Explorando o Paradoxo de Bootstrap

Explorando o Fascinante Paradoxo de Bootstrap: Viagem no Tempo e Além. As informações ou objetos podem existir sem terem sido criados? Segundo essa curiosa ideia, sim.

Hoje vamos falar do Paradoxo de Bootstrap.

Tá calor aí? Aqui em Niterói tá fazendo um calor infernal hoje. Mas eu sigo firme e forte na tentativa de trazer artigos curiosos e interessantes pra esse blog.

Seja bem-vindo a uma jornada extraordinária pelo intrigante universo do paradoxo de bootstrap, também conhecido como paradoxo ontológico.

Este fenômeno peculiar da viagem no tempo desafia nossa compreensão convencional, onde informações ou objetos podem existir sem uma origem discernível, criando um intricado loop temporal.

Desvendando o Paradoxo de Bootstrap

O Que é o Paradoxo de Bootstrap?

O paradoxo de bootstrap, ou paradoxo ontológico, é um fenômeno intrigante na viagem no tempo. Ele sugere a possibilidade de objetos ou informações existirem sem terem sido criados. Imagine um objeto enviado de volta no tempo, recebido no presente, tornando-se o próprio objeto que será enviado de volta no tempo inicialmente. Essa complexa interconexão entre passado e futuro cria um loop temporal único e, de certa forma, contraditório.

O paradoxo de bootstrap
Em algum lugar do passado

Lembra do filme Em algum lugar do passado? Nele o dramaturgo Richard Collier consegue um jeito maroto de viajar no tempo, apenas se concentrando e se materializando no passado, movido por um amor incondicional por uma mulher misteriosa (Elisa Mckenna) que ele só viu numa foto. Ele tem consigo um relógio que ela, idosa, deu a ele, mas ele não sabia que a idosa de quase cem anos era a mulher da foto. Richard viaja no tempo e vive um grande amor com Elisa Mckenna, e dá o relógio a ela. Ora, se ele recebeu dela o relógio e viajou no tempo, ele deu a ela o relógio que ela deu a ele. Assim, o relógio saiu de onde? Então aqui está um loop temporal contraditório bem claro que é a base do filme.

Origens do Termo e Popularização

O termo “paradoxo do bootstrap” deriva da expressão “puxando-se pelos cadarços de seu próprio calçado”. Sua aplicação ao contexto de viagem no tempo foi popularizada pela história “By His Bootstraps”, de Robert A. Heinlein.

o paradoxo de bootstrap
ilustração do paradoxo de bootstrap

Este paradoxo tem servido como inspiração para inúmeras narrativas de ficção científica e até mesmo como tema de artigos científicos na área de física.

Série Dark e o Paradoxo de bootstrap

O Paradoxo do Bootstrap é um conceito que se refere à ideia de “puxar-se pelos próprios cadarços”, sugerindo um loop auto-referencial onde algo pode existir sem uma origem clara. Esse paradoxo é explorado de forma intrincada na série Dark através de sua representação de viagem no tempo e complexas relações entre os personagens. O show desafia a noção de causa e efeito ao apresentar objetos, eventos e indivíduos que existem sem começos aparentes. Por exemplo, a personagem Charlotte Doppler descobre que sua filha é, na verdade, sua própria mãe, ilustrando um loop cíclico e infinito na narrativa. A série explora as complexidades da manipulação temporal, levantando questões profundas sobre identidade, origens e a interação entre passado, presente e futuro. Através dessas tramas narrativas complexas, Dark apresenta uma exploração instigante do Paradoxo do Bootstrap e suas implicações sobre a natureza da existência e causalidade.

Na série de TV Dark, o conceito de origem e sucessão lógica é desafiado através da exploração intrincada de viagem no tempo e paradoxos. O programa mergulha no Paradoxo da Bota, onde os eventos se repetem tornando difícil apontar um ponto exato de origem. Esse fenômeno é exemplificado quando personagens como Tannhaus e Claudia Tiedemann interagem através do tempo, causando uma cadeia de eventos que confundem as linhas de causa e efeito. A narrativa também distorce as relações entre personagens, como Charlotte Doppler e Elisabeth Doppler, revelando revelações chocantes sobre seus laços familiares que desafiam noções tradicionais de ancestralidade e linhagem.

Ao mostrar esses paradoxos, Dark força os espectadores a questionar os aspectos fundamentais da existência e criação. A série sugere que a manipulação do tempo pode perturbar a progressão linear dos eventos, levando a loops complicados de causalidade. Essa exploração não apenas desafia a compreensão convencional das origens, mas também propõe um universo onde os seres são influenciados pelas complexidades da viagem no tempo, adicionando camadas de ambiguidade à sua existência. No mundo de Dark, o conceito de sucessão lógica é lançado ao caos, destacando a natureza imprevisível e enigmática do próprio tempo.

Como é que a natureza temporal em loop do Bootstrap é representada em Dark através de diferentes personagens e relacionamentos?

Na série de TV Dark, o conceito do Paradoxo do Bootstrap é vividamente retratado através de vários personagens e relacionamentos, mostrando a natureza temporal intricada e em loop das viagens no tempo. Um exemplo desse paradoxo é ilustrado através do personagem Tannhaus, que só conseguiu publicar seu livro devido a Claudia Tiedemann viajar de volta no tempo para lhe entregar uma cópia. Isso cria um loop perplexo onde a origem do livro está envolta em incerteza. A existência do livro depende de eventos que são dependentes de sua própria existência, levando a uma narrativa cíclica que desafia um claro ponto de origem.

Da mesma forma, outro exemplo desse paradoxo é demonstrado através da relação entre Charlotte Doppler e sua filha Elisabeth em Dark. Charlotte descobre que sua filha é, na verdade, sua mãe em uma revelação alucinante. Essa revelação cria um loop infinito de causalidade, desafiando as noções tradicionais de linhagem e origem. O programa explora as complexidades do tempo e da causalidade, mostrando como personagens e relacionamentos se entrelaçam em uma teia de eventos interconectados que desafiam a compreensão linear.

No geral, através desses e de outros relacionamentos e personagens, Dark explora a natureza enigmática dos loops temporais e paradoxos, destacando as consequências intrincadas e frequentemente desconcertantes da manipulação do tempo. A narrativa do programa tece um tapete complexo de causa e efeito, borrando as fronteiras entre passado, presente e futuro, desafiando os espectadores a refletir sobre os mistérios da existência temporal.

Desafios e Implicações do Paradoxo de Bootstrap

Auto-consistência na Linha do Tempo

Uma explicação para a falta de mudanças na história, apesar da viagem no tempo, é a posição de que essas mudanças já estão contidas auto-consistentemente na linha do tempo passado. Neste cenário, um viajante do tempo que tenta alterar o passado estaria simplesmente desempenhando seu papel na criação da história, não modificando-a. O princípio da auto-consistência de Novikov sugere que laços causais contraditórios não se formam, mas os consistentes podem.

Desafios com Objetos Físicos e Informações

No entanto, surgem desafios significativos, especialmente quando objetos físicos estão envolvidos. Itens enviados do futuro para o passado, que se tornam os mesmos itens enviados para trás, criam não apenas um loop, mas uma situação em que esses itens não têm uma origem discernível, como o relógio de Richard Collier. Isso desafia as leis da termodinâmica, já que esses itens deveriam envelhecer e aumentar em entropia a cada ciclo, apresentando uma contradição intrínseca.

O Paradoxo Reverso do Avô

Outro desafio intrigante é o “paradoxo reverso do avô“. Este paradoxo sugere que tudo enviado para o passado permite a própria existência da viagem no tempo. Por exemplo, salvar a vida do próprio antepassado ou enviar informações vitais sobre a máquina do tempo cria uma interdependência entre o ato de viajar no tempo e os eventos que possibilitam essa viagem.

o paradoxo de bootstrap

Exemplos Práticos e Narrativas Ficcionais

Vamos explorar alguns exemplos práticos e narrativas ficcionais que ilustram o paradoxo de bootstrap de maneiras cativantes.

Exemplos Práticos do Paradoxo de Bootstrap

  1. O Ciclo Temporal da Máquina do Tempo:
    • Em seu aniversário de 30 anos, uma pessoa recebe a visita de sua versão futura, entregando de presente o projeto de uma máquina do tempo.
    • Ao completar a máquina do tempo, a pessoa viaja de volta para entregar os planos a si mesma no passado, fechando assim o ciclo.
  2. A Profecia do Caderno do Futuro:
    • Um jovem físico recebe um caderno envelhecido do futuro, contendo informações sobre eventos futuros.
    • Antes que o caderno se desintegre, a pessoa copia as informações em um novo caderno, perpetuando a profecia ao longo do tempo.

Narrativas Ficcionais: Doctor Who

Na nona temporada da série Doctor Who, no episódio “Before the Flood”, o Doutor se depara com o paradoxo de bootstrap ao tentar evitar um evento trágico. Essa narrativa envolvente explora as complexidades e desafios éticos associados ao paradoxo de bootstrap.

Implicações Ontológicas e Conclusão

Desafios Ontológicos do Paradoxo

O paradoxo de bootstrap levanta questões profundas sobre onde, quando e por quem os itens foram criados ou as informações obtidas. A lógica do laço do tempo, enviando soluções para problemas de computação de volta no tempo para verificação sem nunca terem sido calculadas “originalmente”, destaca a complexidade ontológica desse fenômeno.

 

A viagem no tempo, sem paradoxos, é possível? Sim. 

Back To The Future 1985 | Christopher Lloyd & Michael J. Fox

“O passado é obstinado”, escreveu Stephen King em seu livro sobre um homem que volta no tempo para impedir o assassinato de Kennedy. “Ele não quer ser mudado.”

Sem se dar conta, o mestre King pode ter acertado na loteria da Física nessa frase.

Como eu já falei aqui, incontáveis ​​contos de ficção científica exploraram o paradoxo do que aconteceria se você voltasse no tempo e fizesse algo no passado que colocasse o futuro em perigo.

Talvez um dos exemplos mais famosos da cultura pop esteja em De Volta para o Futuro , quando Marty McFly volta no tempo e acidentalmente impede que seus pais se encontrem, colocando sua própria existência em risco. Lembra dele sumindo nas fotos?

o paradoxo de bootstrap
McFly começa a desaparecer conforme seu plano vai dando errado

Mas talvez o McFly não estivesse em muito perigo, afinal. De acordo com um novo artigo de investigadores da Universidade de Queensland, mesmo que a viagem no tempo fosse possível, o paradoxo não poderia realmente existir.

A linha do tempo se corrige?

Os pesquisadores analisaram os números e determinaram que, mesmo que você fizesse uma mudança no passado, a linha do tempo seria essencialmente autocorrigida, garantindo que tudo o que acontecesse para enviá-lo de volta no tempo ainda aconteceria. Ou seja, McFly não ia sumir. 

“Digamos que você viajou no tempo na tentativa de impedir que o paciente zero do COVID-19 fosse exposto ao vírus”, disse o cientista da Universidade de Queensland, Fabio Costa, ao serviço de notícias da universidade .

“No entanto, se você impedisse que esse indivíduo fosse infectado, isso eliminaria a motivação para você voltar atrás e parar a pandemia em primeiro lugar”, disse Costa, que foi coautor do artigo com o estudante de graduação Germain Tobar.

“Isto é um paradoxo – uma inconsistência que muitas vezes leva as pessoas a pensar que a viagem no tempo não pode ocorrer no nosso universo.”

Como dissemos, é tipo o “paradoxo do avô” – em que um viajante do tempo mata seu próprio avô, evitando assim o nascimento de seu pai, logo o dele mesmo. Se ele não nascer, como ele vai viajar no tempo e matar o avô?

O paradoxo lógico deu uma dor de cabeça aos investigadores, em parte porque, de acordo com a teoria da relatividade geral de Einstein, são possíveis “curvas fechadas semelhantes ao tempo”, que teoricamente permitem que um observador viaje no tempo e interaja com o seu eu passado – potencialmente colocando em perigo a sua própria existência.

Mas estes investigadores dizem que tal paradoxo não existiria necessariamente, porque os acontecimentos se ajustariam por si próprios.

Veja o exemplo do paciente zero com coronavírus. “Você pode tentar impedir que o paciente zero seja infectado, mas, ao fazê-lo, você pegaria o vírus e se tornaria o paciente zero, ou outra pessoa o faria”, disse Tobar ao serviço de notícias da universidade.

Em outras palavras, um viajante do tempo poderia fazer mudanças, mas o resultado original ainda encontraria uma maneira de acontecer – talvez não da mesma forma que aconteceu na primeira linha do tempo, mas próximo o suficiente para que o viajante do tempo ainda existisse e ainda estivesse motivado a voltar no tempo.

“Não importa o que você fizesse, os eventos importantes simplesmente se recalibrariam ao seu redor”

Disse Tobar.

O artigo, “Dinâmica reversível com curvas fechadas semelhantes ao tempo e liberdade de escolha”, foi publicado na revista Classical and Quantum Gravity . As descobertas parecem consistentes com outro estudo de viagem no tempo publicado neste verão na revista Physical Review LettersEsse estudo descobriu que as mudanças feitas no passado não alterarão drasticamente o futuro.

O autor best-seller de ficção científica Blake Crouch, que escreveu extensivamente sobre viagens no tempo, disse que o novo estudo parece apoiar o que certos lores de viagens no tempo postularam o tempo todo.

“O universo é determinístico e as tentativas de alterar o Evento Passado X estão destinadas a ser as forças que dão origem ao Evento Passado X, portanto, o futuro pode afetar o passado. Ou talvez o tempo seja apenas uma ilusão. Mas acho que é legal que a matemática seja verificada.”

O Fascinante Mundo do Paradoxo de Bootstrap

Este fenômeno desafia nossa compreensão convencional, convidando-nos a explorar as fronteiras do possível e a refletir sobre as interconexões entre passado, presente e futuro. É algo saboroso para qualquer pessoa amante de histórias de ficção científica, fantasia e viagem no tempo.

Para mergulhar mais fundo nesse fascinante tópico, dê uma olhada nas seguintes referências:

  1. Paradoxo temporal -Wikipedia
  2. Heinlein, R. A. (1958). By His Bootstraps.
  3. Doctor Who, Season 9, Episode 4: “Before the Flood”.

Se você curte viagem no tempo, não deixe de ver meu post sobre o homem que viajou no tempo. 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Eu nunca comprei a ideia da autocorreção temporal porque ela pressupõe que o tempo seja uma entidade inteligente que olhe para a alteração causada pelo viajante do tempo e diga: “nossa, que bagunça! Isso está ilógico, então preciso criar uma correção para garantir que a lógica interna da história continue existindo”. Porém nem sempre o universo opera através da lógica. Um exemplo é a luz: ela pode se comportar como onda ou como partícula ao mesmo tempo! Perante a lógica humana, isso não faz sentido, mas o universo não tá nem aí se incomoda o TOC humano. Talvez um viajante do tempo retornar ao passado e matar o próprio avô seja possível sem o viajante do tempo sumir. Talvez ele apenas se torne um gato de Schrodinger, existindo e não existindo ao mesmo tempo.

    • Entendo seu ponto, ocorre que a luz não “respeita” o tempo. Para a luz o tempo não existe, por isso ela pode se comportar como onda e como particula ao mesmo “tempo”. Um estudo conduzido por uma brasileira Gabriela Barreto Lemos restou demonstrado que a luz ao passar por um feixe que a divide em dois e posteriormente, um lado, ao passar por uma informação mais adiante acaba retornando essa informação no tempo e passando ela, de forma inversa, para o outro feixe. Quando falamos de bootstrap é como uma questão apresentada no texto, será que um objeto envelherecia com o passar do tempo, por exemplo, um relogio, que uma pessoa passa para outra, como no texto, em algum momento ele não perderia suas funções ? Ai que está, ele nunca foi dado, nunca foi possuido, ele nunca viajou no tempo e ao mesmo tempo ele sempre esteve em cada estado que pudesse estar, sendo dado, sendo possuido e viajando no tempo, assim como a luz. Claro que essa explicação fica muito vaga mas tente imaginar comigo, se eu possuo uma caixa transparente com pólvora suficiente para chacoalhar ela com força e fazer a pólvora reagir, então eu dou volto no passado, chacoalho a pólvora, ela reage e explode dentro da caixa como um grande fósforo e então dou ela a você, porem eu recebi ela de você no futuro, e ela era pólvora, mas como então você poderá me dar a pólvora no futuro, bom é como a questão da entropia relacionada, a partir do momento em que aquele objeto faz parte de um loop ele proprio vai estar reagindo constantemente ao tempo em oposição à onde ele está, até que ele atinja um equilibrio e começe tudo de novo, de -1 para 0 para +1 para 0 e para -1. Como no filme tenet, aquele objeto estará voltando no tempo, toda a matéria que o compoem estará “voltando” no tempo até que a reação da pólvora explodir se replique completamente ao contrario e ela se torne pólvora novamente. Para o objeto o tempo sequer existe, ele está em todos os estados ao mesmo tempo, como você disse sobre o avô, é provavel que a pessoa exista e não exista mas será que ao mesmo tempo, no mesmo universo ?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos