A curiosa vida e as quase-mortes do criador do Saxofone

O Saxofone é um instrumento incrível com um som extremamente peculiar e que parece que nasceu destinado ao Jazz. A história da criação do Sax, é por natureza algo curiosa, mas foi tentando ver a história desse espetacular instrumento musical que eu me deparei com a incrível, literalmente incrível vida de Adolphe Sax, o inventor do instrumento. Pouco reconhecido em vida, e hoje considerado um gênio, este homem mudou a paisagem musical e inventou todo um gênero, graças à sua habilidade, talento, incansável esforço e é claro, sorte, MUITA SORTE.

Sax teve uma vida bastante turbulenta enquanto tentava obter reconhecimento por sua contribuição para a música, mas além do saxofone, sua vida também é notável por quão bem ele consistentemente escapou da morte.

Antoine-Joseph Sax (ele mais tarde adotou o nome de Adolf) nasceu em 6 de novembro de 1814 em Dinant, Bélgica, e era um dos 11 filhos de sua família. Sax imediatamente mergulhou no mundo da música, pois seus pais eram designers de instrumentos musicais, e desde jovem ele se formou no mesmo ofício, passando a maior parte do tempo na oficina da família. De fato, o ambiente semi-industrial em que ele cresceu, era deveras perigoso, e o cuidado dispensado a crianças pequenas, ainda mais numa família imensa, às vezes deixava a desejar.

Sax mostrou uma compreensão inata e profunda de instrumentos de sopro muito cedo, e passou a maior parte de sua infância mexendo com eles e experimentando novos designs, muitos deles, posteriormente reconhecidos como muito à frente de seu tempo.

Quando tinha apenas 14 anos, conseguiu criar sua própria versão de um clarinete mudando o canal e a localização dos furos para melhorar o som, e aos quinze anos conseguiu o que ainda era considerado impossível quando fez um clarinete e duas flautas de marfim.

Mas falando de sua sorte, desde muito jovem, Sax foi atormentado por constantes acidentes, dos quais escapava por milagre, sem ferimentos graves. Com apenas 3 anos de idade, ele tropeçou e caiu em um lance de escadas de uma altura de 3 andares, caindo de cabeça no chão de pedra, lá em baixo.

A queda foi tão dramática, e a cabeça de Sax bateu com tanta força, que seus pais pensaram tinha morrido instantaneamente. No entanto, depois de passar vários dias na cama, ele saiu sem consequências para sua saúde. A tenebrosa queda das escadas com pouso de cabeça na rocha, mataria qualquer pessoa, mas não se sabe como o menino não morreu. O acidente inauguraria uma galeria de casos assim em sua vida, e o que foi considerado uma “segunda tentativa do anjo da morte” de levar Sax veio naquele mesmo ano. Inquieto, o moleque resolveu brincar com uma agulha e enfiou a mesma na boca e… GLUP!

Engoliu a agulha.

Qualquer outra criança teria sido morta ou ferida perigosamente, mas neste caso, a agulha milagrosamente passou por todo o seu trato digestivo e saiu do corpo naturalmente.

Pouco depois, o pequeno Sax estava novamente livre leve e solto sem supervisão, e abriu um armario na oficina e encontrou o que ele achou que fosse leite. Então ele bebeu.

…Na verdade era ácido sulfúrico diluído. E novamente, por algum acaso incrível, não só não o matou, mas também não causou nenhum dano às suas entranhas.

Em outra ocasião, ele acidentalmente bebeu uma mistura de chumbo branco, óxido de cobre e arsênico e também saiu ileso.

Mais tarde, ele adormeceu em um quarto onde os móveis recém-envernizados foram deixados para secar e escapou por pouco da morte por asfixia devido aos vapores do verniz.

E todos esses eventos acima mencionados aconteceram com ele aos três anos de idade.

Alguns anos depois da história dos móveis de laca, Sax subiu na mesa da cozinha, escorregou e caiu acidentalmente no fogão quente, ficando gravemente queimado. Isso o deixou com cicatrizes para o resto de sua vida, mas suas queimaduras curaram rapidamente sem infecção, o que era quase uma sentença de morte na época.

O moleque era atentado pra cacete, mas podemos dizer que ele também parecia ser alvo de uma maldição, porque em outra ocasião, ele estava andando pela rua quando uma grande telha de ardósia caiu do telhado de uma casa e o atingiu bem na cabeça, nocauteando-o e colocando-o em coma.

Aí a família pensou, “pô, agora ele morre!”

Após vários dias de inconsciência na cama, ele acordou e declarou: – “Ainda estou vivo, mãe!”.

Quando ele tinha 10 anos, ele estava na oficina de seu pai quando um recipiente de pólvora explodiu de repente e o jogou do outro lado da sala. O que a pólvora fazia na oficina de instrumentos musicais é outro mistério, mas neste caso, foi surpreendente que mesmo uma forte explosão de pólvora e atingindo uma parede não tenha causado sérios danos ao jovem Sax.

Na mesma época, ele acidentalmente caiu no rio e, sem saber nadar, já estava pronto a se afogar, mas a corrente o capturou e o arrastou para um redemoinho, e depois o carregou mais longe, onde ele por milagre, foi visto por um fazendeiro que passava e o resgatou.

Adolphe Sax enganou a morte tantas vezes que foi apelidado de “Ghost Sax” e “Ghost child from Dinan“, e sua própria mãe disse uma vez:

“Esta criança é amaldiçoada pelo diabo pelo infortúnio, ele não viverá muito”.

Praga de mãe é foda, mermão!

A morte pareceu se recusar a persegui-lo depois disso por muitos anos. Durante esse tempo, Sax cresceu, começou a criar novos designs de instrumentos e inventar outras coisas. Aos 20 anos, ele inventou um novo sistema de dedilhado para clarinete, reinventou completamente o clarinete baixo e criou o trompete.

Ele também inscreveu regularmente seus novos instrumentos em várias competições, principalmente na Exposição Nacional Belga, onde deveria ganhar uma medalha de ouro,  mas foi recusado devido à sua pouca idade.

Ele também ficou conhecido como um músico muito talentoso, tendo estudado no Conservatório Real de Bruxelas e foi reconhecido como um talentoso tocador de flauta e clarinete.

Em 1842, Sax foi morar em Paris, criando novos desenhos para uso dos militares franceses em suas bandas, e foi aqui que nasceu sua invenção mais famosa: o saxofone.

Sax começou a ensinar no Conservatório de Paris em 1857 e passou a desenvolver outros instrumentos, como um novo conjunto de trompas valvuladas chamadas “saxhorns”, bem como uma família de “saxotrombos”. Mas foi o saxofone que o tornou famoso, embora não lhe rendesse muito dinheiro naquela época.

O compositor Hector Berlioz escreveu aprovando o novo instrumento em 1842, mas Sax apenas patenteou o instrumento em 1846, depois de desenhar e construir toda a família de saxofones (do soprano ao contrabaixo). A partir de 1867, Sax foi professor do conservatório de Paris.

Sax faliu três vezes porque gastou todo o dinheiro em seus empreendimentos e também sofreu porque outros malandros roubaram suas invenções. Além disso, naqueles anos, o saxofone ainda não era aprovado para tocar em orquestras públicas e, em geral, raramente era usado fora de grupos orquestrais militares.

Além disso, Sax conseguiu arrumar desafetos rivais na produção de instrumentos musicais que o perseguiram, em particular uma organização chamada United Instrument Makers Association, que foi criada especificamente para desafiá-lo a cada passo e enterrar todas as suas novas invenções. Eles constantemente desafiaram suas patentes e recorreram a todos os tipos de manobras nos bastidores para manchar a reputação de Sax.

Seus concorrentes e imitadores travaram uma guerra direta contra ele, expondo-o a calúnias e processos intermináveis, tentando roubar seus empregados ou boicotar seu trabalho, e vinham sempre manchando seu nome em todas as oportunidades, enquanto ao mesmo tempo diversos “piratas” lucravam com a venda de suas invenções, levando nosso herói a mais uma falência.

O compositor clássico Hector Berlioz colocou desta forma:

“Dificilmente se pode acreditar que seja difícil para este talentoso jovem artista manter sua posição e fazer carreira em Paris. Repetidamente, Sax é vítima de perseguições dignas da Idade Média e lembra exatamente as ações e feitos de Benveuto Cellini, o gravador florentino. Eles levaram seus trabalhadores, roubaram seus planos, o acusaram de insanidade e o julgaram. Se ele tivesse sido um pouco mais ousado, eles o teriam matado. Tal é o ódio que os inventores sempre despertam entre aqueles de seus rivais que nada inventam.”

E então a Morte se lembrou dele novamente. Um dia, a oficina de Sax misteriosamente pegou fogo e foi totalmente destruída, mas Sax, por uma rara coincidência, não estava lá no momento. Em outra ocasião, um atirador desconhecido, que se acredita ter sido contratado pelos inimigos de Sax, atirou e matou um de seus assistentes, pensando que fosse ele.

Então houve um tempo em que ele foi atacado por bandidos que o espancaram até a morte, mas ele sobreviveu a isso também.

De 1853 a 1858, Sax  já havia escapado de queda, afogamento laje de pedra na cabeça, beber ácido, explosão, beber veneno, engolir agulha, sufocamento químico  , levar tiro, cair sobre as chamas, e parecia que a morte havia tentado todo seu arsenal, mas então veio o câncer!

Sax descobriu que estava com câncer de lábio, considerado na época uma sentença de morte.

Mas foi milagrosamente curado visitando um médico indiano chamado Vries. Vries ofereceu-lhe apenas chás de ervas e Sax começou a tomá-los diariamente. A essa altura, o inchaço em seu lábio já havia se tornado tão grande que ele só podia comer comida líquida através de um tubo. Mas depois que ele começou a beber as ervas do misterioso indiano, seu o tumor começou a diminuir até desaparecer completamente! Ele havia vencido a morte mais uma vez!

Mas a morte também atingiu sua família: dois de seus cinco filhos morreram na infância. Sax finalmente foi levado pela morte quando já tinha 79 anos e muitas aventuras para contar. Morreu em 1894 em Paris e está enterrado na seção 5 do cemitério de Montmartre.

Após a morte de Sax, o saxofone foi parar acidentalmente nos Estados Unidos, onde se tornou uma sensação entre os músicos de jazz e, finalmente, Sax foi ultrapassado pela fama mundial.

fonte fonte fonte

Receba o melhor do nosso conteúdo

Cadastre-se, é GRÁTIS!

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade

Philipe Kling David
Philipe Kling Davidhttps://www.philipekling.com
Artista, escritor, formado em Psicologia e interessado em assuntos estranhos e curiosos.

Artigos similares

Comentários

  1. Eu não diria que ele é amaldiçoado e sim abençoado, pq com certeza ele tinha 35 anjos da guarda, já que se safava de todas. Conheço gente que com um único acidente bobo já perdeu a vida, enquanto o Sr. Sax aí era o próprio corpo fechado em pessoa!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Advertismentspot_img

Últimos artigos