Foto gump do dia: O peixe pré-histórico

Um enorme peixe pré-histórico com sua última refeição na barriga

Nossa foto de hoje é este peixe pré-histórico que foi encontrado ainda com sua presa inteira dentro dele, que também fossilizou.

O peixe lembra um pouco a traíra.

peixe pré-histórico
Haja espinha nesse desgraçado!

TRata-se de um fóssil de Xiphactinus audax com um Gillicus arcuatus dentro do estômago. Os fósseis foram recuperados no condado de Gove, Kansas , em 1952, por George F. Sternberg (1883–1969). Os fósseis estão em exibição no Museu Sternberg de História Natural em Hays, Kansas, e são descritos como “provavelmente o espécime fóssil mais fotografado do mundo”.

Trata-se de um peixão responsa, bem  grande e feioso como ele só!

peixe pré-histórico

Esse era mais ou menos o naipe dele quando estava vivo:

peixe pré-histórico

Xiphactinus  tem este nome que deriva do latim e grego para ” raio de espada “, é normalmente chamado só de peixe X . Ele pertence a um gênero extinto de grandes peixes ósseos marinhos predadores que viveram desde o final do Albiano até o final do Maastrichtiano .

a espinha desse cara impressiona e deve ser o pesadelo do paleontólogo

Ele podia ficar grandão! Alguns adultos chegariam aos seis metros comprimento.  

Muitos fósseis

Vários esqueletos de Xiphactinus são preservados com o peixe Gillicus arcuatus engolido inteiro.

As espécies de Xiphactinus eram peixes predadores vorazes. Pelo menos uma dúzia de espécimes de X. audax foram coletados com restos de presas grandes, não digeridas ou parcialmente digeridas em seus estômagos.

Esse peixe que ilustra este post, com outro dentro, provavelmente morreu em decorrência desse “rango” ingrato. Como o outro está perfeitamente preservado dentro dele, acredita-se que ele morreu logo após comer sua presa, e provavelmente devido à luta da presa menor que pode ter causado a ruptura de um órgão interno que culminou na morte do predador. 

Como muitas outras espécies nos oceanos do Cretáceo Superior, um indivíduo morto ou ferido provavelmente seria eliminado por tubarões ( Cretoxyrhina e Squalicorax ).

Então como esse fóssil  ficou inteiro?

Há muitas especulações possíveis para explicar isso mas uma boa hipótese pode ser que ele morreu em águas muito rasas, possivelmente tentando pegar esse peixe menor e acabou encalhando.  Gradualmente, uma camada de detrito e lama o cobriu, talvez em decorrência de alguma tempestade. Isso permitiu que o animal gradualmente se tornasse pedra até ser descoberto.

Como os tarpões modernos, o Xiphactinus provavelmente passou sua fase juvenil de vida em margens rasas de canais marítimos para proteção e para utilizar ricos recursos alimentares, possivelmente raros em águas marinhas abertas, embora isso precise de confirmação devido à falta de depósitos rasos próximos à costa do Mar Interior Ocidental.  Os dentes do espécime juvenil indicam que a dieta de Xiphactinus provavelmente não mudou significativamente durante o seu crescimento, o que implica que mesmo os pequenos espécimes teriam sido predadores comedores de peixes. 

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertisment

Últimos artigos