Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

Nos últimos cem anos, muitas pessoas inventaram uma substância milagrosa que pode transformar a água em um análogo da gasolina e usar essa mistura para abastecer carros. Muitas dessas invenções foram consideradas falsificações, outras desapareceram ou foram esquecidas.

Como sabemos, energia é a fonte primária para o progresso, e por isso, uma das pesquisas mais relevantes e promissoras dos últimos anos é o desenvolvimento de fontes alternativas de energia.

Essas fontes devem ser renováveis ​​e não poluir a atmosfera. Ao mesmo tempo, devem ser adequados para utilização na indústria e na vida cotidiana, incluindo automóveis.

Muito foi feito nesse sentido nos últimos anos, mas o mundo ainda é muito dependente dos chamados combustíveis fósseis: Feitos do petróleo, como a gasolina e o òleo Diesel.  Os carros elétricos  ainda são considerados em muitos países nada mais do que uma novidade distante.

Mas e se você reabastecer os carros não com gasolina, mas com outra coisa? Algo muito mais seguro para o planeta e mais fácil de minerar. Por exemplo, água.

Isso pode parecer fantasia, mas, na verdade, nos últimos cem anos, pelo menos algumas pessoas alegaram ter inventado uma maneira de transformar água em combustível. E eles até tentaram demonstrar isso. O que aconteceu com eles e suas invenções?

Um dos casos mais antigos e famosos está associado a um inventor dos Estados Unidos chamado Louis Enricht . Em 1916, ele alegou ter inventado uma substância barata que, quando adicionada à água comum, poderia servir como um “substituto para a gasolina” e que poderia ser produzida ao preço ridículo de 1 centavo o galão.

Ele estava tão confiante e ousado em suas declarações extravagantes que organizou uma coletiva de imprensa e uma demonstração para jornalistas, primeiro permitindo que eles inspecionassem o tanque de gasolina para se certificar de que não havia gasolina nele e, em seguida, deixando-os provar a água que planejava usar na demonstração, para que eles possam ser convencidos de que é realmente era água.

 

Então Enricht mostrou a todos uma certa pílula verde  em uma garrafa, que ele adicionou à água, e então encheu o tanque de gasolina do carro com a “solução” resultante. Para surpresa de todos, o carro deu partida e dirigiu perfeitamente, como se houvesse gasolina no tanque. O único efeito colateral perceptível era o cheiro pungente de amêndoas emitido pelo escapamento.

William Haskell, editor do Chicago Herald, relatou este evento incrível:

“Eu examinei pessoalmente todo o motor e o tanque. Até provei a água antes que a misteriosa pílula verde fosse jogada no tanque. A seguir, abri a torneira e examinei o líquido resultante, que agora tinha cheiro de amêndoas amargas. Também provei o líquido no carburador, que era o mesmo. Fiquei espantado quando o carro deu a partida. Percorremos a cidade sem problemas. “

Foi uma descoberta inovadora aparentemente totalmente sensacional que não só abasteceu o carro, mas também gerou grande entusiasmo e atraiu muitos compradores potenciais desta invenção, incluindo Henry Ford da Ford Motor Company e Hudson Maxim da Hudson Munitions Company, bem como vários investidores dispostos a investir milhões nele.

Alguns dos críticos descobriram que Enricht foi acusado de fraude já em 1903 e que em geral era mais conhecido como revendedor do que inventor. No entanto, pouca atenção foi dada a isso, porque a demonstração era muito verossímil!

Então Enricht encenou outra demonstração, agora para o exército britânico, que também causou admiração geral e críticas de que “a máquina funcionava tão rápida e eficientemente quanto a gasolina”.

 

Tudo isso era realmente promissor, mas então mais e mais “bandeiras vermelhas” começaram a aparecer. O rico Benjamin Joakum, que investiu um milhão de dólares na invenção de Enricht, ficou muito infeliz depois que o inventor se recusou a lhe contar sobre todas as complexidades do processo.

No final, devido a ameaças legais, Enricht foi forçado a mostrar a fórmula a Joakum, mas quando o cofre onde estava supostamente guardada foi aberto, ela havia desaparecido misteriosamente.

Posteriormente, Enricht alegou que sua fórmula tinha sido roubada e, embora tivesse backups, disse que estava sem ingredientes e, portanto, incapaz de realizar mais demonstrações. Além disso, vários especialistas começaram a criticar massivamente Enricht e acusá-lo de charlatanismo, e sua invenção foi considerada uma fraude. Todo o interesse na invenção foi perdido, os investidores recuaram.

Surpreendentemente, Enricht não se assustou nem se deteve com isso. Em 1920, ele anunciou que havia encontrado uma maneira de transformar turfa em gasolina e até conseguiu levantar $ 42.000 de investidores para levar o processo adiante.  Porém, durante a manifestação, descobriu-se que era tudo falso e foi feito com o auxílio de uma mangueira escondida por onde entrava gasolina de verdade no tanque.

Enricht foi condenado por roubo em grande escala e preso, embora depois de alguns anos ele tenha sido posto em liberdade condicional por motivos de saúde. Ele morreu no ano seguinte depois disso, e como nunca divulgou sua alegada fórmula secreta nem permitiu que a misteriosa pílula verde fosse analisada, ele levou toda a verdade para o túmulo.

Outra declaração surpreendente a esse respeito foi feita na mesma época em que Enricht estava vendendo seu incrível substituto da gasolina. Em 1917, um inventor canadense e marinheiro da Marinha Real Canadense chamado John Andrews foi ao Secretário da Marinha, Josephus Daniels, e o informou que ele havia inventado um pó verde que poderia converter água doce ou salgada em gasolina. 

 

Como Entricht antes dele, Andrews organizou uma demonstração pública e uma série de testes no estaleiro naval do Brooklyn usando uma lancha, e o comandante Earl P. Jessup descreveu desta forma:

“Demos a Andrews um balde de água, que foi retirado de um hidrante (água doce) de um estaleiro naval por um dos adidos do tribunal. Ele entrou em seu carro com uma lata, que verificamos e a encontramos vazia, e uma pequena bolsa que ele carregava com ele. Depois de cerca de um minuto, ele nos entregou o recipiente cheio, que eu pessoalmente transferi para o tanque de combustível aberto. Derramando líquido no reservatório, Andrews aproximou o cigarro aceso do líquido que não havia acendido. Isso mostrou que a substância não era gasosa ou inflamável na parte da demonstração que era mais importante para mim. O motor acelerou tão rapidamente quanto com a gasolina e, após um ajuste instantâneo no carburador, ele começou a trabalhar, desenvolvendo 75% de sua potência nominal, o que é uma figura notável para qualquer combustível com um ajuste tão pequeno, no carburador. Do ponto de vista militar, é quase impossível imaginar o que significa tal invenção. Isso é tão importante que corremos para Washington para relatar ao departamento naval. Aparentemente, Andrews descobriu uma combinação de produtos químicos que transforma a água em uma forma inerte até que ela seja vaporizada mecanicamente pelo carburador, quando uma faísca a faz queimar como gasolina. “

A Marinha estava pasma com tudo isso, mas certamente havia céticos também. Um dos observadores das incríveis demonstrações de Andrews foi o Dr. Miller Reese Hutchinson, engenheiro-chefe da Thomas A. Edison, que escreveu sobre isso:

“Fiquei surpreso. Quando cheguei em casa naquela noite, tentei descobrir como ele poderia ter feito isso. Senti o cheiro de fumaça de escapamento para ter certeza de que não era gasolina. E então me dei conta: ele devia estar usando acetileno. Usando acetona para absorver o acetileno e dissolvendo a acetona em água, uma mistura combustível satisfatória pode ser obtida. Voltei para o motor de teste e funcionou bem na minha mistura. Veja, a água era apenas um transportador que entregava os explosivos aos cilindros. A ação foi a mesma como se você jogasse óleo nas cinzas. As cinzas vão queimar novamente, mas apenas até que o óleo acabe. Claro, é um substituto da gasolina, como o ácido pícrico. Mas você tem que ver o que está acontecendo com os cilindros! “

No entanto, Andrews negou quaisquer truques que não o impediram de fugir às pressas para o Canadá, alegando que ele estava sendo seguido por grupos nefastos que queriam roubar sua invenção.

Avance algumas décadas para a década de 1950, quando um ex-mineiro de Illinois, Guido Frank , começou a alegar que havia inventado um pó verde (pó verde de novo!) Que poderia transformar água em gasolina.

Frank chamou essa substância de “Mota” (“Atom” ao contrário). De acordo com Frank, a substância foi originalmente inventada por um cientista alemão chamado Dr. Alexander Kraft, e ele organizou muitas demonstrações muito convincentes da Mota em ação. Gary Boltz, um consultor de engenharia de carburação e combustível, descreveu um desses testes:

“Os grânulos eram de cor verde oliva escuro. Uma vez na água, eles se dissolvem em filamentos verdes, que começam a se espalhar pela água como fibras. Quando a água começa a reagir, ocorre um efeito de turbilhão. A reação é concluída após alguns minutos . em uma proporção de 1: 1, o líquido resultante é altamente explosivo e pode explodir com um pequeno choque. Mas não é sensível ao choque quando misturado na proporção normal de uma onça de pó para meio galão de água. O combustível acabado é mais leve que a água. “

Frank conseguiu manter o hype de sua invenção por muitos anos, e durante esse tempo ele arrecadou centenas de milhares de dólares em doações para sua invenção, evitando várias acusações de fraude. Mas ele nunca lançou um único produto real para seus investidores. Ele explicou o motivo disso: por paranóia, de que, supostamente, a indústria do petróleo estava tentando suprimir sua fórmula a qualquer custo. 

Em 1979, foi descoberto que não apenas o “Dr. Kraft” era uma pessoa fictícia, mas várias pessoas que alegaram que Frank havia lhes contado sobre sua fórmula eram uma farsa.

Frank acabou sendo condenado por fraude e sentenciado a cinco anos de liberdade condicional, mas jurou o tempo todo que sua invenção era real. Infelizmente, ele levou consigo todos os segredos que tinha quando morreu em 1983.

Os alegados inventores do combustível da água também o foram nos anos posteriores. Em 1983, o cientista chinês Wang Hongcheng anunciou que havia criado um líquido que poderia transformar água em combustível adicionando apenas algumas gotas.

Essa era uma notícia muito importante para a China na época e chamou muita atenção para Wang, incluindo financiamento do governo, mas essa descoberta supostamente incrível acabou causando muitos problemas ao seu inventor.

O governo chinês da época pressionou pela eliminação das ideias marginais e da pseudociência e, infelizmente para Wang, suas opiniões se voltaram para ele. Ele foi publicamente desacreditado em publicações científicas e condenado a 10 anos de prisão por fraude e engano. Não está claro se as alegações sequer foram provadas e quão verdadeiras suas afirmações eram.

Em 1996, um inventor indiano chamado Ramar Pillai, do Instituto Indiano de Tecnologia (ITT), afirmou que poderia converter água em gasolina usando uma fórmula à base de ervas derivada de um arbusto especial. 

Ele ferveu as folhas e a casca do arbusto em água e acrescentou ingredientes secretos para obter seu líquido milagroso, resultando em uma substância que podia “queimar como querosene”, era mais eficiente que a gasolina e não produzia gases de escape. 

Pillai teve o apoio total do governo, que lhe deu 20 hectares de terra para cultivar o mato, e ele até solicitou uma patente para o processo, mas enquanto fazia demonstrações bem-sucedidas, foi considerado uma fraude. No entanto, como outros antes dele, Pillai continuou a afirmar que sua receita secreta era válida. 

Mais recentemente, o empresário Tim Johnston supostamente criou uma “pílula mágica” que reduz as emissões e prolonga a vida útil do combustível. Johnson conseguiu levantar estonteantes $ 100 milhões de investidores, mas sua empresa faliu mesmo assim, e nenhuma evidência de sua pílula ou receita veio à tona.

Em todos os casos que mostramos aqui no Mundo Gump, existem uma curiosa recorrência de situações. O inventor vem com esta declaração fantástica de formula disruptiva, todas baseadas em algum tipo de planta ou composto natural (de cor verde) faz algumas demonstrações intrigantes, e então a fórmula por trás disso se perde, fica escondida, é roubada, ocultada, ou de outra forma não é mostrada a cientistas, inevitavelmente para morrer com seu criador, que morre ou é “tirado de circulação”.

Rudolf Diesel e sua morte misteriosa

Podemos considerar que tudo não passa de simples coincidência. Mas temos que incluir aí no nosso balaio das coincidências bizarras a morte de Rudolf Diesel, o inventor do motor a Diesel.

Rudolf Diesel: Existem invenções que são como sentenças de morte

Na noite de 29 de setembro de 1913, Rudolf Diesel, inventor do motor que leva seu nome, embarcou numa balsa em Antuérpia, na Bélgica, com destino a Harwich, no Reino Unido. Mas ele nunca chegou.

No dia 29 de setembro de 1913, o engenheiro alemão Rudolf Diesel escreveu de Antuérpia, na Bélgica, uma carta à sua mulher: “Está fazendo um tempo quente de verão, não se sente nem mesmo o sopro de um ventinho. Parece que a travessia vai ser boa”.

A travessia mencionada era a viagem de navio que cruzaria o Canal da Mancha até Harwich, na Inglaterra, país onde Diesel pretendia inaugurar a nova sede de uma fábrica do motor inventado por ele. Diesel, no entanto, jamais chegaria ao seu destino. A cama da sua cabine estava intacta quando o navio aportou em Harwich e ele havia desaparecido. Logo suspeitou-se que ele teria caído do navio.

O ocorrido abalou a opinião pública. Por ocasião da sua morte, Diesel estava no auge da fama, graças à sua invenção do motor de autoignição. Em dezenas de fábricas em toda a Europa e nos Estados Unidos, o motor por ele inventado era produzido em larga escala. Com a concessão de licenças, ele havia se tornado milionário. O que poderia estar por trás de sua morte repentina?

Hipóteses e mais hipóteses

A possibilidade de um acidente foi excluída, uma vez que estava extremamente calma a noite de 29 de setembro, quando Diesel embarcou no navio. Boatos começaram a se espalhar. Especulava-se sobre inimigos mortais do inventor, sobre desavenças entre a Inglaterra e a Alemanha e até sobre comerciantes de petróleo, insatisfeitos com o consumo reduzido de combustível do motor. Os jornais da época levantaram infindáveis suspeitas em suas manchetes:

  • “Inventor lançado ao mar para evitar a venda da patente ao governo inglês”
  • “Criador do motor a óleo diesel executado como traidor para manter segredos de submarino”
  • “Diesel assassinado por agentes dos grandes comerciantes de óleo”
  • “Serviço secreto inglês elimina Diesel”

Sucediam-se suspeitas absurdas e todas as hipóteses eram tomadas por verdadeiras.

Não se sabe com certeza a razão pelo qual Diesel morreu. Existem duas correntes de pensamento sobre essa morte: Uma diz que ele teria sido “eliminado”. Outra  diz que Diesel estava à beira da falência quando morreu e não teve coragem de comunicar o fato à família. Além de tudo, tendo sido criado em um meio com poucos recursos, Diesel não suportou a ideia da ruína financeira.

Em 1891, um ano antes de patentear o seu motor, ele escrevera à mãe: “Pretendo brevemente obter sucesso com os resultados das minhas pesquisas de 12 anos. Em todo esse tempo, reguei uma flor à custa de muito sacrifício. Agora, quero colhê-la e desfrutar do seu aroma”.

E Diesel aproveitou realmente os resultados do seu sucesso. O dinheiro vindo das licenças de fabricação do motor financiava o gordo orçamento burguês da sua casa. Sua mulher passou a fazer pinturas a óleo, a família deu-se o luxo de alugar uma carruagem, além de empregados e uma governanta para cuidar das crianças.

Entre o registro da patente e a entrada em atividade dos primeiros motores passaram-se, no entanto, cinco anos, o que provocou uma certa impaciência nos compradores. Em vez de dedicar-se com afinco às melhorias e ao desenvolvimento da sua invenção, Diesel envolveu-se em tentativas de acumular fortuna. Ele passou a vender cada vez mais licenças, continuou fundando novas fábricas de motores e acabou perdido num confuso espírito empresarial.
Por que Diesel um homem tão inteligente agiu assim? Há quem especule que ele agiu dessa maneira para se proteger e ao seu invento. Com muitas fabricas e um grande volume de licenças, foi ficando cada vez mais impossível de “parar” os motores a Diesel. Nesse caso, a questão permanece no ar: Por que Diesel tinha medo de ser “parado”?

O fato é que com suas atividades, Diesel destruiu sua saúde e perdeu boa parte do capital que havia acumulado em especulações financeiras mal-sucedidas. O estilo de vida por ele adotado exigia gastos cada vez mais altos. A situação começava a tornar-se insustentável no ano de 1913. A família, no entanto, nunca soube desse lado sombrio da sua existência.

Ninguém pode dizer com segurança o que pensou Diesel ao deixar Antuérpia no dia 29 de setembro e embarcar no navio em direção ao alto-mar. Mas tudo leva a crer que ele tenha optado pelo suicídio por não suportar a vergonha da ruína financeira. Duas semanas mais tarde, marinheiros encontraram o cadáver já deteriorado de um homem nas proximidades da costa belga.

Após tirar das roupas do morto alguns objetos – papéis não foram encontrados – os marinheiros atiraram o cadáver novamente ao mar. Não era comum “levar mortos a bordo”, explicaria mais tarde o capitão do navio. Através dos objetos encontrados, o morto foi identificado como sendo Rudolf Diesel e uma certidão de óbito pôde ser expedida. Seus restos mortais nunca mais foram encontrados. 

Diesel deixou este planeta de uma forma bem ruim, mas seu legado já estava espalhado o suficiente e fabricas operando e fabricando os primeiros motores, que revolucionariam o mundo nos anos subsequentes, movendo de navios a submarinos, passando por trens, tratores e caminhões.

De volta as pílulas de gasolina

Nunca houve um exemplo concreto convincente das “pílulas de gasolina” que fossem concretamente analisadas. Nenhuma delas jamais foi produzida em grande escala, apesar do fato de que elas poderiam mudar o mundo como o conhecemos.

Os cientistas basicamente dizem que a própria ideia por trás disso não é quimicamente possível, e que apenas por isso, tudo não se trata de outra coisa senão fraude.

E tudo segue como sempre foi. No que diz respeito a qualquer chamada “pílula de gasolina”, nenhum avanço está previsto, a menos que algum aventureiro lance mão.

 

A curiosa história da pílula de gasolina

Comments

comments

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Alerta: Conteúdo protegido !!