pode, e talvez, enquanto uma divindade dos meus universos ficcionais eu seja um tirano déspota, ainda imaturo, que precisa torturar, fazer sofrer e até matar os personagens para se sentir no controle.
      Por outro lado, sempre que o final não é tragico, eu acabo me sentindo meio piegas… Meio autor de novela das 6. O que me deixa feliz é quando eu consigo conciliar a morte do personagem com um final esperançoso. (mas de fato só acho que consegui isso com “O dia que encontrei meu eu futuro”)
      Mas nem tudo são mortes e finais trágicos. Veja o cubo da felicidade.
      Minha dica é: Não pare de escrever contos e poemas. Nunca.

      Responder
  7. Sacerdotiza Kikyou

    Obrigada,valeu!! Desculpa aí viu Philipe eu tava péssima nesse Natal e quando fui ler o seu conto acabei que esperando um final meio que milagroso sabe e nada de novela das 6 please rsrs.Obrigada pela resposta você é um cara que tanto eu quanto meu marido admiramos pela inteligencia e criatividade.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.