Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Como um poltergeist chamado Donald assustou a família Hitchings

Em 1956, a história do poltergeist de Battersea no sul de Londres se tornou um “assunto quente” para os jornais britânicos, que, no entanto, rapidamente perderam o interesse por ela quando algo particularmente chocante rolou.

Em 1956, uma família Hitchings assustada do sul de Londres relatou uma série de incidentes estranhos em sua casa. A casa se encheu com o som de algo arranhando as paredes e as coisas estavam se movendo sozinhas. E então algo começou a deixar notas de papel, assinando-as com o nome de “Donald”.

Eu já tive casa mal assombrada e posso dizer que é uma merda!

O fato é que esse caso estava na boca de todos e convenceu até mesmo os céticos endurecidos de que o assunto era muito mais sério do que pegadinhas infantis ou o desejo de se tornar famoso de alguém.

A família Hitchings era formada por quatro pessoas que viviam em uma casa geminada no bairro de Battersea, em Londres. Eles tinham uma filha adolescente de 15 anos. Conforme o renomado parapsicólogo Padre Quevedo nos ensina, há sempre um adolescente nos casos reais de “poltergeist” que funciona como um tipo de antena catalisadora paranormal, produzindo fenômenos erráticos e descontrolados que posteriormente serão atribuídos a espíritos por ignorantes.

Seja isso correto ou não, o fato é que este caso realmente tinha uma adolescente, conforme Quevedo gostaria. Ela se chamava Shirley , em torno de quem aconteciam estranhos acontecimentos.

Tudo começou com palmas altas à noite e algo arranhando as paredes, e então rapidamente mudou para o fato de que panelas e potes começaram a voar pelos cômodos sozinhos.

A gênese do fenômeno se deu em uma noite do início de 1956, quando um estrondo ricocheteou na casa dos Hitchings. 

Morando na propriedade junto com Wally, Kitty e sua filha adolescente eram a mãe de Wally, Ethel, e um membro da família do sexo masculino, que é referido simplesmente como ‘Mark’ nas memórias de Shirley. 

O barulho era tão alto que os vizinhos começaram a reclamar, pensando que os Hitchings eram os responsáveis. Tornou-se uma ocorrência noturna e logo sons de arranhões e batidas puderam ser ouvidos, aparentemente seguindo Shirley pela casa. 

Lençóis eram jogados das camas para o chão, chinelos independentemente “caminhavam” pelo chão, como se uma pessoa invisível os estivesse usando. E então a primeira nota manuscrita apareceu com o texto ” Shirley, estou indo” .

Quando o barulho se intensificou à noite, tornou-se tão alto que até mesmo os vizinhos dos Hitchings já podiam ouvi-los. A princípio, eles pensaram que o barulho vinha do estacionamento ao lado da casa, mas logo ficou claro que os carros não tinham nada a ver com isso.

Principalmente estalos, ruídos de arranhões e objetos voadores passaram a ocorrer onde Shirley estava.

Se ela se movia de uma sala para outra, o poltergeist a seguia persistentemente. Assim, começaram a desconfiar que o poltergeist estava obcecado por ela, talvez tentando chamar sua atenção. Ou, como Quevedo sustentaria: Shirley estava produzindo os fenômenos sem sequer saber. 

“Havia um relógio flutuando no ar, e depois panelas e frigideiras, que alguma força jogava para fora da cozinha quando não havia ninguém lá. Os quartos foram destruídos, e a casa parecia um campo de batalha. Era realmente uma selva aquela casa.”

Na tentativa de resolver o problema, o chefe da família Wally Hitchings foi à igreja e chamou um especialista em exorcismo para tentar limpar seus lares de espíritos malignos. (Isso foi o que eu fiz na minha. E spoiler: Em vez de resolver, piorou)

E então os Hitchings decidiram contar aos jornalistas sobre tudo e este caso imediatamente se tornou uma sensação. 

Shirley deu entrevistas a jornalistas e repórteres de TV, e quando ela disse que o poltergeist assinou o nome “Donald” e que pensava que provavelmente o espírito tinha alguns sentimentos por ela, jornalistas inventaram um material a partir disso, sugerindo que Shirley estava vivendo um caso com esse “cara fantasma”. .

Você já viu este filme!

Para Shirley, esses foram tempos difíceis, e ela não esperava ser ridicularizada por causa das publicações na imprensa:

“Todo mundo estava apontando o dedo para mim e eu sabia que não era minha culpa. Eu estava apenas dizendo a verdade, porque sempre fui ensinada a ser honesta e nunca mentir”, diz Shirley Hitchings, agora com 80 anos.

Shirley ainda se lembra de todos esses eventos com muitos detalhes, como se tivessem acontecido recentemente. Ela disse que sua avó Etal em algum momento, decidiu que um demônio a possuíra e começou a derramar água benta sobre ela na tentativa de expulsá-lo.

Claro que nada adiantou. Depois de um tempo, o poltergeist ficou ainda mais ativo e agora deixava anotações ilegíveis nas paredes do apartamento.

Eu li um “viva Franc” ali. Será “Viva França”?

Naquela época, a família Hitchings estava ativamente tentando ajudar o pesquisador Harold Chibbet, que havia dedicado muitos anos de sua vida à “caça aos fantasmas”. Ele fez registros detalhados das travessuras do poltergeist Battersea em seus diários. Harold Chibbett, que passou meses com a família e fez muitas pesquisas tentando comunicação com Donald.  Em paralelo, os jornais continuavam sua obsessão pela menina, que já foi vista por sua família levitando sobre sua cama.

O médium Harry Hank, no centro, faz um exorcismo na casa no sudoeste de Londres; Shirley Hitchens e seu pai Wally estão à direita

Shirley teve o pior de tudo quando suas roupas pegaram fogo repentinamente à noite e ela milagrosamente não sofreu queimaduras graves. Em seguida, os trapos da cozinha e os eletrodomésticos começaram a pegar fogo sozinhos. Felizmente, isso não durou muito.

O misterioso “Donald”, que às vezes se chamava diretamente de fantasma, perseguiu Shirley por 12 anos, mas tornando-se cada vez menos ativo até desaparecer por completo.

Hoje em dia, “Donald” é considerado um dos fantasmas mais “irritantes” da história.

Há um documentário da BBC sobre o caso, que virou se não me engano, uma série.

 

Outros casos famosos de poltergeist

 

Poltergeist, parte da cultura britânica

Fantasmas fazem parte da cultura britânica, aparentemente desde que as pessoas começaram a contar histórias.  

Na arte, na música e na literatura, e mais tarde na TV e no cinema, os fantasmas continuam a capturar a imaginação popular, mesmo enquanto muitos insistem que não acreditam.  

A historiadora de arte Susan Owens, autora de The Ghost: A Cultural History, que mapeia histórias de fantasmas do século VIII até os dias atuais, conta como as primeiras encarnações dos fantasmas eram os cadáveres em decomposição que apareciam em histórias folclóricas e manuscritos. Esse tipo clássico de fantasma é o “pai” do mito do “corpo seco” que assusta as pessoas no interior do Brasil até hoje.

São aqueles que voltaram como fantasmas porque estavam pagando por algo que haviam feito na vida.  Mais tarde, durante a reforma, houve um impulso para livrar os fantasmas da cultura britânica. Mas, apesar dos esforços, eles permaneceram, persistentes. 

No final do século 16, quando mais pessoas sabiam ler, fantasmas apareciam em textos e peças de teatro. O Hamlet de Shakespeare, escrito na virada do século 17, retrata o fantasma do falecido rei como alguém em busca de vingança. Esse era um tema comum para os fantasmas da época. The Age of Enlightenment trouxe consigo uma tentativa de racionalizar os fantasmas. Eles foram rejeitados como invenções da imaginação ou ilusões de ótica, principalmente pelas classes superiores. 

No entanto, fantasmas de interesse e histórias de fantasmas continuaram populares. Em 1762, o Cock Lane Ghost, mais tarde revelado como uma farsa, atraiu a atenção generalizada. 

Dois anos depois, veio o primeiro romance gótico. Com O Castelo de Otranto (1764), Horace Walpole criou um gênero em que figuras sobrenaturais entram na vida dos personagens e perturbam a ordem do mundo natural. O centro de sua história foi Alfonso, o Bom, que assume uma forma humana.

Owens afirma que o apogeu das histórias de fantasmas foi a era vitoriana. 

Durante esse tempo, alguns dos fantasmas mais famosos da literatura surgiram: os de Charles Dickens em A Christmas Carol (1843) e o fantasma de Cathy em Emily Brontë Wuthering Heights (1847). Enquanto os fantasmas de Scrooge vinham a ele como um aviso, acorrentados, a criação de Brontë era muito mais humana e poderia até sangrar.

O advento do cinema e da TV permitiu uma maior criatividade quando se tratava de representar fantasmas: eles podiam ser realistas ou sangrentos e horríveis.  

Mama: O retrato de um fantasma atormentado e assustador

Relatos de assombrações e avistamentos também continuaram nos séculos 20 e 21. O fantasma sem cabeça de Ana Bolena teria sido visto em Blickling Hall, Norfolk, enquanto o espírito de Sir Francis Drake vagava pela Abadia de Buckland, em Devon, após assinar um pacto com o diabo. 

A história sobrenatural mais famosa dos últimos anos é o caso que ficou conhecido como Enfield Haunting. 

Einfield poltergeist: Crianças levitando e fantasmas tacando o terror geral

No final dos anos 1970, Janet Hodgson, que tinha 11 anos na época, estava convencida de que estava possuída por um ex-morador da casa em Green Street, Enfield, um velho rabugento chamado Bill Wilkins que havia morrido ali muitos anos antes. 

O caso do Enfield Poltergeist também envolveu levitação, móveis sendo movidos pelo ar e objetos voadores girando em direção às testemunhas.

Havia brisas frias, agressões físicas, pichações, água aparecendo no chão e até reclamações de fósforos pegando fogo espontaneamente. 

Esses fenômenos estranhos ainda ocorrem em diversos lugares do mundo, inclusive no Brasil. Um dos casos de Poltergeist mais famosos do Brasil ocorreu em Recife, justamnete onde fica o Instituto Pernambucano de Pesquisas Psicobiofísicas (IPPP).

Inaugurado em 1973, o IPPP não poderia estar localizado em um lugar mais adequado. Uma das cidades brasileiras mais férteis em assombrações, a capital de Pernambuco teve parte de seus mistérios revelados no clássico Assombrações do Recife Velho, de Gilberto Freyre – também transformado em peça de teatro.

O IPPP, uma das instituições especializadas em parapsicologia mais renomadas do Brasil, também organiza simpósios internacionais e cursos de formação e pós-graduação na área. Em 1985, foi declarado de Utilidade Pública Estadual pela Lei nº 9714 e, um ano depois, de Utilidade Pública Municipal pela Lei nº 14.840.

Enquanto Freire conta em seu livro histórias como a do barão perseguido pelo diabo, a do sobrado da Estrela e a do papa-figo, o instituto tem em seu enorme catálogo o episódio do Edifício Paris, considerado “o mais famoso dos ‘poltergeist’ que investigaram”.

Ao contrário do que se imagina, raramente o poltergeist é uma figura visível. No livro Fenomenologia das Aparições, Valter da Rosa Borges, um dos fundadores do IPPP revela que sua manifestação mais comum é pelo movimento, aparecimento e desaparecimento de objetos, móveis que se quebram o se incendeiam, objetos que voam, pedras arremessadas aleatoriamente, água brotando de lugares onde não há encanamento e pessoas agredidas por algo invisível com dentadas e até mesmo bofetadas.

 

Os eventos começaram em dezembro de 1985, logo depois da morte por atropelamento de uma criança que morava no apartamento número 301, do Edifício Paris, na Avenida Cruz Cabugá, bairro de Santo Amaro, Recife.

“Durante vários dias, garrafas vazias voavam pelo apartamento e caíam na área externa o prédio”, descreve Borges.

Os moradores também presenciaram a combustão espontânea de objetos, a quebra de vidraças, o tilintar de panelas e outros barulhos bizarros. A primeira reação da família foi pedir socorro a um padre.

Depois de constatar a presença de um demônio e de benzer a casa, o clérigo se foi sem resultados a festejar.

Chamado em seguida, o pastor fez que com todos “aceitassem Jesus”, mas não conseguiu convencer as assombrações a fazerem o mesmo.

A mãe de santo cobrou 1.500 reais para despachar o Exu, que preferiu ficar, e um médium espírita decidiu: era o espírito da menina atropelada tentando se comunicar.

Depois de algumas perguntas à família, Borges concluiu que o estopim dos eventos era uma das empregadas da casa, uma garota de 12 anos, que testemunhara o atropelamento.

Segundo acredita ele, por estar em transição da infância para a adolescência, a moça tornara-se ainda mais vulnerável e, inconscientemente, provocou os fenômenos paranormais.

“Algumas pessoas, em vez de implodirem um turbilhão de sentimentos, explodem”, diz Borges. Passado algum tempo, o poltergeist desapareceu sem se despedir. “A grande pergunta é: o que é a mente humana?”, intriga-se Borges. “Não sabemos o limite dela. Quando você diz que determinado evento é a ação de um fantasma, você faz uma economia de hipóteses.

“Eu trabalho com uma quantidade ilimitada delas. Não me restrinjo a uma verdade, a um dogma”.

Assim, Borges e outros parapsicólogos estão mais preocupados em estabelecer o que produz os fenômenos paranormais, do que em determinar como eles são produzidos.

“Pode ser a ação da mente e pode ser algo que não explicamos”.

Entre outros eventos, Borges presenciou a queda brusca de temperatura em ambientes fechados, flores caindo do teto, perfumes misteriosos, uma televisão ligada sem estar conectada na tomada e centenas de poltergeists – sua especialidade.

Segundo o professor, a maioria das pessoas já foi testemunha – ou será – de um evento paranormal durante a vida. O mais comum é a telepatia.

“Quando você pensa em uma pessoa e o telefone toca, isso é uma relação mente a mente”, esclarece. Nada que signifique, entretanto, a presença de demônios ou casos que terminem em morte. Em 37 anos de trabalho com a parapsicologia, Borges presenciou apenas um episódio com vítima: um pintinho atingido por uma pedra. Ao contrário dos filmes de terror que geralmente abordam o tema, a atividade paranormal made in Brasil é bem mais pacífica.

Felizmente.

 

 

fonte   fonte fonte fonte

Macabro: Um Poltergeist chamado Donald

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

2 ideias sobre “Macabro: Um Poltergeist chamado Donald

  • 17 de abril de 2021 em 3:15
    Permalink

    Discordo que atividade “paranormal” no Brasil seja mais pacífica. Existe centenas de vídeos no youtube de brasileiros indo em casas mal assombradas e filmando de tudo: fogo surgindo do nada, coisas levitando e até o próprio satanás aparecendo. É só procurar um pouco e irá ver como tem coisa pesada já registado em vídeo.

    Resposta
    • 5 de maio de 2021 em 15:53
      Permalink

      Não sei se a opinião de Youtubers indo em casas assombradas pode ser levada em consideração, pq a maioria vai em busca de likes. Há vídeos sim, claro, q permanecem sem explicação como aquela casa aqui no Brasil, em 2016 q apareceu um buraco e batidas misteriosas q acompanhavam o mistério. Está sem solução até hoje e de tudo levaram em consideração, porém nada pôde explicar.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!