Estuprada pelo poltergeist: O caso paranormal de Doris Bither

As manifestações sobrenaturais e poltergeist perseguiriam implacavelmente aquela família desajustada e os cientistas não podiam fazer nada

O caso macabro de poltergeist de Doris Bither é possivelmente um dos relatos paranormais mais aterrorizantes e bem documentados.

Ela não apenas foi repetidamente atormentada por três poltergeists, mas esses três poltergeists a estupraram em diversas ocasiões, e muitos desses eventos foram testemunhados por pesquisadores doutorandos da Universidade da Califórnia.

Como começou essa desgraça

Em agosto de 1974, o Dr. Barry Taff, doutor em psicofisiologia, engenheiro biomédico e parapsicólogo de renome mundial, discutia questões relacionadas ao seu último caso com um associado enquanto folheava livros na livraria local.

Doris Bither estava por ali, ouviu a conversa e abordou o Dr. Taff dizendo-lhe que sua casa era mal-assombrada e que ela precisava de ajuda.

Ele concordou em investigar e na época pensou que se tratava de só mais outro caso padrão, não diferente de suas centenas de outros relatórios que ele via corriqueiramente em seus estudos.

ELE ESTAVA ERRADO

O buraco ali era bem mais em baixo, como já dizia minha avó.

Chegando à casa de Doris em 11547 Braddock Drive, o Dr. Taff notou que a casa estava em um estado de miséria – Doris era uma mãe solteira que vivia com sua filha adolescente e seus três filhos.

Doris Bither cresceu em um lar abusivo, seus pais eram alcoólatras. Como acontece com a maioria das crianças, Doris se tornou uma garota rebelde e selvagem e ficou fascinada pelo paranormal.

Ela realizou sessões espíritas e usou o tabuleiro ouija.

Ela começou a beber e usar drogas e não demorou muito até que sua família a expulsasse e a rejeitasse.

Doris teve vários relacionamentos fracassados, vários dos quais foram abusivos. No final, ela se tornou mãe solteira de quatro filhos – cada filho tendo um pai diferente. 

 

Em 1974, Doris Bither, de 33 anos, e seus quatro filhos (16, 13, 10 e 6 anos) fizeram as malas e se mudaram para Culver City, Califórnia. O novo começo começou em uma casa alugada na Braddock Avenue.

Parece até coisa de filme

Enquanto eles estavam se acomodando, uma mulher estranha bateu à porta. Ela era descendente de hispânicos e disse a Doris que morava na casa e que aquele lugar “era mau”. Sem mais explicações, ela se virou e saiu.

Em suas discussões iniciais com Doris, o Dr. Taff relatou que ela foi vítima de uma infância abusiva e até aquele dia demonstrava sintomas de um profundo trauma psicológico.

Embora ele não tenha rejeitado imediatamente o caso, estas descobertas aumentaram o seu ceticismo e possivelmente aumentaram o grau de investigação.

Ao chegar, Gaynor e Taff notaram que a casa estava uma bagunça, para dizer o mínimo. A história da casa mostrava que ela havia sido condenada duas vezes. Observando como a família se relacionava, eles descobriram que o relacionamento de Doris com os filhos mais velhos era controverso. Não vendo nenhuma evidência “sobrenatural”, eles a encaminharam para um psiquiatra do Instituto Neuropsiquiátrico. 

Mas apenas algumas semanas depois, Doris os contatou novamente e pediu-lhes que voltassem, citando mais testemunhas do fenômeno. 

Desta vez, Gaynor e Taff voltaram para casa.

Era um dia quente de agosto e a casa estava sufocante porque não havia ar condicionado. O cheiro pungente de carne podre encheu a casa e, ao passarem de cômodo em cômodo, descobriram que o quarto estava gelado. 

A pesquisa formal começou em 22 de agosto de 1974 e durou cerca de 10 semanas. 

O começo dos fenômenos poltergeist

Pouco depois de receber a mensagem enigmática, a família começou a vivenciar atividades poltergeist. Luzes acendiam e apagavam, objetos se moviam por conta própria… (tipo na minha casa quando ficou mal assombrada)

Doris relatou que um candelabro foi jogado diretamente na cabeça dela, assim como uma caixa de fusíveis, foi arrancada da parede antes de voar em sua direção. Eles ouviram ruídos estranhos e depois vieram as próprias aparições. 

As aparições começaram como sombras, movendo-se de tal forma que só eram visíveis na visão periférica. Mas então eles começaram a assumir uma forma humana. As entidades não fizeram nada a princípio; surgiam de pé ou sentados no canto de uma sala  observando. Os vizinhos também começaram a ver essas entidades, dando alguma credibilidade à sua história.

As crianças contaram primeiro ao Dr. Taff sobre a entidade que chamavam de “Sr. Whose-it”, que todos os quatro afirmaram ter testemunhado em inúmeras ocasiões.

Ele notou que suas representações eram notavelmente precisas, não apenas combinando entre si, mas também em detalhes comumente atribuídos a entidades que ele já tinha observado em seus outros casos.

Brian, filho de 13 anos de Doris, descreveu-os como uma neblina. Como um humano… mas não exatamente. Era como uma escultura. Como um corpo esculpido. Não é um número completo, mas às vezes podíamos ver um pouco dele. Eles eram irritantes. Eventualmente as crianças estavam assistindo televisão e essas coisas passavam bem na frente. Como nada.

Lá pelas tantas, eles estavam tão acostumados com o poltergeist que chegou a um ponto em que nem se importavam mais.

Mas a coisa piorou

O que antes pareciam aparições aparentemente inofensivas, tornou-se violento quando Doris foi atacada em seu quarto.

Dois espíritos masculinos a seguraram, enquanto um terceiro a estuprou. O ataque foi tão alto que Brian ouviu através da parede e mais tarde viu evidências na forma de hematomas na parte interna das coxas.

Infelizmente, esta não foi uma ocorrência única. “Toda a coisa do estupro foi real”, disse Brian, “Meu quarto ficava ao lado do da minha mãe. Eu ouviria os ataques acontecendo. Coisas sendo jogadas, ela gritando.

Aí ela saía do quarto e tinha todos esses hematomas. Nas pernas, na parte interna das coxas. Houve momentos em que veríamos isso acontecer na nossa frente. Era como se um homem estivesse diante da minha mãe e começasse a bater nela.

Imagine uma mulher sendo espancada. Você podia vê-la sendo pega e jogada ao redor. Sons, tapas… mas não havia ninguém lá para realmente fazer isso. Todos nós também sentimos isso. puxando, mordendo e arranhando… todos fomos atacados.”

Durante a noite Doris era espancada pelo “nada”

Uma Teoria

Em 2009, a Ghost Theory conduziu uma entrevista com o filho do meio de Doris, Brian Harris, que afirmou:

“Todos nós experimentamos alguma forma de ataque. Houve empurrões, mordidas e arranhões sendo feitos em nós. Havia cerca de 4 entidades na casa, e elas se davam a conhecer aparecendo o tempo todo… Acho que foi preciso muita energia para elas fazerem isso.”

 

Ele descreveu as entidades da seguinte forma:

“era sempre como uma neblina. Como um humano… mas não exatamente.”

Durante um incidente, Brian, que era adolescente na época, tentou intervir no ataque de sua mãe e foi jogado do outro lado da sala, pela força misteriosa. Ler a entrevista completa certamente causará arrepios na espinha.

Essa casinha bonitinha foi palco das mais assustadoras situações

 

Doris descreveu os seus ataques dizendo que havia de fato três entidades ativas naquele momento, duas pareciam ser menores que seguravam enquanto a terceira entidade maior a estuprava diante de seus filhos, aterrorizados.

Esses ataques deixaram marcas no corpo de Doris, indicativas de estupro, incluindo hematomas na parte interna das coxas e na garganta.

O testemunho combinado da família convenceu o Dr. Taff a estabelecer uma base para o monitoramento do fenômeno paranormal na casa.

Ele trouxe iluminação especializada, câmeras e equipamentos de gravação de áudio, bem como uma equipe de colegas da UCLA. Em sua primeira investigação formal da entidade que assola Doris Bither, o Dr. Taff solicitou que ela tentasse aparecer provocando os seres, o que ela fez.

Eles então viram Doris cercada por uma névoa esverdeada da qual apareceu a parte superior do tronco de um homem. Embora não tenham capturado a entidade em filme, conseguiram uma fotografia de Doris com um estranho arco de luz aparecendo sobre ela.

Fenômeno luminoso bizarro foi registrado pelos cientistas

Os resultados foram surpreendentes, as luzes pareciam disparar pela sala, arqueando-se no ar. Muitos foram filmados e tudo isso foi testemunhado pelos vinte e poucos pesquisadores presentes.

As luzes se moveram pelo cômodo diante dos cientistas incrédulos

Nos meses seguintes, eles descobriram que a sua presença por si só parecia irritar as entidades. Tocar músicas do grupo de metal Black Sabbath também parecia tornar a atividade paranormal mais forte.

Eles descobriram que Doris bebia muito e, quando ela parou de beber, a atividade parou. Observou-se também que a atividade era mais intensa quando Dóris estava em casa. 

Eles trouxeram contadores Geiger para medir a radiação na casa. Durante os períodos de silêncio, os contadores mostravam níveis normais de radiação de fundo. No entanto, durante os períodos em que estava ocorrendo atividade, eles descobriram que seu contador não registrava nenhuma radiação de fundo mensurável.

Eles viram bolas de luz verde-amareladas brilhantes, às quais chamavam de “bolas de luz corpusculares”, voando pelo quarto e, embora tenham conseguido capturar fotos de algumas anomalias de luz, muitas tentativas falharam. 

 

A entidade

Em 1982, os acontecimentos ocorridos em 11547 Braddock Drive foram recriados no filme “A Entidade“”. No entanto, muitas liberdades foram tomadas em relação à representação do estudo do Dr. Taff da entidade real, chegando ao ponto de retratar a equipe que capturou a entidade.

Desesperada, ela resolveu se mudar, mas a “coisa” foi com ela

Na realidade, o Dr. Taff e sua equipe fizeram tudo o que puderam por Doris Bither e sua família, mas no final a família Bither se mudou, primeiro para San Bernadino, Califórnia, depois para o Texas e, finalmente, de volta para San Bernardino. Mas fugir não adiantou.

Aqui está o trailer do filme:

A cada nova movimentação a entidade acompanhava Doris Bither e sua família. No final da década de 1980, com os filhos já crescidos, Doris simplesmente desapareceu.

O fim da entidade

Barry Taff escreveu sobre o caso em seu livro Aliens Above, Ghosts Below, e ele e Kerry Gaynor publicaram algumas de suas descobertas em revistas científicas. 

Doris contou sua história ao autor Frank De Felitta, que escreveu o livro “A Entidade” com base em suas experiências. Taff atuou como consultor de Felitta no livro e, mais tarde, no filme baseado no livro. Embora Taff tenha permanecido hesitante em tirar uma conclusão sobre o caso, ele sugeriu em entrevistas que suspeita que pelo menos alguma atividade poltergeist era atividade telecinética, possivelmente vinda da própria Doris Bither, e talvez de seus filhos adolescentes. Isto é ainda corroborado pelas alegações dos seus filhos de que a sua família sempre tinha experimentado algum nível menor de atividade psicocinética – mesmo antes de se mudarem para Culver City. 

O caso nunca foi resolvido e permanece um mistério até hoje.

Em 1995, a vítima na vida real da Entidade, Doris Bither, (também conhecida como Doris Donner e Doris McGowan) faleceu aos 58 anos de idade de insuficiência cardiopulmonar.

Embora tenha sido afirmado que sua morte foi resultado de falência múltipla de órgãos, a causa precisa da morte prematura de Doris Bither nunca foi determinada clinicamente, e não é impossível que esteja relacionada aos fenômenos aterrorizantes que a perseguiram implacavelmente.

Se você também curte histórias macabras de poltergeist, não deixe de ver essa aqui sobre um poltergeist chamado Donald.

 

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos