Guerra dos Mundos em Quito e Santiago

Um livro que causou uma confusão dos diabos!

Certamente você sabe do curioso caso do dia em que Orson Welles resolveu transmitir o livro do H.G Wells, “guerra dos mundos” no rádio nos EUA. O livro é ótimo e chegou a virar até filme. A transmissão tinha um aviso que se tratava de uma dramatização realista, mas muitas pessoas pegaram o programa pelo meio, causando uma enorme confusão. As linhas telefônicas congestionaram, um monte de gente correu em pânico para a delegacia, e teve famílias inteiras se escondendo no celeiro acreditando numa invasão hostil por seres de outro planeta.

 

Orson transmite a Guerra dos mundos em 1938 na rede CBS

O que pouca gente sabe é que isso não aconteceu só uma vez. Isso aconteceu mais de uma! Sendo a segunda com um pandemônio bem mais apocalíptico. Seis anos depois a confusão se repetiu no Chile e onze anos mais tarde da proeza de Orson Welles, algo semelhante ocorreu em Quito, Equador, com reações mais intensas.

A guerra do mundos em Santiago do Chile

Às 21h30 do dia 12 de novembro de 1944, várias cidades chilenas entraram em convulsão quando uma estação de rádio em Santiago apresentou sua própria versão localizada.

Parece provável que o instigador do pânico conhecesse Orson Welles pelo menos de reputação, já que o roteiro foi escrito por um americano chamado William Steele, que havia trabalhado em radiodifusão e na verdade havia escrito episódios de The Shadow, um programa que Welles havia escrito e estrelou por um período de tempo.

Steele e seu assistente Paul Zenteno fizeram exatamente como Howard Koch, escritor de Welles, e decidiram traçar a conquista do Chile usando nomes de lugares familiares. O local de pouso inicial onde se estabeleceram foi cerca de 24 quilômetros ao sul de Santiago, na cidade de Puente Alto.

O mesmo dispositivo de retransmitir a ação como uma série de notícias também foi empregado, com efeito devastador idêntico, de modo que, de acordo com uma reportagem da Newsweek da época (edição de 27 de novembro de 1944), um eletricista chamado José Villarroel, residente de Valparaíso (70 quilômetros a noroeste de Santiago) ficou tão assustado que morreu de ataque cardíaco.

Villarroel parece então ter conquistado a duvidosa honra de se tornar a primeira pessoa na Terra a ser morta em uma invasão alienígena, algo que nem mesmo os marcianos de Welles conseguiram fazer.

A transmissão continha referências realistas a organizações como a Cruz Vermelha e atores que se faziam passar por vozes conhecidas. Um deles foi o Ministro do Interior. O Centro Cívico de Santiago foi destruído, assim como as bases aéreas e os quartéis do exército. A peça foi transmitida para todo o país pela Rede Cooperativa Vitalícia e, tal como a peça relatava ficticiamente estradas congestionadas com refugiados, também na realidade, milhares de ouvintes aparentemente fugiram para as ruas ou barricaram-se nas suas casas. Diz-se mesmo que o governador de uma província telegrafou ao Ministro da Guerra para lhe dizer que tinha colocado as suas tropas e artilharia em alerta para repelir os invasores.

As emissoras notificaram suas intenções com semanas de antecedência e mencionaram a natureza ficcional da transmissão duas vezes durante seus procedimentos, mas é claro que o mesmo pânico cego que tomou conta dos Estados Unidos em 1938 tomou conta do Chile. Numa estranha coincidência, apenas um ano antes tinha sido aprovada uma lei no Chile que proibia a utilização de emissões de rádio incendiárias susceptíveis de causar perturbação aos ouvintes, mas para muitos dos que foram afetados, as multas impostas à estação não aliviaram de forma alguma o seu sofrimento.

Dado o caos, ninguém em sã consciência poderia imaginar que daria a confusão toda outra vez apenas cinco anos depois, num país vizinho.

A Guerra dos mundos em Quito

Na tranquila Quito, localizada aos pés do Monte Pichincha, a cidade parecia parada no tempo em alguns aspectos na década de 1940, mas não em comunicações. No coração da cidade, ao lado do Ministério das Comunicações, ficava o edifício de três andares do ‘El Comercio’, jornal respeitado em toda a América Latina, que compartilhava o espaço com a Rádio Quito, a mais popular da cidade.

Leonardo Paez

Em fevereiro de 1949, inspirados pelo programa de Orson Welles, Leonardo Paez e Eduardo Alcaraz (seu nome verdadeiro era Alfredo Vergara Morales) , da Rádio Quito, decidiram criar uma versão local da ‘Guerra dos Mundos’. Mas sem informar a direção da estação.

Um plano Cabuloso

Escrevendo no conceituado livro Ponzi Schemes, Invaders from Mars and other extraordinário Popular Delusions , Joseph Bulgatz foi mais longe, alegando que Páez havia plantado histórias sobre aterrissagens de OVNIs em vários jornais nos dias anteriores à transmissão, e chegou ao ponto de trancar as portas do estúdio para que os atores não fossem incomodados.

Assim, eles organizaram um roteiro e chamaram varios atores. No dia 12 de fevereiro, a ficção tomou as ondas do rádio, relatando uma invasão marciana devastadora.  Às 21h da noite os ouvintes ficaram entusiasmados com uma apresentação especial da popular dupla de cantores Luis Alberto ‘Potolo’ Valencia e Gonzalo Benítez.

Os cantores se apresentam, já sabendo que seriam interrompidos pela bombástica notícia do fim do mundo

No meio da música For me your memory , os ouvintes foram subitamente alertados para uma notícia urgente de que marcianos teriam pousado a cerca de 32 quilômetros de Quito e que os alienígenas estavam avançando sobre a capital na forma de uma grande nuvem.

Multidões correram para as ruas e, na atmosfera intensificada de excitação, imaginações agitadas transformaram nuvens comuns neste objeto sinistro. A base aérea de Mariscal Sucre seria a próxima a ser varrida pelos marcianos, juntamente com uma paróquia no noroeste de Quito, perto do aeroporto, chamada Cotocallao.

O repórter (interpretado por Páez) foi então ouvido desmaiar quando o gás varreu sua posição. Vozes familiares (representadas por atores) aumentaram o pânico.

O Ministro do Interior pediu calma e o suposto prefeito de Quito anunciou:

“povo de Quito, vamos defender nossa cidade. Nossas mulheres e crianças devem sair para as alturas circundantes para deixar os homens livres para a ação e o combate”.

Ouviu-se um padre pedindo perdão divino enquanto os sinos da igreja dobravam e então do topo da torre La Previsora ​​(o ponto mais alto de Quito) veio uma descrição aterrorizante de um monstro engolfado por nuvens de fogo e fumaça que avançava do norte.

Num estranho paralelo com a transmissão de 1938, quando os ouvintes pensavam que os invasores eram na verdade alemães, muitas pessoas no Equador pensavam que o vizinho Peru era o verdadeiro agressor. Isto era compreensível, uma vez que havia muita inimizade entre os dois países devido a disputas fronteiriças. Mas independentemente de quem os ouvintes pensavam que eram os invasores, o pânico agora estava tomando conta de Quito e das áreas vizinhas de forma crescente e avassaladora.

As igrejas abriram as suas portas à população aterrorizada que saía das suas casas em trajes de dormir e corria pelas ruas aterrorizada. Diz-se que um padre conduziu uma absolvição em massa de pecados ao ar livre, tal era o número esmagador de suplicantes que desejavam fazer as pazes com seu Deus antes da morte certa.

Finalmente o pessoal da estação percebeu o que estava acontecendo nas ruas. Uma admissão tardia e um pedido de calma foi transmitido informando que era tudo uma dramatização, e foi aí que as coisas ficaram realmente sérias.

Teve efeito inverso. Muitos começaram a achar que a estação estava mentindo para acalmar as pessoas e permitir que as autoridades fugissem mais facilmente. Quando finalmente a população caiu em si, aí que o bicho pegou!

Até este momento, ninguém parecia ter ficado gravemente ferido, mas agora muitas pessoas em Quito tinham plena consciência de que tinham sido enganadas e procuravam algo ou alguém em quem desabafar a sua fúria.

El Comercio, o maior e mais respeitado jornal do país, era dono da rádio Quito e a emissora ficava no mesmo prédio do jornal. Foi para este local que a multidão avançou e, no que poderia ter parecido um acto irónico da multidão, incendiou exemplares do jornal El Comercio e atirou estes (e outros objectos) contra o edifício. A entrada principal foi bloqueada e um incêndio começou rapidamente.

O prédio arde em chamas

Alguns dos 100 funcionários sitiados escaparam por uma saída traseira, mas muitos ficaram presos nos andares superiores e foram forçados, em alguns casos desesperadores, a pular das janelas. Outros tentaram formar correntes humanas no chão, mas muitos caíram. Os números relatados para o eventual número de mortos variam entre cerca de 6 e 20, sendo o primeiro considerado o número mais realista, mas independentemente de quantos morreram ou ficaram feridos, foi claramente uma noite aterrorizante com alguns atos desprezíveis relatados. Diz-se que a multidão espancou os policiais que chegaram ao local e retirou os hidrantes para frustrar os esforços de extinção do incêndio.

A confusão aumenta ainda mais

Enquanto o prédio pegava fogo, unidades do Exército conduziram tanques pelas ruas e dispararam gás lacrimogêneo para dispersar a multidão, mas a ajuda chegou tarde, pois na reviravolta mais mortal da noite, muitos dos serviços de emergência da cidade foram enviados para Cotocallao para junte-se à batalha contra os marcianos. Eventualmente, a ordem foi restaurada, mas o edifício El Comercio foi severamente danificado, com uma conta de reparos estimada em cerca de US$ 350.000. Juntamente com a perda de vidas, grande parte do equipamento da estação e das prensas do jornal foram destruídos.

Na sequência, o ministro da Defesa foi encarregado de conduzir a investigação e, nos dias seguintes, foram feitas 21 prisões, tanto de manifestantes como de funcionários da estação.

Páez e Alcaraz estavam entre os indiciados, mas é aqui que a história toma um rumo estranho e sombrio, para grande desconforto dos familiares sobreviventes de Páez. De acordo com a história aceita deste evento no mundo de língua inglesa, Páez realmente planejou criar o pânico. Ele não apenas trancou as portas da estação, mas também gostou do pânico e da perturbação que causou. Tendo completado a sua missão diabólica, afirma-se dramaticamente que ele foi visto pela última vez no telhado do edifício El Comercio, antes de desaparecer das páginas da história, um fugitivo procurado e insultado.

Isto certamente contribui para uma história emocionante, mas há um outro lado da história. Ao que parece, Páez não desapareceu para sempre naquela noite. Em vez disso, ele sensatamente ficou quieto por vários meses até poder apresentar seu caso a um juiz. Tendo tido o bom senso de conservar uma cópia do contrato entre Alcaraz e a estação, conseguiu provar conclusivamente que a estação tinha pleno conhecimento da peça e do seu conteúdo e, como tal, não poderia ser responsabilizado pela reação popular.

As histórias de que ele trancou a porta da estação, gostou da perturbação causada pela transmissão e plantou histórias de OVNIs foram posteriormente refutadas por sua filha. Páez não tinha autoridade para publicar histórias no jornal El Comercio e nunca teria se rebaixado a esse subterfúgio, mesmo que pudesse. Ele esperava boas críticas nos jornais do dia seguinte, mas nunca imaginou que as pessoas reagiriam daquela forma. Assim exonerado em tribunal, Páez ficou livre para retomar a sua vida normal, trabalhando sem qualquer estigma para outras estações de rádio e jornais no Equador.

Seis anos depois mudou-se para a Venezuela, onde continuou a trabalhar em rádio e jornais por mais algumas décadas. Ele faleceu em 1991 enquanto ainda morava na Venezuela, deixando para trás uma obra altamente conceituada que incluía um livro sobre a transmissão da Guerra dos Mundos em Quito chamado Los que siembran el viento , (Aqueles que semeiam o vento) e mais de 20 musicas populares, incluindo La Tuna Quiteña (A festa de Quito), que se tornou uma eterna favorita nacional.

Em 1985, ele recebeu as chaves da cidade de Quito, o que não é o tipo de elogio dado rotineiramente a um homem considerado culpado de um engano monstruoso e da morte de seis de seus compatriotas.

Reconstrução e Reflexão

No dia seguinte, as equipes do El Comercio e da Rádio Quito começaram a recolher os cacos, exceto Paez e Alcaraz, que foram indiciados. Outros jornais de Quito e Guayaquil ofereceram suas impressoras para que o jornal pudesse continuar imprimindo. Aos poucos, o jornal e a rádio foram reconstruídos e recuperaram sua posição de meio de comunicação mais respeitado de Quito.

No rescaldo, enquanto o ‘El Comercio’ e a Rádio Quito reconstruíam, não houve menções a esse evento memorável nos anais da emissora, especialmente no artigo de 1980 sobre o 40º aniversário da Rádio Quito. Hoje, a Rádio Quito opera sem dramas de ficção científica, focando-se em notícias e esportes. Uma lição aprendida da forma mais difícil sobre o poder da mídia e a credibilidade das notícias.

Este episódio, um dos mais dramáticos na história do rádio, serve como um lembrete do impacto que a mídia pode ter na percepção pública e a importância da responsabilidade no jornalismo.

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Que isso, Philipe, nunca ouvi falar dessa história! Muito interessante, valeu!
    PS.: Não quero entrar no mérito político, mas a comunicação e a mídia usadas para o mau, é um grande perigo. Vide o que aconteceu no Brasil em 2020/2021, quando em meio a maior epidemia da era moderna, Governo e mídias incentivavam o combate ao vírus da COVID-19 através do uso de medicamentos para combater vermes e mosquitos (Ivermectina e Cloroquina). Resultado: 700 mil mortos. Lamentável!

  2. Teve também no Brasil! Foi há uns 10 anos, o jornalista Ricardo Boechat narrou a parada como se estivesse acontecendo mesmo e me caguei todinho! Depois explicou que fez isso para explicar o perigo das fake news. Nesse dia a Band News FM teve uma enxurrada de ligações e mensagens xingando ele!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimos artigos

Gripado

O dia da minha quase-morte

Palavras têm poder?