Os vampiros do Castelo Annan, na Escócia

Seria a história dessa mulher um caso real de vampiros na Escócia?

Com centenas de anos de rixas, batalhas, assassinatos, maldições e casos amorosos desfeitos, não é surpresa que os castelos escoceses tenham mais do que o seu quinhão de histórias de fantasmas. A história de vampiros do castelo de Annan talvez seja baseada em uma história verdadeira.

Roberto de Brus

O antigo burgo real de arenito vermelho de Annan – nomeado em homenagem ao rio em que se encontra – era uma fortaleza dos Bruce e a casa de Robert de Brus ‘O Concorrente’, Senhor de Annandale, avô de Robert I, O Bruce.

Desde o século 12, os Bruce se consideravam amaldiçoados. Robert Bruce acreditava que contrair lepra era “o dedo de Deus sobre mim” e uma consequência da execração da família. O folclore diz que o azar surgiu dessa forma.

Durante a sua visita ao então castelo-aldeia de Annan em 1138, o bispo irlandês de Armagh, Maolmhaodliog ua Morgair, chamado São Malaquias, foi recebido no castelo de Bruce (cujos últimos vestígios foram removidos em 1875). Enquanto comia, o Malaquias ouviu criados a falar de um ladrão que ia ser enforcado. Malaquias então pediu ao seu anfitrião – o principal homem da lei do distrito – que poupasse o ladrão e Brus concordou em fazê-lo.

 

A maldição

São Malaquias partiu pouco depois da refeição e, ao sair da cidade, viu o cadáver do ladrão pendurado na beira da estrada. Irritado por Brus lhe ter mentido, o religioso lançou uma maldição sobre Brus, a sua família e a pequena aldeia-castelo. Depois que Malaquias morreu em 1148, Robert de Brus pagou pela manutenção de luzes no santuário de São Malaquias, no mosteiro de Clairvaux, na França, onde o futuro santo havia morrido. Mas diz o folclore que a maldição de Malaquias nunca foi expiada.

as ruínas do castelo Annan
as ruínas do castelo Annan

A maldição de Annan

Outra narrativa da história também foi associada à “Maldição de São Malaquias sobre Annan”. O mito celta fala de espíritos bebedores de sangue, embora o romantismo do vampiro seja em grande parte uma invenção do século XVIII, e o folclore escocês não se debruce muito sobre o vampiro do folclore, embora alguns devotos apontem para Cruden Bay, Aberdeenshire, como o suposto local de nascimento da inspiração que deu ao escritor irlandês Bram Stoker (1847-1912) o seu Conde Drácula.

Parece que pouco depois da maldição de Malaquias, a misteriosa praga chegou a Annan, espalhada por um homem fugitivo de Yorkshire. Os Bruce deram refúgio ao homem, mas Annan logo se arrependeu da generosidade da família, pois o homem continuou a ‘maldade’ que o levou a fugir, e depois, sucumbiu à peste.

Pouco depois de ter sido enterrado, os moradores locais relataram ter visto o homem perto de Annan acompanhado por “uma horrível multidão de cães”. Aterrorizados com a visão do “cadáver em decomposição” ambulante, o bom povo de Annan mandou chamar sacerdotes para limpar o local com as suas orações. Infelizmente, a praga se alastrou e se espalhou, disseram os moradores, pela visitação dos mortos-vivos que bebiam sangue.

Certa noite, os Bruce estavam oferecendo um banquete para o clero que visitava o burgo para expulsar a peste com novas orações que haviam composto, quando dois irmãos iniciaram uma conversa sobre a morte de seu pai na peste. O resultado foi que eles se ofereceram para livrar Annan do terrível monstro e realizar sua própria vingança pela morte do pai.

À medida que o banquete prosseguia, os dois jovens saíram do castelo e atravessaram as ruas silenciosas de Annan até onde o homem da peste havia sido enterrado. Resolveram desenterrar o cadáver e destruí-lo com fogo, então ambos começaram a cavar.

Por fim, chegaram ao corpo e observaram que ele estava “inchado com uma enorme corpulência, e o rosto vermelho e inchado acima da medida”. No entanto, as roupas com as quais o homem foi enterrado pareciam ter sido cortadas, como se o corpo estivesse tentando escapar de suas armadilhas mortais.

Um dos dois homens não conseguiu mais conter a raiva ao se lembrar do destino de seu pai e, pegando a pá afiada com a qual havia cavado a cova, bateu com grande força com a ponta no peito do cadáver. Ele soltou um enorme fluxo de sangue que encharcou seus pés enquanto estavam na cova rasa.

Era mais sangue do que qualquer corpo humano poderia conter e os dois jovens perceberam que haviam desenterrado um vampiro ainda cheio do sangue de suas vítimas.

O cadáver do suposto vampiro  foi retirado da sepultura e arrastado pelas ruas até aos limites da cidade, onde os dois jovens o colocaram numa pira. Lembrando a velha superstição de que o vampiro não poderia ser destruído sem remover o coração, isso foi feito com alguns golpes hábeis de pá. Ao jogarem o coração separadamente nas chamas, o cadáver soltou um grande suspiro e foi consumido.

Depois disso, Annan nunca mais foi afetado pela peste. Anos depois, Uma inundação em meados do século XII mudou o curso do rio Annan, o que causou a erosão parcial do monte do castelo. O castelo foi abandonado como residência principal da família de Brus, que mais tarde mudou-se para o Castelo de Lochmaben.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos