O mistério do Haarp e o domínio da ionosfera

Longe dos olhos dos curiosos, no meio do frio onde os ventos são cortantes e existe a menor densidade demográfica do território dos Estados Unidos, encontra-se uma gigantesca estrutura governamental. É o Haarp. A área é restrita e ninguém não autorizado pode entrar e filmar ou fotografar o que acontece naquelas instalações, que olhando de fora, mais assemelham-se a um cenário de ficção científica dos anos 50. A sensação é que um cientista maluco vai saltar a qualquer momento com planos de dominar o mundo.

É difícil falar do Haarp sem incorrer no risco de ficar parecendo um doido, neurótico, cheio de delírios persecutórios. Isso geralmente ocorre porque vemos muitas vezes o Haarp aparecendo em sites que defendem as teorias mais diversas, como Illuminatis, controle do mundo por alienígenas reptilianos e mundos intraterrenos. Acho que isso é assim porque os Estados Unidos parecem se esforçar enormemente para ser o “país das teorias da conspiração”. Há no mundo poucos países tão conspiracionistas quanto os Estados Unidos. Basta pegar alguns livros de História para vermos um volume gigantesco de situações onde os Estados Unidos se envolveu em toda sorte de ações escabrosas e conspiratórias, tentando mudar governos, influir na política externa, gerando false flags para justificar atos de Guerra, entre um numero avassalador de outras coisas de arrepiar os cabelos. Em algum lugar aqui do blog eu fiz um pequeno apanhado de algumas conspirações americanas, formalmente reconhecidas que são parte da história do mundo moderno.

Nesse panorama, era de se esperar que um país que durante décadas tenha negado formalmente a existência de um complexo militar que tinha o peculiar apelido de Área 51, um lugar onde há uma placa que diz claramente que se você entrar, o Governo dos EUA legitimará o seu assassinato (algo no mínimo curioso para um lugar que durante décadas “não existia”), tivesse mais instalações concorrendo ao posto de “lugar mais conspiracionalmente bizarro da Terra”.

O Haarp – um dos lugares mais conspiracionalmente bizarros da Terra

Diferente da Área 51, que foi criada em 1955, as instalações do Harrp são relativamente modernas.

O haarp também tem "avisos" aos curiosos
O haarp também tem “avisos” aos curiosos

Ele começou a funcionar em 1993, e seu nome significa  “Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Frequência”,  e visa a compreender melhor o funcionamento das transmissões de ondas de rádio na faixa da ionosfera, que é a parte superior da atmosfera.

O que é a Ionosfera?

Imagine a terra como uma grande cebola, onde o planeta em que vivemos é o miolo da cebola. As camadas ao redor dessa cebola são várias. Assim, a Ionosfera é uma das últimas camadas da “cebola”.  A ionosfera é uma camada tão alta, que alguns satélites passeiam nela! Ela é tão alta, que não tem mais ar por lá, o que tem é tão, mas tão rarefeito, que nem se considera atmosfera.

ionosfera

 

Segundo a  Wikipedia, a ionosfera se localiza entre sessenta e mil quilômetros de altitude e é composta de íons, plasma ionosférico e, devido à sua composição, reflete ondas de rádio até aproximadamente 30 MHz. Uma característica curiosa da Ionosfera é que ela é mutante, sendo afetada por diferentes fatores e a ação solar é uma delas. A cada 11 anos, obedecendo ao Ciclo Solar, a densidade de elétrons e a composição da ionosfera sofre uma mudanças radical. Muitas vezes estas mudanças bloqueiam totalmente as comunicações em alta freqüência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Antenas do Haarp

Assim, o tal do Harrp  tem como objetivo principal ampliar o conhecimento obtido até hoje, sobre as propriedades físicas e elétricas da ionosfera terrestre. Há interesses diversos em conhecer melhor as propriedades da Ionosfera, o que poderia avançar a tecnologia de comunicações, localização e até controle do clima. Por isso o Haarp é uma iniciativa de parceria entre uma parceria entre a Força Aérea Americana, A Marinha dos Estados Unidos e também da Universidade do Alasca. Pelo menos essa é sua justificativa “oficial”. Mas… Sabe como que é, né? Há quem diga que os EUA nunca assumem suas verdadeiras intenções.

Sabe-se que para fazer suas medições e estudos, o Haarp envia blocos de ondas de rádio em alta frequência em direção à ionosfera, com o objetivo básico que aquecê-la.

haarp

É claro que a localização afastada do Haarp, por ser no Alasca, despertou suspeitas. Mas segundo dizem os especialistas, o local foi escolhido porque a ionosfera na antura do Alasca sofre muitas variações e seria propícia para ser estudada, além do fato de que o Alasca quasse não tem gente, e as antenas teriam menor risco de afetar outros aparelhos, além de não haver problemas como obliterações de sinal, sinais harmônicos e etc.

Seja desculpa ou não, achei uma justificativa plausível.

O que os caras realmente se interessam em estudar ali são as reflexões ionosféricas. Isso porque algumas frequências de ondas são muito bem refletidas de volta para a Terra. Uma das pesquisas que se desenvolve ali, seria usar essa característica para usar a ionosfera como uma superfície de reflexão, tal qual um espelho de rádio, que mandaria informações de volta para a Terra, o que dispensaria o uso de satélites, e isso representa uma brutal redução de custos para inúmeras áreas, principalmente a área de telecomunicações.  Mas a dificuldade dos caras é que a ionosfera não é estável como esperaríamos de uma “casca de cebola”. Imagine que ela é uma casca de cebola mutante que altera de forma e propriedades de tempos em tempos. Por exemplo, ela aumenta seu tamanho durante a noite, reduzindo sua densidade.

Esta é uma das poucas imagens conhecidas que mostra uma das salas do Haarp. As telas lembram as da Enterprise.
Esta é uma das poucas imagens conhecidas que mostra uma das salas do Haarp. As telas lembram as da Enterprise.

Como a ionosfera é a última casca da nossa cebola espacial, ela tá tão alta que nem o balão mais cabuloso chega nela. Assim, para poder estudar direito como as andas de radio funcionam com essa região quase espacial, eles usam as antenas do Haarp e bombardeiam a área em diferentes momentos e com diferentes características, épocas do ano, ângulos do planeta, frequências, intensidades  e tal… Com o resultado de reflexão dessas emissões, os cientistas conseguem “modelar” como está a ionosfera, aperfeiçoando as pesquisas.

Um fenômeno curioso ocorre quando o Haarp é ativado: O céu fica lilás, formando uma espécie de aurora boreal artificial, e a temperatura é aquecida a aproximadamente um grau sob a área ativada, o que é por si só um fenômeno impressionante, considerando a altura da camada da ionosfera.

Embora estações como o Haarp não sejam únicas (existe outra na Russia e também na Noruega) o povo começou a desconfiar que essas poderosas emissões de radiofrequência poderiam servir para mais que apenas aquecer a ionosfera. No início da “conspiração Haarp” era só um monte de suposições sem qualquer embasamento, mas a coisa ganhou outros contornos quando em 2002, o presidente da Russia Vladmir Putin (que nunca foi um fã dos EUA por diversas razões) jogou M* no ventilador:

"O Haarp é uma arma!"
“O Haarp é uma arma geofísica!”

Segundo Putin, o parlamento russo estava de posse de documentos sigilosos que afirmavam categoricamente que o governo dos EUA, por meio de seus órgãos secretos e de Defesa, estavam trabalhando no Haarp para que ele pudesse afetar o clima diretamente, e assim interferir em todo o planeta, a partir de pontos isolados.

A ideia parecia meio ficção científica. E para muitos não passa de balela e intriguinha global. Putin nunca disfarçou seu empenho de ferrar a moral (já capenga) do Tio Sam para outras potências, como a China, e alguns países do Leste Europeu, além da Coréia do Norte (que já sabemos como são).  Parte da Raiva do Puttin está relacionado ao conflituoso gasoduto europeu, que está no cerne dessa indisposição global que muitos analistas ja começam a chamar de “Nova Guerra Fria”.

De acordo com este relatório de um analista do FBI, os russos acusaram o HAARP  de ser mais que uma simples arma:

[…]

Estas conclusões foram feitas em declaração pela comissão de assuntos internacionais e Defesa (DUMA). Os comitês relataram que os EUA estão planejando testar três instalações deste tipo. Uma delas está localizada na área de testes militares localizada no Alasca e seus testes em escala real devem começar no início de 2003. O segundo é na Groenlândia e um terceiro na Noruega. 
 "Quando essas instalações na Noruega, Alsaka e Groelândia estiverem operacionais, um perímetro fechado será criado com um verdadeiramente fantástico potencial para influenciar integralmente o meio terrestre" disse a Duma.
 
   Os EUA planejam realizar experimentos científicos em larga escala com o programa HAARP, e se não forem controlados pela comunidade global, vão criar armas capazes de quebrar as comunicação de rádio e danificar equipamentos instalados em naves espaciais e foguetes, além de provocar acidentes graves em redes de eletricidade, oleodutos, gasodutos e terão um negativo impacto sobre a saúde mental das pessoas que povoam regiões inteiras. 
   Eles exigiram que uma proibição internacional seja imposta aos experimentos geofísicos. 
O apelo, assinado por 90 deputados russos, foi enviado ao presidente Vladimir Putin, que o leu nas Nações Unidas e para outras organizações internacionais, conclamando os parlamentos e os líderes dos países membros das Nações Unidas, centros de desenvolvimento científico e aos meios de comunicação de massa. 
Entre os que assinaram o recurso são Tatyana Astrakhankina, Nikolai Kharitonov, Yegor Ligachev, Sergei Reshulsky, Vitaly Sevastyanov, Viktor Cherepkov, Valentin Zorkaltsev e Alexei Mitrofanov.

 

Enraçado o Puttin meter a boca no mundo quando ele também tem um Haarp próprio em seu quintal, (pago pelo Departamento de Defesa soviético ) e que por acaso bombardeia a ionosfera com MUITO MAIOR POTÊNCIA que o Haarp. Os russos são os pioneiros nesse treco, o que deixa tudo muito mais estranho ainda. Iniciado nos anos 80, o Sura é capaz de irradiar cerca de 190 MW , potência aparente radiada (ERP) em ondas curtas.

De fato, segundo o relatório russo, que causou espanto, a Humanidade já havia passado por diferentes etapas de tecnologia bélica. Das armas brancas às armas de fogo, armas nucleareas, armas biológicas e finalmente, estaríamos perto das armas de destruição geofísica. Com elas, seria possível controlar placas tectônicas, temperatura atmosférica e até mesmo o nível de radiação que passa pela camada de ozônio.

E isso é assustador.

Claro que diante de tais declarações do governo russo, o mundo se polarizou. Metade levou à sério. A outra metade riu amarelo e fez piada, acusando em quem acredita nisso de ser “teórico da conspiração”.

Não tardou, todas as desgraças que aconteciam no planeta começaram a ser atribuídas a ação do Haarp. Por exemplo, o terremoto do Haiti.

Segundo o jornal “Vive” da Venezuela (rá!) afirma que teve acesso a documentos que comprovam a utilização do HAARP para “manipular a geofísica caribenha e ocasionar os terremotos”. O do Haiti causou a morte de mais de 100 mil pessoas.

Um colosso de antenas coberto de mistério
Um colosso de antenas coberto de mistério

Pessoalmente, vejo muito mais um uso de guerrilha nessas especulações do que outra coisa. Ora bolas, o Haiti – me desculpem os Haitianos pelo mal jeito aí – é insignificante para os EUA. É uma ilha pequena, cheia de gente pobre vivendo vidas miseráveis, em guerra civil… Por que diabos os EUA iam usar sua arma mortal no Haiti tendo a Coréia do Norte o tempo inteiro lá, pedindo para levar uma “toba”? Ou a própria Venezuela, inimiga declarada dos Estados Unidos e seu “demoníaco” capitalismo?

Não faz sentido, mas o povo torce a história, dizendo que esses terremotos, como o do chile, o Tsunami na ásia e tudo mais eram “avisos” do Tio Sam. Ah, tá. Aviso, né? Tipo os que eles nunca deram, nem quando jogaram bomba atômica no Japão.

Para esses caras, o Haarp funciona quase como um microondas gigante, que consegue fazer as placas tectônicas começarem a se mover, causando terremotos e tsunamis, afetando países inteiros, minando suas economias, dizimando concentrações populacionais e gerando instabilidade e insegurança aos “inimigos da América”.

Pausa pro merchã!!!

[wp_ad_camp_5] Há uma ampla gama de teorias conspiratórias, que podem até soar mesmo engraçadas ou no mínimo exageradas ao ponto do ridículo. Por exemplo, há sites aí que dizem que  o Haarp consegue controlar a mente das pessoas. O equipamento faria isso utilizando uma mescla de ondas de rádio com frequências sonoras afim de controlar a coletividade atingida, para que algum ideal fosse defendido ou algum governo rival fosse atacado. Enviando as informações para toda a população em frequências que não poderiam ser captadas por aparelhos, nem interceptadas, os Estados unidos fariam uma “lavagem cerebral” 2.0 em escala planetária.

Genial, hein? O problema é que a Venezuela e Coreia do Norte são provas cabais que se eles tentaram, deram com os Burros n´água.

É tão confuso e estranhamente fora de proposito este tipo de ideia, que chego a pensar se não seria uma contrainformação, com espiões americanos espalhando boatos sem pé nem cabeça afim de dar um ar “pitoresco” à história e assim ocultar a real finalidade do Haarp.

Mas qual finalidade seria essa? Comunicação com extraterrestres?

Sei lá. Há um volume grande de especulações, e não creio que seja comunicação com aliens. Antenas de comunicação espacial são diferentes, embora se me falassem que o Haarp é uma tentativa de fazer uma maquina para desabilitar a navegação dos veículos não terrestres que vagam por aí (UFOS), eu te juro que não duvidaria.

É especialmente interessante o fato de que o Haarp custa muito caro.  Sabe-se que ele é bilionário, mas os valores reais do projeto nunca foram revelados. Há especulações de que mais de 200 milhões de dólares sejam gastos por ano só com as antenas do HAARP, mas poderia ser ainda mais, já que não se conhece em detalhes a extensão total do projeto. Fuçando para este post, descobri que o financiamento do HAARP vinha aumentando em escala crescente, e aumentou de US $ 9 milhões por ano em 2010 para US $ 22 milhões em 2012.


 

Investigando o Haarp

 

Quem é ufólogo sabe que a pior pecha que podem jogar em você é de ser um “teórico da conspiração.” Essa alcunha pejorativa cola mais que chiclete que ficou no sol. Todo mundo que leva esse “selinho de qualidade” na testa passa a ser considerado por muitos como um imbecil-nerd-bizarro, também é chamado de “dodói” e outros belos adjetivos que não caberiam aqui.
Embora os “teóricos da conspiração” não sejam muito bem vistos (por razões muitas vezes compreensíveis) o lance começou a mudar de figura quando uma coisa que aconteceu nos corredores do Congresso dos EUA no dia 14 de maio de 2014 e que tem relação direta com o Haarp, considerado pelo povo “dodói” como um sistema de modificação do tempo.

No video abaixo, a senadora Lisa Murkowski (do partido republicano do Alasca) faz algumas perguntas incisivas sobre HAARP.

Então surge uma coisa interessante. No relatório “Força Aérea admite Controle do Clima via HAARP e Novas Tecnologias”, David Walker, Secretário Assistente da Força Aérea para a Ciência, Tecnologia e Engenharia, afirma com estupefaciante naturalidade que o trabalho da Marinha está centrado em…

“… Gestão da ionosfera, o que o HAARP foi realmente concebido para fazer, para injetar energia na ionosfera afim de ser capaz de realmente controlá-la …”

Uma coisa é seu amigo dodói metido a sabido te falar isso com um copo de chopp na mão. Outra é a AUTORIDADE assumir isso na cara-dura para a senadora. Como toda conspiração, o buraco fica mais estranho à medida em que a gente cava.

Deu merda?

Por alguma razão, pode ser que os caras do Haarp fizeram alguma merda. Não quero parecer um dodói de dizer isso, mas é que a conjuntura dos fatos leva a livre especulação. Veja, após enterrar montanhas e montanhas de dinheiro com carimbo secreto no Haarp, os americanos do nada resolvem desmantelá-lo. (estranhamente, após os espiões russos exporem a coisa como arma para o mundo, mas pulemos este detalhe)

Força Aérea dos EUA pretende desmantelar o programa de Pesquisa de Alta Frequência da Aurora Ativa (HAARP) em Gakona, Alaska, no verão de 2014!

Não há explicações para o plano de desmantelamento. Teria a inocente pesquisa chegado ao fim? Ou seria só uma nova fase, onde o Haarp centralizado será substituído por antenas móveis, descentralizando a localização da “arma”?

Não tardaram a surgir especulações que os EUA estão fabricando secretamente plataformas marítimas HAARP.

0510sbx4

xband-haarp-ship-navy-stock-photo

0510sbx1

 

As especulações dão conta que o Haarp passou a direcionar seus pulsos na ionosfera de modo a tê-los refletidos para a Terra. Esses pulsos de alta frequência seriam capazes de penetrar o solo e interagir com ele, induzindo vibração, que poderia desencadear terremotos.

Pessoalmente, não levo essa hipótese tão à sério. Não creio que tenhamos canhões de ondas tão poderosas capazes de ir lá na puta que pariu ionosfera, descer e ainda entrar na terra numa profundidade que alcance o manto. Não preciso lembrar que nem numa perfuração direta usando as mais avançadas tecnologias de  perfuração, numa área onde o solo já tem uma grande depressão a ciência humana não chegou nem perto do manto! Ondas de rádio vindas da ionosfera conseguiriam? E se conseguirem, o que já me parece inviável, será que elas podem mesmo disparar um terremoto?

No entanto, eu acredito muito nas chances disso ter virado uma arma. Pode ser sim uma arma, mas não na forma como estamos habituados a pensar em armas, para “acabar com o inimigo”. Isso é uma ideia primitiva. O que move o mundo hoje, e sempre moveu, é a porra do dinheiro. Por que os EUA atacaram o Iraque? Petróleo. Por que guerras, invasões, como a das Malvinas? Sim, dinheiro. A disputa por território está atrelada ao dinheiro. Os Estados dos países do mundo, querem dinheiro para poder garantir o bem estar de seus cidadão que financiam sua existência.

Imagine agora um país que poderia usar uma arma que afetasse o clima, controlando não só sua agricultura, mas sabotando a de nações rivais. Por exemplo, pensemos na commodity milho. Os EUA são o maior produtor mundial do grão (e tb o maior comprador). Vamos supor que surja um player no mundo que comece a ameaçar os EUA nessa área.  Bastaria um uso controlado do Haarp para gerar uma  estiagem sem precedentes, que afetaria diretamente toda a safra de milho de um país, abrindo um espaço de crescimento para o milho americano ganhar espaço. Assim, o Haarp seria sim uma arma, mas não de ação direta. Uma arma econômica.

É claro que isso é só um livre exercício de pensamento. Pode ser que o Haarp não seja nada disso.  O segredo com que eles tratam do assunto é o que força as especulações mais diversas, e mesmo que o Haarp não seja isso que acabo de dizer, tenho o prazer de lhe apresentar esta patente que é justamente um espelho ionosférico artificial composto por uma camada de plasma que pode ser inclinado, cuja descrição da patente diz:

4817495Defense system for discriminating between objects in space1989-04-04Drobot89/11.1
4712155Method and apparatus for creating an artificial electron cyclotron heating region of plasma1987-12-08Eastlund et al.361/231
4686605Method and apparatus for altering a region in the earth’s atmosphere, ionosphere, and/or magnetosphere1987-08-11Eastlund361/231
4253190Communications system using a mirror kept in outer space by electromagnetic radiation pressure1981-02-24Csonka455/12
3445844TRAPPED ELECTROMAGNETIC RADIATION COMMUNICATIONS SYSTEM1969-05-20Grossi et al.342/367

Viu o item 4686605 ali?

A modificação do clima não é uma novidade. Talvez até seja pra você, mas a verdade é que desde o tempo dos cowboys os americanos tentam controlar o tempo. Aliás, é bom comentar que eles tem verdadeira obsessão com o clima e é por isso que a previsão do tempo nos EUA é a mais avançada do mundo. Se bem que ao viver num país que é assolado por enchentes, nevascas, tufões, queimadas e o caramba a quatro, eu também seria.

Algumas das empresas de modificação do clima em operação hoje nos EUA:

http://www.wtwma.com

http://www.weathermodification.com

http://www.weathermodification.org/

http://www.just-clouds.com/

Você talvez se surpreenda ao ver um “gerador de bombardeio de nuvens” pela primeira vez:

flares_nawc

 

Estranhão, né? Olha este outro “semador de nuvens”:

cng_nawc

 

Não faço ideia de como essas tecnologias operem, mas é curioso ver os norte-americanos com ciosas assim e a gente aqui fazendo novena pra chover em São Paulo…

Uma arma ou um sistema de defesa contra o congelamento global?

Os caras que curtem uma conspiração, gostam muito de pintar o Harrp como uma arma maléfica para a dominação do planeta, mas até que ponto essa tecnologia não poderia guardar também uma pesquisa que visa algo muito importante, que é defender áreas da Terra do congelamento? Vamos lembrar que uma coisa que o Harrp já faz é esquentar a temperatura na área justamente abaixo da região onde ele é ativado.

Parece estranho falar em congelamento do planeta em plena era de “apocalipse do aquecimento global”, mas essas coisas do planeta são estranhas. E bizarramente o aquecimento global pode estar associado ao resfriamento global.

Olhando análises climatológicas em camadas geológicas, é possível saber como variou o clima da Terra ao longo dos anos, desde o tempo dos Dinossauros e até antes. Ao longo dos últimos 400.000 anos, o planeta experimentou condições de Eras Glaciais, pontuadas por breves intervalos mais quentes a cada cerca de 100.000 anos. Estes períodos mais quentes, chamados de “interglaciais”, duram tipicamente cerca de 10 mil anos. Nossa atual era interglacial começou há cerca de 11.000 anos atrás. Se o clima do nosso planeta é afetado por fatores cíclicos, como a alteração na atividade solar periódica, é possível estejamos na beira de um novo período glacial. A atividade solar está mostrando atualmente uma tendência de resfriamento de longo prazo. 2009 teve a irradiância solar mais baixa em mais de um século. Pode ser só uma curiosidade, ou um sinal. Prever a atividade solar futura é impossível.
Veja o grafico que mostra a estabilidade dos períodos glaciais:
O mistério do Haarp e o domínio da ionosfera
Seria só coincidência essa incrível regularidade? Há quem pense que sim.
Eu penso que é regular demais para ser coincidência. As mudanças na órbita da Terra fazem com que menos luz do sol (insolação) atinja o Hemisfério Norte durante o verão. A calota polar do norte derrete menos durante o verão e gradualmente vai crescendo ao longo de milhares de anos. Isso aumenta o albedo da Terra, o que amplifica o resfriamento, fazendo com que a calota polar aumente ainda mais. Este processo dura por cerca de 10 a 20 mil anos, trazendo o planeta a uma Era Glacial. NO entanto, as emissões de CO2 humanas crescentes poderão ajudar a retardar esse processo cíclico em alguns milhares de anos. O problema é que o aquecimento global também pode acelerar as coisas de um outro jeito. O aquecimento global nada mais é do que o aumento da temperatura média da Terra, causada, em partes, pelos gases do efeito estufa. Esses gases funcionam como uma barreira para o calor gerado pelos raios solares, não deixando que seja dispersado no espaço. Os raios solares entram, aquecem a Terra e essa radiação deveria ser devolvida ao espaço, mas os gases acabam por manter o calor na atmosfera.

Os maiores regulador do nosso clima são os oceanos, a água mais quente tende a subir e a mais fria tende a descer, fazendo uma espécie de corrente reguladora, que mantém a temperatura global regulada.As calotas polares são formadas por água doce, que são menos densas que a água salgada dos oceanos, portanto, essa água não afunda, mesmo sendo mais fria. Até ai não parece muito problemático, mas se pensarmos que a água quente deveria ficar mais próxima da superfície e a água gelada deveria descer, começamos a ver que o buraco é muito mais embaixo.
Esse despejamento de água doce gelada em alta quantidade pode fazer com que a superfície do mar se torne mais gelada do que deveria e dependendo da quantidade pode parar a corrente que regula a temperatura na Terra.

As Eras Glaciais ocorrem a cada 100.000 anos e uma era glacial seria mais do que suficiente para extinguir a vida na Terra, porém, estudos mostram que entre as Eras Glaciais, houveram períodos longos de congelamento global, que poderiam nos levar a uma exterminação, também, ou pelo menos mudanças drásticas em como nossa sociedade é estruturada.
Um dos possíveis motivos para essas mini-Eras Glaciais poderia ser o fim ou uma grande diminuição desta corrente que faz a regulagem da temperatura Global. Com o derretimento das calotas polares a Terra começaria a esfriar, bastante, principalmente nas regiões próximas aos Círculos Polares. Esses processos já começaram a ocorrer e, estima-se, que dentro de 50 a 100 anos o processo de congelamento global pode começar, uma vez que a corrente reguladora, já apresenta sinais claros de diminuição de velocidade…

Isso é tudo especulação.

É importante lembrar que eu não sou dono da verdade. Tudo isso, ou uma parte bastante significativa, é especulação pura e pode ser só um monte de besteira, dados errados e tal. Não estou aqui pra te convencer de nada. Há grandes chances de que o real interesse do Pentágono do Haarp seja porque ele poderia ser usado para localizar submarinos no fundo do mar, minas terrestres e até instalações secretas militares dentro de montanhas ou no subsolo “raso”, como as centrais nucelares do Irã. Documentos oficiais vazados do programa dizem que ele poderia também interferir na navegação de mísseis intercontinentais, através de processos que gerariam “cegueira” ao míssil, atrapalhando-o a acertar o alvo ou mesmo destruindo-o. Só isso ja bastaria para o Pentágono dar uma chance à esta pesquisa. Mas armas de criar terremotos? Acho que não.

Seja como for, investigando para este post, descobri que um dos principais pesquisadores do Haarp, um cientista chamado Alfred Wong, foi indiciado por fraude. O cara foi um dos responsáveis por conseguir o financiamento para a instalação junto a centros de pesquisa, congressistas e o próprio pentágono. E para todos eles, Wong prometeu mundos e fundos. Eis que anos depois, Wong concordou em pagar cerca de US $ 1,7 milhão em danos por corrupção e desvio de verbas ao Darpa e Departamento do Interior. Ele também se declarou culpado de uma série de acusações de fraude. Entre notas frias, malandragens de todo tipo, mentiras e uma dose cavalar de picaretagem, o cientista conseguiu uma nota preta e gastou boa parte da verba desviada de forma bem mundana, incluindo até viagens a Paris pagas com dinheiro de pesquisa…

Assim, é curioso que uma instalação com tamanha vocação para uma Area 51 acabe mais parecida com as instituições de um certo país aí da América do Sul onde tudo funciona na base do “faz-me rir”.

 

fonte fonte fonte

Related Post

16 comentários em “O mistério do Haarp e o domínio da ionosfera”

  1. Não precisamos de HAARP nenhum aqui no Brasil, pois vários estados já tem convênio com a Fundação Cacique Cobra Coral, que faz chover quando quer.

    É só ver no site:

    http://www.fccc.org.br/convenios.asp

  2. Adorei ler um pouco sobre o sistema de regulação de calor da Terra! Acho todo esse sistema muito lindo e complexo; com vários fatores interdependentes que nos deixam perdidos até hoje.
    Aliás, eu gostaria muito de ler mais a respeito, especialmente no que se refere ao controle climático desempenhado pelos oceanos.
    É muita coisa! Conveyor Belt, atividade biológica (que abre espaço para falar sobre fertilização oceânica e alteração climática pontual), sistema carbonato nos oceanos (e como isso altera o pH das águas e inverte todo o ciclo de aquecimento/resfriamento), escapes de clatrato… Enfim, daria um post muito denso, mas aposto que que você desenvolveria muito bem!

  3. Uma vez que a natureza americana é muito difîcil (furacoes, tornados, neve, enchentes), acho muito natural que tentem controlá-la.

    ——–

    Quando assisti Transcendance, o lugar no deserto q aparece no filme me lembrou o Haarp.

  4. Um conhecimento mínimo sobre rádio (frequências, comprimentos de onda, propagação, etc) já basta pra descartar essas fantasias todas. Nem vou tentar explicar, pois ficaria chato pra caralho, mas, cara, essas teorias da conspiração não tem pé, nem cabeça, nem cérebro!

    Quanto às fotos dos radares marítimos de Banda X (Microondas, de 3.75 a 2.5cm), realmente são muito bonitas, mas só isso. Como você mesmo já disse, a Ionosfera costuma refletir ondas em frequências na faixa de 30MHz (HF, com comprimento de onda de 10 METROS). Sentiu a ligeira diferença métrica da bagaça?

  5. Não sei se conhece, mas há um projeto de dois russos, o Global Energy Transmission, cuja a meta é transmitir eletricidade sem fio. Ele pretendem construir uma versão moderna da torre de Tesla.
    http://globalenergytransmission.com/index.php/en/welcome-to-the-future

  6. Cabe lembrar que Tesla teria feito experiêcias bem sucedidas com um “indutor de micro-terremotos”. A intenção dele era provocar pequenas movimentações sismícas, evitando grandes terremotos, mas quando descobriu o interesse militar em sua invenção, desmontou-a e destruiu as anotações. Ele mesmo admite isso em sua biografia.

  7. O HAARP não é misterioso, porque não há nenhum segredo de que é um grande laboratório para pesquisas com ondas na atmosfera. Os mistérios estão nos resultados destas pesquisas (igual a tantos outros laboratórios que não publicam seus resultados), que poderão ser utilizados para os mais variados fins. Claro que o interesse financeiro irá determinar os usos que serão feitos destes resultados, da mesma forma que determinam nas outras pesquisas. E não há dúvidas de que, se o HAARP servir de arma, será usado para defender os interesses de quem financiar seu uso (não necessariamente interesses do povo dos Estados Unidos).

  8. Felipe, seu site é ótimo!
    Quanto a sua matéria, eu espero que você minimize nos achismos quando aborda ciência. Se o Haarp é um gerador ressonante, ele pode interferir no planeta inteiro. Ondas eletromagnéticas não são sistemas mecânicos como uma broca como dito em sua comparação.
    Esses sistemas podem fazer coisas que estão alem da nossa imaginação quando consideramos detalhes e parâmetros sob a luz da Física

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares