Os desafios de lidar com um blog grande como o Mundo Gump

Refletindo sobre as coisas desse mundo gump

Este é o post número 6500 desse blog. Isso deveria ser um motivo de comemorar, eu acho. Mas não tenho tanta convicção.

Às vezes recorrentemente, eu me pergunto onde eu estava com a cabeça para ficar por quase vinte anos mantendo um site deste tamanho às minhas próprias custas, tirando dinheiro que deveria ser empregado na minha casa para meu conforto, e gastando UM TEMPO DESGRAÇADO escrevendo artigos, pesquisando coisas, estudando e escrevendo sem parar, até ficar com dor de coluna, dor de cabeça ou ambos.

Às vezes me sinto tão burro de ainda tentar perseguir o sonho de manter este blog que minha vontade é de me estapear.

Vergonha na cara

Eu faço porque eu gosto, eu sei. Sou uma putinha vocacional desse blog. Mas por outro lado, eu não faço um monte de coisa que eu também gosto, porque não posso deixar de me sustentar.

Então, por que diabos eu mantenho um site que dá prejuízo, e segue em franco declínio de acessos?  – de 1 milhão e setecentos mil usuários únicos para 20 mil (quando o mês é bom). Por que essa merda acontece se eu continuo a trabalhar pedalando a bicicletinha? Falarei mais sobre isso lá na parte da bicicletinha.

Essa é uma questão que eu devia levar para a terapia. No momento, a única explicação que eu tenho para isso é a pura e simples falta de vergonha na cara. Eu estaria ganhando MUITO mais – Fabulosamente mais, na verdade – ao fazer qualquer outra coisa que não gastar meu tempo no Mundo Gump. Eu poderia, por exemplo, estar operando ativos no mercado futuros no tempo que estou pesquisando por bezerros de seis pernas ou sobre Mike, o frango que viveu um ano sem cabeça.

O dinheiro que eu gasto aqui nesse servidor, um VPS cloud na Hostinger – que está deixando a desejar no core web vitals porque essa merda de TTFB sempre tá dando quase três segundos e não tem um único filisteu naquela merda de empresa que consiga resolver, eu poderia estar colocando numa Binance da vida para investir em criptomoedas.

Eu poderia estar PODRE DE RICO a essa altura. Este blog me consome mais de 250 reais por mês. A cada dois meses são 500 contos (fora o que estou deixando de ganhar trabalhando  na minha empresa de design para clientes, no tempo que estou aqui). Isso dá por ano, três mil reais do meu bolso para as pessoas poderem ler uma curiosidade ou outra em seu tempo livre, completamente de graça, e eventualmente reclamar e me esculachar nos comentários, quando não gostam do que eu escrevo. Imagina a nota preta que eu poderia ter investido em quase vinte anos balangando minhas tetas aqui?

Ah mas não tem propaganda?

Tem. O adsense vem me pagando uma miséria que colocaria QUALQUER mendigo da rua com pena de mim. Os termos de uso me proíbem de mostrar o print, mas fique com este dado: 0,006 dólares por cada clique na propaganda. Note que não são seis centavos, são dois zeros depois da virgula! Nesse blog a métrica é menos de um dólar ao dia. Teria que melhorar muito, mas muito, para chegar no nível de “pífio”.

E cada vez MENOS pessoas clicam, porque:

  1. AS PROPAGANDAS DO ADSENSE SÃO UM SACO
  2.  Este não é um blog de nicho. Este site fala sobre tudo que eu achar legal, e o adsense não sabe que propaganda mostrar para as pessoas, e o site foi feito para as pessoas, não para as propagandas, que é o comum hoje.
  3. Os sites de nicho pegaram todas as propagandas que pagam bem, restando só a xepa para aparecer aqui e ainda foder o layout com uma IA de posicionamento que tá mais para Mr. Bean que para Einstein.
  4. Eu escrevo em português – Uma língua LAZARENTA DO CARALHO, muito difícil, às vezes complicada desnecessariamente, exemplo: Por que, porquê, por quê? Quem será o débil mental que achou que isso era uma boa ideia? Uma língua cheia de regras e que é cheia de exceções. 
  5. Cada vez mais pessoas usa adblock, porque estão saturados (eu tb estou).
  6. Há cada vez menos visitas, porque as pessoas querem ficar no Youtube-facebook-instagram-twitter. Tem gente que nem sabe que existe internet fora das redes sociais.

Isso se resume em menos visitas. Eu previ que isso ocorreria lá atrás, num post antigo que eu estou com preguiça de procurar. Nem precisa ser Mãe Dinah. Estava óbvio que isso iria acontecer.  As redes sociais foram ruins, o advento do video gerou uma geração que não gosta de ler, que somado às dificuldades educacionais do Brasil foram um complemento perfeito. Se cai um meteoro no googleplex hoje e explode o Youtube isso não mudaria nada, porque o que mais tem é gente que lê e não entende o que leu. Passou de 140 caracteres? “vou esperar irar filme”.

Urso polar triste

O ecossistema acabou

David contra Golias – Uma briga inglória

Uma das coisas que eu acho mais vacilo nesse meu mundo aqui é o seguinte. Ocorre que grandes conglomerados poderosos surgiram. Empresas enormes, que tem até prédio, como os caras do Fatos desconhecidos.

Para o usuário comum, na internet, ele não percebe uma diferença entre um site e outro. Mas atrás do site que ele vê está de um lado o Mundo Gump, (que sou eu e nada mais, escrevendo sentado numa cadeira que está obcecada em me matar, aqui no quarto do meu filho, já que nem escritório direito eu tenho) e do outro lado, disputando a mesma pesquisa dele, está um conglomerado multimilionário como o grupo NZN, dono do Megacurioso.
Conforme nos conta a Wikipedia:

“Antes apenas como uma seção no TecMundo, o Mega Curioso, foi lançado como site principal em fevereiro de 2013, sendo um site de notícias relacionados ao assunto sobre curiosidades, entretenimento e conhecimentos específicos em geral. Atualmente o Mega Curioso tem quase 2,2 millhões de curtidas no Facebook sendo o segundo maior site dedicado a curiosidades do Brasil, ficando atrás apenas do site Fatos Desconhecidos que tem 15 milhões de curtidas e mais de 30 milhões de usuários mensais.”

O que acontece é que o Google usa seu próprio algoritmo para saber qual site tem mais poder e portanto pode estar na primeira pagina. Sites grandes com exércitos de pessoas, equipes de TI, que podem pagar consultorias caríssimas, usam sistemas de espionagem de concorrência como o Semrush e até mais complexos, simplesmente vão lá e “rapelam” todas as posições de topo no Google para eles. Com grana, fica fácil, basta pagar pacotes de SEO e comprar links dofollow vindo de grandes portais, tudo isso constrói um link building tão violento que torna esses sites cada vez maiores, com acesso direto a publicidade, ao ponto do grupo NZN já ter sua própria agência.

A internet é como um vale tudo, sem classificação de peso, onde uma criança de um aninho (eu) entra no octógono com  esse maluco aqui (e mais toda a galera da gang dele por trás):

homem mais forte do mundo no MMA
Vem me tomar a keyword, moleque, vem!

Mesmo que eu, sei lá, magicamente, comesse o espinafre do Popeye, ou fosse abençoado por uma pulada de cerca de Zeus, essa seria uma luta inútil. Por quê? É que não adianta lutar pelo último pedaço do bolo quando nem vai ter mais o aniversário.

O fim da festa

Com esse lance da IA e com cada vez mais computadores escrevendo sobre tudo, a festa vai degringolar de vez. Essa semana vi o caso do cara que fez uma automação que criou pra ele 300 sites wordpress com 400 posts cada, em micro nichos investigados pela IA após uma pesquisa com bilhões de termos.  Enquanto eu levo pancada do Kimbo no octógno, o Galactus tá logo ali para devorar o planeta.

Não me entenda mal, eu adoro IA. Acho super legal, uso varias, mas isso vai fazer o que? Em pouco tempo, a internet será controlada apenas por IAs. Mas esse nem será o pior problema, já que com as IAs chega o ponto onde navegar não é mais preciso.

Bastará perguntar a uma IA embutida no navegador ou celular qualquer coisa e ela dará todas as respostas. O mundo formatou as pessoas para procurar solução para seus problemas. Hoje é essa a visão do google do que deve ser a internet.
A ideia de uma enorme biblioteca (ou melhor dizendo, um sebo) infinito com todo tipo de informação que você entra tipo num supermercado e vai descobrindo já era.  Essa ideia caducou.

Agora é: Você quer saber algo e quer essa resposta pronta, de preferência bem mastigada e fácil, em poucas palavras e poucas linhas, de preferência só um botão mágico para resolver o problema pra você.  Não há descobertas. Descobertas pra quê?

As pessoas não procurarão mais nada, porque julgarão que não é preciso. Será questão de milissegundos até o próprio Google entender uma coisa básica: Se ele pode dar o conteúdo alheio clonado, reescrito e copiado via IA, por que não ele ficar com 100% da receita logo de uma vez?

Estamos vendo o final do ecossistema do que acreditamos que sempre ia ser a internet.

A bicicletinha

A história da bicicletinha é o seguinte:

Certa vez um guarda de trânsito se espantou ao ver um cara enorme, pedalando uma bicicletinha minúscula.

Ele chegou para o grandão e perguntou: “Ô cidadão, por que você está pedalando essa bicicletinha?”
E o cara: “Porque se eu parar eu caio, ué.”

É uma piadinha infame, eu sei, mas o fato é que o Mundo Gump é minha bicicletinha. Eu não sei porque estou montado nessa bicicletinha há tanto tempo, mas se eu parar, eu caio.

Eu sigo escrevendo e criando posts mesmo sabendo que como diz o verso do toquinho, “o menino caminha e caminhando chega no muro, e ali logo em frente, a esperar pela gente, o futuro está”.

Certa vez, alguns anos atrás, recebi uma carta com um dinheiro dentro. Na carta uma mulher me dizia estar mandando a grana para agradecer, porque ela vinha lendo meu blog e isso estava de algum jeito ajudando ela a lidar com uma depressão.  Outra pessoa me escreveu dizendo que graças ao blog o filho dela passou a gostar de ler (mágica que eu espero que ocorra na minha casa tb, glorifica, Senhor!)

A estrada está desabando, mas a bicicletinha talvez seja mágica e possa voar.

A bicicletinha pode ser mágica? Vai que o Juca ajuda, né?

Um monte de sites que já viram isso estão abandonando o navio, como o Sedentário Hiperativo e outros que já se foram. Eu acho graça quando vejo as pessoas me falando “volta pro youtube, o blog morreu.”

Tudo morreu, mas essa morte é à prestação. A IA é a bomba-atômica que já mandou tudo pras cucuias. É só questão de tempo para tudo que está no Youtube passe a ser feito pelos agentes de IA.

“Ah, mas esses videos de ia são mal feitos.”

Verdade. Por enquanto. Em seis meses estarão matando a pau. Em um ano serão indistinguíveis de videos autorais. E na real, o espectador não liga. O nível é tão fraco, tão medíocre, que pouco importa. O grosso da galera quer ver dancinha e peitos pulando no tiktok, a pior máquina de emburrecer pessoas que já vi (e proibi na minha casa).

Ela vai minerar os assuntos, vai clonar o conteúdo,, vai gerar um apresentador virtual, vali calibrá-lo com as métricas para que ele performe bem, indistinguivelmente de um ser humano, ela vai criar uma voz e um estilo únicos para ele,  vai editar e vai gerar o conteúdo em um monte de línguas.

Tudo automático. E depois ela vai copiar aquilo com infinitas versões, para que se você tentar o canal concorrente, vai ser como trocar seu detergente O.D.D. por Limpol ou Minuano. Vai trocar seis por meia dúzia.

violinistas do Titanic

O Titanic vai afundando, mas a música continua a tocar. O cara que ainda pensa que o Youtube é a terra prometida, o mundo maravilhoso e vicejante da felicidade, onde vai passar a vida gravando no quarto, é como o coroa que foi tomar um uísque quando o Titanic estava prestes a descer para o fundo.

Migração frustrada

Toda essa reflexão me leva sempre de volta ao ponto de partida: Se eu sei isso, porque ainda sigo tocando meu violino? Enquanto não tenho essa resposta, que talvez fosse melhor explicada com apenas três palavras do ponto de vista do espiritismo –  “porque eu preciso” – sigo olhando apenas para o próximo degrau.

Como a Hostinger estava cara e com o problema sério de me reprovar no core web vitals porque o servidor estava demorando muito para se mexer, eu comecei a tentar uma migração para outro datacenter. Depois de muita pesquisa, eu resolvi migrar para o Green Geeks. Esse servidor foi indicado por um especialista em velocidade para passar no core web vitals. Paguei logo um ano de hospedagem lá. Mas veja que situação lazarenta: Os “especialistas” lá não conseguiram migrar o Mundo Gump. Era cada hora era uma desculpa diferente, e sempre naquela burocracia que a gente já conhece de quem não quer resolver.

Em cerca de vinte anos trabalhando com blogs, tanto para mim quanto para vários clientes, já passei por uma série de provedores de hospedagem, incluindo Kinsta, DreamHost, Digital Ocean, Sitegrond, X2 Network, Hostinger, entre muitos outros. Em nenhum deles, no entanto, encontrei um suporte ao cliente com tamanha má vontade como encontrei no Green Geeks.

Minha experiência foi péssima do início ao fim. O FTP não funcionava corretamente, a migração foi um verdadeiro fiasco. Uma semana tentando migrar um WordPress. Veja, qualquer pessoa sabe que migrar um WordPress não é ciência de foguetes, certo? Mas nenhum dos “especialistas” conseguiu me ajudar. Eles ficavam pedindo informações que já forneci. E no final, a solução que o “especialista” me deu era eu pagar por um plugin.

Perdi tempo, o Mundo Gump site ficou fora do ar, prejudicando meu SEO. A demora na migração desastrosa foi tão grande que meu antigo servidor encerrou meu contrato, e tive que implorar à Hostinger para ter meus arquivos de volta. Então, após tudo estar de volta, o tal “Especialista” me sugeriu pagar pelo tal do plugin, que ELE – note, não eu – definiu como necessário. O especialista em migração está recebendo comissões? Será? Eu não me surpreenderia.

Obviamente que se uma empresa oferece o serviço de MIGRAÇÃO de site para os clientes, ela precisa resolver o problema. Não deveria simplesmente transferir o problema de volta para o cliente.

Assim, me ferrei com a migração, e pedi meu dinheiro de volta (estou esperando para receber).

Voltando a estaca zero, continuo batendo cabeça junto a Hostinger sobre como eles vão resolver a porra do TTFB patético de 2,8 segundos quando devia ser de pelo menos de 0,8 a 1,8.

Até agora as soluções deles são sempre as mesmas: “Vou trocar seu site de maquina”. Aí troca e continua igual. Liga o CDN (ai eu ligo e piora) e assim vamos…

Eu estou estudando a possibilidade de migrar o mundo gump para e excelente host Hetzner, na Alemanha que tem preços bons e hospeda alguns dos maiores sites adultos do mundo, ou seja “aguenta carga”. Mas o problema é esse BD gigante, e com mais de 32 giga de imagem somado ao problema de explosão maluca de recursos que até hoje só foi resolvida no Kinsta (pagando uma nota preta), e que voltou quando eu saí de lá, segue um mistério e me preocupa. Fora plugins como esse lixo de AMP que o google inventou que só funciona se ele estiver de bom humor e gostar de você. Ele dá conflito com ele mesmo.

É tanto problema que eu preciso descobrir como resolver, que tem dia que eu fico maluco. Ontem perguntei a Nivea se nosso plano de saúde cobre internação psiquiátrica. Felizmente cobre. (sempre bom saber, né Jason?)

Mas é isso. 6500 artigos já. Vamos em frente, pedalando a bicicletinha e ouvindo o som dos violinos.

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Acompanho o Blog a muitos anos, confesso que antes eu visitava o site todos os dias, hoje dia cai no esquecimento porem de tempos em tempos volto a visitar para ver se saiu algum conto novo, quando sai eu fico ansiosa e passo a entrar todos os dias até o termino da historia, no final eu fico fantasiando o quanto poderia virar uma minissérie ou filme. Foi aqui que aprendi muita coisa e também muitas historias aleatórias e bizarras, que eu sempre conto em um encontro de amigos com uma cerveja na mão, e a reação das pessoas é: Onde vc viu essa história absurda e cabulosa?….eu aprecio esse tipo de reação kkkkk, e sempre indico as pessoas a visitar esse blog fantástico. Enfim espero que esse blog nunca acabe pois esse tipo de conteúdo juntamente com os contos é único. Obrigada por manter o blog até agora.

  2. Fala Philipe, blz cara? Só queria te falar que seu trabalho é muito bacana e muito importante.
    Seu conteúdo nem se compara com esse “Fatos Desconhecidos”. Os caras são puramente comerciais. Um monte de click bait, artigos tendenciosos, títulos sensacionalistas, uma verdadeira merda. Óbvio que alcança essa molecada, tão sem conteúdo quanto eles, e ganham muita grana. É como esses novos milionários do TikTok, sem conteúdo nenhum para um público igual. Vamos achá-los melhores que nós simplesmente porque ganham muito dinheiro? Sinceramente, prefiro ser pobre a ter que fazer uma “live NPC” pra ganhar grana kkkkk. Acredito que seu número de acessos/mês pode refletir algo nesse sentido.
    Seu público, acredito, é uma galera mais engajada, interessada em uma boa leitura e curiosidades realmente curiosas. É um nicho específico. Veja um exemplo: apesar de comentar raras vezes, estou aqui há mais de 10 anos, e acredito que grande parcela do seu público tenha até mais tempo.
    Acredito que uma ideia pra aumentar esses números seria manter uma conta ativa no Instagram informando das novas publicações, atraindo novos leitores, pois acredito que o mais difícil nessa jornada é conseguir o primeiro contato. E outra, uma conta grande e ativa no IG pode te dar uma boa receita através de publicidade, lives e divulgando seus artigos de venda.
    Siga firme. Mesmo vc não sabendo, estamos aqui contigo. Abraço.

  3. Cara. É realmente impressionante esse blog! E a sua força de vontade também! Paciência então nem se fala. É realmente um nicho bem específico, tem dificuldades de atingir mainstream. É uma pena mesmo. Sempre comento com minha esposa que se alguém faz algo esperando algum tipo de raciocínio/bom senso/reflexão de um ser humano, tá fudido, porque não somos uma espécie de animal que prioriza isso.

    Assim como o Mundo Gump é impressionante, também é impressionante o nível de tecnologia e evolução que o ser humano conseguiu alcançar, porque quando olhamos praquilo que somos como sociedade, é impressionante também acreditar que chegamos tão longe com esse nível de ser que somos.

    Enfim, tudo isso só pra dar uma cutucada no nível lamentável que é o ser humano, e também pra elogiar o que posso sobre esse blog sensacional. No fim, sei o que é ouvir só um “força aí” quando se precisa mesmo é de matar a fome. Tudo isso de palavras, sei lá porque. Porque no fundo não tem palavras pra dizer. Porra, lamento, elogio, desejo sorte, e é só isso mesmo. De qualquer maneira, você é foda, e esse blog nem se fala.

    Abraço de um leitor do Japão.

  4. muito obrigado mesmo pelo trabalho, você também ajudou minha filha a pegar gosto pela leitura , e aliens tbm, ao invés de coisas “uteis” do kwai e tiktok. eternamente grato

  5. Que mistura de sensações ao ler isso!
    EU acompanho o blog há muuuuuuito tempo! Até ganhei uma escultura numa live que você fez no Instagram, lembra??
    Digo isso pq isso aqui faz parte da história de cada um que acompanha, não tem como… Ao mesmo tempo que você investe seu tempo aqui, nós também o fazemos!
    E também o fazemos pq também gostamos!
    Estamos juntos nessa até o fim!! Seja lá qual for!

  6. Leio esse site desde que comecei na internet.
    Pra mim virou referência bibliográfica quando conto de algo muito foda e as pessoas querem saber onde vi e eu, como sempre, indico o blog.
    Comemorei quando te vi no jô.
    Já gastei algumas horas por aqui.
    Único blog que leio a uma década ou mais.
    OBrigado pelo esforço.

    • Cara

      Se você está tão angustiado assim, pare de uma vez com o blog. E use mesmo os 3500 reais para dar mais conforto pra sua família. Ou invista, mesmo, no mercado financeiro.

      Uma boa dica são os fundos de investimentos. Pelo menos são ótimas opções, aqui onde moro. Em 2023, consegui bons rendimentos.

      Aquele abraço.

  7. Cara acompanho tb seu blog há uns 10 anos….suas histórias/aventuras/perrengues são demais…choro de rir toda vez q leio das 2x q vc se cagou…kkkkkkkkkkkkkkkk….gostaria q vc desse continuidade em algumas histórias do além…kkkk…como a do hipnotismo ou aquela do livro esfarrapado q fez vc se aventurar no ocultismo. Como já falaram aqui, talvez se vc fizesse posts no instagram ou mesmo no twitter contando suas historias, suas artes ou suas matérias, conseguisse um publico maior. Mas no mais sigo firme te acompanhando e torcendo p/ q vc continue nessa saga. Grande abraço!

  8. você já pensou em fazer um app simples para dar as notificações e cobrar uma taxinha? eu acabo assinando uma meia dúzia de sites por 2,99 no Google play.

  9. Força, Philipe! Acompanho seu trabalho faz um tempão. Não abandone o MundoGump, pois ele – queira ou não – é você. Mas isso você já sabe. De todo modo, não seria ruim complementar o blog. Talvez com um podcast, pois adoro suas participações no Acredite se Quiser, do PH. E de vez em quando ainda me pego assistindo ao seu vídeo, e mostrando a amigos, sobre o Pq o mar e salgado e outros, no parado – recuso-me a chamar de finado – canal do YouTube Universo Gump. Eu sei, seria ainda mais trabalho para você, mas… Forte abraço!

  10. Descobri esse blog muitos anos atrás. E foi um achado. Diferente de muitos conteúdos, vc é sempre cético, não colocando embasamentos políticos, apenas os fatos.
    O problema desse blog é a notificação, passo alguns meses sem entrar. Quando entro fico dias lendo os post pra ver tudo que não tinha lido. O insta seria a forma mais prática. Notificando iria entrar mais vezes. Até mesmo alguma forma de monetizar por fora, nem que seja 2$ dinheiro de pinga. Mas ajuda qualquer valor

  11. Eu amo o mundo gump, me traz uma nostalgia de uma época em que a internet era bem mais legal. Sobre a hospedagem, eu colocaria no servidor mais barato possível (um kinghost da vida) e os arquivos faria um script para mandar para o google drive por api. O gdrive é meio pé de bunda para acertar as credenciais, token e permissão na api, mas depois disso ele funciona.
    Sobre o banco de dados, 6.500 artigos não deve pesar tanto o MYSQL, e provavelmente funcionaria. Só não sei os anúncios se ficaria muito lento ou algo do tipo. No final fica uma colcha de retalhos, mas baratearia bastante. Forte abraço!

  12. Philipe, eu leio o blog ha tanto tempo que nem sei dizer quanto esse tanto seria.
    Suas palavras são meu escape diversas vezes na semana, as vezes no dia. Leio artigos novos e vários antigos… às vezes, no meio da leitura, lembro que já li no passado, e muitas vezes percebo que muito do que acredito – ou que não acredito – vem daqui. O Mundo Gump fez parte do meu desenvolvimento pessoal, guiou meus interesses… só tenho a agradecer. Saiba que podemos não ser muitos, mas você ainda tem uma grande plateia aqui ouvindo os violinos também. :)

  13. Oi ao Philipe e outros leitores de longa data do Mundo Gump como eu. Acho que já acompanho seu trabalho há pelo menos 16 anos, lembro de ficar fuçando aqui lá pra 2008 no meu primeiro emprego. Certamente conhecia de antes. Lembro de vários textos que me marcaram, contos (como o do zumbi protagonista), lembro da entrevista pro Jô. Já até num passado distante enviei a você um conto que eu mesmo escrevi e que hoje certamente me envergonharia. Achei muito interessante você falar disso bem agora. Tenho pensado muito no ambiente que a internet virou e o caminho que tem seguido. Eu que sou mais velho (37 anos hoje) vi o começo da internet e sei a sensação de liberdade que ela trazia no fim do séc. XX e início do XXI, era realmente um milagre poder se conectar com qualquer um, ter um site só seu e falar do que queria.
    Mas tudo isso mudou e por isso penso sobre isso e quando penso o suficiente penso no próprio Mundo Gump. Esse é o ÚNICO lugar na internet que continou sendo o que sempre foi. Visitar o Mundo Gump hoje é quase como voltar no tempo. E isso não é uma coisa negativa, pode parecer que estou dizendo que você parou no tempo mas é muito o contrário – você, como descreve no texto, faz isso aqui por algum tipo de amor, embora não tenha usado essa palavra. E trabalhar criando conteúdo por amor, qualquer coisa que seja, hoje é a exceção.
    Talvez a IA destrua o que sobrou disso… Talvez, sendo otimista, a IA destrua exatamente os que fazem apenas pelo dinheiro e o que seria “arte verdadeira” no sentido de ser feita por ser feita, sem querer na em troca, reapareça e ganhe espaço.
    Bom, só queria da minha parte agradecer o tempo que eu passei aqui ao longo dos últimos anos, boa parte da minha vida. Talvez você saiba, talvez não, mas o seu trabalho aqui é arte e embora a vida nos cobre por dinheiro e por uma razão financeira para tudo que fazemos, não se esqueça do caminho longo que percorreu e tudo o que esse site te proporcionou, mesmo as coisas aparentemente negativas.
    Um abraço!

  14. Você continua pelo mesmo motivo que eu continuo e todos os outros blogueiros e blogueiras que sigo e conheço: porque a gente gosta de compartilhar coisas legais com as pessoas. Não tem fórmula mágica aqui. É isso.

    “Ahhh, os blogs morreram” era o que eu ouvia quando abri o meu. Hoje em dia é um chororô de “ahh, os blogs podiam voltar, sinto falta, as redes sociais mataram os bons conteúdos”. Ué, os blogs não morreram, a gente tá aqui nadando contra correnteza. A galera é que viu uma novidade reluzente e foi correndo se lambuzar nela. Agora que estão decepcionados, estão tentando voltar para o que funcionava, para o que era seguro e fácil de utilizar.

    A internet é um espaço muito grande e com conteúdo para todos os gostos. Por isso os blogs não morrem, porque ainda tem gente que quer um conteúdo escrito, de alguém que ele gosta e confia. E acredite, entendo sua frustração. Hoje paguei o domínio do blog e pensando “nossa, mais um ano”. Mas sinto falta dessa conexão com as pessoas, de falar de coisas que eu gosto, de ter um repositório, um diário virtual, com as coisas que me chamam a atenção. É o que ainda me segura e acredito que você também.

    Siga em frente, tem gente de olho no que a gente ainda faz. ??

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos