Queijos e vinhos: O que servir?

Quer fazer uma noite perfeita de queijos e vinhos? Eu te ajudo!

Um queijos e vinhos é sempre um acontecimento para estreitar laços.

Uma coisa que me deixa triste é que sempre que vou ao supermercado o alto preço dos queijos no Brasil insiste em me lembrar que sou pobre.

Mas se você não é pobre e nem tem problemas com o queijo, talvez se encontre um pouco embananado na hora de planejar um queijos e vinhos com os amigos ou com aquela companhia especial.  Ok, você precisa impressionar e eu estou aqui para te ajudar.

Questão básica: Quando fazer?

Tradicionalmente, o que se faz no Brasil, é servir o queijos e vinhos no inverno, mas tem um porém.  Os donos de mercados, bistrôs e etc sabem que essa é a alta temporada. E o preço sobe, é claro. Então fique ligado nesse detalhe. Não existe nenhuma lei que te impeça de fazer o queijos e vinhos na data que quiser, mas é claro que parece estranho se for aquele calorão de 60 graus do verão. Uma dica é você justamente comprar os queijos – muitos deles tem uma longa durabilidade e ficar de olho na previsão do tempo. Sempre tem um fim de semana que entra uma frente fria lazarenta (geralmente é na semana que você se planejou de ir pra praia, mas você é um pé-frio do carai…), é nessa semana mais friazinha que fica perfeito, porque é fora de temporada e cai bem!

Ok. Você resolveu fazer. Mas e agora? Vai lendo aí!

Queijos e Vinhos: O que servir?

Queijos e vinhos formam uma combinação clássica que encanta paladares ao redor do mundo. Neste guia, exploraremos o fascinante universo de harmonizar diferentes tipos de queijos com uma seleção adequada de vinhos.

A arte de harmonizar queijos e vinhos vai além da simples degustação; é uma experiência sensorial que combina texturas e aromas para criar uma sinfonia de sabores. Essa prática, muitas vezes considerada refinada, pode ser apreciada por todos, desde iniciantes até conhecedores de gastronomia.

Principais tipos de queijos

existem diferentes tipos de queijos para fazer um queijos e vinhos
existem diferentes tipos de queijos para fazer um queijos e vinhos

Antes de mergulharmos nas combinações, é fundamental compreender os diferentes tipos de queijos. Os queijos duros, moles e azuis oferecem perfis de sabor distintos, influenciando as escolhas de vinho.

Vinhos tintos para queijos duros

O queijo Gouda
O queijo Gouda

Queijos duros, como o Parmesão e o Gouda envelhecido, são acentuados e demandam vinhos tintos robustos.

O queijo Gouda e o queijo Parmesão, dois ícones culinários de origens distintas, têm conquistado paladares ao redor do mundo. O Gouda, originário dos Países Baixos, destaca-se por sua textura cremosa e sabor suave, sendo produzido há séculos na cidade de Gouda. Por outro lado, o queijo Parmesão, oriundo da região de Parma, na Itália, é apreciado por sua consistência granulosa e aroma envelhecido. Ambos os queijos refletem a riqueza da tradição queijeira de suas respectivas terras natais, proporcionando experiências gastronômicas únicas e inigualáveis.

Opte por um Cabernet Sauvignon ou um Merlot encorpado para uma harmonização perfeita.

Vinhos brancos para queijos moles

O queijo Brie
O queijo Brie

Queijos moles, como o Brie e o Camembert, pedem vinhos brancos elegantes.

Originários da França, o queijo Brie e o Camembert são representantes refinados da tradição queijeira francesa, conquistando apreciadores em todo o mundo. O Brie, conhecido por sua casca aveludada e interior cremoso, oferece uma experiência sensorial única, revelando nuances de nozes e manteiga. Já o Camembert, com sua textura untuosa e sabor suavemente terroso, é uma verdadeira expressão da expertise queijeira normanda. Ambos os queijos, com suas características distintas, celebram a excelência da produção queijeira francesa, tornando-se protagonistas incontestáveis de tábuas gourmet e momentos gastronômicos refinados.

Um Chardonnay bem equilibrado ou um Sauvignon Blanc mais suave complementam essas texturas delicadas.

o queijo gorgonzola
o queijo gorgonzola

Harmonização com queijos azuis

Os queijos azuis, como o Roquefort e o Gorgonzola, apresentam sabores intensos.

Os queijos Roquefort e Gorgonzola, representantes marcantes da categoria azul, emanam sofisticação e sabor intensamente característicos. Originário da região de Roquefort-sur-Soulzon, na França, o Roquefort destaca-se por suas veias azuis, textura untuosa e sabor picante, resultado do envelhecimento em cavernas calcárias. Por sua vez, o Gorgonzola, originário da Itália, apresenta uma combinação equilibrada de cremosidade e intensidade, com seus característicos veios azuis-esverdeados. Ambos os queijos, com suas complexidades de sabor e aroma, cativam apreciadores que buscam uma experiência gastronômica única e ousada.

Aqui, vinhos doces, como Porto ou Sauternes, são escolhas ideais para equilibrar a intensidade.

Dicas gerais para harmonização

Ao harmonizar, busque equilíbrio entre a intensidade do queijo e do vinho. Evite sabores que se sobreponham; a harmonização deve destacar, não dominar.

Uma das dicas de queijos e vinhos mais encontradas é em relação ao queijo Brie. Quando este queijo é jovem, é indicado servir juntamente com o vinho branco Chardonnay. No caso do queijo maduro, é indicado servir com o vinho tinto Shiraz. Este é um dos melhores pratos para aperitivos em relação à qualidade do que está sendo servido.

O queijo Gorgonzola deve ser servido com algum vinho tinto encorpado, assim como o San Giovese. Todas as pessoas podem e devem sempre encontrar estas dicas caso não saiba como combinar, fazendo assim com que tudo fique muito mais agradável e recomendado para o momento, sendo que uma coisa sempre deve combinar com outra na parte da alimentação.

Curiosidades sobre queijos e vinhos

Conhecer a história e os processos de produção de queijos e vinhos acrescenta uma dimensão extra à experiência gastronômica. Essa bagagem cultural enriquece o momento de degustação.

Aqui está um resumo do que você precisa saber para impressionar entre goles de vinho:

A História Encantadora dos Queijos e Vinhos

A fascinante história da combinação de queijos e vinhos remonta a séculos passados, desenhando um panorama de tradições, descobertas e refinamento gastronômico. Essa união harmoniosa, que se transformou em uma arte culinária apreciada em todo o mundo, possui raízes profundas em diversas culturas.

No contexto histórico, as origens dessa harmonização remontam à Europa medieval, onde monges e camponeses exploravam a criação de queijos locais, muitas vezes por necessidade de conservação de alimentos. Paralelamente, vinhedos prosperavam nas regiões vinícolas, oferecendo uma rica variedade de vinhos.

À medida que o tempo avançava, aperfeiçoando métodos de produção e refinando sabores, as pessoas começaram a perceber as sinergias entre esses dois elementos. O vinho, com sua complexidade de sabores e aromas, encontrou nos queijos o parceiro ideal para realçar suas características, e vice-versa.

A cultura francesa, conhecida por suas tradições gastronômicas refinadas, desempenhou um papel crucial na elevação da combinação de queijos e vinhos a um patamar de excelência. As regiões francesas, como Borgonha e Bordeaux, tornaram-se renomadas por produzir vinhos excepcionais que se harmonizam perfeitamente com os queijos locais, como Brie, Roquefort e Camembert.

Ao longo dos séculos, essa prática disseminou-se pelo mundo, adaptando-se às particularidades de cada cultura. A Itália, famosa por seus queijos como Parmigiano-Reggiano, descobriu afinidades deliciosas com vinhos tintos encorpados, como Chianti. Da mesma forma, em Portugal, os vinhos do Porto encontraram uma parceria divina com os queijos de Azeitão.”

Pronto, mais que isso você começa a virar o palestrinha. Evite. Fique por aí e puxe a conversa para viagens e lugares paradisíacos onde você gostaria de ir, como esse aqui:

O que fazer para ficar bom em servir Queijos e Vinhos?

Há muitas coisas que você pode fazer para virar uma autoridade em termos de queijos e vinhos, acrescentando requinte e elegância em momentos inesquecíveis. Seu objetivo maior deve ser se instruir ao máximo sobre os ingredientes principais, que são o queijo e o vinho, mas algumas frutas, pães, torradas também.  Incorporar algo inesperado ou exótico, também é super legal, como um chocolate ou uma geleia de pimenta de algum lugar distante.

Eventos e degustações

Participar de eventos e degustações especializadas é uma excelente maneira de aprimorar seu conhecimento e descobrir novas combinações que surpreenderão seu paladar.

Tendências atuais na harmonização

Explorar novas tendências na harmonização, como queijos artesanais locais com vinhos de pequenas vinícolas, oferece uma experiência única e contemporânea.

Receitas que destacam a combinação

Descubra receitas que realçam a combinação de queijos e vinhos, desde pratos simples até receitas mais elaboradas para ocasiões especiais.

A importância da temperatura

Servir queijos e vinhos na temperatura correta é crucial. Alguns queijos melam com o calor. Outros ficam duros como rocha. O vinho também, na temperatura errada perde 99% do glamour.
Sirva sempre na temperatura indicada na rotulagem. Isso realça os aromas e sabores, elevando a experiência a um nível superior.

Desmistificando mitos na harmonização

Abordaremos alguns mitos comuns sobre a harmonização de queijos e vinhos, esclarecendo conceitos equivocados que podem surgir nesse universo.

A arte da harmonização, que une sabores de alimentos e bebidas de maneira equilibrada, muitas vezes é permeada por mitos que podem limitar a experiência gastronômica. Desvendar essas ideias preconcebidas é essencial para explorar plenamente o mundo fascinante da harmonização. Vamos desmistificar alguns desses mitos comuns:

1. “Apenas Vinhos Tintos com Carnes Vermelhas”

Mito! Enquanto vinhos tintos robustos combinam bem com carnes vermelhas, vinhos brancos de corpo médio ou espumantes podem surpreender ao complementar pratos como frango assado ou peixe grelhado.

2. “Queijos Azuis só com Vinhos Fortificados”

Errado! Queijos azuis, como Roquefort, podem harmonizar harmoniosamente com vinhos doces, mas também se destacam ao lado de tintos encorpados ou até mesmo espumantes brutos.

3. “Só Vinhos Secos com Frutos do Mar”

Não necessariamente. Um vinho branco seco é uma escolha clássica, mas um vinho rosé ou até mesmo um espumante brut podem realçar os sabores de frutos do mar de maneira surpreendente.

4. “Chocolate Combina Apenas com Vinho Tinto Doce”

Desconstruído! Um bom chocolate pode se harmonizar com vinhos tintos secos, especialmente os mais frutados. Experimente também vinhos fortificados, como Porto, para uma experiência única.

5. “Harmonização é uma Ciência Exata”

Não exatamente. Embora existam princípios gerais, a harmonização é altamente subjetiva. Experimente e confie em suas preferências pessoais. Às vezes, surpresas deliciosas acontecem fora das regras convencionais.

6. “Vinho Tinto com Massas Brancas não Combina”

Quebra de paradigma! Massas como risoto de frutos do mar podem ser aprimoradas por um vinho tinto leve e frutado. A chave está na complementação de sabores.

7. “Queijos e Vinhos são Sempre a Melhor Combinação”

Nem sempre! Embora seja uma parceria clássica, há momentos em que a harmonização de queijos com cervejas artesanais ou destilados pode surpreender e encantar.

Desmistificar esses mitos abre um vasto leque de possibilidades na harmonização, incentivando a experimentação e a descoberta de novos prazeres gastronômicos. Em última análise, a chave está em explorar, confiar no próprio paladar e apreciar a diversidade de combinações que o mundo da gastronomia oferece. Afinal, a harmonização é uma jornada única e pessoal.

Sugestões para iniciantes

Para quem está começando a explorar essa harmonização, sugerimos combinações simples e acessíveis que proporcionarão uma experiência gratificante.

Preparar uma tábua de queijos e vinhos pode parecer uma tarefa sofisticada, mas com alguns passos simples, mesmo os iniciantes podem criar uma experiência gastronômica encantadora. Vamos lá:

Passo 1: Escolha os Queijos Certos

Comece explorando variedades de queijos para agradar diferentes paladares. Opte por um queijo macio, como brie, um queijo azul, como gorgonzola, um queijo duro, como parmesão, e um queijo de cabra para diversificar os sabores. Se a pessoa que você convidou não é faixa preta em sabores de queijos e vinhos fortes e secos, não seja um idiota do campari, deixe opções como alguns queijos suaves como a muçarela de búfala, um pedaço de suíço e até mesmo um pedaço do nosso orgulho nacional: O queijo canastra. Algum provolone também ajuda a fazer a passagem de um paladar mais básico para sabores como o gorgonzola.  Do mesmo jeito, mantenha pelo menos um vinho suave, caso a pessoa não esteja habituada.

Passo 2: Selecione os Acompanhamentos

Adicione elementos que complementam os queijos. Frutas frescas, como uvas ou figos, frutas secas, como damascos, e uma variedade de nozes e castanhas como a do Pará e de Caju são escolhas clássicas. Inclua também pães crocantes, como baguete torradinhas e uns crackers.

Passo 3: Escolha os Vinhos

Combine os queijos escolhidos com vinhos que realçarão seus sabores. Como eu já disse, um brie cremoso pode harmonizar bem com um Chardonnay, enquanto O Gorgonzola pede um vinho do Porto. Tenha na manga um vinho intermediário tinto ao seu gosto. Pessoalmente gosto dos chilenos pelo preço e qualidade.

Experimente diferentes combinações para descobrir suas preferências.

Passo 4: Organize a Tábua com Estilo

Disponha os queijos, acompanhamentos e vinhos de forma equilibrada na tábua. Varie as texturas e cores para criar um visual apetitoso. Deixe espaço entre os elementos para facilitar o acesso. Não muvuque tudo de qualquer jeito. Agrupe, tipo presuntos de parma e salaminhos de um lado, queijos fatiados em outro.

Passo 5 Importante: Desfrute com Moderação

Agora, é hora de degustar sua criação. Combine pedaços de queijo com os acompanhamentos, experimente diferentes combinações de queijos e vinhos, e aproveite o momento. Lembre-se de saborear cada elemento com moderação para apreciar plenamente a experiência. Uma parte significativa desse momento será a interação de vocês. Não venha com assuntos bizarros de gente sem perna e sem braço, fantasma que apareceu, alien, que abduziu, ou o Mike, o frango que viveu mais de um ano sem cabeça,  que você leu aqui no meu blog.

O assunto deve ser leve e divertido

Não beba muito, sobretudo se você é o anfitrião e mais ainda se você é um convidado. O macete é o seguinte. Minutos antes de começar o seu show, mete meio litro de água pra dentro. Dois copões cheios. Isso vai segurar sua onda legal por boa parte da noite.

Com esses simples passos, você estará pronto para criar uma tábua de queijos e vinhos que impressionará seus convidados e tornará suas ocasiões especiais ainda mais memoráveis. Aproveite a jornada sensorial e descubra o prazer de harmonizar queijos e vinhos de maneira descomplicada e deliciosa.

O ambiente ideal

Ambiente perfeito para queijos e vinhos
Ambiente perfeito para queijos e vinhos

Prefira sofás com os queijos em uma mesa de centro, as pessoas em almofadões ou em poltronas. Se não der, vai na mesa mesmo.
Apaga essa luz de holofote de chamar o Batman! Isso não combina!

Queijos e vinhos pedem uma atmosfera mais alaranjada e quentinha. Apaga o farol do seu teto, e acenda dos abajures (se não tiver arrume emprestado!) espalhe uns três ou quatro com lâmpadas AMARELAS pela sua sala.

Luz de vela também é legal, mas cuidado com as cortinas. Um vento e sua grande noite ficará inesquecível pelo motivo errado.

A trilha sonora

A trilha sonora tem que ser cuidadosamente escolhida. Esquece o Show da Xuxa que eu sei que você curte. Do mesmo modo, ouvir Pantera não é o tipo de som que combina. Pega um disco mais orquestral, algo incidental mesmo, não tenha vergonha de isso soar tiozão. Arrume a playlist do Richard Clayderman ou algo assim. Para quebrar seu galho eu já vou meter uma playlist “educada” que eu fiz aqui para você.

O ambiente perfeito também combina com uma lareira. Hã? Que foi? Não tem? Eu te ajudo, mermão. Liga sua televisão aqui nesse video, ó:

Fiz duas horas de Fireplace. Baixa o som da musica de fundo e mantenha a da minha playlist do Miele do Spotify que é mais elegante, focada em clássicos do jazz:

A arte de montar uma tábua de queijos e vinhos

Encerraremos com dicas práticas sobre como criar uma tábua de queijos e vinhos visualmente atraente, tornando seus momentos gastronômicos ainda mais especiais.

Queijos e vinhos
Queijos e vinhos o que servir?

Eu espero sinceramente que tenha te ajudado em alguma coisa. A harmonização de queijos e vinhos é uma jornada deliciosa, repleta de descobertas sensoriais. Ao explorar essa arte, você não apenas aprecia sabores inesperados e até mesmo esquisitos (isso de uma forma positiva), mas também mergulha em uma tradição que atravessa séculos.
Boa sorte!

 

FAQs:

  1. Posso harmonizar queijos e vinhos com produtos regionais?
    • Sim, a harmonização regional é uma prática comum, ressaltando as características locais.
  2. Qual é a temperatura ideal para servir queijos e vinhos?
    • Geralmente, entre 12°C e 18°C, variando conforme o tipo de queijo e vinho.
  3. Existe alguma regra rígida na harmonização, ou posso experimentar livremente?
    • Embora haja diretrizes, a harmonização é uma experiência pessoal; sinta-se à vontade para experimentar e descobrir suas preferências.
  4. Há alternativas veganas para a harmonização de queijos e vinhos?
    • Sim, muitas opções veganas de queijos e vinhos estão disponíveis para criar combinações deliciosas.
  5. Como devo armazenar queijos e vinhos para preservar sua qualidade?
    • Armazene queijos em locais frescos e vinhos em adega ou local escuro, longe de mudanças bruscas de temperatura.

Se esse post foi útil pra você depois me conte como foi sua noite.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos