• Piantino

    isso ai philipe! nunca deve se compactuar com filhadaputice

  • Sinatra

    Vejo que nesta questão pesa o fato de que a ética e a moral religiosas não precisam passar pelo crivo da razão e isto, convencionalmente, não se questiona: seja pela crença inabalável de que o plano religioso constitui-se em esfera existencial superior às nossas questões mundanas (única na qual se aplicaria a razão do mundo material – inferior), seja pelo receio de, ao se tentar minimamente racionalizar um fato de íntima ligação religiosa, causar contragosto naqueles que crêem – motivo pelo qual você mesmo, como católico, teve que ressalvar este ponto em negrito e sublinhado ao final da publicação.
    Dentro desta visão de mundo, em que os parâmetros do que é correto não precisam ser balizados por uma relação de causa e consequência material – real -, fica fácil elaborar sofismas nos quais a ação de “purificar” estas almas pelo sofrimento para que se “desincumbam de seus pecados” e atinjam seu “lugar no paraíso” é uma atitude correta. Não há necessidade de prova, basta crer que é assim e “assim será”. Louvar o sofrimento humano como um sinal de acensão ao “plano superior” se torna lógico dentro desta sistemática, ainda que esta seja desprovida de lastros na realidade do mundo (afinal, a realidade espiritual não é a mesma da realidade do mundo em que vivemos, não é?).
    É por isso que se tornaria “justificável” um Jihadista cometer atrocidades, tais quais as quais este grupo diuturnamente pratica, em nome de uma lógica religiosa abstrata na qual esta é a ação boa e correta, emanada de uma entidade de condição existencial superior. O que a Madre fez foi algo similar do ponto de vista lógico, ainda que muito diverso do ponto de vista das consequências materiais. 70 virgens no paraíso. Expurgo dos pecados para estar ao lado de Jesus; muda a roupagem, não o conceito.
    Não duvido nada que a Madre acreditasse piamente e de maneira inquestionável, em sua própria consciência, de que o que ela fazia era o mais correto, o melhor, o bem à luz de sua visão de mundo. Talvez ela mesma se enxergasse como santa ao ver as dimensões tomadas por sua obra, numa espécie de êxtase do “fim justificam os meios”.

    • cloverfield

      Muito bem colocado.

    • Leonardo

      Sinatra,

      Leia “A Ciência da Cruz”, de Edith Stein. Religião não precisa ser irracional e nem o “Deus das lacunas da ciência”. Aliás, o cristianismo herdou toda a filosofia clássica. O problema é a preguiça e a vontade de filosofar narcisisticamente ao invés de realmente entender e aprender o que está sendo proposto, para além da nossa maneira de pensar.

  • Paulo Cesar Santos Pinto

    Pois é, o Vaticanso sempre foi craque nisso, Anchieta, Padre Cicero, Madre Teresa e por ai vai…..quando as estatisticas ficam desfavoraveis, a Sacro Santa Igreja Apostólica Romana cria seus factóides.Assim foi em Fatima, Guadalupe e uma série de outras mais.!

  • Bruno Longo

    Interessante que me lembrou um documentário que tava passando no History (acho) sobre uns santos aleatórios do México, como a Santa Muerte e Juan soldado. Só não serão canonizados, né? kkkk

  • Ramón Rodrigues

    Texto muito tenso, mas ainda bem que foi a visão de católico, imagina se eu, evangélico, ouso dizer a décima parte disso tudo aí?

  • Eduardo Candido

    Porra, cara, quanto ódio.

  • rparello

    Sou católico e também sou contra essa canonização. Sempre ouvi essas histórias sobre Madre Teresa, mas nunca soube se eram verdadeiras. Diante da sua pesquisa, fontes, fatos e argumentos, isso me parece ainda mais ser a verdade nua e crua.

    A igreja católica está numa procura incessante por “santos dos novos tempos” e isso tem criado esse tipo de santo. Lamentável.

  • Bartolomeu Zegna

    Você leu meus pensamentos, estava lendo sobre isso esses dias.

    Assim disse Bartolomeu Zegna!

  • Alarico Caiser Soze

    Com uma boa doação, a igreja católica canoniza até o diabo. Falando sério agora, nesse elenco de santos canonizados da igreja católica tem santos verdadeiros e muita tranqueira misturados. Por isso a igreja, e lamentavelmente as religiões em geral, perdem adeptos dia a dia, e o ateísmo cresce, é uma reação natural, as pessoas não serão idiotas para sempre. O problema aí é confundir religião com a ligação com Deus, que existe independentemente de religião formal.

  • Jhonathan Vieira

    Isso aqui eu chamo de texto bem fundamentado, não aquelas coisas vergonhosas dos “sites especializados”

  • Tabu .

    Eu já tinha assistido um documentário revelando as tramoias dessa velha safada aí.
    O “engraçado” é que em vários hospitais tem um quadro dela. Imagine o cara estar bem doente em uma cama num hospital e ter um quadro do “anjo da morte” olhando pra ele, isso faz é o cara se sentir pior kkkk

  • Hermínio Neto

    Hitches odeia todos que acreditam em Deus, ele não tem isenção pra falar desses assuntos.

    • dal_zotto

      Exatamente este texto tá cheio de propaganda anticatólica nada que já não tenha visto em um monte de blog de ateuzinho

  • Leandro C. da Silva

    Texto muito bom!!! Faça um na mesma linha sobre o lado infernal de Gandhi!

  • Leonardo

    Que lindo! Gente que nunca ofereceu um copo de água pra um mendigo patrulhando a caridade alheia.

    Philipe, acho saudável se dispor a averiguar com desconfiança as coisas que francamente não conhecemos, mas você não acha que aqui você deixou de aplicar, contra as informações que registrou, a mesma desconfiança que aplicou contra a madre?

    Os abrigos eram ruins? Certo, que bom que houve quem se preocupasse em melhorar os locais! O fato de um número inimaginável de pessoas que não tinham onde caírem mortas serem atendidas ainda era (e é) muito, mas muito melhor do que não haver nada. Não vejo como uma crítica a esse ponto deva ser outra coisa senão construtiva, ainda mais quando não estivemos nos locais pra conhecer as condições e demandas de atendimentos, o que é uma dinâmica sempre complicada. Ela não foi uma ativista política? Certo, mas quem devia exigir que ela o fosse? Já velhinha ela aceitou um lugar confortável em um avião e só depois pegou um ônibus? Putz, e daí?! Ela deu todo o dinheiro pra Igreja? Nossa, que mulher gananciosa! Todo mundo sabe que a Igreja católica gera sofrimentos indizíveis com o maior número de orfanatos e órgãos de caridade no mundo… E o pior: ela confortava o sofrimento das pessoas ensinando-as a doutrina da “ciência da cruz” e isso é sadismo?! Tudo bem, se ela efetivamente negou aliviar a dor das pessoas isso é um erro, mas nós podemos acusá-la facilmente de ter feito e imposto isso? É muito fácil confundir a ideia de que é possível unir os seus sofrimentos aos sofrimentos de Cristo com uma ideia de sadismo ou masoquismo, não me parece responsável tratar desse tema tão levianamente. A mim, realmente parece malicioso deixar de fora a verdadeira ideia católica de sofrimento nesse assunto para uma acusação que perverte obras de misericórdia corporais tão maiores do que nós já sonhamos em fazer.

    Não vou colocar a minha mão no fogo por nada, mas reduzir a nada o que é muito mais do que nós fazemos é hipócrita. É um texto irresponsável, Philipe, e espero que a sua desconfiança saudável das coisas não o cegue a ponto de se tornar inimigo até mesmo de iniciativas positivas. Não há bondade no mundo que não possa ser acusada de hipocrisia, mas desconfiança por desconfiança é uma escolha que nos torna responsáveis por ficarmos sem coisa alguma e nem oferecemos algo no lugar.