Dengue mata – o filme

DENGUE MATA

Um curta experimental de Philipe Kling David

CENA 1- INTERIOR РEscritório

A c√Ęmera mostra um escrit√≥rio. Nele, um sujeito est√° trabalhando.

Cena 2-  Ponto de vista de um mosquito

A c√Ęmera se aproxima velozmente da orelha do cara. (Som de mosquito)

O sujeito se estapeia desesperado. Fica procurando o mosquito.

Z√Č – Porra essa casa t√° cheia de mosquito!

O sujeito começa a tentar matar o mosquito.

Z√Č – Vem c√° maldito! Malditooooo!

Sujeito abre o armário afoito. Pega uma raquetinha elétrica e tenta matar o mosquito com a raquete.

Z√Č- Droga! N√£o est√° funcionando!

Leia maisDengue mata – o filme

O sobrevivente parte 6

EXT Estação Orbital Azimov III

As naves est√£o conectadas. Paul carrega a mulher nos bra√ßos para dentro da esta√ß√£o. A c√Ęmera gira e vemos o espa√ßo infinito de estrelas cobrindo o c√©u.

Passagem de tempo

INT Esta√ß√£o Orbital AZIMOV III ‚Äďsala de jantar

Um faustoso jantar para os dois. Agora sentados um bem perto do outro. Os olhares n√£o deixam d√ļvidas de que ambos se desejam.

Leia maisO sobrevivente parte 6

O sobrevivente parte 5

EXT Esta√ß√£o Orbital AZIMOV III ‚Äď Vista da janela dos aposentos de Paul Paul est√° com a cara no vidro triplo da cabine. A c√Ęmera se afasta velozmente e vemos passar abaixo do v√≠deo os primeiros peda√ßos de uma nave. INT Esta√ß√£o Orbital AZIMOV III ‚Äď Corredor de acesso aos quartos da tripula√ß√£o Paul dispara …

Leia maisO sobrevivente parte 5

O sobrevivente parte 4

EXT. Estação Orbital AZIMOV III

Aude est√° do lado de fora da nave, no espa√ßo. Ela solda e prende cabos numa parte danificada na estrutura externa da nave. A c√Ęmera a acompanha em seus passos imantados e firmes sobre a superf√≠cie da estrutura exterior.

Numa escotilha, acompanhando o trabalho, est√° Paul. Ele usa um microfone e passa informa√ß√Ķes para Aude. N√£o √© poss√≠vel ouvir o que ele diz. Paul acena para o rob√ī. Aude acena de volta.

INT. Esta√ß√£o Orbital AZIMOV III ‚Äď Comando central da espa√ßonave

Paul est√° na janela. Aude anda do lado de fora, arrumando as √ļltimas placas de prote√ß√£o da fuselagem.

PAUL

Isso aí. Agora coloca com cuidado.

No sistema de som interno da nave, ouvimos a voz de Aude

AUDE

Placas protetoras contra danos externos posicionadas, senhor. Mais algum reparo necess√°rio neste setor?

Leia maisO sobrevivente parte 4

O sobrevivente parte 3

INT. Esta√ß√£o Orbital AZIMOV III ‚Äď Aposentos do capit√£o

Paul atravessa com firmeza a sala de máquinas e sobe uma escada até um deque de comunicação.

Ali ele acessa um terminal.

PAUL

Computador?

COMPUTADOR

Pois n√£o, Coronel Gillon.

PAUL

Alguma tentativa de contato da base ou esta√ß√Ķes pr√≥ximas?

COMPUTADOR

Não senhor. Nenhum contato. Tentativas válidas por todo o período. Nenhuma resposta.

PAUL

Porra, não é possível. Não é falha do sistema?

COMPUTADOR

Sistemas funcionando perfeitamente, coronel.

PAUL

Computador, tente entrar no sistema de emergência por microondas do satélite ADUS na órbita do planeta Terra. Talvez através dele consigamos ampliar o sinal e receber uma resposta da base.

COMPUTADOR

Positivo, coronel. Iniciando transferência de pacotes de dados. Protocolo de emergência aceito. Aguarde um minuto.

Leia maisO sobrevivente parte 3

O sobrevivente – Parte 2

INT. Esta√ß√£o orbital Azimov III ‚Äď liberador de lixo

Paul está numa sala de controle de lixo. Ele ativa o painel da parede e em pouco tempo uns sacos pretos são carregados por uma esteira para um orifício na perede.

PAUL

Adeus meus amigos.

Paul puxa uma alavanca e ouve-se o som do ar comprimido liberando uma c√°psula de lixo.

EXT. Estação orbital Azimov III

Três pequenas cápsulas pretas são expelidas pela nave em alta velocidade.

INT. Estação orbital Azimov III Рliberador de lixo

Paul está quieto. No mesmo lugar. Parado. Não há nenhum ruído. Apenas o som constante do ar condicionado e o ruído do motor.

PAUL

√Č… Agora estou mesmo sozinho.

Paul levanta-se e caminha pela nave. De s√ļbito ele para.

PAUL

Comida… Meu Deus! Ser√° que ainda tem alguma comida?

Paul corre pelos escuros e apertados corredores da estação. Desce escadas e chega a dispensa. Imediatamente abre uma das geladeiras e constata que a comida congelada está podre, a maioria virou pó.

PAUL

Merda! Tudo estragado. Maldito curto-circuito…

Cara, sem comida eu to fodido!

(Diz, passando a m√£o sobre o cabelo.)

Ele vai saindo da despensa  mas subitamente volta correndo e abre um compartimento. Ali centenas de latas brancas e caixas blindadas estão estocadas.

Leia maisO sobrevivente – Parte 2

O sobrevivente

O sobrevivente Copyright 2003 FADE IN TO: Ext. esta√ß√£o orbital azimov III ‚Äď ano 6462 D.C. No sil√™ncio da imensid√£o do espa√ßo h√° uma enorme massa negra onde se v√™ pequenas luzes vermelhas que brilham fracamente. A c√Ęmera se aproxima velozmente e em pouco segundos a luz do sol revela os contornos da enorme espa√ßonave. …

Leia maisO sobrevivente

Os melhores filmes dos anos 80

Eu fui uma crian√ßa dos anos 80. Juntamente comigo, milhares de pessoas se lembram com saudades dos filmes que passavam nessa √©poca. Pensando nisso, eu resolvi elaborar uma nova lista dos melhores filmes dos anos 80. S√£o filmes que mais me marcaram. N√£o necessariamente feitos nos anos 80, mas que pegaram aquele per√≠odo de inf√Ęncia …

Leia maisOs melhores filmes dos anos 80