A tecnologia humana e os relatos de quem viu Disco voador (ou esteve em um)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Qualquer um que tenha curiosidade de procurar alguns dos mais famosos casos de contatos da ufologia irá se deparar com uma serie de fatos e acontecimentos bizarros. Muitos deles difíceis de engolir até para os mais pancados, digo, cultuadores da HET (hipótese extraterrestre) que sofrem da síndrome do Agente Mulder – “Eu quero acreditar”.

São casos de pessoas abduzidas que se depararam com réplicas suas dentro das naves, pessoas que viram o carro ficar transparente como se fosse um raio X, podendo ver o motor e etc.

Porém, por mais espantosos que possam parecer alguns relatos, certas curiosidades científicas recentes vem tornando público certas particularidades que até então nas palavras dos contatados pareciam meras invenções de uma imaginação fértil.

Vejamos algumas coisas relatadas elas testemunhas que anos depois surgiram no mercado:

– Computadores? headphones? Ar condicionado?


Em 17 de maio de 1969 um agricultor que caçava ilegalmente numa área de reserva deu de cara com um ufo. Ele foi levado para o interior da nave onde foi posto frente a frente com o chefe dos Ets. Este lhe perguntou: “Tu tens inteligência?” e o agricultor respondeu que não tinha com a cabeça. Arlindo notou que o interior da nave estava bem mais frio que o exterior. Mesmo negando ter inteligência, ele foi levado para o interior da nave, onde viu ” pessoas batendo no que pareciam ser maquinas de escrever” e foi colocado em frente a uma grande caixa com uma tela que parecia de televisão, onde uma moça deu uma aula multimídia pra ele, mostrando os planetas, o sol e muitas estrelas. Devido ao seu beixíssimo grau cultural, analfabeto, assustado e com deficiência auditiva leve, o agricultor não entendeu “lhufas” do que lhe foi ensinado. Ele lembra ainda que a moça que lhe deu a aula estava usando o que chamou de “um ouvidor de telefone” no ouvido. Posteriormente uma expedição encontrou o embornal do cara repleto de escrituras em hebraico arcaico e alguns gráficos.

-Metal super leve que se desdobra?

Um dos mais conhecidos (e controvertidos) casos da ufologia mundial é o Caso Roswell, de 1947, onde a própria Força Aérea americana divulgou ter capturado um disco voador que se acidentou. Logo em seguida, desmentiu o fato e forçou uma apresentação de pequenos pedaços de um balão meteorológico. Um monte de testemunhas envolvidas desmente a posição das autoridades. Na época do incidente, o Major Jesse Marcel relatou serem os destroços do ufo feitos de um material incrível. Ele era extremamente leve e resistente,fina como uma folha de alumínio. Ao ser amassada, ela voltava à posição original. Pois bem, atualmente a NASA está investindo pesadas cifras no “desenvolvimento” de novos materiais. Adivinhe: Trata-se de um material 100 vezes mais forte que o ferro, só que pesando 6 vezes menos. Há ainda um metal que pode se regenerar ao ser rasgado ou voltar ao formato original ao ser amassado. Além disso existem superfícies que podem ‘sentir’ as forças aplicadas sobre elas. Há ainda equipamentos eletrônicos pequenos como moléculas,que podem ser inseridos no corpo da nave; materiais estruturais que geram e absorvem eletricidade,e líquidos que instantaneamente mudam para sólido e de volta para líquido,sempre que quiserem. Veja também: Metais que voltam a forma original quando mudam de temperatura.

-Raios invisíveis

São diversos os casos de pessoas atingidas por raios invisíveis provindos de ufos. Vejamos:

Fortaleza de Itaipú – Na noite de 03 de novembro de 1957, na Fortaleza de Itaipú, na Praia Grande, no Estado de São Paulo, um disco voador veio do Oceano Atlântico e parou em cima da Fortaleza. Ocorreu um “black out” elétrico em toda a região. O disco voador projetou uma luz avermelhada que atingiu dois sentinelas, os quais tiveram queimaduras de primeiro, segundo e terceiro grau. O estranho é que tais queimaduras não ocorreram nas partes expostas, como as mãos e o rosto e sim por debaixo da roupa. As Forças Armadas negam até hoje esse fato.

Caso Crixás – Em 13 de agosto de 1967, na fazenda Santa Maria, na cidade de Crixás, no Estado de Goiás, por volta das quatro horas da tarde, ainda de dia, o capataz Inácio, juntamente com sua esposa Maria, retornavam da cidade, quando avistaram um estranho objeto, em forma de bacia invertida, pousado no campo particular de pouso de aviões pequenos da fazenda. Inácio imaginou que era algum veículo novo do Exército sendo testado pelo dono da fazenda, Ibiracy de Morais, um rico fazendeiro, o qual foi presidente do Banco do Brasil. De longe, viram o que parecia três “crianças”, ao lado do estranho objeto. Ao se aproximar mais, Inácio pensou que as “crianças” estavam nuas. Achou aquilo um afronto à sua mulher. Quando os seres viram o casal, passaram a correr em sua direção. Inácio, ao ver que eram estranhos seres, pegou sua espingarda e mirou na testa de um dos seres (Obs.: Ibiracy nos confidenciou que o Inácio conseguia acertar um pombo, em pleno vôo, a mais de 50 metros de distância, ou seja, era um exímio atirador). Na distância de 60 metros, o Inácio disparou e o ser caiu. No mesmo instante, um jato de luz verde, tipo laser, saiu do objeto e atingiu o ombro esquerdo do Inácio, o qual desmaiou na hora. Maria disse que os outros dois seres pegaram o terceiro ser no solo e o levou para dentro do disco voador, o qual levantou vôo em alta velocidade. Inácio foi atendido em um hospital de Goiana, Capital de Goiás. No local onde o raio verde atingiu o ombro do Inácio, ficou um eritema (mancha) que se espalhou pelo braço e pescoço. Inácio morreu 59 dias depois com leucemia. Não sabemos se o raio verde causou a leucemia, ou se o médico que assinou o atestado de óbito colocou leucemia por não saber o tipo de “doença” que matou Inácio.

Caso Thiago Machado Em 06 de fevereiro de 1969, o jovem Tiago Machado, residente na cidade de Pirassununga, no Estado de São Paulo, logo pela manhã, foi acordado por sua mãe, a qual disse que havia pousado uma estranha nave em um terreno baldio, não muito longe do local. Tiago se vestiu e foi até a rua verificar. Voltou correndo para casa e pegou o binóculo. Ao ver que realmente era uma nave diferente, Tiago resolveu ir até o local, distante aproximadamente mil metros. Ao chegar perto na nave, uma escotilha se abriu na parte superior e um ser saiu flutuando até chegar ao solo. Tiago, nervoso, acendeu um cigarro. O ser olhou de uma forma estranha e o Tiago ofereceu cigarros para o ser. O ser continuou olhando, na distância de aproximadamente seis metros. Tiago então jogou o maço de cigarros perto do ser. O ser aproximou a mão do maço. O maço flutuou e grudou na mão do ser, que a levou para a perna e o maço desapareceu. Nesse instante, os parentes e vizinhos resolveram se aproximar também, quando o ser flutuou e entrou na escotilha. Com um estranho aparelho, o ser disparou um “tiro” de luz que atingiu a coxa direita do Tiago, deixando-o completamente paralisado. A nave flutuou e desapareceu em alta velocidade. O Tiago foi socorrido no hospital da cidade e a AFA – Academia da Força Aérea – isolou o local do pouso e pesquisou a ocorrência.

Chupa-Chupa – Em 1977, na ilha de Colares, no Estado do Pará, os moradores eram atacados à noite por uma estranha luz que projetava um filete luminoso no peito das pessoas e desmaiavam. Quando acordavam estavam anêmicas. A Dra. Adelaide atendeu mais de 200 casos. O terror se espalhou pela cidade e cidades vizinhas, e os moradores não saiam mais à noite. Assim, a Aeronáutica Brasileira enviou vários militares para descobrir o que estava acontecendo. Esse evento foi conhecido como Operação Prato e foi comandada pelo Coronel Uyrangê Bolivar Soares Nogueira de Hollanda Lima. Fizeram centenas de fotos e vários filmes. Os militares tiveram avistamentos muito próximos. Quando o fenômeno cessou, os militares encerraram suas atividades. Para surpresa da Ufologia, em outubro de 1997, o Coronel Hollanda deu um depoimento detalhado aos pesquisadores Ademar José Gevaerd e Marco Antônio Petit – respectivamente editor e co-editor da Revista UFO brasileira. Infelizmente, todas as fotos e os filmes não foram liberados pela Aeronáutica.

O Governo americano está testando uma arma de raios invisíveis não letais mas que provocam queimaduras leves. O Objetivo é usar a arma para conter multidões hostis.

Arma laser que gera desorientação está sendo desenvolvida nos EUA

O canhão de partículas precedeu o raio laser

– Emissões que desligam veículos

A mitologia ufológica está repleta de eventos e relatos de ufos desligando carros. Geralmente, boas histórias de abdução começam com um carro viajando sozinho em uma estrada erma tarde da noite. O motor falha sem explicação e então se dá o primeiro contato, que evolui ou não para algo mais complexo. Vejamos:

Caso Onílson Pátero – Ao chegar em Catanduva, o motor do seu carro parou e um estranho círculo luminoso azul apareceu envolvendo o carro e o deixando todo transparente que Onílson pode ver até detalhes do motor de seu opala.No dia 22 de maio de 1973, Onílson Patero fazia uma viagem de carro em seu opala azul, indo para Catanduva, quando por volta das 02:55h, pode ver alguém parado na beira da estrada pedindo carona. Naquela época não era perigoso oferecer carona no interior de São Paulo, portanto Onílson resolveu ajudar aquele homem jovem, que era louro e tinha olhos azuis, seus cabelos eram curtos e usava uma camiseta e uma jaqueta de couro, ambos foram conversando durante a viagem e o jovem segurava uma cigarreira de prata, embora tenha afirmado para Onílson que ele não fumava. O estranho jovem que afirmou se chamar Alex, pediu para que Onílson o deixasse a cerca de 18 quilômetros antes de chegar na cidade, em um lugar totalmente isolado. De repente surgiu um estranho objeto pairando a cerca de uns 15 metros de distância. O carro começou a esquentar, o que fez com que Onílson saísse de seu veículo. Um tubo de luz azul saiu do objeto em direção a Onílson, que neste momento desmaiou e foi encontrado por dois jovens que avisaram a polícia achando que aquele homem que estava caído teria sido vítima de um assalto. Quando Onílson voltou a si foi levado pelos policiais para um hospital, no dia seguinte estranhas manchas apareceram em seu corpo, levado a São Paulo foi submetido à sessões de hipnose, pela qual se recordou de ter estado dentro da nave, cercado por seres que ele chamou de “os homens de peito de aço”.

Na noite de 26 de abril de 1974, quase um ano depois de sua primeira experiência, Onílson foi novamente envolvido pela aquela estranha luz azul que deixava seu carro transparente, depois foi levado para o interior da nave que surgiu sobre a estrada e para sua surpresa encontrou o Alex (o rapaz da carona) no interior daquele objeto, o qual disse para Onílson não ter medo, após ser amarrado por anéis de aço, viu surgir a sua frente um clone de si mesmo e usando a mesma roupa a qual usava em sua primeira abdução. Onílson afirma ter ficado na nave até o dia 2 de maio, quando foi devolvido a cerca de 900 quilômetros de onde foi pego em Marília. Onílson foi encontrado em uma fazenda perto da cidade de Colatina no Espírito Santo e depois de ser levado para a delegacia de polícia, Onílson ficou conhecido pela imprensa local como “o homem que caiu do Disco Voador”.

Ufo na argentina – A Argentina também foi palco de um estranho fenômeno elétrico que pode ter ligação com os UFOs. O diário “La Razon”, de 10 de janeiro de 1966, traz uma notícia segundo a qual os irmãos Alvarez, Mario e Delia, assim como Amanda Clemenzoni, regressavam de carro de Mar Del Plata, no dia 09 de janeiro daquele ano. Na altura de Chascomús, o carro parou inusitadamente e suas luzes apagaram. Neste instante, viram um objeto de características estranhas e que se afastava lentamente do local emitindo uma luz deslumbrante azul. O UFO seguiu sua marcha até elevar-se e perder-se de vista. Na medida que o UFO se afastava, o carro voltava a funcionar.

05 de abril de 1967, em Jonestown (Pensylvania, EUA). Nesta ocasião a testemunha é um juiz chamado John H. Demler, que viajava pela estrada. Num momento determinado da sua viagem, o motor do carro para e os faróis apagam. Em seguida, o juiz pôde ver um objeto com cerca de 10 metros de diâmetro que lhe seguia a uma altitude muito baixa. Produzindo um ruído similar a um motor elétrico e deixando um forte odor de enxofre e óleo, o UFO se elevou. Neste exato momento, o carro é sacudido com violência. Após a experiência, a testemunha relata uma certa deficiência na transpiração e sua pele apresentou sintomas de escamação.

Uma Empresa Americana chamada Eureka Aerospace desenvolveu uma arma de raios de microondas capaz de desativar o carro de um foragido em fuga. A arma pode equipar um helicóptero.

Como podemos ver, muitas das coisas aparentemente malucas descritas por testemunhas do fenômeno ufo que pareciam ficção estão se tornando assutadoramente reais e plausíveis. Isso significa que Ets existem e que a Ufologia está certa? Não. Não significa nada. Mas é curioso.  A ufologia continua em seu estado de pode ser/pode não ser. Não são essas inovações que podem garantir que o que as testemunhas alegam é real, mas é inegável que essas inovações dão algum interesse adicional aos relatos, por mais afetados pela imaginação e pela bagagem cultural das testemunhas que eles sejam.

Fontes dos Casos: Infa, Burn, Painel Ovni, Revista Ufo

A tecnologia humana e os relatos de quem viu Disco voador (ou esteve em um)

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

LUMINÁRIA UFO 

compre a sua em www.obscura.art.br

error: Alerta: Conteúdo protegido !!