A lenda de Boggy Creek

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Categorias
Night mode

Como o pessoal gostou do meu post de ontem do Pé grande atravessando o rio, aqui está mais um post sobre esse tipo de criptídeo e sua relação com o inconsciente coletivo, a mídia e a inter-relação das lendas com a construção identitária social.

A LENDA DE BOGGY CREEK

The Legend of Boggy Creek foi uma sensação na movimentação dos cinemas na América em 1972. Mas o que diferenciava este filme B de baixo orçamento de inúmeros outros filmes de monstros assustadores, era uma novidade única na época: Era tudo verdade!

Pelo menos era isso que o que seu criador, Charles B. Pierce afirmava.

Seu filme estilo documentário provavelmente seria esquecido hoje se não tivesse o propósito de retratar uma série de eventos reais incríveis que aconteceram recentemente em Fouke, uma pequena cidade rural no Arkansas.

As pessoas sempre viram coisas estranhas espreitando as sombras ao redor de Boggy Creek. A floresta solitária e isolada guarda muitos segredos obscuros e, em maio de 1971, um residente local estava prestes a ficar cara a cara com um deles.

O lançamento de The Legend of Boggy Creek em 1972 causou sensação

Quando o repórter Jim Powell recebeu o telefonema, ele mal podia saber que estava prestes a topar com a maior história de sua vida. Powell foi informado de que um residente local, Bobby Ford, foi tratado no Hospital St. Michael em Texarkana porque foi atacado por nada menos do que… Um monstro.

Ford estava na casa de seu irmão, por volta da meia-noite, quando o incidente ocorreu. A enorme criatura negra parecida com o Pé Grande o atacou no quintal, agarrando-o pelo ombro e prendendo-o no chão. Ford conseguiu se livrar das garras da besta e escapar com apenas arranhões e um estado de choque.

Podemos questionar com base nesse relato, se de fato estamos lidando com um Pé grande, uma vez que ataques não são costume desse tipo de criptídeo, que cistuma ser descrito como arredio e tímido. Em contrapartida, posso me lembrar dos ataques do IEA – O intruso esporádico agressivo – que esse sim, ataca pessoas e também é peludo, escuro, eventualmente, descrito com boca cheia de dentes e olhos vermelhos. Seus ataques acabam recaindo para o ser folclórico “lobisomem” pelo mundo afora (incluindo aqui no Brasil). Mas deixemos o conceito do IEA de lado e retomemos o caso: 

De acordo com os Fords, seu primeiro encontro com o animal misterioso ocorreu no início da noite, quando a esposa de Ford, Elizabeth, viu uma figura negra de quase 2 metros de altura, olhos vermelhos como carvão em brasa, espreitando na varanda do lado de fora de sua janela. Bobby e seu irmão Don, voltando de uma viagem de caça, conseguiram dar alguns tiros antes que a criatura recuasse de volta para a floresta.

O publicitário Charles B. Pierce estava por trás de The Legend of Boggy Creek

Mais tarde, os investigadores examinaram a propriedade de Ford e não encontraram nenhum vestígio de sangue, mas observaram arranhões e danos à casa, bem como algumas pegadas de três dedos no quintal (mais uma vez, pegadas compatíveis com as pesquisas do IEA feitas no Brasil por Carlos Alberto Machado e publicado em “olhos de Dragão”) .

O encontro com a Ford foi apenas o primeiro de uma série de avistamentos semelhantes no sul do Arkansas naquele verão, estendendo-se dos fundos do rio Sulphur à própria cidade de Fouke. Quando a notícia do monstro começou a se espalhar, os jornais locais foram inundados com contos mais extraordinários sobre o que rapidamente se tornou conhecido como o Monstro Fouke.

Essas histórias não passaram despercebidas por Charles B. Pierce, um executivo de publicidade e diretor de comerciais de Arkansas ansioso para entrar no ramo cinematográfico. Sentindo que as histórias sensacionais que saíam da área dariam um fantástico filme de terror, Pierce juntou um orçamento apertado de US $ 160.000 e rapidamente filmou “A Lenda de Boggy Creek” em e ao redor de Fouke no verão de 1972.

O filme foi um grande sucesso e se tornou um clássico de culto instantâneo, arrecadando incríveis US $ 25 milhões (mais de 100 vezes seu orçamento) e catapultando o monstro para a fama internacional. Embora piegas e decrépitas para os padrões atuais, o filme foi influente por seu uso pioneiro de um estilo de pseudo-documentário, que lhe deu uma sensação de realismo corajoso rara na época.

A mistura de cabeças falantes e encenações de Boggy Creek pode ser vista em tudo, desde documentários de TV paranormais como “In Search Of …” até o filme de terror A bruxa de Blair e Atividade Paranormal. Tudo ali tem os genes que remetem diretamente ao filme de Pierce.

Isso também levou a uma onda de filmes imitadores, como Criatura do Lago Negro e aparições de criaturas parecidas com o Pé Grande em programas de TV, incluindo um encontro memoravelmente improvável com o Homem de Seis Milhões de Dólares.

Num episódio antológico, uma criatura parecida com o Pé Grande fez uma aparição curiosa no seriado de Lee Majors, “O Homem de Seis Milhões de Dólares”

The Legend of Boggy Creek evita atores profissionais, em vez deles, opta por se estruturar nos residentes Fouke reais que viram pessoalmente o monstro, contando suas experiências. Embora o filme seja inteiramente baseado em relatos reais, é difícil não ficar com a impressão de que Pierce embelezou alguns dos incidentes para criar um filme mais atrativo.

Seja qual for o caso, continua a ser um filme comovente e memorável, vivendo na consciência do público por meio de incontáveis ​​programas de TV a cabo noturnos e remakes modernos, o último dos quais, ‘Boggy Creek’ de 2010 mostra pouca ou nenhuma semelhança com o material original. .

Muitos filmes imitadores seguiram o lançamento de The Legend of Boggy Creek

Deixando o filme de Pierce de lado, o que torna o monstro Fouke incomum na tradição do Pé Grande é o grande número de avistamentos em um período de tempo tão curto, o que torna difícil descartá-lo como sendo a imaginação hiperativa usual ou animais selvagens mal identificados. Será que tantas dessas testemunhas cometeram um erro ou os residentes de Fouke estavam envolvidos em uma gigantesca farsa coletiva?

Agourentamente, há até sugestões de avistamentos muito mais antigos, alguns datando da década de 1940 e anteriores, indicando que o que quer que estivesse surgindo na escuridão dos pântanos da região não era novo ou mesmo uma única criatura, mas sim uma população deles.

E não foram apenas avistamentos de testemunhas oculares, pegadas também foram encontradas e moldadas, um conjunto das quais agora está em exibição no famoso Monster Mart de Fouke. Essas pegadas, entre outras, mostram que a criatura tem três dedos, o que é incomum entre os avistamentos do Pé Grande.

O Monster Mart de Fouke se tornou uma atração turística popular

Se o monstro fosse uma besta real, seria mais parecido com uma preguiça do que o tradicional, alto e humano como o Sasquatch? E tal criatura seria viável nos pântanos e bosques do Arkansas rural?

Apesar do número impressionante de avistamentos e incursões de investigadores de final de semana, a evidência física tangível do monstro Fouke permanece indefinida. Nenhuma fotografia surgiu ainda, e nenhum traço verificado de cabelo, fezes ou ossos foi encontrado.

Criptídeos como esse são notoriamente tímidos, raramente deixando para trás qualquer evidência definitiva de sua existência. Mas com tantos avistamentos, muitos de caçadores experientes, poderia o perseguidor do pântano de Boggy Creek realmente existir?

Provas para os primeiros avistamentos

Talvez devido ao filme, o monstro Fouke é muitas vezes descrito como uma mania de curta duração, um pedaço de histeria em massa que se alimenta de si mesmo, impulsionado por imaginações hiperativas. Mas uma olhada nos livros de história locais revela que criaturas estranhas foram vistas muito antes de The Legend of Boggy Creek chegar aos cinemas em 1972.

Já em 1850, contos de caçadores de “homens selvagens” atacando o gado e roubando comida eram bastante comuns no Arkansas. Uma história improvável, publicada na Louisiana Caddo Gazette em 1856, tinha até a besta em questão roubando o cavalo de um caçador e cavalgando com ele.

Mas o primeiro avistamento reconhecível do monstro aparece em 1908, ecoando ainda na profundezas da memória até mesmo dos residentes mais antigos de Fouke. Naquele ano, um grande ‘homem-macaco’ de cabelos escuros estranhamente semelhante ao que mais tarde seria batizado de Monstro Fouke foi visto por uma menina de 10 anos.

Oito anos depois, outra fera negra e peluda semelhante a um homem foi vista em Knight’s Bluff nas proximidades. Em 1932, um homem de Jonesville viu o que parecia ser o mesmo monstro arranhando sua varanda, antes de desaparecer na floresta. Um outro avistamento foi relatado aos xerifes de Fouke em 1946, descrito como caminhando como um homem, mas que “não como um homem”.

O Ambiente tenebroso onde o monstro é visto há muito tempo nas florestas e pântanos da zona rural do Arkansas

Em 1955 um grupo de novos avistamentos em torno de Fouke e Jonesville ocorreu, incluindo dois motoristas que viram uma criatura peluda parecida com um homem “voando” (isso mesmo, VOANDO) pela estrada perto de sua casa. Pouco depois, o Victoria Advocate relatou como um caçador alegou ter disparado 15 tiros em um grande ‘homem-macaco’ perto de Boggy Creek, mas aparentemente errou.

A próxima onda de avistamentos ocorreu em meados dos anos 60, principalmente entre caçadores. Uma descrição típica mostrava a criatura com mais de dois metros de altura e “cabelo castanho-avermelhado com cerca de dez centímetros de comprimento em todo o corpo. Ficou ereto como um homem, mas tinha braços extralongos ”.

Um encontro particularmente notável dessa época foi o de Carl Finch, o fundador da banda Brave Combo, que viu uma grande criatura bípede peluda tarde da noite enquanto dirigia pela área com seu primo. O que era uma anedota pessoal interessante só ganhou significado depois que Finch viu The Legend of Boggy Creek vários anos depois, e percebeu que tinha visto a famosa besta relatada no filme, mas em primeira mão.

Esses vários avistamentos foram intermitentes e altamente anedóticos, mas também persistentes e um tanto consistentes. Para os veteranos grisalhos do departamento do xerife, as histórias de monstros eram familiares demais, consideradas uma lenda local divertida. Mas o que quer que houvesse nos pântanos de Boggy Creek, estava prestes a estourar e alcançar fama internacional.

A grande mistura de monstros de 71

Apesar da abundância de avistamentos iniciais, foi somente no início dos anos 1970 que a besta que espreitava nos arredores sombrios de Fouke começou a fazer manchetes nacionais.

Pouco depois da hospitalização de Bobby Ford no início de maio de 1971, o gotejar anterior de avistamentos de monstros começou a se tornar uma torrente. A Rota 71, uma vasta rodovia de 1.500 quilômetros que corta o país de norte a sul e passa por mais de 480 quilômetros do Arkansas, seria a anfitriã de muitos deles.

Em meados de maio, o Sr. D Woods, sua esposa Wilma Woods e seu amigo estavam dirigindo pela estrada perto de Boggy Creek quando viram algo estranho nos faróis. Atravessando a rua em frente aos respeitados residentes locais estava um enorme macaco peludo como uma criatura com braços longos e cabelo escuro.

Histórias de monstros foram matéria da imprensa local durante anos

Wilma Woods contou a história ao Texarkana Daily News no dia seguinte.

 “Ele estava curvado e girando verticalmente. Ele tinha longos cabelos escuros e parecia bem grande. Ele estava balançando os braços, como um macaco faz. Achei que meus olhos estavam me pregando uma peça, mas lá estava. Meu marido voltou-se para mim depois que ele atravessou a rua e me perguntou se eu também o tinha visto ”.

Pouco depois, o dono do posto de gasolina Fouke, Willie Smith, fez uma descoberta incomum no campo de soja que garantia sua propriedade. Um conjunto de curiosas pegadas de um animal  de três dedos, alarmantes em seu tamanho, saindo da garagem. Essas impressões eram muito semelhantes às encontradas na propriedade de Ford no mês anterior, indicando que eles podem ter tido um perpetrador em comum.

A descoberta de Smith se tornou um espetáculo local, com os residentes de Fouke indo ao campo para ver as pegadas. Um grupo deles até viu o monstro à espreita nos arbustos que circundavam o campo, talvez observando a atenção que seus rastros haviam causado na comunidade local.

O legado do monstro Fouke continua vivo na indústria do turismo da cidade hoje

O guarda-caça Carl Galyon ficou perplexo com os elencos, pois não combinavam com nada que ele já tivesse visto antes na área. As impressões chegaram até mesmo ao Dr. Frank Schambagh, um professor de arqueologia da Southern Arkansas University, que de alguma forma diminuiu o fervor ao sugerir que elas poderiam ser uma farsa.

Se fosse esse o caso, provavelmente haveria algum grau de conluio entre Smith e os Vaus, já que as impressões encontradas nas diferentes propriedades pareciam ter uma origem comum. Mas quer as impressões fossem genuínas ou não, os avistamentos continuaram chegando.

Só naquele verão, o monstro fez dezenas de outras aparições, quase como se fosse um teste para seu futuro papel de protagonista em The Legend of Boggy Creek.

Uma criatura peluda e de olhos vermelhos foi vista agachada perto da floresta adjacente às casas de vários residentes de Fouke. Uma criança também relatou ter visto a mesma coisa correndo para a floresta algumas noites depois. O campo de soja de Willie Smith foi palco de mais participações especiais, com uma mulher e dois homens vendo uma grande criatura peluda de quase 2 metros de altura caminhando ao longo da estrada perto do campo.

Um avistamento particularmente notável envolveu vários campistas na vizinha Mercer Bayou. Uma família que preparava seu barco para uma viagem até o lago ouviu um uivo agudo seguido pelo que eles descreveram como uma grande criatura parecida com um sasquatch emergindo da floresta. Campistas em pânico correram dos trailers para tentar dar um tiro no monstro, mas ele fugiu antes que eles pudessem acertá-lo.

Muitos dos avistamentos ocorreram nas proximidades do Rio Sulphur

A fera de Boggy Creek estava de repente em toda parte, avistada por residentes de Fouke e também por turistas de fora do estado. Muitas dessas histórias foram contadas no filme de Charles B Pierce, e dezenas mais foram relatadas nos jornais locais. Seria este algum caso de histeria em massa, uma ilusão coletiva ou uma elaborada farsa local que consumia tudo?

Se fosse uma criatura real, então permanecia decididamente evasivo. Mesmo quando uma recompensa de $ 1000 foi colocada no monstro pela estação de rádio de Little Rock KAAY, os melhores caçadores do condado, empunhando matilhas de cães, não conseguiram encontrar nenhum vestígio dele.

Apesar disso, a realidade do monstro estava firmemente estabelecida na comunidade; muitas pessoas viram isso para simplesmente descartá-lo como uma invenção de imaginações hiperativas. Os avistamentos continuariam ocorrendo por mais alguns anos, embora em meados dos anos 70 eles tivessem diminuído substancialmente em frequência.

Mas eles nunca vão embora de verdade. Pelo menos uma vez por ano alguém vê uma grande criatura peluda andando pesadamente ao longo das bordas da floresta ou correndo pelas estradas escuras à noite. 

Afinal, se foi a mesma besta todos esses anos, então deve ser muito velha, se é que é mesmo um animal de carne e osso. Talvez, como alguns acreditam, a verdadeira entidade escondida nas florestas e pântanos da zona rural do Arkansas seja mais estranha do que possamos imaginar.

Provas Contra

Coisas estranhas

O referido Dr. Frank Schambagh sentiu que os moldes da pegada de três dedos do campo de soja de Willie Smith não poderiam ter sido feitos por um homem-macaco. Os antropólogos nunca encontraram nenhum tipo de hominídeo ou primata, passado ou presente, com nada menos do que cinco dedos.

Uma vez que o monstro foi descrito quase universalmente por testemunhas como um macaco ou homem-macaco, ele descartaria as pegadas como genuínas, a menos que a besta fosse uma exceção evolucionária excepcional. Da mesma forma, os moldes feitos na casa da Ford, que também tinha três dedos, parecem contradizer o que a família alegou ter visto.

Um dos muitos moldes de pegadas da criatura

Mesmo outros elencos de Pé Grande e Sasquatch feitos em todo o Pacífico Noroeste da América sempre mostram cinco dedos, tornando o monstro altamente incomum na tradição dos criptídeos. Apenas o chamado Monstro do Pântano da Ilha do Mel, também descrito como de três dedos, guarda uma semelhança. É apenas coincidência que esta criatura resida muito perto de Fouke, na vizinha Louisiana?

Os dois animais poderiam ser relacionados, ou mesmo um e o mesmo? Nesse caso, ele não supera as outras objeções às pegadas de Fouke. O molde de Smith mostra um pé longo e fino, com cerca de 33 por 10 cm. Isso é muito diferente de qualquer espécie conhecida de primata, que invariavelmente tem pés mais largos para suportar seu tamanho e peso.

O tipo de dedos retos de tamanho uniforme no gesso também são estranhos a qualquer espécie de macaco ou hominídeo, pois todos têm dedos abertos e de tamanhos irregulares. Será que o monstro Fouke ainda é um primata, mas exibe mutação ou lesão? Parece improvável devido ao número de avistamentos que fizeram a criatura correr ereta como um humano.

Além das objeções técnicas, os cientistas raramente valorizam as projeções de pegadas como evidência. Os próprios moldes invariavelmente têm origens incertas e duvidosas, e a criptozoologia ganhou ao longo dos anos uma reputação merecida de falsificação.

O molde da pegada encontrada no campo de soja de Willie Smith
De fato, nos anos posteriores, o desenho das pegadas encontradas na área começou a evoluir para se tornar mais convencionalmente semelhante a um macaco, o que naturalmente levanta a suspeita de que se tratava de simplesmente fraudadores se tornando mais sofisticados em seus esforços. Certamente não atestava bem a credibilidade de um monstro real, que deveria estar exibindo uma habilidade agora sobrenatural de desenvolver dedos extras.

No entanto, seria injusto rejeitar inteiramente todo o fenômeno dos monstros Fouke como farsa; claramente muitas das testemunhas que viram algum tipo de animal estranho na área eram pessoas genuínas. Mas poderia a criatura que tantos encontraram ser uma besta um pouco menos fantástica?

Onde as coisas selvagens vagam

Criaturas parecidas com o pé-grande são frequentemente consideradas pelos céticos como ursos-negros mal identificados. Em muitas ocasiões, a indescritível evidência que poderia finalmente provar a existência do Pé Grande – excrementos, cabelos, ossos, DNA, acabou se revelando um urso. O monstro Fouke poderia ser simplesmente um dos ursos negros nativos do Arkansas?

O urso preto tem um tamanho adequado para a maioria das descrições do monstro Boggy Creek. Pesando até 181kg, o urso pode erguer-se nas patas traseiras e atingir alturas de até 2 metros.

O monstro era simplesmente um urso preto mal identificado?

Muitos dos avistamentos ocorreram à noite, na floresta ou em outras áreas rurais. Nessas circunstâncias, não parece fora de questão que esses encontros frequentemente fugazes de testemunhas oculares foram com ursos que pareciam ser um pouco mais inexplicáveis ​​do que realmente eram no escuro.

Os proponentes do monstro Fouke contestam isso argumentando que os ursos negros não são particularmente comuns na área, embora isso também possa ser uma boa explicação de por que os avistamentos são relativamente esporádicos.

Talvez mais convincente seja o número de caçadores que afirmam ter visto a fera. A maioria dos caçadores nos estados do sul está bem familiarizada com o urso preto. Será que eles realmente cometeram um erro tão elementar e se arriscaram a ser ridicularizados por seus amigos alegando ter visto um monstro?

Há, no entanto, uma total falta de evidências de qualquer outro grande mamífero existente na área. Ninguém jamais produziu ossos, cabelos, fezes ou mesmo fotografias de qualquer coisa que não seja um urso preto, fazendo com que pareça o suspeito mais provável em nossa caça ao monstro.

Muitas criaturas semelhantes, como o Yowie, existem em todo o mundo

Este continua sendo o caso em todos os casos de Pé Grande e seus sósias, grande em depoimentos de testemunhas oculares, mas com pouca evidência concreta. Talvez se Charles B. Pierce não tivesse feito The Legend of Boggy Creek em 1972, o monstro Fouke não seria mais famoso do que as inúmeras outras lendas criptográficas da América e, na verdade, do mundo.

De Chuchunaa siberiano ao Yowie australiano, os seres humanos têm visto homens-macacos peludos no deserto desde que éramos homens-macacos peludos. Essas histórias de algum primo perdido da humanidade existem em praticamente todas as culturas do mundo.

Eles representam um animal de carne e osso real, ou são uma manifestação intangível de alguma mitologia antiga enterrada nas profundezas de nossa memória popular coletiva? Todas as perguntas que temos sobre as criaturas misteriosas, o que são, como permanecem tão elusivas e mesmo se existem, nunca serão respondidas até que finalmente nos encontremos cara a cara.

Para finalizar após ler o instigante livro Olhos de Dragão relatando toda uma saga de busca e investigação da onda dos ataques do chupacabras nos anos 90, CArlos Alberto Machado produziu um material bem intrigante no que diz respeito ao estudo do IEA, um tipo de criatura misteriosa que ataca em ondas, geralmente se alimentando de sangue e partes moles de animais de criação. Essa criatura tem registros nos EUA, depois no Mexico, ficou célebre nos anos 70 em Porto Rico onde ganhou o apelido que a deixou famosa. Na década de 90 ela atacou no Brasil e depois migrou para o Chile. O fenômeno foi negligenciado por autoridades em TODOS os lugares, sendo considerado um folclore, mesmo com MILHARES de animais sendo mortos. Sim, eu disse MILHARES. Enquanto que os relatos anedóticos são facilmente descartados, os dados estatísticos parecem uma pedra no sapato nesses episódios, com carcaças sendo separadas por espécies e alinhadas em machos e fêmeas, com cães de guarda não dando sinais, e com a inteligência de abrir grades e tramelas para atacar suas vítimas. Fora isso, há evidências de fezes, pegadas e até mesmo uma estranha substância que parece ser vomitada na vítima, que se parece com plasma sanguíneo.
No Livro Machado conta que chegaram a capturar a criatura numa enorme armadilha de ferro, mas o bicho teria conseguido quebrar a armadilha e fugir, evitando inclusive uma câmera infravermelha (um luxo caro para pesquisadores da época). O livro também fala sobre uma estranha incidência ufologica que parece surgir concomitante ao fenômeno, e incursões de esquadrões militares fazendo varredura na mata na área da incidência.
O fenômeno do IEA ainda hoje ocorre e em alguns casos ele gera estranhos e ate mesmo constrangedores Boletins de Ocorrência, culpando seres desconhecidos ou mesmo o Lobisomem.

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

© MUNDO GUMP – Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução sem autorização.