19 Comentários

  1. Pedro Carneiro (Gafanhoto)

    Putz! Queria saber o que houve com o filho e a mulher de Carlos, isso merecia uma história “prequel” (conta o que aconteceu antes de tudo)! Muito bom! Parabéns Philipe! \o/

    Responder
  2. Bernardo

    Conheci este blog faz uns 2 ou 3 anos, entrava direto pra me distrair e rir até não poder mais com as aventuras. Por um motivo que não sei qual parei de entrar, esqueci, não sei porque durante mais 2 anos. Mas ontem tive um estalo e acessei o Mundo Gump novamente, que surpresa ver o layout so blog renovado, com muitos mais contos e textos interessantíssimos como essa saga que acabei de ler, genial. Philipe, vc tá de parabéns cara!

    Responder

    1. Hahaha, pior é que nem foi por falta de aviso, né? Eu fiquei com pena da Yara que entrou de gaiata no navio.

      Responder

  3. “One of us! One of us! Gobble,gobble! Gobble, gobble! One of Us! One of us!”, hehehe. Se bem q agora Cacá e Bibi fazem parte é “deles”.
    Citei Freaks, mas essa conversão sinistra lembra mais Os Invasores de Corpos, com o Donald Sutherland.
    Gostei da conclusão da história. Na parte 3, por um instante fiquei mesmo na dúvida se o Carlos estava realmente doido… Mas a realidade foi ainda mais cruel.

    Bom, mais uma vez, meus parabéns!

    Responder

    1. Eu tive a ideia deste conto ao refletir sobre o filme invasores de corpos. Há também uma doença mental chamada “Delírio de Fregoli” onde o paciente vivencia a sensação de que algumas pessoas que ele conhece não são elas mesmas, mas cópias delas. A partir dessa premissa que eu resolvi criar a história.

      Responder
  4. raquelanubis

    hahahah!!! muito bom!!! hahaha, tipo… bem feito pro Cacá… ele foi avisado pra não ir mais fundo, ele podia ter, sei lá, fugido do país kkkk e agora ele fugiu pra outro planeta, né? gostei, e coitada da Yara… se ferrou também…

    Responder
  5. Ytalo Mizael

    Cara,muito bom.O final foi mais incrível,eu nunca imaginei que isso aconteceria.Simplesmente INCRÍVEL!

    Responder
  6. DanXP (Daniel Bart Pinheiro)

    Puta que pariu, que gênio, esse conto serviu pra te coroar de vez como meu escritor favorito no mesmo patamar que Stephen King. Nunca imaginei um final assim, mas Philipe, esse é um daqueles contos que tem potencial para franquia (como a do Caçador) ou foi só esse mesmo? Está de parabéns com esse conto, e me deu uma inspiração pra continuar escrevendo um conto com o qual eu estou trabalhando.

    Responder

    1. Cara, primeiro obrigado mesmo!!!! Eu não me vejo nesse nível aí, mas se vc acha, isso me deixa mega-ultra-blaster orgulhoso. Originalmente seria só este lance mesmo, mas no fim, me vi frente à frente a um desejo fodido de salvar o cara. Fiquei realmente com pena dele, porque ele tem todas as chances de ver que vai dar merda e não vê, aí realmente dá a merda. Acho que tem potencial para franquia mesmo, já que há duas pontas soltas importantes: A mulher e o filho do cara! Sem falar no terapeuta. Há perguntas que eu gostaria de ver respondidas, como, por que o terapeuta abandonou o processo? O que de tão bizarro ele acessou na hora que o gravador deu defeito e mastigou a fita que ele passou a ter medo de Carlos? São coisas que talvez sejam respondidas numa sequencia em potencial. Mas se realmente eu farei isso, não sei. No momento estou pensando uma outra história, e há pelo menos três outras na fila de criação. Então, pode ser que aconteça, mas não sei quando. Vamos deixar pra ver se fermenta. Se fermentar, aí rola. O Caçador é assim… Vai passando o tempo, ele começa a fermentar, e então não tem jeito.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.