fbpx

Curiosidades

O bizarro relógio que faz “tique” uma vez ao ano e vai marcar o tempo por 10.000 anos

Conheça um relógio que em vez de marcar horas, minutos e segundos marcará milênios.

Escrito por Philipe Kling David · 1 Minutos de leitura >

Talvez uma das maquinas de registro de tempo mais bizarras já concebidas é o “Relógio de dez mil anos”. Em 1986, o matemático e inventor americano Danny Hillis projetou essa maquina que deverá marcar o tempo por 10.000 anos, com o objetivo de promover o pensamento a longo prazo e a contemplação do futuro. Hillis começou a trabalhar no protótipo do relógio no início dos anos 90 e, em 1996, co-fundou a Long Now Foundation com Stewart Brand, um escritor e ambientalista norte americano. A criação do relógio bizarro é um de seus principais projetos.
O primeiro protótipo do relógio, com nada menos que dois metros de altura foi terminado em 1999 e começou a trabalhar em 31 de dezembro daquele ano, justo a tempo de anunciar a transição para o novo milênio.

O curioso dessa maquina é que em vez de contar segundos, minutos e horas, o relógio conta anos, séculos e milênios, por isso ele só funciona uma vez por ano. O protótipo inclui também um cuco, que vai aparecer a cada milênio ao longo dos próximos 10.000 anos.

O relógio de tamanho normal está sendo construído no Texas. A construção está sendo financiada por Jeff Bezos, o fundador da Amazon, que doou 42 milhões de dólares para o projeto.

O plano é enfiar o relógio no fundo das cavernas do Monte Washington em Nevada.(onde ninguém vai ver)

Todo o mecanismo será alojado em vários cômodos especialmente escavados em falésias calcárias da montanha. A secura do local, o afastamento e a falta de valor econômico do aparelho protegerão o relógio da corrosão, do vandalismo e do desenvolvimento urbano.

Não obstante a sua localização complicada, o relógio não conterá peças valiosas como jóias, metais caros ou ligas especiais que possam ser roubadas.

Em vez do som do cuco, cada novo milênio será anunciado por uma melodia única tocada pelos carrilhões do relógio. As melodias milenares foram compostas pelo renomado músico Brian Eno, que também nomeou o relógio e é membro da Long Now Foundation.

Espera-se que o relógio seja capaz de exibir a hora correta por 10.000 anos, mas ele vai precisar de cuidados e manutenção contínua.

Sabe-se que alguns artefatos tecnológicos e históricos com mais de 10 milênios sobreviveram até hoje, mas muito poucos artefatos humanos têm sido continuamente cuidados por mais de alguns séculos.
Essa é a razão pela qual a Long Now Foundation quer criar o relógio como um ícone da civilização humana, que seria devidamente mantida e cuidada, e que iria inspirar as pessoas a contemplar o interminável enigma do tempo.

É legal, mas acho que no fundo, meia duzia de espertos inventaram um caô bonito pra tirar dinheiro do ricaço.

Escrito por Philipe Kling David
Designer, blogueiro, escritor e escultor. Seu passatempo preferido é procurar coisas interessantes e curiosas para colocar neste espaço aqui. Tem uma grande atração por assuntos que envolvam mistérios, desconhecido e tecnologia. Gosta de conversar sobre qualquer coisa e sempre tem um caso bizarro e engraçado para contar. Saiba mais... Profile

DeLorean, o homem e sua criação

em Curiosidades
  ·   4 Minutos de leitura

Repolho ornamental: Feito para decorar e não para comer

em Curiosidades
  ·   2 Minutos de leitura

2 respostas para “O bizarro relógio que faz “tique” uma vez ao ano e vai marcar o tempo por 10.000 anos”

  1. Cara, eu achei interessante a ideia. Só uma pergunta: que símbolo é aquele? Ontem assisti algo sobre tempo e mostrava aquele símbolo e esses dias assisti o filme Dr. Estranho onde este símbolo é ligado a um ser maligno… ou estou enganado?

    1. Achei que era só uma decoração. Será um símbolo arcano oculto? Já pensou se o relogio conta o tempo para o fim do mundo como conhecemos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.