GNOMON no Brasil!

O The Union, o evento de computação gráfica que rolou ontem foi sensacional, e quem não foi perdeu! Muito, muito maneiro mesmo. Eu não fazia ideia da grandiosidade da parada até entrar no auditório e me deparar com uma lotação esgotada. Foi ótimo reencontrar um monte de amigos que eu não via há muito tempo.
GNOMON no Brasil!
Mas a melhor notícia do dia que até ontem era segredo de estado, mas que alguns poucos estavam sabendo desde o ano passado é que a Gnomon e a Saga irão abrir uma escola nos moldes da Gnomon no Brasil. (quem é do ramo sabe o que isso significa)
O melhor de tudo é que o gênio do design conceitual Neville Page, designer chefe de personagens de Avatar, Tron: o Legado e Star Trek, está envolvido no projeto diretamente.

Veja a Notícia do site da Super Interessante:

Hollywood está vindo ao Brasil. A Saga (School of Art, Game and Animation), maior rede de escolas digitais do país, anunciou durante o The Union, encontro internacional de computação gráfica que promove nesta terça (15), uma parceria com a hollywoodiana Gnomom School of Visual Effects.

“Fechamos uma sociedade para abrirmos uma escola juntos. Será a primeira escola internacional de arte digital e efeitos visuais na América do Sul”, anunciou Alessandro Bomfim, fundador da Saga. A nova escola, que deve ser inaugurada no primeiro trimestre de 2012, ainda não tem lugar definido. “A Gnomon está vindo fazer avaliações técnicas para definir a cidade. A ideia é receber o Brasil inteiro e, por que não, a América do Sul. Queremos ver qual local atenderá melhor as necessidades dos jovens que virão”, explicou.

Alessandro tem esta parceria como um grande triunfo porque, segundo ele, a escola americana recebe propostas todos os meses, de diversos países, e esta é a primeira vez que aceitam. Alex Alvarez, fundador da Gnomon, explicou o motivo: “Vemos que existem muitas escolas de artes, mas elas se importam mais com o dinheiro do que com a qualidade. A Saga é a primeira que realmente tem uma relação com os alunos. Na América do Sul, poucos jovens têm a chance de estudar numa boa escola se não tiverem dinheiro suficiente”.

Ambas as escolas continuarão a existir. A parceria criará uma nova, voltada para “os melhores dos melhores” artistas do mercado. “A Gnomon tem 350 alunos, a Saga tem 4 mil. A nova escola também terá um número pequeno de alunos que passarão por um processo seletivo feito pela Gnomon”, explicou o brasileiro. A escola americana também dará suporte para melhorar a qualidade de todas as escolas da Saga pelo Brasil.

O formato da escola também ainda não foi definido. “O certo é que pegaremos os melhores cursos da Gnomon e o adaptaremos ao mercado brasileiro. Eles tem 90% de empregabilidade. Vamos manter isto e trazer cursos que se adaptem e fomentem a industria nacional para que possamos competir com grandes indústrias como a Índia e a China e, quem sabe, atingirmos o nível de qualidade de Hollywood”, disse Alessandro.

Professores brasileiros já estão sendo treinados pela escola americana, mas profissionais americanos também deverão vir para cá. “O Neville Page [designer chefe de personagens de Avatar, Tron: o Legado e Star Trek], por exemplo, virá para fechar projetos de turma e módulos do curso”, completa Alessandro.

E não, ainda não se sabe quanto custará para estudar nessa nova escola, nem se ela deverá ser um curso universitário ou livre. Alessandro mostrou interesse em torná-la uma graduação. “O objetivo não é que o mais rico estude lá, mas sim o mais talentoso. Sendo uma graduação universitária, daremos chance ao aluno de buscar ajuda no governo”, disse ele.

O evento The Union, realizado no WTC em São Paulo, trouxe para o Brasil grandes nomes da computação gráfica como Neil Huxley e Neville Page (Avatar) e Stefano Dubay (Homem de Ferro e o Incrível Hulk) para contar experiências e apresentar criações.

Os caras da Gnomon dos EUA falaram abertamente que se impressionam muito com a qualidade dos artistas brasileiros lá fora e nada mais lógico que vir buscar esses gênios na fonte. Embora a grande maioria veja nisso uma chance de trabalho além-mar, aqui no Brasil estamos passando por uma fase importante de maturação artística-técnica e mercadológica que expandirá muito o mercado que consome este segmento de design no Brasil. A vinda da Gnomon para o país poderá injetar gás nos investidores estrangeiros para também abrirem suas sedes por aqui, como a Massive Black, que sondou, sondou, planejou, anunciou e não veio ainda.
A grande vantagem de algo assim aqui é que com a orientação dos especialistas de Hollywood, o nível técnico dos brasileiros poderá subir muito e isso afetará diversos segmentos, como o mercado de produtos de efeitos especiais, o de materiais de arte, games, a qualidade dos curta-metragens e também os longas nacionais.

Infelizmente eu não pude ficar até o fim do The Union, porque meu vôo saía lá de Guarulhos bem na hora do rush.
O local onde a Saga-Gnomon será instalada ainda é um mistério – que obviamente – poucos felizardos sabem, hahaha. No fim, foi uma noite sensacional onde todos saíram ganhando, sobretudo os artistas nacionais.

15 comentários em “GNOMON no Brasil!”

  1. A Saga é uma piada como escola.
    Eu me matriculei no curso basico dela no ano passado na unidade Tatuapé.
    O que eles ensinam da para aprender facilmente sozinho com tutoriais pela internet.
    É 1 hora de aula, sendo que 15 minutos é explicação, 30 minutos é 4fun e 15 min é tempo para fazer os exercicios. O que é uma merda, eu pago por 1 hora de aula e não por meia hora de aula. Eles colocam os computadores em gabinetes bonitos e diferentes para poderem falar que eles só tem maquinas de ultima geração, sendo que eles usam processadores lançados há uns 4 anos. Muito triste isso. É bom para um leigo total, mas para quem realmente quer aprender algo UTIL, não serve pra muita coisa.

    Ainda bem que eu consegui ver que era uma merda o curso e zarpei logo no primeiro mês.

    Responder
    • Cara, eu não posso dizer nada porque nunca estudei lá, mas o bom senso me diz que a Saga é muito grande. Como qualquer rede de ensino que cresceu muito, você está sujeito a ter problemas em algumas unidades. Eu penso que no seu caso, como você fazia os exercícios rapido demais, sobrava tempo sem fazer nada. Isso indica que você estava num padrão acima do da sua turma, que devia ser de nivel mais basico. O certo seria a escola detectar isso e adaptar o conteúdo pra você ou te trocar de turma. Mas se você não reclamou, eles não poderiam adivinhar sua necessidade. Se você reclamou, e não surtiu efeito, fez bem em sair. O certo é a gente exigir um curso de qualidade, qualquer coisa fora da qualidade é enganação e pagar pra se enganar é ridículo.
      Sobre a questão dos computadores, isso é uma coisa perfeitamente normal, cara. Não sei se você já fez algum outro curso de 3d, mas todos em que eu trabalhei dando aulas eram cacarecos velhos. Com a taxa de obsolência tecnologica é absolutamnenbte impossível uma empresa se manter na crista da onda. Logo, se as maquinas que vc estava usando tinham cerca de 4 anos, provavelmente eram de quando a unidade abriu, e neste caso, durante algum tempo, eles estiveram no topo. Só que há uma ideia completamente boba de que para mexer no 3d você precisa estar com o equipamento de última geração. Nem preciso dizer que isso é uma ideia tosca, porque o poder de processamento só vai te ajudar a fazer as coisas mais rápido, e nada além disso. Como num curso o que se faz é trabalhar no sistema e não render, qualquer maquina mediana serve muito bem para o cara aprender. Não tenho nenhuma razão pra defender a Saga ou qualquer outra empresa, mas se serve de consolo, nem no Projac os caras trabalham com o último grito da moda em processadores.

      Responder
    • Provavelmente o que fez conosco foi oficina somente, pois nossos cursos tem durações maiores do que somente uma hora de aula e somente pelos módulos da para ver que não ensinamos o que qualquer um pode aprender, mesmo porque se pudessem, a Saga não exisitiria e não teríamos diversos exemplos de alunos nossos que estão trabalhando para grandes empresas como a Disney e Pixar.

      Responder
  2. Ok, eu tenho uma dúvida: eu “mexo” (com as aspas eu quero dizer que fuço, pra aprender) com 3D, mas pra quem curte isso, qual seria a faculdade a fazer?
    Computação gráfica tem várias áreas, mas até hoje não sei qual é a que é mais centrada em 3D.

    Responder
    • Tudo depende o que você pretende fazer profissionalmente. Para trabalhar com 3d uma faculdade não é um pré-requisito, mas é algo que agrega muito valor.
      Poucos cursos realmente vão dar alguma abordagem relacionada ao 3d. O que eles fazem é focar em questões que serão importantes depois, quando você souber como fazer as coisas em 3d e isso fica por sua conta – eu sempre recomendo “fuçar”. Pq eu sou o maior fuçador da paróquia, hahaha.
      Por exemplo, se você pretende trabalhar com efeitos visuais, não tenho duvida que o melhor seria belas artes e/ou cinema, que vão te dar uma compreensão excelenete de tecnicas artistiscas, questões volumetricas, background histórico e no caso da faculdade de cinema, escolas cinematograficas, fotografia, bitolas, planos, produção, roteiro, storyboard, etc…
      Já existem cursos de pós-graduação em 3d. Tem um que me parece legal na Veiga de Almeida, no Rio. Aí o foco é 3d mesmo, e seu objetivo pratico (além de muita, muita teoria) é fazer um projeto. No final você já sai dali com uma coisa forte no portfolio.

      Responder
    • Pra se sincero você aprederá somento o basico em faculdade, estou lhe contando isso por que  acabo de me graduar como tecnologo em jogos digitais, mas antes de fazer o modulo de modelagem 3d ( que começou no 4 periodo) ja havia 3 anos que já utilizava o 3ds max.
      um conselho de profissional da area de jogos, caso ainda esteja pensando em qual ferramenta trabalhar, escolha o Maya, ele é tão bom quanto o 3ds max, porem existe mais material de pesquisa e cursos aula na internet do que para 3ds max, apesar do mesmo ter um site que recomendo para todos que queram ingressar na vida usando 3ds max que é o http://www.tresd1.com.br.

      Responder
      • Achar que o diploma é garantia de qualquer coisa é inocência. Ajuda, te mostra os caminhos, mas como o Roger bem disse, não espere que o curso faça as coisas para você. Quer aprender arte para games? Comece aprender 3d HOJE, mesmo sabendo que só vai ver isso lá no quarto período.
        Quanto a programa, há muitos bons. E tem um monte de merda. Fique entre o MAx, Maya e XSI, pois há uma grande chance da empresa que no futuro te contratar usar um deles. Isso aumenta suas chances, pois pode reduzir sua curva de aprendizagem. EU recomendo você tentar mexer nos três, para ver com qual se adapta melhor. Se você compreender os conceitos basicos, aprenderá a pensar 3d e verá que migrar de um para o outro ficará mais fácil. Quanto a tutoriais, o Roger mandou mal dizendo que tem mais tutorial de maya. Isso é papo furado. Tem tutorial PARA CARALHO de MAX e XSI. Tanto quanto de maya.
        Se seu objetivo é ir lá pra fora, se você tem uma estratégia, tipo “quero trabalhar na blizzard”. Você pode verificar que software eles usam lá (a dica é polhar na seção de jobs dos foruns de arte 3d. Eles indicam os softwares de preferência nos anuncios) e focar neles.

        Responder
  3. O unico curso da Saga que realmente tiro o chapeu e o Sinapse, e serio e de respeito, fiz e recomendo

    De resto nao sei, mas o Start nao e tao agradavel assim

    O fato e que com essa uniao, eles vao ter que se aprumar
    E essa escola da Gnomon sera em Florianopolis(e o que tudo indica)

    Responder
  4. Verdade o que o Marcio disse, a saga apesar da boa aparencia dela, não é a melhor do mercado, para falar a verdade esta bem longe de ser a melhor do mercado, existem muitas outras acima da saga.

    Responder
    • Como eu sou auto-didata, não posso dizer qual é a melhor do mercado, mas posso contribuir com uma impressão que tive conversando com meu irmão, que estudou artes digitais nos EUA.
      Quando uma empresa de padrão nacional como a Gnomon se forma, surgem alunos do mundo inteiro. Com uma oferta enorme de alunos para estudar na Gnomon, a empresa pode se dar ao luxo de selecionar os mais preparados. É como medicina em universidade federal aqui. Assim, a percepção que temos de fora é que essas empresas pegam os caras e fazem eles ficarem fodas. Isso
      é MENTIRA. As empresas pegam os caras já fodas e turbinam o talento deles. Só isso.
      No Brasil esta demanda profissional é praticamente inexistente, de tão incipiente. Com isso, sobram vagas, não há disputa. Grande parte dos nosso talentos dão no pé muito cedo lá pra fora.
      EU acho que as pessoas devem ser livres para buscar o que é melhor para elas, mas esse lance de ficar querendo apontar qual é a melhor do mercado é uma discussão tão insossa quanto dizer qual o melhor programa.
      No mundo real, não muda absolutamente porra nenhuma dizer que estudou na Saga, na Gnomon, na T&T, enfim. O cara vai olhar seu portfolio. Se for o mais foda, você entra. Se não, não entra. É simples assim. O aluno tem que ter o discernimento de entender que ele está estudando PRA ELE, não pra agradar o papi, a mamãe, a titia. E se o cara acha que a escola não está dando um suporte que deveria, tem mais que picar a mula. Se nada for bom o suficiente, que estude sozinho.

      Responder
  5. Sinceramente se a gnomon abriar realmente uma filial aqui, ainda sim prefiro pagar 81 mil dolares para cursa lá do que pagar 50 mil reais e cursar aqui, não é preconceito, mas tudo que é nome leva um tempo para se aprumar, e não pretendo correr o risco.

    Responder
    • Eu creio que este tipo de decisão compete a cada um. Se você pode investir 81 mil para estudar no exterior e nada te impede, vai fundo. MAs você precisa lembrar que o mundo não gira a nossa volta, e enquanto vc pode gastar isso, muita gente não pode. E se todo mundo pensar assim, não haverá alunos, sem alunos, não haverá cobrança e sem cobrança a qualidade decai.
      O que eu penso é: Se a empresa se propõe a dar qualidade Gnomon aqui, o aluno tem que cobrar, tem que exigir a qualidade que lhe foi prometida. E se a empresa não cumprir com isso, a questão passa a ser uma desavença comercial onde o alinuno poderá requerer a devolução do dinheiro.

      Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares