Foi tempo – minha poesia para a Playboy

Sharing is caring!

Ok, Hoje eu passei na banca de jornal e estupefato vi uma das mais escrotolhentamente feias capas da revista Playboy de todos os tempos. Lembrando dessas e de outras, resolvi escrever uma poesia para relaxar.
Espero que goste.

FOI TEMPO

Foi tempo em que eu pensei
Que a playboy era a solução
Na capa todo mês
Saía um mulherão,

Até que um trágico dia
Paguei minha penitência
Fui comprar a playboy
E na capa estava a Hortência

No desespero juvenil
Levei mesmo assim
Na falta de uma Anna Kournikova
Nada que a imaginação não resolva

Num outro mês, levei bolo
Outra capa rampeira
No pôster e no miolo
A Rosenery Fogueteira

Sem bancar o moralista
Fechei os olhos e comprei a revista
Na falta de mulher boa
Valia mais pela entrevista

Daí veio a Yoná Magalhães
Deu vergonha de comprar
Parecia playboy de dia das mães
Essa só cego pra levar

Teve também a Débora
Dirigindo caminhão, deitada na grama
Peladona a musa dos Sem Terra
Parecia filha do Zé Serra
com a pança do Maradonna!

Vanessa Campos por sua vez
Não causou comoção
Sua revista não vendeu
Afinal tinha a Celene na mesma edição

Se fosse só isso já tava ruim
Mas podia piorar
Cissa na capa foi duro de aguentar
E de brinde outra desilusão
no aniversário da revista
deu ela de novo na publicação

Reny de Oliveira em 84
Era a Emília peladona
Quem comprou pagou o pato
Nada de gostosona

Elba Ramalho com quase 40
Cheguei a passar mal
O trauma piorou
Quando vi o matagal
Mas mesmo assim, a gente tenta
ignorar a “esfusiante nudez tropical”

Daí veio a aporrinhação
Nem doido de Skol
Desceu redonda aquela capa
Com tema de voleyball
mais uma enganação

Vera Mossa recusou
Venturini também
A Playboy apelou
“Ida do volley” na capa colocou
Era melhor deixar sem ninguém!

Você acha que acabou?
Outra coisa horrorosa
Não poderia ser mais trágico
Inaugurando a maturidade
Veio a garota do balão mágico

Pelo menos não era da 3a. idade
Mas Simony se achando gostosa?
Ora, tenha piedade!

Em seguida veio a Mara
Que se intitulava maravilha
Pensei que era gostosa
Fiquei na pilha
depois liguei para o procon
Pra reclamar da propaganda enganosa

O prêmio da barangagem
Foi a edição da Hortência
Numa edição suicida
Era a primeira fake news da minha vida
Pra levar Hortência só sofrendo de demência

Nem Photoshop deu solução
Tamanha “doce surpresa”
Reforçada com mulheres do ano
Acabei entrando pelo cano
Uma edição vazia
onde até Regina Duarte
escreveu umas putarias

Hoje lá na banca
exibindo uma bunda branca
Tem uma surfista feia de se ver
Andréia Lopes é o nome dela
Dá pena de descrever
aquela criatura magrela
Achando que vai vender

O editor parece que fuma
Um matinho do capeta
Com tanta mulher bonita
Vai acabar colocando o Vampeta

Eu juro que não compro
Se continuar assim
Nem sequer pela entrevista
Ou pelas piadinhas
que fecham a revista
Afinal Pra piada
prefiro o Pasquim
O que eu quero é mulher pelada!
E Bonita!

 

Comments

comments

Luminária Ufo

5 comentários em “Foi tempo – minha poesia para a Playboy”

  1. merece meu comentario pela monstruosa criatividade rsrsrs….mto hilario Philipe rsrs…vc puxo o talento do vo hugo pra faze trova, so q vc adapto pra poesia comica rsrsrsrs
    abrçs

    Responder
  2. Vc está certo, a capa da Playboy está de assustar… e olha que eles tem metido várias coroas nas revistas e tals… mas essa surfista…

    Falando nisso Philipe, me mudei do Vital Brasil para a Moreira Cesar, e com a mudança tive que parar com tudo…depois te passo meu msn…

    Responder
  3. A poesia é boa, criativa. Mas discordo da opinião poética. Yoná, prá mim, é uma “cama de casal”, mesmo aos 50. Tem ancas vastas, amplas! É daquelas mulheres que vc goza e, depois, tira uma soneca em cima dela. Elas adoram isso! Até a Hortência, que acho a mais feia, tem seus encantos. Tanto é que o empresário paulista se apaixonou por ela e com ela se casou. Deve ter “predicados” prá deixar o cara assim, né não?! A Cissa Guimarães tem, simplesmente, a bunda mais espetacular das dezenas de mulheres que ví nas revistas masculinas. Observe o bundaço que ela tem- além das coxonas grossas – e, depois, me diga.  Amigo, não se pode analisar apenas o rostinho bonitinho e a idade. Tem-se que analisar o todo físico e aspectos, tb, de inteligência, cultura, carisma que a mulher tem. Sem essa de Mulher Melancia: só volume físico e uma cabecinha oca, oca, oca!  

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Apoie este projeto

Criar este website não é uma tarefa fácil. Mais de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários e conteúdo próprio, demandam muito trabalho. Saiba como você pode ajudar a manter o Mundo Gump cada vez melhor e evitar que ESTE SITE ACABE
Ajuda aí?
MUNDO GUMP – © 2006 – 2020 – Todos os direitos reservados.