12 Comentários

  1. Thiago chipset Andrey Ferreira

    tá legal… mas é ruim que eu já não teria dado um jeito de abrir o geodo hein.

    Até agora não sabemos ao certo do que é a historia. Aliens? Fantasmas?
    Acho que esses carinhas vão acabar é se matando sem que apareça nenhum outro perigo em potencial.

    Responder
  2. Renato

    kkkkkk, resgatando o chupacabra em 2014.
    Duas perguntas:
    1 – Quando vai ter a continuação? Disponibiliza logo, senão eu mando o Vlad te dar uma garrafada.
    2 – Me diga Philipe, como você protege seus contos? Você registra?
    Vamos supor, que uma pessoa copia uma parte ou todo o seu conto e registra e publica na sua frente, como você vai fazer???

    Responder

    1. Opa, hahaha tranquilo. Chupacabra é sempre legal.
      Quanto as perguntas, vamos a elas:
      1- Vou escrever a parte 3 hoje ainda.
      2- De tempos em tempos, eu registro todo o material publicado como original na fundação Biblioteca Nacional, muito embora, o fato de ter publicado no blog já torna o conteúdo como material “publicado”, de modo que se alguém copiar ou plagiar o texto, estará sujeito a processo. Já processei pessoas por violação de direitos autorais. É bem fácil e muito simples de qualquer perito judicial verificar a data de publicação e autoria, uma vez que o meu material é indexado imediatamente após a publicação. Assim, mesmo que o cara corra com meu material e publique ele na minha frente, é bem fácil derrubar qualquer alegação de propriedade, porque existem peritos judiciais especializados em violação de copyright, e eu tenho uma boa relação com um dos meus clientes, que é simplesmente um dos maiores escritórios de advocacia especializada em patentes, direitos autorais, propriedade intelectual e contencioso judicial da América Latina.

      Responder
      1. Thiago chipset Andrey Ferreira

        Philipe, já que o Renato tocou no assunto. Para registrar o material na biblioteca nacional é necessário alguma coisa diferente que meros mortais não tenham? Tem custo?

        Responder

        1. Não, é bem relax. Tu leva duas copias do material, paga uma taxa no Banco do Brasil, rubrica todas as paginas do seu original e preenche um formjulario padrão onde diz o que é seu material. Lá registra livro, roteiro, novela, programa de tv, personagem de ficção, quadrinhos… Registra a porra toda. O que não registra lá é marca, (que é no INPI) nem invenção (que é no mesmo lugar) e nem obra (que acho que é no Crea, ou outro órgão) Programa de computador tb é no INPI, mas se for multimídia, acho que é lá tb. cada tipo de registro tem um custo. A moça que trabalha la certa vez me disse que o terror deles é o Miguel Falabela. Ela disse que ele chega la com uma MALA lotada de roteiros e peças de teatro, para registrar.

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.