“A coisa” – Uma olhada no mais incrível e sofisticado sistema de escuta espiã feito pelos soviéticos

Sharing is caring!

Se você viveu entre a década de 60 e 80 deve saber muito bem como foi tenso o período da guerra fria. Era espionagens e golpes baixos de lado a lado entre os Estados Unidos e União Soviética o tempo inteiro.

É nesse contexto de guerra fria, pré- era tecnológica que entra o dispositivo que passou a ser conhecido como “The Thing”, isso é, “a coisa”, e também conhecido como “o grampo do grande selo”.

O grampo foi um um  dispositivo de escuta passiva, desenvolvido na União Soviética e plantado no escritório de ninguém menos que o embaixador dos EUA em Moscou. O dispositivo foi escondido dentro de uma escultura em madeira do Grande Selo dos Estados Unidos.

Réplica do grande selo dos EUA

O grande ponto de inflexão tecnológica desse dispositivo é que foi o primeiro dispositivo de escuta passivo, pois não possuía nenhuma fonte de energia própria. Em vez disso, ele era ativado por um forte sinal eletromagnético externo. O dispositivo recebeu o codinome LOSS pelos EUA e RAINDEER (Северный олень) pelos soviéticos.

Em 4 de agosto de 1945, a organização “Vladimir Lenin All-Union” apresentou uma réplica entalhada à mão do Grande Selo dos Estados Unidos ao embaixador dos EUA Averell Harriman, como um gesto de amizade ao aliado da Segunda Guerra Mundial na URSS. Claramente era um cavalo de tróia, mas mesmo assim, Averell pendurou o selo na biblioteca da Residência Spaso House. Como todo “presente” dado ao embaixador, a obra de arte passou por uma varredura em busca de indícios de grampo, mas a varredura não acusou nada. Parecia um bloco solido de madeira entalhado, e assim foi parar na parede.

O que os americanos não imaginavam é que ali estava uma jóia da espionagem.  A escultura continha um grampo de rádio HF  com um novo design, na medida em que não possuía sua própria fonte de energia e não estava conectado por fios. Em vez disso, o dispositivo era ativado por um forte sinal de rádio do lado de fora, que o alimentava e ativava quando ele seria usado e só nesse momento. Fora isso o troço ficava passivo, mortinho. Essa engenhosa criação deu ao  grampo uma vida praticamente ilimitada e forneceu aos soviéticos a melhor inteligência possível até ali.

O grampo foi finalmente descoberto pelo Departamento de Estado dos EUA em 1952, só três embaixadores depois, durante o mandato de Amb. George F. Kennan.

Henry Cabot Lodge mostrando ‘The Thing’ nas Nações Unidas (ONU) em 26 de maio de 1960. Copyright John Rooney / AP

 

A descoberta se deu por simples acaso. Em 1951, um operador de rádio britânico estava monitorando o tráfego de rádio da força aérea russa, quando de repente, captou a voz do adido aéreo britânico que surgiu alto e claro. Imediatamente foi ordenada uma varredura, mas uma pesquisa na embaixada não revelou nenhum microfone oculto. Algo semelhante aconteceu com um interceptador americano em 1952, quando ele ouviu uma conversa que parecia vir da residência do embaixador na Spaso House. Após uma pesquisa pelo Departamento de Estado, o grampo foi finalmente descoberto por meio do chamado receptor de vídeo em cristal, enquanto os russos (que não sabiam da varredura) ativaram o grampo.

Escultura em madeira, atuando como ocultação para The Thing

O dispositivo estava escondido dentro da escultura de madeira atrás da mesa do embaixador e parecia um microfone cilíndrico com uma haste de antena conectada a ele. Pequenos orifícios na madeira sob o bico da águia guiavam o som para a membrana  grampo que estava montado logo atrás. Quando os russos souberam que uma reunião importante aconteceria, eles estacionaram uma van sem identificação nas proximidades da residência e emitiram o campo que ativava o grampo. Um receptor, sintonizado com a frequência ressonante do “bug”, foi usado para captar a conversa no escritório do embaixador.

Aí eles descobriram e fizeram sabe o que? Na hora, NADA.

A descoberta do  grampo foi mantida em segredo por muitos anos, até o incidente com o avião espião U-2 de 1960.

Talvez você saiba que no dia 1 de maio de 1960, os soviéticos abateram um avião espião americano U-2 sobre o espaço aéreo soviético, como resultado da qual a União Soviética bancou a santa e convocou uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, acusando os americanos de espionagem. No 4º dia da reunião, em 26 de maio de 1960, em uma tentativa de ilustrar ao conselho que a espionagem entre as duas nações era mútua, o embaixador americano na ONU, Henry Cabot Lodge, revelou o dispositivo de escuta russo , como mostrado na fotografia acima.

Foi um choque e um cala-boca nível novela das sete.

A organização “União Vladimir Lenin” , também conhecida como organização dos jovens pioneiros , era uma organização de jovens da União Soviética para crianças entre 10 e 15 anos, semelhante às organizações de escotismo do mundo ocidental. Por isso pegou super mal a escuta vinda deles.

Em algumas fontes do caso, sugere-se que o dispositivo tenha sido ativado não de uma van, mas de um prédio do outro lado da rua.

 

Como funciona

The thing é um chamado microfone de cavidade ressonante, que consiste em uma cavidade ressonante, combinada com um microfone condensador.

O diagrama abaixo mostra um ‘palpite’ da construção de The Thing, com base em vários relatórios e publicações. O dispositivo consiste em um cilindro de cobre com um interior banhado a prata altamente polido, que atua como uma cavidade ressonante de alto Q do tipo reentrante. No centro, há um disco ajustável em forma de cogumelo com uma superfície plana, atuando como um capacitor em combinação com uma membrana muito fina de 75 µm que fecha a extremidade aberta. Uma antena entra na cavidade através de um orifício isolado na lateral do cilindro e é acoplada capacitivamente.

A cavidade tem um diâmetro de 19,7 mm e um comprimento de 17,5 mm. A antena mede ~ 22,8 cm de comprimento (9 “). A membrana, ou diafragma , na frente do cilindro tem apenas 75 micrômetros de espessura (3 mil). O posto de ajuste pode ser ajustado para aumentar ou diminuir a capacidade do cogumelo. A face plana do cogumelo possui ranhuras usinadas para reduzir o amortecimento pneumático do diafragma.  De acordo com um relatório, a distância entre o cogumelo e o diafragma foi de 230 µm.

As dimensões da cavidade foram cuidadosamente escolhidas para que sejam ressonantes em uma frequência muito alta (por exemplo, 1320 MHz). Em seguida, é ativado, ou sai, por um forte sinal externo, como mostra a ilustração abaixo. Qualquer som na sala (fala) faz com que a membrana vibre, o que diminui e aumenta o espaço dentro da cavidade e também a capacidade entre a membrana e o cogumelo. Como resultado, o “bug” produz uma combinação de Modulação de Amplitude (AM) e Modulação de Freqüência (FM). Na prática, apenas o componente AM foi usado pelos russos.

Ativação e energização do grampo por um forte sinal de RF

Atualmente, não está claro qual era a frequência de ativação. Nos relatórios originais de investigação, sugere-se que a frequência de ativação fosse a mesma que a frequência de ressonância (ou seja, a frequência de saída). Embora isso represente restrições técnicas, como sobrecarga do receptor, este é até hoje o cenário mais provável. A sobrecarga do receptor poderia ser resolvida usando antenas direcionais (por exemplo, antenas helicoidais) e misturando parte do sinal transmitido com a entrada do receptor, a fim de cancelar o excesso de sinal. Os diagramas abaixo fornecem algumas sugestões úteis.

 

O problema da antena pode ser resolvido com eficiência, adicionando um circulador de 3 portas entre o transmissor e o receptor, conforme ilustrado no diagrama abaixo. O circulador garante que toda a energia de transmissão seja passada para a antena e que a energia retornada seja passada para o receptor.

Em teoria, também seria possível usar um sub-harmônico da frequência de ressonância como sinal de ativação. Tais sub-harmônicos costumam ser mais fáceis de gerar em alta potência e causam muito menos interferência entre o transmissor e o receptor. Tomemos, por exemplo, 440 MHz, que é 1/3 da frequência de ressonância do nosso exemplo acima. Nesse caso, a cavidade é usada como um triplicador.

No entanto, para que a cavidade gere o terceiro harmônico da frequência de excitação, ela deve ter propriedades não-lineares, como finas camadas oxidadas entre os contatos, semelhantes a um semicondutor (diodo) ou contatos soltos; nesse caso, a cavidade atua como um gerador de contato. Na situação dada, esse efeito é arbitrário, e seu comportamento seria difícil de prever e reproduzir. Portanto, é improvável que a cavidade ressonante russa tenha sido usada como um multiplicador.

O amortecimento pneumático também é conhecido como efeito de amortecimento .
Embora seja possível usar outros sub-harmônicos, o segundo e o terceiro sub-harmônicos são os candidatos mais prováveis, pois os metais oxidados podem facilmente gerar o segundo e o terceiro harmônicos do sinal de entrada.

A Invenção

O microfone de cavidade ressonante foi patenteado por Winfield Koch na RCA em 1941 . O grampo russo  The Thing foi criado por ninguém menos que Léon Theremin. Se o nome lhe parece familiar, é ele mesmo. O cara que inventou o instrumento musical que você toca sem encostar nem soprar nele.

Theremin demonstrando o Termenvox em dezembro de 1927. Copyright Bettmann, Corbis

Theremin é considerado um gênio, e nasceu em São Petersburgo (Rússia) como Lev Sergeyevich Termen (Лев Сергеевич Термен) Sua invenção mais famosa é o  Theremin, o instrumento musical que levou seu nome.

Theremin viveu nos Estados Unidos a partir de 1927, onde inclusive o instrumento theremin foi produzido pela RCA . Ele retornou à URSS inesperadamente em 1938, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial, depois de enfrentar problemas financeiros e fiscais na terra do Tio Sam.

Na URSS, Theremin foi preso, mas depois que os russos viram o potencial fabuloso do cara, ele foi colocado em trabalho forçado em um sharashka, um laboratório secreto no sistema de campos Gulag, junto com outros cientistas e engenheiros, todos detidos, como Andrei Tupolev e Sergei Korolev. Lá, ele desenvolveu o Buran (um microfone infravermelho),  o The Thing e vários outros dispositivos nível James Bond para o NKVD.

O fato é que nosso gênio eletrônico foi liberado de seus “favores” à União Soviétca no Gulag em 1947. Em 1956 ele estava totalmente “reabilitado” pelos soviéticos. Ele continuou trabalhando para o NKVD (então renomeado para: KGB ) até 1966. Foi professor no Conservatório de Música de Moscou e depois se tornou um professor de física na Universidade Estadual de Moscou. Após 51 anos na União Soviética, ele visitou a Europa pela primeira vez em 1989 e depois os Estados Unidos em 1991. No início de 1993, ele fez sua última apresentação na Holanda. Theremin morreria no final daquele mesmo ano em Moscou com 97 anos e muita história para contar.

Aqui você pode ler o arquivo da CIA sobre Leon Theremin

A patente norte-americana 223811 foi registrada em 14 de abril de 1941, com data prioritária em 30 de setembro de 1938. Como Theremin também trabalhava para a RCA e deixara os EUA no final de 1938, é possível que ele tivesse conhecimento da patente ao retornar para a União Soviética (URSS).

Teoria

O diagrama abaixo mostra o equivalente teórico do microfone de cavidade ressonante, que é basicamente um circuito sintonizado, consistindo em uma indutância e uma capacitância. Parte da capacitância é variável, pois é efetivamente um microfone. A antena é acoplada capacitivamente ao circuito sintonizado.

Diagrama de circuito equivalente do The Thing

Muito foi dito sobre o comprimento da antena do The Thing. Na investigação inicial do FBI, alega-se que o comprimento da antena é de 1½λ , enquanto um relatório posterior da CIA o especifica como ½λ . Alguns alegaram que deveria ser ¼λ para a frequência de saída e ¾λ para a frequência de saída. Também foi sugerido que é um comprimento de onda completo (1λ). Como o relatório técnico final do FBI e do NRL ainda não foi desclassificado, as informações abaixo são puramente especulativas.

Cálculo do comprimento da antena (média)

A tabela acima mostra as frequências de ressonância da antena, se assumirmos que a antena é ideal e 22,8 cm (9 “) de comprimento. Na prática, uma correção deve ser aplicada para compensar o chamado efeito final . Se assumirmos como esse fator de escala é de 0,9, isso nos dá uma frequência entre 1700 e 1800 MHz a 1½λ de comprimento da antena, o que está de acordo com os achados do Laboratório do FBI.

Descoberta da Casa Spaso

Desde o caso da Amerasia em 1945 , os EUA suspeitavam de “bugs” plantados nas embaixadas dos EUA no exterior, especialmente em Moscou. Embora alguns grampos tenham sido descobertos nas embaixadas dos EUA na Europa Oriental no final da década de 1940, nenhum foi encontrado em Moscou desde a Segunda Guerra Mundial, o que levava aos americanos a especular que ou os soviéticos eram muito cautelosos ou eram muito engenhosos. A história mostrou que a segunda afirmação que era a verdadeira.

No entanto, os diplomatas já especulavam que “os muros de Moscou tinham ouvidos”. As suspeitas só se tornariam certezas no outono de 1951, quando um oficial militar britânico que estava monitorando o tráfego de aeronaves militares russas, de repente ouviu a voz do adido aéreo britânico alto e claro em seu rádio.

O engenheiro Don Bailey, do Serviço Sem Fio Diplomático (DWS), foi enviado a Moscou para investigar o assunto, mas nenhum erro foi encontrado. Acredita-se que os russos foram avisados ​​e desligaram o dispositivo. No entanto, Bailey relatou a presença de fortes sinais de rádio RF quando o dispositivo estava em operação, o que levou os britânicos a acreditar que os russos (como eles mesmos) estavam tentando fazer algum tipo de dispositivo de ressonância em vez de um transmissor comum.

Pouco tempo depois, um oficial militar dos EUA teve uma experiência semelhante ao ouvir de repente uma conversa que parecia se originar do estudo do embaixador na Spaso House, residência do embaixador dos EUA em Moscou. O assunto foi investigado por John Ford e Joseph Bezjian, da equipe de segurança do Departamento de Estado, mas eles não encontraram nada, pois procuravam pela coisa errada, em parte porque tinham informações errôneas de onde poderia ter vindo a tal escuta.

Acontece que no início de 1952, depois que George Kennan foi nomeado novo embaixador dos EUA em Moscou, a Spaso House estava sendo reformada para ele e trabalhadores soviéticos foram contratados para realizar o trabalho. Logo, para um especialista em espionagem, estava claro que algum dos funcionários era o espião que plantou o “bug” na Spaso House.

 

Spaso House, a residência do embaixador dos EUA em Moscou.

Kennan estava tão certo de que a equipe de reforma tinha um “estranho no ninho” que passou a ordenar varreduras eletrônicas regulares. No entanto, repetidas inspeções técnicas de segurança não encontraram nada, pois sempre procuraram um dispositivo padrão. Em setembro de 1952, Joseph Bezjian retornou à Spaso House para uma pesquisa mais extensa. Como ele acreditava que os russos haviam removido as escutas antes da chegada da equipe de busca anterior, ele posou como um ‘hóspede da casa’ por três dias e teve seu equipamento enviado de varredura antes de sua chegada, como disfarce.

Em um plano pré-estabelecido, o embaixador ditou um pedaço de texto não classificado, enquanto Bezjian procurava nas instalações com seu receptor de vídeo em cristal. Usando esse receptor, ele finalmente conseguiu localizar a fonte da escuta no escritório do embaixador.

O cômodo às vezes era usado como sala de estar e, em 1947, como escritório temporário do Secretário de Estado Marshall, durante o Conselho de Ministros das Relações Exteriores em Moscou. Marshall preferiu trabalhar tranqüilo e gostou do arranjo casual dos móveis. É bem possível que os soviéticos tenham adquirido informações valiosas com a presença dele o dia inteiro diante da escuta.

Quando Bezjian inspecionou a sala em 10 de setembro de 1952, o sinal parecia vir da parede atrás da escultura em madeira do Grande Selo dos Estados Unidos em um canto da sala. Depois de tirar o selo da parede, o sinal desapareceu e Bezjian finalmente percebeu que o “bug” estava escondido dentro do próprio selo e que foi desativado remotamente do lado de fora do edifício.

Após uma inspeção cuidadosa da escultura em madeira, Bezjian descobriu que ela podia ser aberta e que o grampo estava montado em um espaço recortado dentro dela. Na primeira inspeção, a escuta se parecia com um microfone normal, com uma antena conectada a ele. Mas o incomum era que não tinha nenhum fio ou fonte de energia externa conectada a ele. Para evitar que fosse roubado, Bezjian dormiu com o dispositivo debaixo do travesseiro naquela noite.

Joseph Bezjian, também conhecido como ‘The Rug Merchant’, a pessoa que descobriu The Thing. Fotografia por Kevin Murray .

No dia seguinte, a misteriosa escuta espiã foi enviada para Washington, onde foi entregue ao FBI para uma investigação mais aprofundada . Inicialmente não estava claro como o dispositivo funcionava – ele não tinha nenhum componente ativo –  por isso foi apelidado de “A coisa”. O FBI enviou o dispositivo ao seu laboratório técnico onde foi inspecionado por pessoal da Seção de Rádio e Elétrica. As conclusões preliminares foram que ali estava uma verdadeira obra de arte. Ela era um microfone de cavidade ressonante, operando entre 1650 e 1800 MHz e que a antena tinha um comprimento de 1½λ.

Juntamente com o Laboratório de Pesquisa Naval (NRL) , o FBI posteriormente enviaria um relatório detalhado sobre “a coisa”, que foi compartilhado com outras agências.

O presidente Truman ordenou que o NRL desenvolvesse equipamentos de contra medidas que pudessem detectar e localizar ressonadores passivos de cavidade. Embora a Divisão de Serviços Técnicos do Gabinete de Segurança do Departamento de Estado (O: SY / T) tenha tido um grande número de funcionários em 1947, em 1961 a divisão tinha 15 engenheiros de SY. Entre 1948 e 1961, esses engenheiros de SY foram responsáveis ​​por mais de 95% de todos os dispositivos de escuta encontrados por todas as agências do governo dos EUA.

Um receptor de cristal-vídeo é um não-seletivo ou receptor aperiódico.

Na História oficial do Departamento de Segurança Diplomática do Departamento de Estado, afirma-se que a escuta  foi encontrado em 12 de setembro. No entanto, acreditamos que isso esteja incorreto, pois a descoberta já foi mencionada em um memorando interno do FBI de 11 de setembro. É mais provável que o dispositivo tenha sido descoberto no dia anterior ao memorando, em 10 de setembro de 1952.

Na mídia

Depois que os russos derrubaram um avião espião U-2 americano no espaço aéreo soviético em 1 de maio de 1960, um incidente que ficou conhecido como incidente U-2 de 1960, eles convocaram uma reunião do Conselho de Segurança nas Nações Unidas, alegando que os EUA os estavam espionando. Para demonstrar que a espionagem era mútua, os americanos decidiram divulgar o bug soviético, conhecido como The Thing, encontrado na residência do embaixador em Moscou, oito anos antes.

A revelação do dispositivo russo de alta tecnologia atraiu a atenção da imprensa internacional e ganhou as manchetes durante os próximos dias e semanas.

Logo depois que The Thing foi descoberto em Moscou, a Agência Central de Inteligência (CIA) foi informada sobre o assunto pelo FBI . Em 22 de setembro de 1952, por ordens especiais do Presidente dos EUA (POTUS), foi formado um Comitê Especial (SC) , composto pelos dois comitês de segurança interna do Conselho de Segurança Nacional (NSC) (isto é, a CII e o ICIS ) em colaboração. com a CIA , para examinar os problemas de segurança internos e externos causados ​​pelos microfones de cavidade ressonantes.

Durante a investigação do FBI, a CIA foi mantida informada sobre os últimos progressos do FBI, através das reuniões do SC . Isso significa que eles tiveram acesso aos resultados da investigação preliminar do FBI, bem como ao relatório final de 1 de dezembro de 1952.

Com base nessas informações, a CIA iniciou seu próprio projeto de pesquisa com o objetivo de desenvolver dispositivos de escuta baseados no princípio do microfone de cavidade ressonante. O projeto recebeu o codinome EASY CHAIR e foi amplamente realizado por um laboratório na Holanda, como David Wise menciona em seu livro Molehunt. Em setembro de 2015, a revista online holandesa De Correspondent revelou que a EASYCHAIR foi realizada no Laboratório de radar holandês (NRP) em Noordwijk. Entre 1955 e 1992, o NRP produziu uma ampla gama de dispositivos inovadores de escuta secreta (bugs) para a CIA, começando com o Easy Chair Mark 1, ou EC Mk 1, no final de 1955.

 

Contramedidas soviéticas

Sendo os primeiros usuários de microfones de cavidade ressonantes, os russos perceberam que, uma vez que os dispositivos fossem descobertos, eles seriam copiados pelas agências ocidentais e, mais cedo ou mais tarde, seriam usados ​​contra si mesmos. Os soviéticos, portanto, desenvolveram suas próprias contramedidas.

Um exemplo de um receptor russo de contramedidas desenvolvido especialmente para a detecção de microfones de cavidade ressonante é o OSOBNJAK 8 mostrado  aqui:

O dispositivo está alojado em uma maleta discreta e pode detectar fortes sinais de RF próximos entre 100 MHz e 12 GHz; os sinais normalmente usados ​​para ativar esses microfones.

 

 

Na maioria dos casos, será suficiente saber que existe um forte sinal de microondas, para que a reunião possa ser movida para um local diferente ou cancelada por completo. Em alguns casos, no entanto, a pessoa que recebeu o bug pode querer saber quem está ouvindo e de que local o feixe de ativação é enviado. A mala não é adequada para encontrar a direção .

Para encontrar a localização do sinal de ativação (o feixe), seria necessário um receptor aperiódico para a banda suspeita, além de uma antena com um ângulo de visão estreito.

Uma solução adequada foi o localizador de radar MRP-4 , desenvolvido pela companhia Tesla na Tchecoslováquia em 1972. Este dispositivo pode ser usado no peito, com as antenas voltadas para a frente. Embora originalmente desenvolvido para encontrar estações de radar, ele pode ser usado para localizar qualquer transmissor forte próximo. Além disso, ele pode ser usado para localizar transmissões pulsadas fracas de radares e dispositivos de escuta.

 

Localizador de radar na Checoslováquia MRP-4.

As antenas do MRP-4 têm um ângulo de visão muito estreito, geralmente entre 1 e 2 graus, facilitando a determinação da direção do transmissor. O dispositivo é adequado para a faixa de frequência de 1 a 10 GHz, dividida em quatro bandas. Dispositivos similares também foram desenvolvidos na URSS.

fonte, fonte, fonte

Comments

comments

Luminária Ufo

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Apoie este projeto

Criar este website não é uma tarefa fácil. Mais de 5000 artigos, mais de 100.000 comentários e conteúdo próprio, demandam muito trabalho. Saiba como você pode ajudar a manter o Mundo Gump cada vez melhor e evitar que ESTE SITE ACABE
Ajuda aí?
MUNDO GUMP – © 2006 – 2020 – Todos os direitos reservados.