fbpx

Textos

Catadora de estrelas

Escrito por Philipe Kling David · 55 segundos de leitura >

Entre os faróis que iluminam o asfalto
Na beira do lixão
Na esquina da sujeira
Na boca do valão

No morro lá no alto
Andando na contra-mão
Os olhos no ressalto
No caldo de podridão

Ela veste farrapos encardidos
Chinelo num pé sim, o outro não
Ela cata a sujeira bagunçada
A sujeira da população

Espelho, garrafa, vidro partido
Tampa, pote de requeijão
Latinha, sarrafo, sacola, pedaço de papelão
Vai pegando e carregando, sem futuro, sem emoção

Eu a vejo andar por aí
Dia e noite sem dormir
Catando os cacos da cidade
Negando cada vontade
De uma casa, um barraco, um colchão
Ela cata as estrelas lá do céu
Na palma da sua mão

Catadora de estrelas
Mulher de coragem e decisão
Procura o que comer num cesto
Uma migalha um pedaço de pão
Distrai a fome olhando embalagem de saco de feijão

Catando pela vida
Os dejetos da desilusão
Vai a catadora de estrelas
Bebe água do ribeirão

Quando a noite vai pelo céu vazio
A lua com seu brilho frio
Traz o lume da escuridão
Catadora de estrelas
Na cegueira da incompreensão

Catadora de estrelas esquecidas
Pega, cata e carrega a comida
Catadora de estrelas torcidas
Na rua no mato, sem direção
Catadora de estrelas falidas
Vai contra as correntezas da vida
Catadora de estrelas clarão
Cata o que pode hoje esperando que a vida lhe cate num caixão

Escrito por Philipe Kling David
Designer, blogueiro, escritor e escultor. Seu passatempo preferido é procurar coisas interessantes e curiosas para colocar neste espaço aqui. Tem uma grande atração por assuntos que envolvam mistérios, desconhecido e tecnologia. Gosta de conversar sobre qualquer coisa e sempre tem um caso bizarro e engraçado para contar. Saiba mais... Profile

Força Ambiental

em Textos
  ·   2 Minutos de leitura

16 anos de Mundo Gump!

em mundo gump
  ·   1 Minutos de leitura

Feliz 2022

em mundo gump
  ·   43 segundos de leitura

7 respostas para “Catadora de estrelas”

  1. Interessante, bem triste e infelizmente bem condizente com a nossa realidade. Só achei as rimas muito repetitivas, causa um certo cansaço. Mas como não somos camões, tudo vale =P
    O poema em si, tema e a forma com que você colocou tudo ficou de forma bem visual.
    Parabéns, novamente.

    1. Pois é. A idéia das rimas repetindo de modo muito igual foi de caso pensado. Isso funciona como uma referência ao trabalho repetitivo dos catadores pobres.

  2. Ola meu filho,
    Fiquei sensibilizada ao encontrar sua poesia. Mostra bem sua herança eheheh filho e neto de peixe … Parabéns.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.