Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Esses peixes são conhecidos também como “enguia dinossauro”, devido a curiosa aparência de suas nadadeiras dorsais, que mais parecem uma serra.

Sabe-se que esses peixes já existiam por aqui desde o Cretáceo, então o nome de “enguia dinossauro” não é tão inapropriados pra eles.  Atualmente eles são vendidos como peixes de aquário exóticos, mas não é mole ter um desses em casa. O Bichir, como é conhecido, come tudo que é peixinho que der mole. Além disso, eles são hábeis fujões, que saltam para fora dos aquários e se arrastam para fora da casa. Curiosamente, este peixe consegue ficar um grande tempo fora da água.

A modificada bexiga natatória serve como “pulmão”, permitindo ao peixe periodicamente engolir ar da superfície da água. Num aquário podem se observar bichires subindo até à superfície para esse fim. Desde que a pele se mantenha úmida, o bichir pode permanecer fora da água por períodos de tempo indeterminados.

Creio que essa seja uma habilidade conquistada ao longo de milhares de anos pelos animais para migrar entre lagoas durante os períodos de seca.

fonte

Polypterus senegalus – Peixe pré histórico

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

5 ideias sobre “Polypterus senegalus – Peixe pré histórico

  • 22 de julho de 2010 em 20:07
    Permalink

    é um peixe muito louco de se manter mesmo,e nesses ultimos tempos tem chegado algumas especies de polys diferentes no brasil…

    Resposta
  • 26 de julho de 2010 em 15:17
    Permalink

    Parece o cruzamento de uma carpa com um trem de carga. Lembra tb os dragões quilométricos de gravuras chinesas.

    Resposta
  • 16 de novembro de 2011 em 11:02
    Permalink

     tenho um albino bem ativo no aquario. ele so comem peixes que caibão em sua boca. tinha um comum mas ele morreu emgasgado com um lebiste que era maior que a boca kkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 10 de setembro de 2013 em 20:14
    Permalink

    Dizer que eles conseguem ficar fora da água por muito tempo, pq eles conquistaram essa habilidade em épocas de seca é um erro. Já que está mais do que provado que eles não adquirem essa habilidade durante a vida e sim apenas os mais adaptados sobrevivem. Sendo assim, a explicação mais provavel para que eles consigam fazer isso é de que nesses tempos de seca, alguns dos que tinham sofrido uma mutação conseguiam ficar fora da agua, os outros, menos adaptados morreram.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Related Posts