9 Comentários

  1. Marcus Barbosa

    Ainda não li… só vim pra manifestar minha alegria ao ver aquele “tempo de leitura: 35 minutos”.

    Continue assim, Philipe!!

    Jajá eu volto pra dar minha opinião sobre o texto… hehe

    Responder
  2. Thiago chipset Andrey Ferreira

    A parada das estrelas achei meio forçado. O negocio nos olhos é realmente sinistro, trabalho de gênio dos gênios ou mesmo milagre, vai saber.
    Agora essa lua parece mais um chifrão nervoso que o anjinho que sustenta o resto da imagem tem na cabeça.

    A propósito, ninguém analisou a íris do anjo? Vai que tá refletida ali a criação toda?

    Responder
  3. BEZALEL

    Com certeza mais uma vez comprovada a famosa citação de William Shakespeare ” existem mais mistérios entre o céu e a terra do que julga nossa vã filosofia”!
    Em tempo: li tudo p a u s a d a m e n t e! MMMMMUito bem explicadinho. Parabéns!

    Responder
  4. Daniel Costa

    Estória interessante tipo “Gugu Liberato” hehehehe. Mas sinto dizer que todas as “teorias” que explicam o fato foram refutadas. Não existe prova científica de nada. E a igreja nunca permitiu um estudo independente do fato. Os que fizeram os tais testes apesar de as vezes nem serem católicos, podem ser comprados com algo mais valioso que a fé, o dinheiro. João Paulo II era conhecido como Papa Pop e fazia de tudo para faturar uns fies para a igreja, inclusive canonizar um índio que não se tinha nem prova que já existiu, nem um ossinho dele sequer para contar a estória. O bispo Juan na época assumiu publicamente que não existiam milagres na era moderna e a divulgação da imagem e da estória só aconteceu depois da sua morte. Primeiramente a imagem foi atribuída a uma divindade asteca até “virar” uma santa católica por influência do clero. Outra, não existe tecnologia eficiente para detectar imagens da formam que eles afirmam, nem em fotos de alta resolução isso é possível, eles se valem da pareidolia para iludir os crentes. Na imagem maior pode-se ver que a dita imagem de um homem é formada pelo próprio tecido. Quanto a técnica é totalmente normal e comum na pintura usar a regra de ouro, isso é o beabá dos designers desde o Egito antigo. Essa arte de “fazer santos” com feições indígenas é comum em toda a América colonial espanhola. Eu mesmo já testemunhei obras de arte desse tipo em igrejas seculares do Peru. Todas elas muito restritas pela igreja, onde não se permitem fotos e luz artificial. O mais interessante desse imagem e que ninguém percebe é que o anjinho tem asas de arara kkkk muito criativo. Abraços.

    Responder
  5. Alitiane

    Fantástico!!! Concordo com um comentário acima deveria se analisar também os olhos do anjo.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.