O misterioso desaparecimento de Louis Le Prince

Talvez você não o conheça, mas Louis Aimé Augustin Le Prince foi o “pai” do cinema, e sem duvidas um dos precursores da sétima arte em sua gênese.

Em outubro de 1888, Le Prince filmou as sequências de imagens em movimento intituladas Roundhay Garden Scene, Traffic Crossing Leeds Bridge, Accordion Player e Man Walking Around A Corner, usando uma câmera de lente única com um filme de papel.

O desaparecimento de Louis Le Prince não apenas permanece inexplicado quase um século e meio depois, mas também é altamente suspeito. Talvez não menos importante porque ele deveria patentear uma nova invenção na época de seu desaparecimento. De fato, o mistério que envolve os últimos dias do artista francês, continua a fascinar os pesquisadores até os dias de hoje.

Le Prince posando para a fotografia

Existem inúmeros rumores sobre seu desaparecimento e o que pode ter acontecido com ele. Além da teoria óbvia de que alguém estava tentando impedir que tal patente ocorresse para que pudessem obter fama e recompensa financeira para si mesmos, outros afirmam que seu desaparecimento fazia parte de um esquema elaborado para que ele pudesse se mudar para outro lugar e começar sua vida de novo.

O que talvez se perca no misterioso desaparecimento de Le Prince são as primeiras contribuições que ele sem dúvida fez para o cinema, com algumas pessoas até se referindo a Le Price como o verdadeiro “Pai da Cinematografia”. Além do mais, embora não tenha havido influência dominante nos clássicos do cinema de sucesso de bilheteria que foram apreciados ao longo das décadas desde o início do século XX, os primeiros trabalhos e demonstrações do que talvez tenha sido a primeira câmera em movimento ocorreram na terra do chá das cinco, e não em Hollywood.

O melhor lugar para se juntar à história de Louis Le Prince (a quem muitos se referem como Augustin Le Prince) é logo antes de seu desaparecimento. Nos anos que antecederam a ele aparentemente desaparecendo no ar, Le Prince estava morando em Leeds, em Yorkshire, Inglaterra. É aqui que ele desenvolveu sua câmera cinematográfica.

 

A câmera

 

De fato, muitos historiadores do cinema afirmam que pode-se argumentar que os verdadeiros primórdios da cinematografia remontam à improvável cidade industrial de Yorkshire, no norte da Inglaterra vitoriana. Le Prince testaria sua nova invenção filmando cenas curtas da vida em Leeds, incluindo a famosa Roundhay Garden Scene em outubro de 1888. Em 1890, ele estava se preparando para demonstrar as fotos em Nova York. No entanto, seu dispositivo ainda não estava patenteado, em setembro de 1890, enquanto estava em Dijon, na França, ele tomaria providências para viajar de volta a Londres para fazê-lo com a maior brevidade.

Fragmentos de um celuloide de Le Prince

Foi na estação ferroviária de Dijon, na tarde de 16 de setembro , que ele foi visto com vida pela última vez por seu irmão, Albert, que o ajudou a entrar na estação de onde ele viajaria para Paris e depois organizaria uma nova viagem para Londres. No entanto, quando o trem em questão chegou à capital francesa, Le Prince não estava lá. Ele havia aparentemente desaparecido. Além do mais, não só ele não estava a bordo, como também não havia sinal de sua bagagem.

Algo errado não está certo

Existem muitas teorias sobre o que aconteceu, incluindo que Le Prince acabou pegando um trem diferente do planejado. No entanto, o que aconteceu permanece essencialmente um mistério completo até hoje. Nem Le Prince nem sua bagagem foram encontrados.

Um suicídio elaborado?

Apesar de várias investigações minuciosas da família de Le Prince e da polícia francesa e britânica, nenhum sinal do artista desaparecido jamais apareceu. Havia, porém, uma pequena infinidade de teorias sobre o que havia acontecido quando Le Prince entrou na estação de Dijon, bem como as razões. Talvez a explicação mais fácil seja que Le Prince havia tirado a própria vida. Aqueles que concordam com essas teorias sugerem que ele estava muito endividado e, portanto, planejou o suicídio elaborado para que seu corpo e seus pertences desaparecessem para sempre.

Placa no prédio em Leeds, West Yorkshire, onde Le Prince experimentou seus dispositivos

No entanto, muitas pessoas apontam que não apenas seus interesses comerciais eram relativamente lucrativos, mas que era quase certo que ele encontraria segurança financeira com sua nova invenção logo que estivesse  patenteada.

Além disso, se ele estivesse realmente endividado tão severamente que sentiria a necessidade de tirar a própria vida, o custo de uma missão final tão detalhada e complexa certamente teria levado pelo menos uma pequena (mas significativa) quantia de dinheiro. Segundo as fontes da época,  ele estava, de um modo geral, de bom humor e ansioso pelo sucesso que certamente encontraria com sua nova invenção. Além do fato de que não há uma explicação real e sólida de como ele pode ter tido sucesso em tal plano, dado o que sabemos da vida de Le Prince, isso simplesmente parece improvável.

Um desaparecimento “planejado”

Se não for suicídio, isso deve nos alertar para o potencial de jogo sujo. E, de fato, há suspeitas de que exatamente esse fim aconteceu com Le Prince. Mas antes de falar disso, vamos abordar aqui  outra explicação proposta para o desaparecimento do inventor: Que ele se mudou para outro lugar para “salvar” o nome da família.

De acordo com algumas pesquisas, a família de Le Prince descobriu que ele era homossexual e assim, com seu consentimento, providenciou para que ele desaparecesse em Chicago, nos Estados Unidos. Embora seja verdade que a homossexualidade era ilegal no final de 1800 na Grã-Bretanha (e assim permaneceria até a década de 1960), e as atitudes sociais eram, em geral, implacáveis ​​com tal descoberta, o fato é que não há nenhuma prova de que Le Prince era homossexual. , ou que ele desistiria de sua fortuna potencial para encobrir tal descoberta. Tampouco há qualquer prova de que a família tivesse tais sentimentos ou tivesse feito tais arranjos.

Sua curiosa câmera com 16 lentes

Existem algumas alegações de que Le Prince morreu em Chicago (no final da década de 1890), mas, mais uma vez, não há provas para apoiar essas alegações como nada mais do que boatos.

Se fosse possível desconsiderar que Le Prince não planejou seu próprio desaparecimento, seja por causa de sua sexualidade ou não, seria possível supor que em vez de tirar a própria vida em algum lugar entre Dijon e Paris, ele acabou sendo vítima de assassinato.

Uma baixa na “guerras de patentes”?

Talvez seja mais fácil considerar a noção de que Le Prince foi assassinado em algum momento depois de entrar na estação de Dijon. E embora tal assassinato possa ter sido resultado do puro acaso – que ele estava apenas no lugar errado na hora errada – é difícil ignorar o fato óbvio de que, se por algum motivo ele não chegasse a Londres para patentear sua nova invenção, o caminho estaria livre para outra pessoa fazê-lo. E colher grandes recompensas financeiras pouco tempo depois!

Um pesquisador – Christopher Rawlence em The Missing Reel – examinou várias dessas teorias, incluindo as aparentes suspeitas da família sobrevivente de Le Prince de que o hoje reconhecido como inventor “oficial” da câmera cinematográfica, Thomas Edison (ora, ora… olha ele aí! Falando nisso, leia aqui como ele não inventou a lâmpada), poderia ter tido algum envolvimento nisso.

Devemos observar, porém, que o próprio Rawlence após investigar a fundo o caso, passou a acreditar que o cenário mais provável era o suicídio.

Projetos de Le Prince

É, no entanto, um fato que a família de Le Prince contestou as patentes de Edison como o “único inventor” da câmera de movimento nos tribunais. E depois de decidir inicialmente a seu favor, isso acabou sendo anulado. Thomas Edison estava se tornando cada vez mais poderoso, mas se havia ou não alguma precisão na noção de que Edison estava de alguma forma envolvido no desaparecimento do francês, é um tema eternamente em aberto para debate.

Talvez também seja interessante notar que o filho de Le Prince, Adolphus, que ajudou seu pai de perto durante seus experimentos cinematográficos e foi crucial para o processo legal da família contra Edison, (olha só que coincidência) também foi encontrado morto a tiros nos arredores de Nova York em Fire Island.

O que se conta é que ele estava atirando em patos no momento de sua morte, o que levou a que fosse considerado acidental. (convenientemente, claro)

No entanto, pelo menos uma pessoa, sua mãe e o companheiro afetivo de Le Prince, acreditavam que a morte de Adolphus também foi resultado de assassinato.

 

Um mistério que permanecerá assim

O que aconteceu depois que Le Prince entrou na estação de trem em Dijon naquela tarde de setembro até os dias de hoje permanece um mistério, e provavelmente continuará, até que os restos mortais dele sejam localizados e uma investigação mais aprofundada possa ser levada à curso. Infelizmente, a ação do tempo trabalha contra essa possibilidade.

Ele tirou a própria vida? Certamente não é muito um esforço de imaginação, embora certamente improvável, especialmente a natureza elaborada de seu corpo e bagagem desaparecendo completamente no ar. Se o cara quer se matar por que ele vai se preocupar em dar sumiço em suas malas?

Talvez faça mais sentido que, planejado ou por um infortúnio do destino, esse inventor tenha sido vítima de assassinato. Seja para impedir o patenteamento da câmera de movimento ou apenas para roubá-lo. Ou talvez ele tenha sido vítima de um desentendimento aleatório ocorrido no trem em que ele embarcou.

Devemos observar também que, em 2003, uma fotografia de uma pessoa desconhecida que se afogou no final do século XIX foi descoberta nos arquivos fotográficos da polícia de Paris. Alguns acreditam que a pessoa tinha uma semelhança distinta com Louis Le Prince.

O morto desconhecido e Le Prince – pra mim, eles são o mesmo cara

Se essa pessoa era de fato Le Prince, isso acrescenta mais peso à teoria do suicídio ou à do assassinato? Se Le Prince tivesse de alguma forma pulado para a morte do trem (ou mesmo se tivesse feito isso de outro lugar), talvez não fizesse sentido que ele o fizesse com sua bagagem. No entanto, se ele foi assassinado e seu corpo jogado nos canais de Paris e nos arredores, é de se supor que o perpetrador do homicídio também descartasse sua bagagem da mesma maneira afim de confundir as investigações.

O fato é: como alguém pega um trem e aparece boiando morto num rio?

O misterioso desaparecimento e provável morte de Le Prince me lembra outro caso bastante similar, o desaparecimento do inventor do motor Diesel, em 1913 a única diferença é que em vez de trem, foi num barco.  Tal qual Le Prince, logo as explicações recaíram sobre um suposto suicídio motivado por dívidas, embora Diesel estivesse prestes a ficar multimilionário.

Na noite de 29 de setembro de 1913, Rudolf Diesel, inventor do motor que leva seu nome, embarcou numa balsa em Antuérpia, na Bélgica, com destino a Harwich, no Reino Unido. Mas ele nunca chegou.No dia 29 de setembro de 1913, o engenheiro alemão Rudolf Diesel escreveu de Antuérpia, na Bélgica, uma carta à sua mulher: “Está fazendo um tempo quente de verão, não se sente nem mesmo o sopro de um ventinho. Parece que a travessia vai ser boa”.

A travessia mencionada era a viagem de navio que cruzaria o Canal da Mancha até Harwich, na Inglaterra, país onde Diesel pretendia inaugurar a nova sede de uma fábrica do motor inventado por ele. Diesel, no entanto, jamais chegaria ao seu destino. A cama da sua cabine estava intacta quando o navio aportou em Harwich e ele havia desaparecido. Logo suspeitou-se que ele teria caído do navio.

O ocorrido abalou a opinião pública. Por ocasião da sua morte, Diesel estava no auge da fama, graças à sua invenção do motor de autoignição. Em dezenas de fábricas em toda a Europa e nos Estados Unidos, o motor por ele inventado era produzido em larga escala. Com a concessão de licenças, ele havia se tornado milionário. O que poderia estar por trás de sua morte repentina?

Mistééééério.

 

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos