Retrato falado – O incrível talento de Lois Gibson

Lois Gibson é uma artista forense que já chegou a figurar no livro dos Recordes como a artista forense com maior taxa de sucesso. Realmente, olhando as imagens de seus desenhos, feitos exclusivamente com os relatos das vítimas e /ou testemunhas de crimes com a foto dos criminosos presos, é surpreendente.

É interessante notar que Lois nunca vê o bandido. Ela faz o desenho apenas com as descrições, quase sempre vagas, que as vítimas fazem. Então, o grau de dificuldade é muito, infinitamente superior ao de um retrato. Isso porque é comum que as vitimas de crimes acabem sofrendo de amnésia pós-traumática e com a alta carga de adrenalina, raramente elas tem condições de guardar detalhes sutis do rostos de seus algozes. Sem falar que em muitos casos, os criminosos costumam mudar sua aparência com certa periodicidade, para tentar evitar investidas policiais.

Com toda a dificuldade deste trabalho, Lois já conseguiu ajudar a mandar para o xilindró mais de mil bandidos.

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

Retrato falado - O incrível talento de Lois Gibson

 

O site de Lois Gibson é este aqui

Related Post

5 comentários em “Retrato falado – O incrível talento de Lois Gibson”

      • kkkkk Mas eu acho que entra muito da sensibilidade mesmo da pessoa, algo mais do terreno da intuição…

        Mal comparando, é como algumas cartomantes/quiromantes, etc, conseguem “captar” algumas coisas.

        O prooprio Conan Doyle tinha habilidades de Sherlock Holmes (e que as vezes a Scotland Yar dutilisava) e o que da pra perceber pelos livros é que era uma capacidade que conjugava conhecimento mas também pura intuição/sensibilidade.

      • Eheheh puxa Philipe- mosquei feio aqui… É a leitura dinâmica. Se nós ficamos impressionados com a capacidade da artista, imagina então as vítimas.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares