36 Comentários

  1. Fernando Carvalho

    Argh! Isso me causou uma infeliz lembrança de 2 girls 1 cup. O Conto ta tenso!

    Responder
  2. Dhiego

    Nunca mais vou dizer que o Bear Grills do “A prova de tudo” come umas iguarias nojentas…esse capítulo foi…indigesto.

    Responder
  3. Rodrigo Florentino

    Olá, Philipe. Tudo certo? Primeiro quero te parabenizar pelo blog e agradecer por estar me proporcionando leituras sobre temas que adoro, quase que diariamente. Valeu!!
    Segundo, só gostaria de te perguntar o seguinte: sendo uma pessoa de fora de Curitiba, como vc ficou sabendo sobre a estátua da águia? Têm muita gente daqui mesmo que nunca percebeu esse curioso detalhe! Valeu pelo texto. Tá lazarento de tesão!

    Responder
  4. Sinatra

    Philipe,

    Como curitibano fico agraciado com sua atenção aos detalhes de nossa querida cidade. Excelente menção da águia de duas cabeças que repousa sobre a praça Zacarias, herança maçônica de outrora e que muitos curitibanos desconhecem existir.
    A propósito, acompanho seus contos sem perder um único deles desde que comecei a acompanhar o MG.

    Responder
  5. Rogério Calsavara

    Não… não… nããããoooo…. não faz isso comigo…. porque eu fui ler enquanto estava jantando?Mas que m*!!!

    Responder
  6. Marcus

    Philipe, gostaria de fazer um gancho com uma coisa lá atrás que você escreveu…
    Quando o Renato estava na pousada e derrotou o Muungo com a cabeça do santo, aquela relíquia, o que foi feito dela? Aquela cabeça era uma espécie de arma sobrenatural?? Poderia incluir um gancho da origem dela também para não ficar uma lacuna na história, só uma sugestão, a narrativa tá excelente!!

    Responder
  7. Tayná

    Esse conto ta fantástico, se você lançasse uma parte por minuto seria melhor ainda Kkkk, brincadeiras a parte eu amei o conto e a cada capítulo amo mais.
    Esse capitulo foi bem tenso mesmo, mas ficou foda. Parabéns Philipe.

    Responder
  8. Carol

    Só a parte do elevador já consumiu toda a minha criatividade!! Tá ficando muito bom, a parte do xixi e da “hóstia” ficou muito boa, deu nojo mesmo!

    Responder
  9. Silva

    Tá muito bom, como sempre.
    Philipe, qual foi o primeiro conto em que o Leonard aparece?
    Posso dar uma sugestão? Seria bom repetir o último parágrafo da parte anterior na postagem da nova, principalmente quando passa vários dias entre uma publicação e outra, pois às vezes tenho que ir lá na anterior pra lembrar como parou.

    Responder
  10. Bruna

    Ah, cara! Eu preciso do próximo capítulo!
    Vi o Mundo Gump sendo mencionado lá no MedoB e alguém nos comentários elogiando muito o site… Decidi conferir e, de fato, você faz um ótimo trabalho por aqui! Comecei a ler este conto e não consegui parar mais. Agora, enquanto aguardo os próximos capítulos, vou ler A Caixa, que tanto falam nos comentários, hehe.
    Parabéns, aliás! 🙂

    Responder
  11. Paulo M.S.

    Eu Já estava horrorizado com a urina no cálice. Dai vem a hóstia negra? kkkkkkkkkkkkk

    Responder
  12. Matheus

    Philipe de onde você tirou a ideia do elevador e a sequência de números? Lembro de ter lido algum conto ou creepypasta muito parecida mas não consigo lembrar onde.

    Responder
  13. Denis cassiano fabreti

    Passei para informar o falecimento da grande figura Doclottalove esta noite.
    Não tenho mais detalhes.

    Responder
    1. Samuel

      Nossa, esse cara é das antigas hein, lembro quando ele ficou puto ao descobrir que o Juca não existia. Pena que ele se foi antes das revelações da ufologia, ou de um contato quem sabe.

      Responder
  14. Daniel Silva Pinheiro

    Essa é a primeira vez que eu vejo dar merda pro protagonista em um conto com o Leonard. Gosto assim hahahahahahaha. Caramba Philipe, esse conto está sensacional mesmo, e a cada capítulo parece que fica melhor. Se você fizer uma série de livros com as histórias do Leonard, pode ter certeza que uma hora eu comprarei tudo de uma vez.

    Responder
  15. Thiago Andrey

    Incrível. Você parece tem umas informações bem legais a respeito do Ed. Acácia.
    “Há uma urna cheia de livros de magia no subsolo dele.”
    Acho que isso da um belo post não?

    Parabéns por essas inserções reais no meio da historia, deixam seu conto mais plausível. Eu acredito que esse universo do Leonard exista as vezes, e rezo pra não cair numa enrascada igual esse seus personagens. Prefiro conhecer o Leonard indo ao restaurante dele e não ele tendo que salvar minha vida. ^^.

    Responder

    1. Hehehe, cara acredite se puder, eu só descobri que o Acácia era um lugar “especial” depois que ele já estava no conto. Antes desse prédio ser erguido, no local onde ele está, havia um templo maçônico. A águia é um resquício do que ficou do templo e a acácia é uma planta relacionada à praticas da maçonaria. Quando demoliram o tempo para fazer o predio, os mestres maçônicos daquela loja enterraram uma capsula lacrada com varias coisas interessantes nas fundações do Acácia. Tempos depois vieram as histórias de que o predio tem “fenômenos” além das lendas urbanas sobre o predio, como o porão secreto que conduz a um subterrâneo cheio de livros de magia, cheiro de incenso e até espíritos atormentados. Leia uma das lendas aqui: http://www.autores.com.br/200809209292/mitologia-/-lendas-/-misticismo/lendas-urbanas/lendas-do-edificio-acacia-da-praca-zacarias-de-curitiba.html

      Responder
  16. Samuel

    Ow Phil, e a mulher branca suja de terra do cemitério, oque aconteceu com ela? ficou no elevador depois que eles sairam?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.