41 Comentários

  1. roberto

    cara… muito bom…

    meu avô tb conta essas historias… nem dá pra acreditar as vezes!

    Responder
  2. Gustav

    Pois bem, se anda faltando criatividade nos filmes Hollywoodianos e eles se renderam em parte aos remakes, taí uma ficção científica e tanto… Brazil o filme 2? Gattaca South America?

    Responder
    1. Gustav

      Essa de auxílio-reclusão eu já tinha ouvido …Ou deixa eu ver se entendi de outra forma: Para a previdência social, o detento, o criminoso é um trabalhador contribuinte?

      Responder
  3. Mussa

    O maior problema do brasileiro é ele ser malandro. Essa é a regra. Ele vota em político corrupto porque sabe que faria exatamente a mesma coisa se estivesse no lugar dele.

    Sobre o auxílio-reclusão, cuidado para não cair na “modinha do momento” e não raciocinar sobre o assunto:
    Só recebe o auxílio quem contribuiu com a previdência (ou seja, já tenha trabalhado). O objetivo da previdência é o de manter a estabilidade familiar.
    Se o preso nunca trabalhou, NÃO vai receber o auxílio-reclusão. A função da previdência é exatamente essa. Se o cara pagou, tem o “direito” de receber na hora do aperto/aposentadoria. Se ele não pagou, não tem. Não tem NADA a ver com bolsa-presídio, isso é só um desinformado que jogou uma informação incompleta na rede. Acreditar nessa história é exatamente a mesma coisa que acreditar em leptospirose na latinha de cerveja (fazer mentira com uma verdade, o chamado sofismo).

    Mas concordo com muitas coisas colocadas aí no post, principalmente que sem educação esse país não vai crescer de forma sustentável.

    Abraço,
    Mussa

    Responder
  4. doc.

    mussa, sou médico e posso afirmar que existe sim o risco de contrair leptospirose caso um rato urine em uma lata de cerveja e depois alguém beba nessa lata, existe uma depressão na parte superior da lata onde pode acumular a urina. O risco é real e por isso algumas empresas colocam um selo sobre a lata.

    Responder
  5. Bruno Zavan

    “Hoje, nenhum político tem filho em escola particular, não tem plano de saúde e não conta mais com inúmeros auxílios e benefícios como antigamente. O salário do político é tabelado e o aumento não depende mais deles, e sim de pleibiscitos. A criação dos políticos virtuais contribuiu de maneira eficaz para o saneamento das votações, pois milhares de pessoas usam a internet para estudar e modificar propostas, que são submetidas a votação dos políticos físicos, que realmente representam o povo.”

    De onde tirou isto?
    Os políticos são a maioria dos poucos que possuem plano de saúde em um bom hospital, são cheio de mordomias e privilégios. Estão sempre acima da lei e quase nunca são verdadeiramente “presos”, são simplesmente encarcerados por algumas semanas para acabar o bafafa na mídia, simples.

    Responder
    1. Luiz

      Não entendeu o texto né?
      O bisavô do garoto viveu nos dias de hoje, o conto fala de um futuro esperançoso.

      Responder

      1. Essa vise3o e9 muito poderosa, pois expclia tambe9m a crise de algumas indfastrias culturais, as que sf3 se3o filtros de musica, literatura, arte Uma editora agora sf3 pode ser um filtro, pois ne3o se precisa mais da sua capacidade para distribuir contefados.E como filtros tem muita concorreancia.

        Responder
      1. Danbrot

        Se no futuro as escolas forem melhores e as pessoas passarem a ler e entender o que estão lendo, como você esperançosamente profetizou, tais equívocos nunca mais acontecerão.

        Hoje em dia, pra quem não quer esquentar muito a cabeça com a horda de analfabetos funcionais que assola o país, a abordagem mais segura é evitar ironias a todo o custo.

        Claro que sem a ironia muita coisa boa já escrita por aí perderia o sabor. Então, fico feliz que você não se importe de esquentar a cabeça com comentários como aquele lá de cima e que continue escrevendo sem pensar em “será que todos vão entender a brincadeira?”

        Abs,

        Responder
  6. Jonathan

    Quando isto for verdade (se for, algum dia), gostaria de saber qual grande potência estará no lugar do Brasil.

    Responder
  7. Ysa

    Nossa… ler contos como esses me dá medo. Não pelo otimismo exacerbado de um futuro bom pro Brasil, mas sim de saber que a merda relatada no passado figurado é a que estamos vivenciando, e pior, sem essa projeção de um futuro promissor… =/

    Responder
    1. Giovanna

      Achei muito engraçado seu comentário. É realmente o que eu senti, medo porque é o que vivemos.
      Mas sei que estou construindo algo melhor para o futuro, e que um dia, alguém possa falar exatamente o que está no conto do philipe…mas espero que seja em menos de 150 anos…
      E por falar em tempo, será que o bisavô chega aos 150 anos? Jà estão chegando aos 120 não é? Um tanto quanto assustador….
      Abraços a todos.

      Responder
  8. Herlon Mendonça (Kamperbmx)

    O nome do livro era Philippe no País das Maravilhas?

    Responder
  9. Sirley

    O auxílio reclusão não se confunde com esses programas de bolsa sei-lá-o-que…

    Para a família do preso receber este auxílio é necessário que o preso tenha contribuído para a previdencia Social, ao contrário dos bolsas sei-lá-o-que que basta o cidadão preencher alguns requisitos….

    Um dos fundamentos do auxílio reclusão é de que a pena não pode ultrapassar a pessoa do condenado, ou seja, a família dele não pode sofrer as consequencias da pena.

    Responder
  10. Erick

    Seria muito bom se metade da história se concretizasse….
    Continuo torcendo!

    Responder

    1. Eu sei, mas no conto quem contava não era eu. Não fazia sentido o cara lá do futuro saber, uma vez que naquele tempo, o brasil tinha ficado sério.

      Responder
      1. UmPonto

        ahhh, pra mim o bisavô maluco e loroteiro era tu.

        belo conto, tomara que seus poderes gumpisticos incluam profecias.

        Responder

    2. houve um pequeno equívoco sobre a autoria da frase “o Brasil não é um País sério”…
      muitos brasileiros acham que foi De Gaulle que a pronunciou – sendo que ele morreu negando a autoria.
      Quem citou a frase foi o embaixador Alves de Souza, em Paris, nos anos 60, durante a “guerra da lagosta” – um conflito que houve entre Brasil e França, pela pesca da lagosta em nossas águas territoriais.
      As orientações desencontradas recebidas pelo embaixador Alves de Souza, em Paris neste período, teriam feito como que ele pronunciasse a famosa frase.
      Colhida pelo jornalista Luiz Edgar de Andrade, que trabalhava como correspondente do jornal Estado de São Paulo, este a atribuiu a De Gaulle, então presidente da França.
      Anos depois, o próprio Alves de Souza corrigiu o equívoco em um livro de memória, assumindo a autoria da frase.
      à época, a crise extrapolou as relações diplomáticas entre os dois países, de tal modo que ambos chegaram a mobilizar os seus recursos bélicos.
      O primeiro a fazê-lo foi a França, que deslocou um contingente naval, mantido em prontidão, para uma área vizinha à região em conflito.
      No Brasil, a opinião pública percebeu a situação como uma agressão da França aos direitos de soberania brasileiros. O presidente João Goulart, após reunião do Conselho de Segurança Nacional, determinou o deslocamento, para a região, de considerável contingente da Esquadra, apoiado pela FAB. Em terra, o 4° Exército, com sede em Recife, então sob o comando do então general Humberto de Alencar Castello Branco, também se mobilizou.
      A imprensa francesa suscitou a seguinte polêmica: se a lagosta andava ou nadava.
      Caso nadasse, poderia-se considerar que estava em águas internacionais; caso andasse, estaria em território nacional brasileiro, uma vez que se admitia à época que o fundo do mar pertencia ao Estado Brasileiro.
      No debate diplomático entre o Brasil e a França, a comissão brasileira foi assessorada pelo então Almirante Paulo Moreira da Silva, especialista da Marinha do Brasil na área de Oceanografia. Durante os debates, os especialistas franceses defendiam que a lagosta era apanhada quando estava nadando, ou seja, sem contato com o assoalho submarino (considerado território brasileiro), momento em que, longe do contato com a plataforma continental, poderia ser considerado um peixe.
      Nesse momento, o almirante Paulo Moreira tomou a palavra e argumentou sábia e ironicamente que para o Brasil aceitar a tese científica francesa de que a lagosta podia ser considerada UM PEIXE quando dá seus “pulos” se afastando do fundo submarino, então teria, da mesma maneira, que aceitar a premissa de que o canguru seria então considerado UMA AVE, quando dá seus “pulos”. A questão foi assim encerrada a favor do Brasil.
      Caso queiram se aprofundar no assunto, recomendo que leiam o livro: “Um embaixador em tempos de crise”, 1979, Editora Francisco Alves, Rio de Janeiro. Na época, Carlos Alves era embaixador do Brasil na França.
      No caso da chamada “guerra da lagosta” o epíteto de “pays pas sérieux” caberia melhor à França, que, como todos tinham conhecimento na ocasião, penetrava indevidamente em águas territoriais brasileiras para pescar lagostas para os restaurantes parisienses.
      Um País que rouba é sério?

      Responder

  11. Muito legal. Confesso que no início do post achei que tinhas surtado, mas entendi depois (parecido com alguns comentadores, sou lento..kkk). Fui conferir o bolsa-preso, nunca tinha ouvido falar, fiquei assustado mesmo, era só o que faltava, mas até concordo com o fundamento agora. Sobre o texto, bom, gostei, mas ficção que nunca vai se realizar. Sim sou pessimista. Não vejo nada que sugira uma mudança. O povo gosta, o povo tá acomodado, o povo tem pão e circo.

    Responder
  12. Walter Ice

    Claro que isso é uma ficção, senão eu teria certeza que o grande blogueiro Philipe é um dos raros humanos que pegaram cinomose canina e está tendo terríveis delírios, devido a degeneração dos neurõnios.
    Quisera eu que o Brasil fosse igual a Venezuela, onde o dinheiro do petróleo foi usado para modernizar o país, que agora está à frente da Coréia do Norte e do Japão, exporta engenharia e tecnologia de ponta, e é uma das democracias mais abertas que o mundo já teve. O país de Hugo Chaves, de tão avançado faz os Estados Unidos parecerem Uganda!!!

    Responder
  13. Fredh

    Putz, eu li pensando que no fim vc falaria que isso era possível pq pelo menos teu filho ja tava encaminhado =P

    Responder
  14. Bianca

    “Philippe no País das Maravilhas” eu ri UHDSAUDHSUH
    realmente, bom seria se tudo isso acontecesse de fato

    Responder
  15. Gika

    Nossa, adorei o conto! Muito bem escrito! Escreva mais contos assim!!!!!!!!

    Responder
  16. Medieval

    Éhh.. graças à ruma de impostos que agente paga. Concordo com seu avô, se não tivesse tanta gente incompetente no governo, com essa dinheirama toda, o brasil já era pra estar muito melhor.

    Mas não dá pra dar um passo maior que a perna, e a perna do Brasil tem o tamanho do nível de instrução de nossa população. Que convenhamos, a maioria ainda tá bem ruim nesse aspecto.

    Se investirem muito numa educação verdadeira, não consumida em censura e em mentiras, como é a nossa educação de hoje. Talvez daqui a uns 60 anos o povo aprenda a cobrar do governo e você poderá contar a mesma história a seus netos sobre o nosso progresso. 🙂

    abraço.

    Responder
  17. Diazdeluz

    Eita fuminho bão sô…;) De todos os contos que já li aqui este foi sem dúvida o mais surreal!
    O Brasil não tem problemas, o problema do nosso país é a maioria da nossa população, que infelizmente exercita exaustivamente uma única lei durante gerações: A lei de Gérson.

    Responder
  18. Diego

    dae galera, que viagem!a midia trata de mascarar a verdade! Sim o Brasil é um país cheio de qualidades,a maior delas com certeza é seu povo, mas que a vida é boa ou melhor que antigamente não é!Com certeza a tecnologia evolui e alguns metodos de organização, mas as pessoas vivem uma vida mediocre comparada ao passado!Se não estamos trabalhando(acreditem na minha realidade é isso que a maioria das pessoas fazem, a grande maioria em empregos que não gostam por causa do dinheiro),antigamente dinheiro valia muito mais, hoje pagamos o por países que sim tem uma vida avantajada como EUA, e europa!Não quero me adiantar muito, por favor assistam ao Zeitgeist Addendum, neste link voces encontram esse video e outros muito interessantes que com certezam farão vc pensarem sobre o modo que vivemos http://mundocogumelo.wordpress.com/downloads/

    Responder
  19. Sou de cristo

    Eu espero que um dia possamos viver nesse brasil ficsionado. Mas minha confiança não está em homens como nós e sim em um Deus vivo e verdadeiro que diz:” Bendita a nação cujo Deus é o senhor.”
    Com certeza se um dia deixarmos Deus ser o SENHOR de nossas vidas, esse sonho que parece ireal poderá se concretizar. Pois ele tem promessas maravilhosas para seu povo, basta apenas crermos e fazermos a diferença nesse mundo em que vivemos que colheremos os frutos prometidos.
    Abraços para todos!

    Responder
  20. Denergalocura

    o poderia ser o melhor país do mundo se não fosse a grande corrupção que o persegue isto até poderia se transformar hein um filme pois é d fato d q tds nos gostamos d uma boa trama aonde no final os bandidos são mortos o capturados , para q o longa tenha uma continuação ….

    Responder
  21. Amadeu Rocha

    O problema do Brasil é que ele foi povoado por brasileiros, uma classe de operários, se fossemos BRASILIANOS, ai talvez, as coisas mudassem.

    Brasileiro era a profissão, renegados de portugal vinham ao Brasil trabalhar da extração de ouro, pau brasil e eram chamados de brasileiros, uma profissão.

    Nunca conheci um Americaneiro, um Italianeiro, nem um Argentineiro….

    Somos fadados ao fracasso, porque somos pobres de espírito e cultura e JAMAIS mudaremos, JAMAIS.

    Responder
    1. Philipe3d

      Permita-me discordar em parte. No início da colônia, realmente era assim, mas depois a coisa mudou. Veja a Australia, lá era colonia penal da Inglaterra. Por que eles podem dar certo e a gente não?
      EU penso que nosso problema maior não é apenas nossa subserviência ao poder dominante vigente, seja a coroa portuguesa, o Rei espanhol, A Rainha da Inglaterra ou seja o Tio Sam… O problema grave é que se tornou conveniente, ao longo de séculos, manter a base populacional numa completa ignorância, enquanto a uma pequena nata de “senhores” era permitido o “esclarecimento”.
      Olhemos para o Brasil de hoje… Muitos podem dizer que ainda é assim, e eu não poderei discordar completamente. Mas como isso é possível estando o conhecimento ao alcance de quem desejar? Há bibliotecas (em numero ínfimo) há livrarias (com preços altos e em quantidade sofrível) há internet (com maquinas de distração e aniquilação da consciência social, como orkuts, youtubes e msns).
      Nunca houve tanto conhecimento disponível, mas suponho que nunca houve tanta desigualdade cultural no país (em termos proporcionais).
      Olhando de longe, ainda mantemos nosso DNA original, a massa ignorante tocada a cabresto por poucos mandachuvas.
      Só se muda isso com formação, com educação. Mas basta abrir um jornal e veremos que a coisa é bem grave.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.