Edgar Cayce, o mistério do sujeito que aprendia por osmose

 

O mundo tem muitos mistérios. Alguns mais estranhos, outros mais sinistros. Alguns tão curiosos que ganharam destaque ao longo dos anos.

O Caso de Edgar Cayce é um desses belos exemplos de que o Mundo é bem mais Gump do que podemos imaginar. Eu me lembro de que quando estava no colégio, vendo aquela pilha enorme de livros para estudar e decorar (sou do tempo da decoreba, algo que de certa forma me traumatizou bastante com a escola) tudo que eu desejava era tirar uma soneca em cima dos livros para que seu conteúdo fosse magicamente implantado na minha cabeça, sem dor, sem trabalho… Meio do jeito que o Neo aprendeu Kung Fu na Matrix.

Pois não é que isso realmente já aconteceu com uma pessoa? Esse foi o misterioso caso de Edgar Cayce.

Edgar Cayce
Edgar Cayce

Em 1986, Cathy Comora com 27 anos, visitou seu oftalmologista, pois vinha sofrendo com alguns problemas de visão que não pareciam muito importantes. Cathy ficou horrorizada quando seu médico lhe disse que ela tinha neurite óptica, uma inflamação grave do nervo óptico… E que não tinha muita esperança:  Cathy iria ficar cega.

“Foi uma experiência muito assustadora. Ele disse que não era o caso de correr para fora da clínica e imediatamente e comprar uma bengala, mas era um diagnóstico muito sério e eu estava com medo. Quer dizer, de repente eu percebi que exista mesmo uma possibilidade de que eu poderia ficar cega. “

 

Como não havia cura conhecida para sua doença, Cathy decidiu procurar um “tratamento alternativo”. Ela encontrou um médico que estava familiarizado com os métodos misteriosos de um homem chamado Edgar Cayce.

Edgar Cayce tornou-se famoso na década de 1920 graças aos seus diagnósticos de doenças,  ainda mais pelo fato de que ele não tinha absolutamente nenhuma formação médica.

Em sua vida, Cayce fez mais de 9.000 diagnósticos, ou “leituras”, como ele os chamava, enquanto estava no que parecia ser um estranho e perturbador estado de transe auto-induzido.

 Mesmo após sua morte, em 1945, muitos profissionais ainda seguem seus ensinamentos. Logico, muitos o consideram um charlatão, um desses “Zé Arigós” da vida…  E descartam as curas de Cayce como produtos da mera coincidência e sorte. Mas para aqueles diagnosticados com uma doença que a medicina moderna não poderia curar, os métodos de Edgar Cayce continuar a manter a esperança.

Aprendendo por osmose

Edgar Cayce descobriu sua habilidade misteriosa quando ele tinha apenas 13 anos de idade. Ele não era bom aluno, mas um estudante mediano.  Um dia, Cayce  adormeceu em cima de sua cartilha. Quando seu pai mais tarde o interrogou, assustou-se ao perceber que embora tendo dormido em cima do livro, seu filho Edgar podia não somente soletrar todas as palavras do livro, como ele também sabia os números das páginas em que cada palavra aparecia. Foi nesse momento que seu pai notou que Edgar Cayce estava manifestando algum tipo de talento incomum:

“Tudo o que ele tinha a fazer era dormir sobre seus livros!  Ele acordava sabendo absolutamente tudo!  Assim, ele se tornou um aluno excepcional, ao invés de um aluno mediano “.

 

Um dia quando Cayce tinha 23 anos, de repente ele perdeu a capacidade de falar. Durante um ano, os médicos foram incapazes de explicar, ou curar, a sua doença. Como último recurso, os pais de Edgar o convenceram a ver um hipnotizador. Seu médico de família assistiu e gravou a sessão em detalhes exatos. De acordo com o médico, Cayce se afundou rapidamente em um sono profundo. Quando Edgar acordou, todo mundo ficou chocado. De acordo com testemunhas daquele dia,  Edgar falou pela primeira vez em um ano. Mas o choque não foi ele falar, mas sim o que ele disse:

“Ele começou a falar e dizer sim, temos a condição de uma constrição na garganta … A constrição do fluxo sanguíneo por isso vamos coletá-lo. E quando mais tarde o hipnotizador disse-lhe para acordar, ele sentou-se e cuspiu um pouco de sangue, e então ele já podia falar. Aquela foi provavelmente a primeira “leitura.”

O médico de Cayce persuadiu a tentar diagnósticos em outros pacientes que não tinham respondido à medicina tradicional. Cayce concordou, mas de acordo com seu filho, o resultado final deixou Edgar Cayce desiludido:

“O problema aconteceu quando, no final de algumas das “leituras”, as pessoas começaram a fazer-lhe perguntas sobre … o cavalo ia ganhar uma corrida, o que iria acontecer no mercado de ações, os resultados do jogo de bola, e quando ele percebeu o que as pessoas estavam fazendo, ele disse, eu desisto! “

Cayce abandonou suas leituras psíquicas, casou-se e mudou-se para o Alabama, onde foi trabalhar como fotógrafo. Em 1914, ele teve dois filhos, Edgar Evans e Hugh Lynn.
Quando Hugh Lynn tinha apenas oito anos de idade, um acidente aconteceu e ele ficou gravemente ferido numa explosão da câmara escura. De acordo com Edgar Evans, o médico local não estava muito esperançoso:

“Os médicos o examinaram e disseram: bem, acho que vamos ter que remover um dos olhos. Ele provavelmente vai perder a visão em ambos. E então, o meu irmão disse, “papai, faça uma leitura. “

Para Edgar Cayce, aquele era o teste final. Ele não tinha tentado uma leitura nos últimos anos. Poderia agora salvar o próprio filho de uma vida de cegueira? Edgar Evans lembrou o que aconteceu:

“Ele descreveu uma aplicação para os olhos, que incluiu ácido tânico. Bem, isso era inédito na época, e os médicos de cara pensaram que era muito forte, mas como eles achavam que o menino ia perder os olhos de qualquer maneira, concluíram que não faria mal tentar. E quando eles aplicaram, Hugh mesmo disse, “esta deve ser a medicina do papai, não faz mal. “

 

Parecia um milagre. Em seis semanas, a visão  de Hugh Lynn estava completamente de volta ao normal. Não tardou a recuperação espantosa do menino caiu na mídia. Logo, Cayce se tornou famoso. Em 1925, ele mudou-se para Virginia Beach, e abriu um centro. De acordo com seu filho, ao longo dos próximos 20 anos Cayce receberia milhares de pedidos de leituras:

“Ele sentiu que não podia recusar as pessoas e ele começou a fazer plantões, atendendo dois e três e quatro e cinco e ficou até … nove e dez por dia, e isso foi demais para ele.”

À beira da exaustão, Edgar Cayce sofreu um derrame. Ele morreu em 3 de janeiro de 1945, deixando para trás mais de 120 mil páginas de “leituras”. Estas leituras continuam a servir como uma fonte de esperança para aqueles em busca de curas que podem ter escapado da Medicina moderna. Pessoas como Cathy Comora.

Quando a neurite óptica foi diagnosticado em 1986, Cathy foi a uma consulta com o Dr. John Pagano, um quiroprático, em Nova Jersey, que havia estudado as leituras de Edgar Cayce há 30 anos:

“Cayce foi muito específico sobre quais as áreas da coluna deveriam ser ajustadas. O fato de que Cayce sugeriu este determinado procedimento para problemas nos olhos, não significa que ele diagnosticou-lo especificamente como neurite óptica. Ele falou sobre problemas de visão. Cegueira. E é baseado nisso que eu me aproximei. Não como neurite óptica. “

No prazo de sete dias, a visão de Cathy foi totalmente restaurada. Dr. Pagano acredita que os tratamentos de Cayce foram responsáveis por sua recuperação. Contudo, os céticos como o professor Paul Kurtz, da Universidade Estadual de Nova York, Buffalo, discordam disso veementemente:

“Eu acho que muito do material Cayce baseia-se ilusão. E eu acho que há um efeito placebo aqui no trabalho. Muitas vezes, se você acredita que alguém vai curá-lo, basta  dar-lhes pílulas de açúcar , e eles podem ser curados. Assim, o poder da mente é um efeito poderoso. “

Como pode a vida única de Edgar Cayce ser explicada? O mundo médico recusa-se a endossar os seus métodos, mas, ao mesmo tempo, não consegue negar seus resultados.

 fonte

Related Post

12 comentários em “Edgar Cayce, o mistério do sujeito que aprendia por osmose”

  1. Eu lembro de muito, muito tempo atrás, em uma das reportagens do Fantástico, um caso bem parecido. Agora, julgando o jornalismo padrão da Globo, não há como sabe se é verdade ou pura invencionice.

    Lembro, na reportagem, do cidadão comentando que aprendeu 3 línguas (se não me falha a memória, Inglês, Alemão e Japonês); disse que teve uma série de sonhos, aonde vinha um homem e ficava conversando com ele nestas línguas, depois apertava um botão no pescoço e “traduzia” tudo. E com estes sonhos, o sujeito aprendeu a falar fluentemente os idiomas.
    Lembro também de, na reportagem, terem chamado pessoas para “testar” a veracidade do aprendizado e, aparentemente, o cara falou super bem. Alguns pequenos erros de pronuncia, mas entendia e se comunicava na boa.

    Agora, como eu disse, reportagem da Globo, não há como saber o que é verdade. Lembro que na mesma época a Globo ficou meses achando que uma menina chorava cristais, quando na verdade ela mesma colocava vidro no canal lacrimal e expelia depois pra ficar famosa.

  2. Alias, achei uma referência que talvez seja a correta. Vendo uma mini-biografia do Kubrusly neste link ( http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,GYP0-5271-261633,00.html), comenta:

    “Outro trabalho de destaque do repórter é o quadro Me Leva Brasil, exibido pelo Fantástico desde janeiro de 2000. O projeto, que inicialmente fez parte das comemorações da TV Globo pelos 500 anos de Descobrimento, nasceu da ideia do jornalista de mostrar o dia a dia de brasileiros que vivem longe dos grandes centros do país. Kubrusly já visitou mais de 150 cidades e percorreu cerca de 400 mil km por todo território brasileiro, conhecendo personagens curiosos, como o homem que aprendeu japonês dormindo, e ouvindo histórias inusitadas, como a do caixão especial para mulheres virgens.”

  3. Cara, isso é mto interessante.

    Eu lembrei também do caso de John Titor, que ninguém quer endossar ele, mas não podem negar os coisas que ele disse.

    Mto legal esses casos.

      • Isso é verdade… Mas ele mesmo se anula dizendo que as variáveis entre as dimensões são imprevisíveis. Rsrsrs… (Aí é fácil né?)
        Mas o conhecimento em física q ele expõe é a parte que as pessoas (dizem) não podem contestar.

        • Sim, é verdade. De fato, se imaginarmos que só o advento do cara voltar no tempo, afetaria o tempo e desconstruiria o futuro de alguma forma, ele provavelmente pode não ter vindo do futuro do mesmo universo, mas de um futuro de realidade paralela. Mas esse argumento é foda, né, porque ele só ajuda ao Titor. As coisas que ele acertou passam a ser provas que ele diz a verdade e no que ele erra é culpa do universo nosso que é o errado. Como vc disse, “aí é fácil!”

  4. Devido a época em que o tal Cayce foi ao hipnotizador, acredito que ainda não existia dispositivos práticos de gravação, então talvez a frase original “His family physician attended and recorded the session in exact detail” fosse melhor traduzida como “Seu médico de família assistiu e REGISTROU a sessão em detalhes exatos”

  5. Alguns anos atrás por curiosidade fiz uma pesquisa no Google sobre o Edgar Cayce e fiquei impressionado com os vídeos e histórias sobre ele. Há histórias muito interessantes sobre a vida dele. Esse fenômeno de ler um livro dormindo ou colocando a mão sobre ele não é novo. Nós brasileiros sempre damos valor e atenção para pessoas notáveis de outros países. Aqui no Brasil o Chico Xavier fazia tudo o que o Edgar Cayce fazia e muito mais. Mas você sabe como é! É brasileiro!

  6. Leitura fria aliada ao efeito placebo ganha um poder gigantesco. Junte a isso um “histórico” maravilhoso, mesmo que completamente isento de comprovação, e voilà! Está criado um novo mito!
    Charlatões têm feito isso há séculos, e continuarão fazendo. E incautos continuarão dando crédito.

    • O fato é que o cara receitou remédios e tratamentos que curou muitas pessoas. Não sei como receitar remedio possa ser considerado leitura fria. No meu ponto de vista só pode ser considerado exercício ilegal da medicina.

  7. CAyce tornou-se objeto de estudos científicos de vários órgãos ligados à inteligência americana depois de analisarem fitas de filmes onde ele aparecia deitado em seu divã e, em estado de transe, fazer previsões sobre fatos relacionados aos EUA e ao mundo em geral e que se concretizaram anos após sua morte. A verdade é que fenômenos parapsicológicos existem mas sabe-se muito pouco a seu respeito e menos ainda sobre como conduzi-los.

  8. MUNDO GUMP, CARAS, MUNDO GUMP! ….
    A razão tem razões que a própria razão desconhece!
    Já houviram falar de: essa ou aquela pessoa que tinha um tumor cerebral e isso desencadeou algum tipo de habilidade fisico-mental?

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares