Minha aventura no assalto (combo)

Compartilhe

Eu voltava da escola e estava num ônibus.
Engraçado como num lotação, os lugares com janela são os primeiros a acabar. Eu entrei e ali estava um belo lugar na janela. Quando vi, sentou um sujeito mal-encarado do meu lado.
Imediatamente o meu “sentido aranha” começou a apitar alerta vermelho.
Eu estava acuado no canto da parede. O cara já sentado ao meu lado limitava meu acesso ao corredor.
Eu comecei a me sentir como um antílope africano meio bolado, vendo algo amarelo rastejando atrás de uma moita próxima. O problema dos antílopes é que els só correm quando tem certeza absoluta de que estão fodidos. É estranho dizer isso, mas nós, os humanos, os metidos da cadeia alimentar, aqueles que julgam terem sido feitos “a imagem e semelhança de Deus” tem EXATAMENTE o comportamento do mais besta e retardado antílope do Serengetti.

O sujeito não tirava aquele olhão comprido de cima do meu relógio e eu comecei a ficar bolado.
Algo dentro do meu ser me dizia:
– Você vai ser assaltado, seu burro. Fuja!
Eu relutei. Pensei: Será que não estou sendo preconceituoso? Será que o cara não é apenas um cidadão de bem que não teve condições de se vestir direito, fazer a barba direito? E essa cicatriz medonha no meio da cara dele? Será que não foi um acidente de trabalho? Um acidente quando ele era criança?
Será que estou com preconceito pelo fato do cara ter uma cara de ladrão?

O próprio sujeito estranho interrompeu meus pensamentos com a frase que parecia dizer tudo:

– Que horas são, playboy?

– Senti um calafrio. A voz dentro da minha cabeça berrava sem parar que eu iria ser assaltado. Antes de respondê-lo, numa fração de segundos meu cérebro começou a maquinar a razão daquela pergunta. Comecei a pensar… A aquela devia ser uma pergunta retórica do bandido.

Veja a que ponto chegamos. Bandidos requintados ao ponto de gerar perguntas retóricas para que suas vítimas dessem uma última olhada no bem antes de vê-lo trocar, assim deliberadamente, de mãos.

O hiato que se seguiu à pergunta do “Escadinha” já estava ficando incômodo. Eu tinha que dizer alguma coisa.

– São cinco e dez. – Eu disse apressado. E levantei de imediato, me antecipando ao provável bote. Fingi ver um parente na rua e gritei pela janela do ônibus:
– Marquinho! Me espera!
Eu sei lá quem diabos é o tal do “Marquinho”! Deve ser amigo do Harakiri.

Mas sei que eu levantei e saí atropelando o sujeito que não fez nenhum esforço em me deixar passar. Eu meio que pulei as pernas dele e ganhei o corredor.
Levantei e corri lá pra frente. Desci do ônibus com a sensação de alívio e prazer que só um antílope que escapa das garras dos guepardos se dá ao direito de sentir.

Continuei andando para casa. A descida prematura do busum me fez andar uma caminhada gigante a pé.
Eu fui tranqüilamente, me sentindo o ás da malandragem carioca.
E então comecei a pensar se o cara não era mesmo um trabalhador que só queria saber as horas. Que garantias eu tinha de que aquilo era um assalto?
Teria eu sido uma vítima de meu próprio preconceito racial-socio-cultural? O cara naturalmente sentiu que eu amarelei. Que eu fugi. E se ele não fosse um assaltante? Como deve ser uma merda sentir-se uma ameaça social. Comecei a sofrer por ter feito o pobre trabalhador sentir-se um bandido. Fiquei ali, andando e pensando, sobre os negros e a situação escrota do preconceito racial e social do Brasil.
Senti uma coisa espetando minhas costas. E pra meu espanto, a frase que ouvi no pé do ouvido me fez tremer de cagaço:

Passa o relógio. – Disse a voz. Por um segundo eu vi um filme na minha cabeça. O cara ia mesmo me assaltar. Ele viu que eu tentei fugir e abortou o assalto. Resolveu recuperar o elemento surpresa e desceu um ponto depois. Distraído eu nem vi que ele resolveu me pegar pelas costas.

Quando olhei para trás, de rabo de olho, vi que não era o tal cara. Era um outro. Bem mais novo. Mais novo do que eu. Mas também com a maior pinta de marginal que você pode imaginar. E o pior, estava armado.
As pessoas na rua passavam e fingiam não ver o que acontecia ali, em plena luz do dia.
O cara estava com um canivete.
Eu não tinha outra saída senão apelar mais uma vez para o “Efeito Gump”.
Efeito Gump é o que acontece comigo numa situação de forte estress emocional. Nestas situações bizarras, eu fico calmo e não raro, personifico os mais estranhos personagens. E neste dia, o cara deu o azar da vida dele. *Eu personifiquei o evangélico mais evangelista que você já viu. Nem o Edir Macêdo, Bispo Soares, Silas Malafaia se comparavam ao CAÔ que eu mandei no cara.
Foi uma coisa mais ou menos assim:

-Cê quer o relógio?
-Passa. Passa o relógio ou eu te furo.
-Calma. Não precisa roubar o relógio, meu irmão. eu te DOU o relógio de presente. Você quer?
– Quero. Dá aí. Dá aí.
– Então, Irmão… Sabe porque eu tenho este relógio?
– Dá logo porra.
– (fingindo não me intimidar com o canivete todo enferrujado) Eu era um ladrão.
– Tu era ladrão?
– Era. Eu era ladrão e um dia precisei sacar o “berro” e atirei num cara. Mas ele não morreu. Ele apontou a arma pra mim e…
– E o que?
– Atirou, porra. – disse eu dando aquele tapinha de amigo no braço do meliante. Ele abaixou o canivete.
– Porra ele atirou? E acertou?
– Acertou, irmão. Bem aqui ó. – Disse eu levantando a blusa e apontando um lugar qualquer onde não se via porra nenhuma, afinal, nunca levei tiro na vida. E continuei: – Tá vendo a cicatriz?
-Tô, tô… – Então a bala entrou aqui e saiu nas costas.
– Caralho.
– Pois é, irmão. E o pior não é isso.
– Tu foi pro hospital?
– Fui, mas o pior aconteceu depois.
– Aconteceu o quê?
– Meu irmão, eu vi uma luz. Era uma luz branca. Que surgiu assim, ó. Pá! Na minha frente. E então eu vi uma coisa. Não vou dizer que era santo, nem que era espírito. Mas apareceu uma forma ali na luz e eu senti que estava liberto. Que não era a hora de morrer.
Quando eu abri o olho, eu já tava num hospital. Pensei que tivesse morrido.
A enfermeira falou que tinha morrido mas voltei.
– Puta merda!
– Quando eu voltei, estava livre meu irmão. Eu olhei meu rosto no espelho e vi que Deus em pessoa tinha me libertado. Ele mandou eu voltar. E só depois que eu descobri o porque.
– Por que? – Todo curioso o moleque.
– Porque eu tinha que libertar as pessoas.
– Libertar?
– É, irmão. Quanta gente você conhece que tá na merda? Roubando, cheirando, fumando, matando? Uma porrada, né? Então. Esses.
– Tu é crente?
– Não.
– Ué. Não?
– Não. Deus não precisa dessas coisas de igreja, de culto, de bandinha, nem terno e nem Bíblia. Deus precisa sabe do quê?
– Hã?
– Do seu compromisso. Da sua alma. Não é santo, não é banda, não é construção que vai te dar isso. Conseguir isso é a coisa mais difícil. Mas não é impossível.
Veja você por exemplo. Tu já ia me assaltar. Ia pegar o relógio, né? Eu sei cara. Eu entendo. Você acha que resolveu roubar meu relógio atôa? Logo eu? No meio de tanta gente? Olha o tamanho da cidade. Olha em volta.
Você acha que isso acontece assim, do nada?
Irmão, você foi mandando pra falar comigo. O relógio, quem me mandou usar foi Deus. O relógio é só uma isca. Você veio. Se veio, é porque Deus quer ver você liberto.
Cê quer se libertar?
-… Quero. Acho que sim.
– Irmão, presta atenção. Isso que eu vou te falar é importante. Deus te dá a chance. Ele não muda você. Ele pode fazer isso. Ele fez isso comigo. Mas ele não quer impor sua mudança. Ele quer que VOCÊ (apontando no peito dele, bem no coração) mude. Ele quer que VOCÊ saia da vida que você entrou, mas saia com as suas pernas. Esta é a chance. Pode ser que não haja outra.
-… – O moleque bolado.
– Joga fora essa merda. – Eu disse. Agora num tom mais autoritário, como que revestido do poder de Deus.
E para meu espanto, o moleque jogou a porra do canivete no canteiro.
– Agora fecha os olhos. Fecha os olhos e concentra. Você vai fazer uma conexão. Uma ligação com Deus.
Sei lá o que me deu para falar aquilo, mas eu peguei no braço do cara. Ele ali, de olho fechado eu orei com ele. E quando eu vi eu já tava falando no ouvido dele.
– Aceita Jesus.
– Eu aceito.
-Aceita Jesus, porra!
– Eu aceito.
– Agora! ( eu dei um grito) Aceitaaaaa! – O moleque caiu de joelhos. Ele chorava.
Para meu mais absoluto espanto, eu havia convertido o meu primeiro fiel.
Conversamos um pouco sobre música, sobre esportes e ele foi embora, todo agradecido. Ele morava no bairro do Coelho em São Gonçalo.
Antes dele ir, eu falei que ele deveria entrar para uma igreja. Eu não ia dizer qual. Todas as igrejas são de Deus. Mas que Deus apontaria a igreja certa pra ele.
E fui embora.
Com o meu relógio.
Menos um bandido no mundo. *

Ok, ok. Eu admito. Tudo que está entre os * eu inventei. Não consegui me conter e a aventura real virou um conto.
O fato real é que o cara era mesmo mais novo que eu e realmente estava com um canivete enferrujado apontado pra mim.
Eu comecei a falar com ele que aquilo ia “dar merda” pro lado dele e tal. Falei que ele não sabia de quem eu era filho. Que ele ia se dar mal. Meio que num tom de ameaça no estilo “quem avisa amigo é”.
E ele amarelou. Foi só isso. Ele deve ter pensado que eu era filho de polícia ou pior, de bandido e desistiu do assalto. Eu acabei conversando com ele e ele me contou que era de São Gonçalo, do bairro Coelho (um bairro barra-pesada, ao que parece). Paguei uma coca-cola pro cara e batemos papo por algum tempo. Aquele era o segundo assalto dele.
Ele não me roubou e eu fui pra casa.
Mas a parte inventada é bem mais legal, né?
Gostei deste post combo aventura-conto. Parece até piada do Costinha, que no meio da piada ele contava outra.

36 comentários em “Minha aventura no assalto (combo)”

  1. Haahahaha que legal! encontrei seu blog por acaso, mas pode ter certeza que estarei sempre por aqui! adorei o conteudo. Parabéns!

    E espero ter sorte assim com os meliantes. :p

  2. Cara seus contos são fod….

    Achei seu blog sem querer um dia desses nem lembro como, mas sei que viciei e to aqui todos os dias!!

    Show de bola….e vê se não fica sem postar que nem aquela vez que ficou 2 ou 3 dias!

    Abraços.

  3. Hahhahha eu já tava achando vc o maior gump da história, me fez até lembrar um amigo que fazia umas dessas… em briga ou qualquer outra coisa, ele inventava uma história, e com a cara de mongo que ele tinha conseguia acalmar todo mundo!!!
    Essa história foi muito boa!!!

  4. cara, sou batista, não gosto quando usam o nome de jesus ou a religião ( e ai pode ser qualquer uma) pra fazer piada ou entretenimento. Sei que Os neopentecostais estragaram a reputação dos crentes tradicionais. E sei que é dificil quem é de fora acreditar que agente é crete por que quer e não poquer sofremos lavagem celebral. Enfim, pra nos Jesus é uma realidade, e por mais que para quem não é , isso não passe de um nome mitologico, agride um pouco para quem acredita (“aceita jesus Porra!”). Gosto muito do blogo, todo dia venho aqui, não é nenhuma perseguição , só uma pedido pra evitar, se possivel, De mim,um espectador do blog fiel.

  5. Calma, Leo. A Igreja Batista é super séria. E eu respeito muito.
    O Felipe (bonito nome cara) tem sua parcela de razão. Eu concordo que pode soar agressivo o termo “aceita Jesus, porra!”, para alguém que coloca Jesus acima de todas as coisas. Isso é religião, e religião é uma questão de foro íntimo. Não se discute.

    Eu tiraria com prazer qualquer menção a Jesus no meu post se ele fosse algum demérito à figura de Cristo. Mas se você ler o texto com atenção, verá que o texto na verdade é uma história de libertação. Existe uma leitura possível ali que está para além do óbvio. Veja, na história, um descrente (supostamente eu, o narrador) se acha genial por iludir um ladrão a acreditar numa suposta libertação do mundo do crime. Para isso, ele usa termos do universo daquele cara e “quando vê, está falando coisas que nem mesmo ele acredita” para o bandido. E o bandido é realmente liberto.
    Aí eu pergunto: Era ele mesmo?
    Este texto poderia ser visto num ponto de vista religioso como uma representação do poder de Deus operando realmente para libertar o bandido, mesmo que para isso tenha que usar um descrente naquele processo.
    Pra mim, tudo é um mistério. Até mesmo como uma idéia dessas me invade do nada. Será que este texto também não foi uma inspiração de Deus? Será que as reflexões contidas neste texto não podem acabar libertando alguém que lê este blog?
    E neste caso, teria Deus usado a minha mente para atingir alguém, mesmo que para isso tivesse que usar expressões extremas, mesmo sabendo que isso possa agredir alguém?
    Tudo isso é um mistério da fé.
    E se eu seguisse seu conselho e começasse a censurar qualquer relação ao divino e a Deus nos meus posts, se eles forem mesmo inspirados pelo próprio Deus, eu não estaria indo contra os objetivos do Senhor?
    Vaja, as questões são sempre bem mais complexas do que parecem.

  6. Gump, vc se superou-se a todos os seus contos que vc mesmo escreve 😉

    Rolei de rir aqui, e é claro que veio a pergunta da minha mãe: “Que é isso menino? Tá doido é?”

    Ahh, e qto ao brotha Filipe, nós todos sabemos q vc não curte religião, mas que respeita pra caramba o querido JC. Então, não vejo o “aceita Jesus, porra!” como uma coisa ruim não. Mas a reclamação dele é válida né…

  7. Sei não mas desconfio que tudo no poste é meio GUMP heuheuehe

    Nem louco que consiguiria manter uma conversa com um bandido, ia levar tiro na primeira palavra.
    e pensar que um dia de tão puto que estava com o assalto xinguei o bandido e sorte que ele não escutou :P( detalhe que ele estava na minha frente)

  8. Evandro, que é Gump é. Tudo neste blog está aqui porque é meio Gump. Agora, se você quer dizer que acha que é inventado, então errou. Como eu disse, apenas uma parte do texto é inventada.
    Veja, eu tinha uma série de elementos ao meu favor que me davam vantagem estratégica suficiente para “negociar” com o assaltante. O maior deles era o fato de que o garoto era moleque e inexperiente. Outro é que era o segundo assalto do maluquinho. Sem habilidade ele acabou me deixando falar. E também ele estava tentando um assalto muito longe da área dele. Isso o deixou em desvantagem psicológica. Como eu acenei com uma possibilidade de ser ligado a grupos extremistas que poderiam matá-lo facilmente (traficantes ou policiais) ele acabou amarelando e abriu o canal de comunicação comigo. Resumindo eu deixei a siutuação tão estressante que ele apelou para a boa e velha saída diplomática.
    Eu explorei esta vulnerabilidade dele. Pra mim era jogo fazer com que ele se sentisse meu amigo, pois estava saindo de uma situação de vítima. Pra ele, também, porque ele sentiu-se fazendo uma grande merda. Sentiu que corria algum risco e a amizade poderia tirá-lo dessa suposta roubada (que só existiu na cabeça dele).
    Então foi um caso que deu certo. Poderia ter dado merda se o cara fosse local e mais experiente. Mas na hora, a gente reage por instinto. Nem pensa nas conseqüências.

    Conversar com bandidos nem sempre é uma boa idéia. Muitas vezes o cara pode estar drogado. E aí a coisa pode ficar pior. Cada caso é um caso. No dia do assalto no busum, o cara encostou a arma na minha cintura e eu fiquei quietinho. Pianinho. POrque eu senti que o clima tava pesado (e pesou ainda mais quando o cara disparou os quatro tirambaços na minha direção)

    No dia que eu enfrentei o flanelinha minutos antes do ano novo, ali eu me arrisquei a me ferrar mesmo. Quem me conhece sabe que eu sou pirado e faço essas coisas de Eddie Murphy. Muitas vezes a coisa fica realmente inacreditável. E este é precisamente o motivo pelo qual eu criei este blog.

  9. Nossa, acabei encontrando este blog sem querer. Procurando algo sobre algo sobre peixes abissais. *.* Achei o que queria aqui, achei bem interessante! xD
    Vi a parte do “Gump” e decidi dar mais uma olhadinha no blog. Eu tinha começado a ler umas 14h15 e tô terminando agora às 18h46 O_O :wow:
    Li muitas histórias [umas 11, não sei], mas não foi o blog todo. Só sei que eu ADOREI as que eu li, :love: e com certeza irei ler mais, hein!

    Mas tipo, eu li muitos comentários dizendo que você devia fazer um livro e tal. Cara, eu concordo com todos que disseram isso :B tu escreve muito bem textos!
    Fazer um livro com umas 150 págs. contando essas e muitas outras loucuras da sua vida ia dar uma bela grana, 😛

    Beijão e continue sempre assim! ;**
    OBS: Sim, ganhou mais uma fã :love:

  10. Nossa Duds !!!

    Eu tb comecei a ver esse blog por causa da porra dos peixes de alta profundide !!
    OBS: Sim, ganhou mais uma fã +1

    HSAHHSHASHAHSAHSHAHS ‘

    Nhaa mto louca a história inventada.

    Uma vez eu tb fui assaltada soh qe foi bem mais foda: eu tentei conversa com o cara e o degraçado meteu uma bala na minha perna e levou minha bolsa. Graças a ele eu tomei um tiro e perdi o mp3, meu celular, minha carteira e a chave da minha casa !!
    Vc teve mta sorte.

  11. Cara… as suas habilidades de escrita são fantásticas realmente. Sei que você escuta isso direto, mas tens um grande talento realmente.

    Mas o que mais me causou admiração nessa sua “Empreitada GUMP” foi a sua “joke in joke”. Mas o que me surpreendeu foi a forma de sua escrita desse fato. Eu me considero um cristão protestante (gosto do termo “protestante” porque sou bem crítico ^^ )e em nenhum momento notei uma afronta a Cristo na sua fala. Mesmo com o “porra”. Sua fala foi muito profunda. Creio que você foi usado por Deus e falou de uma forma que me assustou por você não ser um “religioso” (ainda bem!).

    Mesmo com uma crítica um pouco subentendida, o mais importante é a fala do personagem com o bandido acerca do compromisso. Um pensamento assim não surge do nada. Foi inspirado. Poucas vezes lí uma fala com tanta simplicidade e similaridade com os princípios cristãos básicos.

    Não quero dar uma de pregador que soca uma Bíblia na cara do primeiro sujeito que conhece. Mas aproxime-se mais do Cristo Jesus da Bíblia e do evangelho pleno, puro e simples (desculpe minha sinceridade). Esqueça essa malucagem neopentecostal de hoje, ela me envergonha profundamente. Interessante que antes mesmo de ler esse seu texto, já havia algo na minha mente que dizia que você possui um conhecimento de Deus superior a muitos. Hoje tirei a prova dos 9.

    Um abraço e continue nos fazendo gargalhar!

    (Gostaria de conversar com você por e-mail, se for possível)

    • Seria um prazer, Israel. Mas não podemos colocar os neopentecostais todos no mesmo barco. Existem religiões sérias e realmente comprometidas com a filosofia cristã, como a assembléia de Deus, por exemplo.
      Eu não sou o que se pode chamar de religioso. Embora eu critique duramente certas papagaiadas religiosas criadas para subtrair dinheiro do próximo e obter cada vez mais poder, reconheço totalmente a validade de muita coisa da filosofia cristã (mas que não se limita ao cristianismo apenas). Amar e respeitar o outro, por exemplo. Bem antes de Jesus Nascer, Confúcio já dizia isso.
      Estaria Confúcio sendo “usado”? Isso nos leva a refletir sobre muita coisa. Terá a mensagem divina uma ausência total de fronteiras?

      • Obrigado pela resposta Philipe.

        Concordo com você plenamente, existem muitos cristãos sérios realmente. Mas quando digo neopentecostais eu falo dos pentecostais de 30 anos pra cá. A Assembléia de Deus se encaixa nos pentecostais históricos, e esse grupo realmente é sério. Conheço muita gente séria de lá.

        Sempre gosto de pensar da máxima de Marx que “A Religião é o ópio do povo”. Realmente o é. Mesmo Marx sendo um ateu e,segundo alguns, ocultista, ele conseguiu resumir a situação da religião que cega ao invés de trazer a luz.

        Quanto a Confúcio e tantos outros pensadores antes de Cristo, concordo que eles podem ter sido inspirados por Deus. Mas o problema reside no dizer que o homem para alcançar sua redenção de alma precisa de fazer o bem tão somente. Certas doutrinas que possuem um antropocentrismo no seu interior acabam muitas vezes por afastar o homem de Deus ao inves de aproximar.

        Mas são muitos os mistérios nessa Terra. Nunca conseguiremos nesse plano alcançar a resposta para eles.

        Um abraço!

  12. porra eu tava acreditando…
    lol
    mt boa essa
    “Eu personifiquei o evangélico mais evangelista que você já viu. Nem o Edir Macêdo, Bispo Soares, Silas Malafaia se comparavam ao CAÔ que eu mandei no cara…”
    hehehe

  13. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk muito boa

    Imagina se o bandido ler esse post e reconhecer a sua foto? Será que vai ficar putissimo e correr atrás de você que nem boneco chuck? kkkkkkkk

    Quem dera que ele começou a estudar ne?

  14. Eu não sei se dou risada do conto que eu estava acreditando ou de vc realmente ter falado com ladrão e ainda beberem coca juntos, surreal cara.
    vc eh massa kkkkkk
    blog muito bom

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.