Maluco indiano de 89 anos tenta há mais de duas décadas se divorciar da patroa, sem sucesso

Rapaz, olha a situação do coroa. Ele tá casado há décadas com a mulher e deseja desesperadamente terminar o casamento, mas ele está nessa tentando chutar o balde há mais de vinte anos. E agora a suprema corte decidiu: Ele tem que ficar casado ate morrer!

Freud Explica? 

Vamos ao caso em detalhes:

Um cidadão indiano que se encontra separado de sua esposa há quase quatro décadas e tenta obter o divórcio há 27 anos enfrentou recentemente a recusa definitiva de seu pedido pelo Supremo Tribunal.

Não é segredo que o divórcio é um tema sensível na Índia, onde a dissolução legal do matrimônio geralmente só é concedida em casos de evidente violência ou crueldade cometida por um dos cônjuges.

A pressão da família e da sociedade muitas vezes obriga as pessoas a permanecerem presas em casamentos infelizes. Mesmo quando uma das partes busca o divórcio, os tribunais raramente concedem.

Um casamento para sempre

Essa realidade foi mais uma vez confirmada recentemente em um caso que ganhou destaque internacional. Um homem aposentado de 89 anos, ex-militar e médico, tentava obter o divórcio de sua esposa, uma professora aposentada de 82 anos, após quase três décadas de separação informal.

No entanto, o Supremo Tribunal da Índia negou seu pedido, embora tenha concordado que o casamento deles estava “além de qualquer alvação”.

O que Deus uniu o homem não separa!
O que Deus uniu, o homem não separa!

É muita vontade de controlar a vida alheia hein?

Nirmal Singh Panesar, de 89 anos, e sua esposa Paramjit Kaur Panesar, atualmente com 82 anos, casaram-se em 1963. Tiveram três filhos, duas filhas e um filho, ao longo dos anos. Nirmal estava servindo no exército indiano, enquanto sua esposa era professora na Escola Central em Amritsar. Embora ambos levassem vidas ocupadas, consideravam o casamento como algo “normal” até janeiro de 1984, quando Nirmal foi transferido para Madras (hoje Chennai).

O marido alega que sua esposa se recusou a acompanhá-lo a Madras, optando por viver com os pais e, mais tarde, com o filho deles. Apesar das tentativas de reconciliação, o casamento desmoronou, e em 1996, Nirmal Singh Panesar entrou com o pedido de divórcio no Tribunal Distrital.

Quatro anos depois, recebeu uma decisão favorável, que foi anulada rapidamente após um recurso de Paramjit (ué?!), que argumentou que havia feito tudo ao seu alcance para manter seu “relacionamento sagrado”.

Desde então, o indiano, que se aposentou da Força Aérea Indiana como comandante de ala em 1990, vem tentando levar seu caso ao Supremo Tribunal da Índia para obter finalmente o divórcio. No início deste mês, ele teve sua oportunidade, mas o resultado não foi o que ele tanto esperou. Uma bancada de juízes, Aniruddha Bose e Bela M Trivedi, decidiu que, embora o casamento do casal estivesse “além da salvação”, isso não era motivo suficiente para conceder o divórcio.

(eu forjaria minha própria morte e “fôdaci”)

“Na nossa opinião, não se deve desconsiderar o fato de que a instituição do casamento tem um papel importante na sociedade e é considerada uma rede de vida emocional piedosa, espiritual e inestimável entre o marido e a esposa na sociedade indiana”

Foi o que disse a a decisão do tribunal. Apesar do aumento das solicitações de divórcio nos tribunais, o casamento ainda é considerado uma instituição de significado emocional profundo e espiritual, e a “ruptura irrecuperável do casamento” não deve ser uma fórmula rígida para a concessão do divórcio, conforme argumentaram os juízes.

A decisão da Suprema Corte levou em consideração a posição da esposa, que, aparentemente, aos 82 anos, manifestou disposição para cuidar do marido na velhice, apesar de décadas separados.

Ela também solicitou ao tribunal que não concedesse o divórcio, pois desejava evitar o “estigma” de ser uma mulher divorciada.

Em muitas regiões da Índia, o divórcio continua a ser socialmente inaceitável, com apenas uma em cada 100 uniões terminando em separação.

É muito louco isso considerando que a ampla maioria dos casamentos na Índia ainda são acordos de compadrio, também chamados de “casamentos arrumados”.

Infelizmente, para o tiozinho Sukita da Índia, ele vai ter que ficar casado até que a morte efetivamente os separe. Eu tô rindo mas é trágico.

Você achou bizarro? Então espere só para saber do casamento do cara com um cachorro lá e  o casamento de rãs. Provavelmente não vão poder se separar também.

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos