É verdade que o Homem nunca esteve na Lua?

O nosso leitor Carlos Thiago sugeriu a ideia deste post. Segundo ele, com as últimas notícias sobre a sonda chinesa na Lua, uma nova leva de dúvidas sobre a real possibilidade de que o Homem nunca tenha chegado ao nosso satélite natural voltaram à tona. Há muita gente especulando coisas e parece que alguns até já tem a certeza absoluta que a ida do Homem à Lua foi somente uma peça de propaganda americana gravada em um enorme estúdio. No dia em que Neil Armstrong pisou na Lua, 1,2 bilhão de pessoas acompanharam este momento pela TV no mundo inteiro. Mas até hoje tem muita gente que não acredita.

Abaixo está a lenha na fogueira, lançada pelo site diagonales.com da Argentina:

Missão espacial chinesa revelou que os EUA nunca pousou na lua

Imagens recentes da sonda lunar chinesa aparentemente não mostram nenhuma evidência da alunissagem tripulada dos EUA, também revelando que o solo lunar é marrom e não cinza.

Depois de mais de quatro décadas desde que Neil Armstrong disse a famosa frase:

“Este é um pequeno passo para o homem, um salto gigante para a humanidade”

Cada vez mais pessoas estão certos de que nós nunca colocamos os pés fora deste planeta. Os teóricos da conspiração há muito acreditam que o governo dos EUA, desesperado para bater os russos na corrida espacial, recriou a aterrissagem lunar com Armstrong e Buzz Aldrin em uma missão secreta, que poderia ter sido gravada em algum lugar nas cercanias de Hollywood ou mesmo dentro da Área 51, e dirigido pelo cineasta Stanley Kubrick, já que seu filme “2001: Uma Odisséia no Espaço”, em 1968, mostrando que já havia, naquela época, tecnologia para criar artificialmente o espaço.

La-Luna

Mas especialistas dizem que uma das principais conspirações evidência de que tudo isso era uma mera montagem, foi o principal “erro” de gravação, onde você pode ver Aldrin plantar a bandeira americana, que em seguida, tremula na Lua, fato que mostraria claramente a presença de vento, o que é impossível no vácuo do espaço.

Mas agora surge uma nova evidência que poderia provar a teoria da conspiração. No último sábado a sonda não tripulada da China Chang’e 3 fez um pouso bem-sucedido na Lua, de acordo como a mídia estatal chinesa informou. Imagens recentes do rover oriental aparentemente não mostram nenhuma evidência da alunissagem tripulada EUA, as imagens também revelaram que o solo lunar é castanho acinzentado e não cinza como as imagens fornecidas pela NASA mostraram. Quem está mentindo? Será mais uma armação?

De acordo com a televisão estatal chinesa informou, a Chang’e-3 pousou com sucesso na lua depois de uma viagem de 13 dias a partir da Terra. A Nave desembarcou um veículo robótico chamado Yutu Jade Coelho em mandarim, e que algumas horas mais tarde começou a explorar Sinus Iridium, ou Rainbow Bay, uma planície relativamente suaves formada a partir de lava solidificada. Mas a controvérsia surgiu depois que a China National Space Administration publicou as primeiras fotografias do solo lunar, que, aparentemente, não era acinzentado, mas sim de cor marrom.

Suelo-lunar-marron

Os teóricos da conspiração afirmam que a superfície da lua é na verdade castanho claro com pedras desbotadas, obviamente, mais claras. Muitas pessoas dizem que talvez esta seja realmente a primeira vez que temos uma visão mais próxima e independente da superfície lunar em sua cor original. Teóricos da conspiração acreditam que o solo escuro pode na verdade ser um truque dos chineses. Um desses céticos é o líder do partido conservador da Nova Zelândia, Colin Craig. O político disse publicamente que ele não acreditava no pouso na Lua feito pelos chineses. E, aparentemente, as fotografias que foram tiradas por veículos do Japão, China e Índia, não provariam que o Homem foi à lua.

É neste ponto que algumas páginas especializadas em conspirações sugerem que Chen Qiufa, diretor da Administração Nacional Espacial da China (CNSA), disse que “todo mundo ficou surpreso quando o rover chegou, e não encontrou nenhuma evidência de que o homem já esteve na lua.”

Estas declarações polêmicas parecem concordar com muitos operadores da NASA que no passado afirmaram que não há nenhuma bandeira americana plantada na lua ou veículos tripuladas, ferramentas ou outros itens que pertenceram a missões espaciais tripuladas dos EUA no satélite. Outra linha de investigação conspiracionista diz que é suspeita a atitude onde no início deste mês, a NASA pediu a China para adiar a sua missão à Lua.

misión-lunar-china

Dizem que a NASA estava seriamente preocupada com os objetivos finais da missão na Lua pelos líderes chineses. Recentemente, o portal russo “Vesti” informou que o objetivo da China era transformar a Lua em uma “Estrela da Morte”, um lugar onde os testes balísticos de grande escala seriam realizados em uma zona de decolagem para naves de exploração espacial. Este projeto coincide com declarações do Presidente chinês Xi Jinping, que declarou que a China deve estabelecer-se como uma superpotência espacial. Então, o que está realmente acontecendo na Lua? Parece que as últimas imagens apresentadas pela Administração Nacional Espacial (CNSA) da China mostra claramente a montagem dos EUA feita para enganar o mundo que eles eram os únicos capazes de atingir o solo lunar, mas, em seguida, outros acreditam que mesmo o pouso lunar chinês é falso, bem como o rover “Curiosity”.

fonte

É relativamente fácil compreender porque tantas pessoas desconfiam da NASA. A operação Apolo 11 que levou astronautas a andar pela Lua ocorreu num período crítico da Gurra Fria. Era totalmente plausível que houvesse um “Plano B” para mascarar uma eventual falha na missão Apolo, vendendo ao mundo um caso de sucesso e a morte como Heróis dos astronautas na jornada de volta ao nosso planeta. Do mesmo modo, é muito difícil, deveras impossível, imaginar que Neil Armstrong inventou de improviso a frase que celebrou o primeiro passo do homem no nosso satélite natural. A frase é linda, é perfeita, é concisa e carrega um gigante significado que transcende a propaganda de um país. Ou Armstrong era um gênio, ou ele apenas disse uma frase já decorada, e cuidadosamente lapidada para coroar o momento de expressão máxima da tecnologia humana.

As pessoas desconfiam dos EUA porque este país já se meteu em mais tramóias escabrosas do que poderíamos contar neste post sem fazer ele ficar chato. Elas também duvidam do Homem na Lua, porque, francamente, apesar de todos os avanços científicos, uma parcela significativa da humanidade ainda está imersa na ignorância, e isso é trágico.

Uma reportagem do prestigiado jornal The New York Times demonstra que, pelo menos, 6% dos norte-americanos não acreditam que o homem foi à Lua. Isso é até pouco, considerando que existe gente que até hoje (tente não rir) acredita que a Terra é Plana!

Os membros da Sociedade Terra Plana (STP) alegam acreditar que a Terra é plana. Quando você caminha por aí, o planeta parece aplanado, e a sensação que você tem é que ele é plano. Os membros daquela sociedade tomam toda a evidência contrária, como fotos da esfericidade da Terra feitas por satélites, como falsificações criadas por uma “conspiração da Terra redonda”, orquestrada pela Nasa e outras agências do governo.

 

Porém, note que eu NÃO ESTOU DIZENDO  que o homem não foi à Lua. Estou dizendo que era plausível que houvesse um plano B, ate para que a propaganda dos russos não tirasse proveito de uma falha catastrófica dos EUA. O projeto Apolo consumiu 50 bilhões de dólares. A Apolo I explodiu ainda na plataforma de lançamento, matando seus 3 tripulantes, em 1967. A Nasa cancelou as duas missões seguintes e passou a fazer voos sem homens a bordo. Somente na Apolo VII os astronautas voltariam ao espaço.
Não sei se um plano B para a caminhada lunar existiu mesmo, mas posso dizer que se existiu este plano, ele provavelmente não foi à diante. Isso porque a Missão Apolo foi um sucesso espetacular.
astronauta
E não só ela. As outras missões Apolo só fizeram aumentar a confiabilidade daquela primeira ida, afinal, se fosse um truque, seria de esperar que dados os riscos, eles “só fizessem a mágica uma vez”.
Cinco outras missões tripuladas à Lua foram realizadas com sucesso pelos americanos. Os soviéticos nunca repetiram essa façanha. Depois dos pioneiros, outros 10 homens pisariam no solo lunar: Charles Conrad e Alan Bean (Apolo XII – novembro de 1969); Edgar Mitchell e Alan Shepard – que fez tacadas de golfe na Lua (Apolo XIV – fevereiro de 1971); David Scott e James Irwin (Apolo XV – agosto de 1971); Charles Duke e John Young (Apolo XVI – abril de 1972); Eugene Cernan e Harrison Schmitt (Apolo XVII – dezembro de 1972).

A minha opinião é que o homem FOI SIM À LUA. Andou, catou pedras e até jogou golfe lá no satélite.

Aquele papo de que “deu um vento na bandeira” é um argumento frágil. Com baixa gravidade, a bandeira realmente teria que se agitar.

flag_moon

A bandeira se agita porque ELA FOI CONSTRUÍDA PARA SER ASSIM. Era parte da propaganda do Tio Sam.  Quem iria querer uma bandeira pesada e sem graça? Bandeira broxa?

Ela tem uma estrutura flexível em cima que tem a finalidade de esticar o tecido super leve (que veio enrolado por uma questão de espaço e amassou todo) para dar a SENSAÇÃO de vento. Foi tão bem feito que até hoje tem gente achando que ventou lá na lua (ou na locação).

Mesmo na hipótese remota de ser uma fraude, qual seria a lógica de colocar um ventilador num lugar que não tem vento, minha gente?

Os produtores do programa MythBusters (os Caçadores de Mitos) até fizeram um programa todinho destinado a examinar as alegações dos maníacos por teorias de conspiração. Vocês poderão assistir ao episódio completo no YouTube. Jay Windley é dono de um dos vários sites preocupados em desmentir as besteiras daqueles que questionam a ida à Lua. Seu site, o Clavius  desmistifica as teorias conspiratórias e é um bom lugar para partir em busca da verdade.

Mas é claro que somente isso não basta. Precisamos de provas mais concretas que o ser humano realmente pisou o regolito do nosso satélite natural.

Apollo-14-lro-enhanced

O site da Universidade do Arizona publicou a foto do estágio de descida do módulo lunar Antares pousado no solo lunar. Na foto acima vemos também o ALSEP (Apollo Lunar Surface Experiment Packages) – um conjunto de instrumentos científicos deixados na superfície lunar pelos astronautas Apollo, além dos rastros deixados pelos membros da missão Apollo 14. Vemos aqui também longas sombras a partir de um Sol baixo no horizonte, que tornam os locais dos módulos evidentes.

O impressionante nesta foto é a presença das trilhas deixadas pelos astronautas no solo lunar. As marcas foram causadas  principalmente pelo equipamento MET (Modularized Equipment Transporter) que foi usado pelos astronautas Alan Shephard e Edgar Mitchell como apoio para carregar os equipamentos e artefatos usados na missão Apollo 14. Veja mais detalhes das trilhas do carrinho MET no vídeo abaixo:

 

 

Se vpcê ainda tem dúvidas, pode consultar as marcas no solo lunar feitas pelos astronautas aqui: http://lroc.sese.asu.edu/news/?archives/91-Trail-of-Discovery-at-Fra-Mauro.html

Mas há ainda provas melhores que isso. Os astronautas da Apolo 11 colocaram espelhos refletores no solo lunar, virados para a Terra. O objetivo era medir o afastamento do satélite. Olha eles aí:

Apollo-14-LRRR

Os espelhos são, na verdade, espelhos prismáticos, como os “olhos de gato” que são usados na sinalização de trânsito e de bicicletas. A luz é refletida na mesma direção que ela veio, mas mesmo assim os espelhos são posicionados apontando para a Terra, para obter eficiência máxima.

Um laser é emitido daqui da Terra, e atinge o espelho na Lua (na verdade, parece que ele ilumina uma área de 1,5km de diâmetro), e é refletido de volta. Um detector de fótons então acusa o recebimento da luz refletida pelo espelho. Medindo a diferença de tempo, pode-se calcular a distância a que está a Lua. Quanto melhor a medição do intervalo de tempo, mais precisa a medida da distância.

As alegações sensacionalistas que dizem que a sonda chinesa PROVA que os norte-americanos não pisaram o solo lunar é risível. E é risível porque a Lua é enorme, e a área em que os astronautas estiveram é um pedacinho pequenino. Você sabe qual é a real dimensão da lua?

A lua é quase do tamanho no Brasil, mas ela é uma esfera. 

É o Dimensions, da BBC, que permite que a gente possa comparar o tamanho de diversas coisas com locais reais pelo Google Earth.
O site Dimensions, da BBC, permite que a gente possa comparar o tamanho de diversas coisas com locais reais pelo Google Earth.

Com base neste dado, imagine que a sonda made in China tenha no máximo um metro e meio. Agora imagine alguém alegar que você morador do Brasil não mora realmente no Brasil, já que ele mandou seu robô de um metro e meio ao Brasil e o robô não te achou.

É uma alegação estapafúrdia. Para se encontrar alguma coisa, seja na Lua ou no Brasil,  é preciso primeiro saber onde ela está e só então procurar. Mandar algo para um satélite com 3474,8 km de diâmetro equatorial  e conseguir que ele acerte exatamente onde estão os restos das missões Apolo seria um feito de sorte incrível.

A alegação que a Lua tem solo marrom nas fotos do rover chinês enquanto aparece cinza esbranquiçado nas fotos da NASA se explica ainda mais facilmente: Chama-se balanço de branco. Toda imagem capturada por um sensor CMOS é sensível a uma leitura de cores onde o sensor precisa ser calibrado antes para saber o que é o branco. Se você diz ao sensor que o branco é o rosa, ele vai mudar todas as demais cores do espectro cromático com base naquele dado falso. Isso é usado amplamente em fotografia. Muitas vezes, ao fotografar sob a luz fluorescente de uma cozinha, por exemplo, a imagem tende a esverdear. Por isso, muitas câmeras já vem com predefinições de “balanço de branco” onde a Máquina vai pegar aquela imagem que seria esverdeada e vai corrigir com base na temperatura de cor. Assim, isso evita que fotos feitas em ambiente de luz incandescente, como as lâmpadas comuns de filamento, se torne excessivamente laranja.

O balanço do branco afeta diretamente os tons finais de uma imagem
O balanço do branco afeta diretamente os tons finais de uma imagem

Dessa forma, se a imagem enviada pela sonda não foi calibrada para o branco, ela certamente pode ter variado a cor da imagem. Outro fato que aponta para isso é que a câmera do módulo que soltou o rover registrou um solo exatamente cinza como o das fotos da NASA:

Eu creio que está bastante claro que toda esta especulação sobre as idas à lua serem falsas são na verdade um misto de má fé por parte de alguns com extrema ingenuidade misturada com ignorância por parte de outros. No entanto, duvidar não é errado. Duvidar é importante, mas duvidar eternamente se torna mais uma profissão de fé do que outra coisa. Os céticos são os primeiros a exigir uma abertura de pensamento para a possibilidade de fraude, erro ou mentira quando se trata da questão ufologia, mas quando é alguém duvidando de algo como a ida a lua essas pessoas são acusadas por eles de serem “malucos, burros, desinformados, tolos, ignorantes e, em boa parte, fanáticos religiosos”. Efetivamente, neste caso elas estão erradas, mas não em duvidar e sim em não buscar o suficiente as informações que as tirem dessa duvida.
Certamente que mesmo com todas as provas, espelhos, fotos de telescópios, sondas, e tudo mais, milhares ainda duvidarão que o ser humano já esteve na Lua. A extrema credulidade humana em certos aspectos se alia a incompreensível incredulidade em outros. Enquanto houver gente, haverá os que acreditam em sereias, monstros, na Terra plana levitando no vácuo e até, é claro, em conspirações do Homem que segundo eles, nunca foi à Lua.

fonte fonte fonte fonte fonte

93 comentários em “É verdade que o Homem nunca esteve na Lua?”

  1. A primeira coisa que me vez a mente quando alguém tenta argumentar que o homem nunca foi à lua é que a NASA, como todos os seus engenheiros espaciais, deve ter sido muito, muito idiota pra ter feito uma conspiração tão mal feita a ponto de esquecer erros básicos, como a falta de gravidade na lua.
    Quando você para pra pensar neste simples ponto, já nota o quão ridícula é qualquer alegação de que os videos foram realmente forjados.
    Eu realmente sei que o homem já pisou na lua, apesar de todos os conspiracionistas, mas o único bom argumento que eu já vi sobre isso até hoje veio do meio próprio pai: como, em 1969, o homem pisou na lua, sendo que a tecnologia na época era tão escassa?
    Acho que esse é o único ponto válido que eu já ouvi até hoje, e até eu fico abismado com o que os engenheiros da NASA conseguiram fazer neste ano longínquo.

    Responder
    • Saudações, Darlan. Primeiro comentário de 2014. Em relação ao questionamento de seu pai, sobre a escassa tecnologia da época, eu acrescentaria a outra pergunta muito repetida: porquê não retornam lá?
      Vou fornecer argumentos (não propriamente explicações) próprios, com base em meus conhecimentos: na época, auge da guerra fria, realmente, a tecnologia era precária, e nossos computadores “386” já seriam máquinas fantásticas para eles. Acontece que, na corrida espacial, o que menos importava era se existiam meios de levar – e trazer – alguém do nosso satélite. Era preciso vencer os russos, não importando os riscos e o preço. O orçamento da NASA, na época, era tão astronômico quanto os desejos do então presidente Kennedy.
      Assim como na situação da Russia ter colocado o primeiro homem em órbita da Terra, dois fatores foram fundamentais para escreverem o nome do Turi Gagarin na història: primeiro, ele foi o primeiro cosmonauta a entrar em órbita e voltar em condições mínimas de saúde para ser apresentado ao mundo. Outros, segundo informações não-oficiais, foram, mas voltaram tão debilitados que foram “esquecidos”. Outros teriam morrido. E segundo, Gagarin era pequeno o bastante para caber no traje espacial que fora feito sob medida para outro cosmonauta, não me lembro o nome, e que não pode ir. Foram então duas coincidências e Gagarin foi imortalizado.
      Então, os cientistas americanos (que eram muito bons, e alguns até “adquiridos” da falida Alemanha Nazista depois da guerra) decidiram mandar os astronautas, sem se preocupar muito com os riscos. Foram imensos – lembre-se da Apolo 13, que quase não retornou. Então, era meio que um bilhete “só de ida”. Os astronautas partiam para a Lua sem saber se chegariam; chegando, não tinham certeza de que conseguiriam voltar. Mas conseguiram.
      A segunda questão para não mais terem voltado, depois das missões Apolo, foi que, além do óbvio final da guerra fria, o verdadeiro impulsor do programa espacial americano, está a grande verdade: o custo de se colocar alguém na Lua é astronômico, e daquela época para cá, o orçamento da NASA “minguou” bastante. Ou seja, não justifica-se mais o custo do envio de pessoas para lá, mas sim sondas robóticas, a exemplo do que está fazendo a China.
      Assim, mesmo que os conspiracionistas insistam em dizer que foi farsa, considere alguns argumentos:
      1) Com as milhares de pessoas envolvidas no projeto Apolo, como foi possível mantê-las em silêncio por mais de cinco décadas, sem que alguém revelasse a farsa?
      2) Os principais interessados em desmentir a “farsa” eram os russos… e eles se calaram diante da situação. Claro, eles devem ter procurado todas as maneiras possíveis de desmascaras os americanos, e nada fizerem a esse respeito… seria “camaradagem” dos camaradas, ou falta de provas de que era mentira?
      3) O grande número de rochas trazidas de lá – cerca de 300 kg – em todas as missões, não poderiam ter sido coletadas por sondas robóticas, que; aliás, nem existim, na época;
      4) A tecnologia podia ser escassa, mas as mentes por trás da aventura eram brilhantes. Tanto é que o projeto foi abandonado e o conhecimento caiu no esquecimento. Quando a NASA tentou fazer outro foguete, o Atlas, precisou desmontar equipamento já obsoleto, que estava em museus, para começar do zero, pois tinham perdido boa parte do conhecimento da época.
      Enfim, o ser humano esteve na Lua, realizou tarefas e voltou para contar a história. Não porque era possível, na época, mas, porquê, para os americanos, era preciso! Era uma questão mais patriótica, do que propriamente científica.

      Responder
    • Creio que o comentário do John Doe explicou bem o que eu ia explicar…mas ainda tem mais uma coisa. É errado as pessoas partirem do ponto de que “naquela época a tecnologia era bem mais precária que a de hoje”.
      Ok, realmente a tecnologia era mais precária. No ramo da informática. Nesse ramo realmente tivemos diversos saltos, e evoluímos de maneira surpreendente.
      No ramo energético, continuamos praticamente na mesma posição do que a 60 ou 70 anos atrás. Continuamos dependendo de combustíveis fósseis para nos suprir.
      Para colocar um ônibus espacial em órbita, é necessário a queima de muito combustível, o que encarece e muito a viagem. Não temos um método alternativo para enviar sondas, módulos, robôs e pessoas ao espaço a não ser com queima de combustível para gerar propulsão e atingirmos a velocidade de escape (tanto que até o ano passado, se eu não me engano, era usado um dos mesmos foguetes que eram usados nas missões Apolo – acho que se chama Discovery).

      Responder
      • Acho que o preponderante se tornou a questão custo. Era muito caro para pouco retorno financeiro aquelas missões. O que realmente fodeu com a colonização da lua não foi os EUA. Foram os Russos. Quando eles concentraram-se na Mir e nas estações orbitais, os americanos se sentiram como aqueles malucos que disparam correndo os 100m rasos na maratona. E aí broxou.

        Responder
        • Até fica parecendo que os americanos estão correndo atrás dos russos: foram ao espaço, e os americanos foram à Lua; então investiram em estações espaciais e na permanência no espaço, e os americanos embarcaram nessa também… será coincidência?

          Responder
  2. Certa vez li num artigo da ESG (Escola Superior de Guerra) que a teoria da conspiração que diz que os americanos não pisaram na Lua foi plantada pelo serviço de contra-inteligência da União Soviética, pois naqueles tempos de guerra fria era assim que eles operavam.
    De vez em quando esse assunto é desenterrado por algum maluco, mas existem tantas provas da conquista da Lua que só nos resta mesmo rir dessa bobagem.

    Responder
  3. O dia que eu puder pisar na lua, eu acredito. Isso é se antes da viagem não vendarem meus olhos e tirarem a venda quando eu já estiver na “lua”. Porque nesse caso eu irei pensar que estou em um grande galpão de hollywood todo preparado para ser como a “lua”. kkkkkkkkk, infelizmente não tem como eu acreditar nisso…

    Responder
    • E a sua internet funciona movida a mágia negra, né?
      Se o homem consegue colocar milhares de satélites no espaço, é tão absurdo assim a idéia de ir um tantinho mais longe e pousar na lua?

      Responder
    • Porque não nos diz seus argumentos, que fazem com que vc não acredite? Podemos ter uma discussão saudável por aqui…e quem sabe um de nós não “muda de lado”…

      Responder
  4. Por que os chineses fariam um comentário desses?
    E se a sonda chinesa passar pela Mare Tranquillitatis e realmente mostrar que não há marcas de atividade humana naquele satélite?
    São acusações muito sérias…
    Eu realmente quero acreditar que o homem foi à Lua de verdade!
    Mas por enquanto não tenho 100% de certeza ainda…

    Responder
      • É bem provável, Philipe. Houve um comentário na net de que uma das primeiras fotos do rover chinês, tirada do módulo de alunissagem, mostrava as cores da bandeira deles trocadas. Ou seja, provavelmente faltava calibragem nas máquinas… coisa de chinês, mesmo!!!

        Responder
    • Saudações, Falcão. Nessa nossa vida, não dá para ter 100% de certeza de nada… a não ser da morte. E dos impostos, também. Brincadeira. Mas penso que mesmo se um cético fosse levado até a Lua e trazido de volta, ele continuaria duvidando. Diria que foi “lavagem cerebral” ou coisa do gênero.
      “Quando se quer acreditar, nenhuma prova é necessária; quando não, nenhuma prova é suficiente”.

      Responder
  5. Os caras só podem estar de brincadeira né? Espelhos para medir o afastamento da lua em relação a Terra foram colocados por quem lá? Como a gente sabe que a Lua está se afastando da Terra? Não existe nenhum argumento que refuta os espelhos refletores. O foco precisa ser nas provas e não em discussão sobre videozinhos ou teorias conspiratórias que não chegam a lugar algum.

    Responder
  6. Bom, o que eu li por aí é que sim – o homem foi pra Lua, mas não – a Lua não é bem como foi mostrada. Eles não tinham equipamento bom o suficiente pras condições e tempo de exposição mínima pra fazer algo bom. Acontece que o ambiente lá é bastante hostil e rola muita radiação cósmica, além de um nascer do Sol brutal. O governo yankee tava preocupado com a qualidade péssima das imagens e isso poderia frustrar o público, perante a pressão da concorrência Russa. Então rolou uma mistura dos dois: imagens de lá + imagens “produzidas” em estúdio.

    O mais intrigante na minha opinião não é nem essa bobeira se eles foram ou não. Mas as análises das imagens que eles trouxeram de lá. A quantidade de enxerto, cropagem, inversões, borrões, colagens e todo o tipo de manipulação de imagem possíveis pra época. Isso sim é bizarro! Com tecnologia de hoje, dá pra perceber VÁRIAS anomalias na Lua. Façam uma pequena pesquisa sobre a manipulação de imagens lunares e você ficarão pasmos.

    Responder
    • Citando, Willie: ”a Lua não é bem como foi mostrada.”
      Cumpadre, por acaso vc. sabe realmente como é a Lua? Deve saber, para dizer que ela foi mostrada de maneira errada!
      ”Então rolou uma mistura dos dois: imagens de lá + imagens “produzidas” em estúdio.” Bem, com tantas pessoas envolvidas na ”farsa”, como foi possível manter todo mundo calado, desdo o proteiro do estúdio, até os diretores de cena? Se for verdade, seria a única vez na história americana – e mundial – que tanta gente concordou com alguma coisa, sem opiniões contrárias!!!
      As filmagens são ruins em decorrência de vários fatores: equipamento limitado (as câmeras, salvo engano, eram “hasselblad”), condições extremas de frio e calor que poderiam afetar os negativos (não havia a era”digital” ainda), e a radiação de fundo do sol e do espaço.
      Dá para ficar pasmo é acom as alegações – sem fundamento – de pessoas que negam por negar as coisas, e fica tudo certo.

      Responder
    • Eu acho que o principal fator que prova que os homens foram a lua é o mesmo do qual eu não consigo acreditar que os votos são “manipulados” na urna eletrônica.
      O que a URSS ganharia em ficar de bico fechado? O que te faz pensar que eles não seriam os primeiros a mostrar pro mundo a “farsa”, expondo seu principal inimigo pro mundo? Muita coisa estava em jogo na Guerra Fria. E era muita coisa MESMO. A grosso modo, diversos países estratégicos e importantes estavam “indecisos” a qual regime apoiar. E a Guerra Fria tinha como um dos objetivos mostrar ao mundo qual sistema era melhor: Comunismo ou Capitalismo, ganhando seguidores, aliados, e prováveis investidores.
      Porque a URSS abriria mão de tudo isso? A troco de que?

      Responder
  7. Certa vez vi um sujeito argumentar que não acreditava em evolucionismo a menos que alguém “fizesse um animal evoluir na sua frente”.
    É por isso que estas teorias da conspiração soam, a mim, como excelente material de humor.

    Responder
    • Eu terminei meu ensino médio num colégio Adventistas. Quando um grupo de meninas descobriu que eu acreditava na evolução (o que já é ridículo, porque evolução acontece independente de você acreditar ou não), uma delas disse bem assim: “se evolução é verdade, por que os macacos do zoológico não evoluem?”. Não estou zoando, ela perguntou mesmo. Ainda fui zuado por ser evolucionista, huauha. Depois os cristãos é que vem dizer que são perseguidos. É mole?

      Responder
      • No ano passado, pelo menos 105 mil pessoas foram assassinadas no mundo por um único motivo: eram cristãs. O número foi anunciado pelo sociólogo Maximo Introvigne, coordenador do Observatório de Liberdade Religiosa, da Itália. Esses números mostram que os cristãos não se dizem perseguidos. São, de fato. E é claro que não é necessário ser cristão, para atestar isso. Nem mesmo é necessário acreditar em Deus. Basta ler os jornais ao redor do mundo.
        Na minha modesta opinião precisa ser igualmente crédulo, para acreditar tanto em uma coisa quanto em outra. Assim como para muita gente é complicado acreditar em um Deus criador, para outras é complicado acreditar que sua origem é pura e simples matéria inorgânica.

        Responder
        • 105 mil pessoas foram assassinadas por ser cristãs. E por ser ateus? Evangélicas? Kardecistas? Colocar uma opinião sobre somente um ponto de vista é errado. Cristãos se dizem perseguidos por ser cristãos, mas isso não é exclusividade deles. Fanáticos sempre vão existir, independente se são religiosos ou não.

          Responder
  8. A melhor pergunta é: Por que deixou de ir? A argumentação de que a guerra fria acaboh e de que não tem mais orçamento pra isso é toda a verdade sobre o assunto?

    O que acontew verdadeiramente com a Apolo XIII?

    Responder
    • Viagens a Lua são extremamente caras. A viagem da apolo 11 quase quebrou os estados unidos. Hoje em dia o investimento do governo americano na Nasa é menos de 10% da época da guerra fria.

      Explorar a lua foi legal no começo, mas depois que viram que só tinha pedra e poeira, as viagens perderam um pouco o sentido.

      Só agora neste milenio se descobriu a existencia de água e de combustivel (Helio) na lua. Ainda assim é preciso pesar muito os custos antes de ir minerar por lá.

      Responder
    • Simples. Naquela época, todo o mundo estava de olho na “Guerra Fria”. O principal motivo dessa guerra entre os EUA e URSS era provar ao mundo qual sistema era melhor: Capitalismo ou Comunismo. Existiam diversos países que estavam de olho pois estavam “indecisos” a quem apoiar. A grosso modo, o vencedor não ganharia somente a guerra, ganharia prestígio do resto do mundo, seguidores, e o principal, investidores. Se tornaria potência (não é a toa que os EUA é o que é hoje, e a URSS quebrou).
      Portanto, naquela época, a viagem a lua provaria ao mundo qual país era mais desenvolvido tecnologicamente, mostrando qual tipo de sistema era mais vantajoso. Frente a isso, a NASA tinha recursos inimagináveis e ilimitados. A viagem a lua não era científica como é hoje – era política. Quando os EUA ganharam a guerra, os interesses políticos se voltaram a outras coisas, e a NASA ficou sem dinheiro. O orçamento dela hoje é uma parcela muito pequena se comparado a época da Guerra Fria, e ela ainda tem que dividir esse dinheiro nas outras áreas que ela atua – como estudo do clima, por exemplo – o que não sobra dinheiro para levar mais alguém pro espaço (o que é extremamente caro).

      Responder
      • É engraçado pensar sobre a corrida espacial, porque na medida em que os EUA colocaram o homem andando na Lua, aquilo era uma meta deles, nunca foi a dos Russos. Os Russos colocaram sempre como objetivo primordial a órbita da Terra e nisso eles tiveram grande domínio, inclusive começando a fazer a estação orbital na frente, a Mir. No fim das contas, como o homem deixou de ir a Lua basicamente como uma curiosidade, todos os investimentos e interesses se concentraram na órbita terrestre, área em que os Russos dominaram. Dessa forma, poderíamos até questionar quem realmente ganhou a corrida espacial.

        Responder
        • Philipe, a “corrida espacial” continua até hoje. Logo, não creio que houve um “vencedor”. Americanos se destacaram de uma forma, russos, de outra. Cada um “venceu” a seu modo.

          Responder
  9. Também acredito que o homem pisou na Lua, mas entendo os que pensam que não. Mesmo acreditando no pouso lunar, é difícil entender porque a NASA parou em 6 missões/12 homens. Por que preferiram uma estação espacial que flutua na orbita do planeta ao invés de tentar uma base lunar, em 40 anos de desbravamento da Lua.

    Foram lá em um período menor que 5 anos, recolheram pedras e fim de papo? E nenhum outro país depois de mais de 4 décadas de avanços tecnológicos conseguiu repetir o feito? Cadê a Rússia que estava quase lá na década de 60? Alemanha, Japão, até mesmo a China hoje em dia? Nenhum quer mandar seu primeiro cidadão dar uma pisadinha por lá? A China vai e manda uma sonda, em pleno 2013, pra Lua, sendo que os EUA mandaram 12 caras há mais de duas gerações?

    Mas acredito que pisaram lá realmente, mas muito mais por provas de terceiros, do que por qualquer outro motivo.

    Responder
    • Por um motivo muito simples: custos.
      Hoje a Nasa luta em meio aos orçamentos americanos para sobreviver, pois o contribuinte vê o gasto com os programas espaciais como algo “sem retorno”, e a maioria vê as missões de exploração como algo propagandístico e de pouca finalidade científica.
      Fazia sentido na Guerra Fria mandar o homem para a Lua, mas em tempos de crise econômica e oriente médio, não faz mais.
      Dê uma olhada no orçamento da NASA conforme divulgado pelo governo americano, na tabela onde consta o histórico de 1958 até as projeções para 2015:
      http://en.wikipedia.org/wiki/Budget_of_NASA
      Em 1966, 4.41% do orçamento federal estadunidense foi destinado a Nasa e seus programas, já em 2012, apenas 0.48% deste mesmo orçamento foi para o espaço. Em números absolutos, a NASA tem recebido o mesmo valor orçamentário desde os anos 90 e metade do que recebia nos anos 60, o que significa que estes valores foram extremamente corroídos pela inflação, sufocando o programa espacial e limitando os recursos a ponto de ser inócuo mandar mais equipes para a Lua.

      Responder
      • Faz sentido isso, realmente a festa que foi no projeto Apollo não se repetiu desde então. Mas mesmo assim podiam ter focado em uma base lunar. O custo para enviar um homem a Lua também diminuiu igual o orçamento, essa sonda chinesa custou 134 milhões de dólares somente. E graças aos ônibus espaciais de hoje em dia, os pousos e lançamentos foram facilitados.

        Pelo link que você destacou, o projeto Apollo custou um total de 140 bilhões de dólares na inflação de hoje, mas o programa do ônibus espacial custou quase 200 bilhões de dólares em 30 anos, além dos mais de 70 bilhões que a NASA investiu na Estação Espacial Internacional. Mesmo com o corte orçamentário, eles ainda tem muita grana.

        Responder
        • O custo para enviar uma pessoa a lua não diminuiu, assim como os riscos também não diminuiram. Continua extremamente caro mandar uma pessoa a lua.
          E, ao contrário do que algumas pessoas pensam, não evoluímos no ponto de foguetes e ônibus espaciais. É normal confundirem os avanços científicos na área da Informática com a área energética, que não avançamos em praticamente nada. Hoje para atingirmos a velocidade de escape e colocar alguma coisa em órbita ainda é caro por causa do combustível utilizado (exatamente a parte em que não evoluímos – precisamos queimar alguma coisa para conseguirmos subir).
          Se eu não me engano, o ônibus espacial utilizado pela NASA para levar astronautas até uns tempos atrás ainda era o mesmo utilizado em algumas missões Apolo – acho que o nome dele era Discovery (me corrijam se eu estiver errado).

          Responder
  10. Não que eu faça parte desses céticos, mas algumas coisas me deixam intrigados até hoje, como por exemplo as fotografias e filmagens que fizeram na Lua, tenho quase certeza que naquela época não existia câmera no mundo que aguentasse uma temperatura tão baixa como a da Lua, ou se aguentasse, como as mesmas eram de “filmes” e não as digitais que temos hoje em dia, os filmes não iriam aguentar tamanha variação de temperatura que tem na Lua. Outra coisa foi a transmissão sonora entre a Nasa e o astronauta na Lua, não houve nenhum DELAY como se a conversa tivesse acontecendo muito próxima!

    Responder
    • – A kodak criou um filme especial só pra isso e a camera ficava protegida numa caixa térmica cheia de espelhos e branca por fora pra refletir a radiação solar.

      – houve delay de aprox 9 minutos no dialogo entre a base terrestre e os astornautas.

      Responder
  11. Ô Philipe em primeiro lugar feliz ano novo, em segundo mais uma vez obrigado pelo seu site, é bom pra caramba, sempre com matérias muito boas e em terceiro um obrigado maior por esta matéria porque também sempre acreditei que o homem foi sim a lua, e sempre tinha aqueles conspiratórios com as explicações mais estapafúrdias, com toda esta matéria minha confiança passou a ser certeza.

    Responder
    • Não confunda a popularização dos preços de produtos massificados com tecnologia exclusiva.
      A tendencia na verdade é a de que as viagens espaciais se tornem mais caras, já que a matéria prima e o combustivel ficam cada dia mais escassos.

      Responder
      • Verdade. Eu ia dizer isso mas me esqueci. Realmente a tecnologia dos computadores quando a Apolo XI chegou à lua é muito menor que a de qualquer computador, até do que a de alguns dos nossos relógios atuais, mas isso não significa que: 1- O foguete ainda usará a tecnologia da decada de 60. 2- Todas essas coisas baratearam.
        A verdade é que um volume gigante de protocolos e padrões foi evoluindo com o tempo, e tornaram esse tipo de coisa (sentar carinhas corajosos numa bomba e torcer pra não estourar do jeito errado) em algo inconcebível.
        Repetir o programa apolo hoje seria até possível, mas em um custo muito, muito alto. Para valer à pena, precisa ter algo na Lua que compense o esforço empregado.

        Responder
    • O importante era chegar em primeiro lugar, meu caro. Todo o resto era secundário. Objetivo atingido, o intere$$$e caiu, junto com o orçamento bilionário!

      Responder
  12. Para acrescentar um pouco mais à discussão. Esse site é muito interessante. São estudps de um ukraniano de fotos estéreo da missão da Apollo 15. Onde ele através de equações matemáticas baseadas em parallax “prova” que as fotos foram feitas em cenários montados e não na lua, já que a distância entre os objetos seria de apenas dezenaa ou centenas de metroa quando deveria ser de quilômetros.

    http://www.aulis.com/stereoparallax.htm

    Responder
    • Raul, vc. me lembrou uma história interessante: já houve quem tentasse encontrar erros nas teorias geral e especial, da relatividade, do Einstein, por um único motivo, nada científico: quem encontrasse um “furo” nas teorias dele, acabaria ficando mais famoso do que o próprio!
      Por isso, “pesquisadores” obscuros e desconhecidos ficam “atirando” para todo lado… vai que dá certo?
      Quem é o “gênio” ucraniano? Quais são suas credenciais na comunidade científica mundial? É um pesquisador sério ou mais um aventureiro em busca de fama a qualquer custo?

      Responder
    • Sabe o que eu acho mais engraçado? Só pessoas “que se acham gênios” conseguem “achar furos absurdos”, e cientistas graduados, com 3, 4 ou mais formações, PhDs, fudidos mesmo, não conseguem. Nunca vi nenhum cientista renomado ir na mídia falar que foi uma farsa, ou publicar livro com “estudos” provando que o homem nunca foi a lua.

      Responder
  13. Depois de ir 5 vezes à Lua o que justificaria fazer mais viagens para lá, a um custo absurdo e com riscos imensos.? Catar pedras novamente?
    A chegada dos americanos em solo lunar foi o final épico de uma corrida espacial que custou trilhões de dólares para os competidores (americanos e russos).

    Responder
    • Criar uma base por lá, mineração. É o que a NASA mesmo pretende fazer no futuro, usando a Lua como ponto de partida para Marte, com as próximas espaçonaves Orion.

      Responder
      • Raid, vc. mesmo deu a resposta: mineração é pretensão da NASA ”para o futuro”… como minerar na Lua, mesmo que em busca do hélio 3, existente na superfície, se ainda não temos tecnologia para tanto? Como descarregar o equipamento de mineração, montar, operar remotamente, carregar o material minerado e “despachar” de volta para a Terra?
        São questões que os cientistas ainda vão debater muito, antes de solucioná-las. Mantenha a cabeça na Lua… mas os pés no châo!!!

        Responder
        • Não precisaria ser remotamente, se nesses quase 40 anos já tivessem estabelecido uma base por lá, igual é a ISS, teria até pista de pouso para os ônibus espaciais. Mas pararam com tudo, por isso hoje tem que começar quase do zero.

          Responder
          • Acontece que a tecnologia de viagens espaciais parou no tempo, com o fim da guerra fria. Os grande cientistas da época se aposentaram, ou morreram. O conhecimento se diluiu no tempo, e se perdeu. Tanto é que para colocar um foguete em órbita, o Atlas, salvo engano, precisaram desmontar equipamento do Saturno V, que estava num museu, assim como o modulo espacial, pois não houve sequência na tecnologia de vida fora da Terra. E se levar uma pessoa custa praticamente o equivalente do seu peso em ouro, imagina levar o maquinário e o ferramental necessários para a base lunar, mesmo que as construções usassem materiais de lá, como já propuseram alguns cientistas. Isso aliado ao fato de que a exposição de pessoas a radiação cósmica somente poderia ocorrer por breves períodos de tempo. Logo, seriam necessários vários “turnos lunares” numa mineradora, por lá.

  14. Adorei essas das frases:

    “Duvidar é importante, mas duvidar eternamente se torna mais uma profissão de fé do que outra coisa.”

    “Enquanto houver gente, haverá os que acreditam em sereias, monstros, na Terra plana levitando no vácuo e até, é claro, em conspirações do Homem que segundo eles, nunca foi à Lua.”

    São de grande reflexão.

    Responder
  15. O governo norte-americano já mostrou ao mundo que é capaz de usar armas nucleares nos outros, que é capaz de assassinar o seu próprio presidente e que é capaz de criar grandes mentiras para manter o seu Complexo Industrial-Militar. Encenar o pouso na Lua seria fichinha pra eles…

    Responder
  16. Os Russos nunca tentaram desmascarar a possível farsa, além disso as pedras lunares trazidas foram examinadas pela comunidade científica e ninguém alertou que elas eram falsas, tem também os espelhos lá deixados(mas esses poderiam ter sido colocados por uma sonda). Esse ano os Chinas vão lá, mas não vejo nenhuma surpresa. Agora a ida para Marte é mais intrigante de como será o desfecho, uma vez que é uma viagem suicida. Agora, sobre 11 de Setembro é bem mais manga e pano

    Responder
  17. Forjar uma viagem à Lia seria mais caro que realizar tal viagem. “Grosso modo”, seria como mentir aos amigos que se foi ao Japão e ter de forjar fotos, lembranças, contatos, indicações de lugares…

    Responder
  18. ora, se a NASA colocou um espelho lá, por que não podemos ver daqui usando um telescópio?
    por que a NASA não diz a localização exata dele? assim qualquer um com um telescópio potente poderá ver, ou existe algum motivo pro espelho ser impossível de se ver?
    fica a pergunta…

    Responder
    • O espelho é feito para refletir um pulso potentíssimo de raios laser. Acho que só com o equipamento profissa daria para detectá-lo. Onde ele está é bem facil de saber.

      Responder
    • Luiz, não tentaram “ver” os tais espelhos, nem com o Hubble… qual outro telescópio conseguiria? O Keck, do observatório Gemini, no Havaí? Os espelhos não foram projetados para serem “vistos”. O que se pode ver, eletronicamente, são os f´tons de um raio laser muito potente, refletidos de volta. Não pense que se tratam de espelhos “de bolso” Aliás, nem se pode chamá-los de espelhos, pois são, na verdade, prismas, que refletem energia luminosa de volta, no mesmo ângulo da incidência.
      Fica a resposta…

      Responder
  19. Tem muitas coisas intrigantes e sérias :

    -A NASA sempre se recusou a mostrar os originais dos filmes e negativos, mas disse que faria isso por ocasião do 40° aniversário do homem na Lua. 3 (três) dias antes dessa data (2009), deu uma nota dizendo que os filmes tinham sido reutilizados por economia de recursos (!)

    -Tem um documentário no Youtube que fala sobre o grande número de mortes de astronautas e pessoas ligadas às operações Mercúrio e Apolo, que é 15% (!) dos astronautas.

    – Todas as idas à Lua se deram durante o governo (super corrupto) do Nixon. Especula-se que as missões teriam sido uma maneira de financiar a já perdida Guerra do Vietnã. (Notem que as operações Mercúrio e Apolo foram divididas em três estados americanos porque eram os que tinham mais peso político: os lançamentos eram no Cabo Canaveral, Flórida (Walt Disney), o controle era em Houston, Texas (família Bush e outros) e parte da construção das peças era na Califórnia (grandes estúdios de Hollywood). Além disso, que na década de 70 se tenha colocado tantos homens no espaço, inclusive pisando em outro astro, e nas décadas seguintes tenha-se tido tantas missões fracassadas, é o maior enigma.

    -Famosa na França é uma entrevista com o famoso diretor da Nouvelle Vague, Godard; ao perguntarem sobre o que ele achou da transmissão da ida à Lua, ele diz convicto: “Mais c’est un faux!” (Mas é falso!)

    -Intrigante pra mim é que alguma coisa não parece ser real nas atitudes dos astronautas. Pra quem já assistiu documentário oficial da NASA, com diálogos entre os astronautas parece que não há verdade ali (é algo de intuição e sensação, difícil pra mim precisar). Além disso – são vários os que apontam – a atitude dos 3 primeiros astronautas durante a entrevista coletiva, parecendo reticentes, pouco precisos e entusiasmados. E ficou famoso um discurso do Armstrong, há alguns anos atrás, começando por: “o único pássaro que pode falar é o papagaio; mas ele não voa muito bem”; e terminando cheio de emoção: “que um dia vocês possam retirar o véu que encobre a verdade”.

    http://www.youtube.com/watch?v=SFPiwnVL9ic

    Claro, todas essas considerações não provam nada. Mas dão no que pensar.

    http://www.youtube.com/watch?v=SFPiwnVL9ic

    Responder
    • Citando: “E ficou famoso um discurso do Armstrong, há alguns anos atrás, começando por: “o único pássaro que pode falar é o papagaio; mas ele não voa muito bem”; e terminando cheio de emoção: “que um dia vocês possam retirar o véu que encobre a verdade”.
      Ora, já se passou tanto tempo, que o Armstrong teria o quê a perder, dizendo a verdade enquanto ainda está vivo, podendo ser contestado e questionado? Para que usar charadas, bem ao gosto dos “profetas religiosos”, que adoram fazer previsões sem dia, hora e local certos para acontecerem, apenas afirmando que “acontecerão!”.
      Ou as frases atribuídas ao Armstrong foram “pinçadas” fora do contexto original, ou se referem a outro assunto. Ele bem poderia, se quisesse, ou se fosse verdade, desmentir todo o programa espacial americano, e ficar ainda mais famoso do que já é, por ter desmascarado a farsa. Seria muito mais negócio!

      Responder
    • – Realmente isso da NASA foi muito estranho. Mas, se for para pensar em alguma “teoria maluca da conspiração” frente a isso, acho que é muito mais plausível que ela queira esconder alguma outra coisa, como algum indício de que mais alguém esteve lá, sei lá. Que eles foram a Lua está mais do que provado.

      – Que astronautas morreram nesta missão, todos sabem. Mas o que isso tem a ver com a ida ou não?

      – Ok, todas foram no governo do Nixon. Ele ser corrupto ou não, não indica que a missão foi um fracasso ou sucesso. Especula-se? Quem especula? Algum especialista? Cientista? Ou só mais algum maluco (ou muito esperto) vendendo livro com “6312467 motivos para acreditar que o homem não foi a lua”? Essa especulação dos estados é sua ou é do mesmo “especialista” que “analisou” a ida a lua? Por favor, nos mostre as provas…
      O motivo para o “fracasso” de hoje, se deve a perda de interesse. Naquela época, existia recursos e dinheiro ilimitados para ganhar da URSS a Guerra Fria e mostrar ao mundo quem era mais desenvolvido tecnologicamente. Após ganhar, e trazer mais algumas rochas de lá (o que cientistas renomados do mundo todo analisaram e comprovaram que era de lá mesmo) não havia mais interesse (no momento) para voltar. Devido a isso, o Governo não dava mais tanto dinheiro a NASA, e ela mesma também voltou suas atenções a outras coisas – como estudo do clima, monitoração de cometas, etc. Isso fez com que a tecnologia parasse no tempo, e o conhecimento de seus cientistas “morresse” com eles. Como disseram acima, eles precisaram desmontar o Saturn V que já estava no museu para tentar absorver a tecnologia utilizada. Isso explica o fracasso de hoje em comparação a década de 60-70. Isso não é nenhum “enigma”, basta juntar as peças.

      – Utilizar uma entrevista de um diretor de um movimento artístico como “prova” de um marco científico me soa como absurdo. O que esse cara entende de viagens planetárias, física, física quântica, química, biologia, etc…para dizer que é falso? Ele por acaso é cientista? É graduado em quê?

      – O que é intrigante são pessoas que, mesmo com diversas provas dizendo que ocorreu (espelhos, rochas lunares, etc), continuam querendo ser do contra, criar polêmica e não acreditar. Intuição e sensação não serve como prova.
      São “vários” que apontam a atitude dos astronautas pouco entusiasmadas? Vários quem? Algum cientista renomado, ou só “conspiranóicos” que querem lucrar em cima de uma polêmica? Me cite um…e outra, o que isso quer dizer? Buzz Aldrin até hoje se exalta que foi a Lua e pisou lá.
      Sobre o que o Armstrong disse, falo exatamente a mesma coisa que o John Doe disse. O que ele ganharia escondendo até agora? Ele seria muito mais famoso e ganharia muito mais dinheiro expondo o que seria de fato uma “farsa”. Conspiranóicos tem por tendencia utilizar frases ou meias frases de pessoas para basear suas teorias malucas, interpretando como bem querem.

      Enfim…a discussão tem que ser em cima de provas. E não em cima de “teorias malucas”.
      Li uma frase que, infelizmente, é real. “Quando se quer acreditar, nenhuma prova é suficiente, quando não, nenhuma é suficiente”.

      Responder
  20. Cara, você citou no meio do post, algo que me perguntei no inicio… será que a sonda chinesa está no local de pouso das naves da missão Apolo? pois é, porque pra tirar a duvida, a nave chinesa tem que pousar no mesmo local das naves americanas, tirar as fotos e até transmitir ao vivo a odisseia… porque se em 1969 eles transmitiram ao vivo, porque em 2014 não se faz?…eu particularmente, acredito que a terra é redonda e que o homem foi a lua (sobre isso, acho que o pior nem é o feito e sim a propaganda feita em cima disso!).

    post muito bem feito.

    abraço

    Responder
  21. Adoro ler os comentários 🙂

    De um lado gente usando informações retiradas de algum lugar, com detalhes e de certa forma convincentes para alegar que “o homem não foi a lua”.

    De outro lado gente usando informações retiradas de algum lugar, com detalhes e de certa forma convincentes para alegar que “o homem foi a lua”.

    E o blog bomba Philipe parabéns, feliz 2014 !!! sucesso para todos os crédulos e céticos !!!

    Responder
    • “De certa forma convincentes”? Mesmo não querendo aceitar os argumentos, eles estão ai para serem contestados! Faça suas pesquisas, tire suas conclusões e deixe os resultados para avaliação.
      E não são meras “alegações”. São fatos que os que comentam vão acrescentando e que pesam favoravelmente no sentido de que a odisseia humana na Lua foi verdadeira.
      Deixo-lhe uma modesta sugestão, colega: desça do muro e nos surpreenda com suas opiniões!

      Responder
    • Feliz 2014 para você também John Doe…

      Obrigado pela sugestão, que sinceramente para mim parece mais tendenciosa do que modesta, mas, acredito que minha opinião que já é formada independente de sua posição e até levando em conta o pouco conhecimento que possuo, pois quanto mais estudo mais descubro que não sei nada, só vai ser mais uma dentre as inúmeras que existiram para alimentar a ostentação de alguns…

      Philipe andei meio sumido mais vou aparecer mais esse ano abraço!!! \o/

      Responder
      • Hunteriunn, posso lhe afirmar que a sugestão foi modesta mesmo, sem ser tendenciosa. Usei a expressão “descer do muro” apenas para passar a imagem do que eu estava pensando. Prefiro ser direto a usar de ironias, mas as vezes, um exemplo explica mais do que as palavras. Quanto a saber pouco, ou nada, concordo… essa é a “maldição” daqueles que buscam o conhecimento: parecemos como o cavalo que persegue a cenoura, presa numa vara, à nossa frente (de novo, a imagem para exemplificar). A cada novo aprendizado, percebemos um novo universo de possibilidades a serem estudadas e entendidas.
        – Também tenho minhas opiniões, mas muitas delas acabam sendo “melhoradas” no dia-a-dia, na medida em que novos conhecimentos surgem. Elas são flexíveis, e cedem à luz da razão.
        – Bom retorno! Espero por bons debates ao longo do ano.

        Responder
  22. prezado… também não estou entre os que acreditam que o homem não foi a lua. acho que foi sim… acho que é o mais simples.
    porém tenho um comentário a fazer… em relação à foto “apollo 14” em que se exibe os rastros deixados pela missão, você diz:
    “Na foto acima vemos também o ALSEP (Apollo Lunar Surface Experiment Packages) – um conjunto de instrumentos científicos deixados na superfície lunar pelos astronautas Apollo, além dos rastros deixados pelos membros da missão Apollo 14.”

    mas quero comentar um tema bom de discutir. o que vemos não são os instrumentos sobre a lua mas uma foto. e uam foto é uma outra coisa. falo isso porque me incomoda a ideia de que só sabemos o que nos contam. tipo, o homem foi a lua. olhem as fotos… mas quem tirou essa foto? quem a processou e distribuiu?
    enfim, o velho tema da fotografia como prova da realidade (ou não).
    abraços fraternos

    Responder
    • Antonio, em questão de algumas fotos, a missão geralmente ocorria com 3 astronautas. 2 entravam no módulo lunar para alunissagem, coleta de material, etc…enquanto o outro astronauta permanecia na nave, em órbita. E algumas fotos também eram feitas por esse astronauta.

      Responder
  23. É errado achar que a ida do homem na época dependeu de e unicamente da tecnologia na verdade é mais precisamente devido as leis da física que o homem conseguiu chegar a lua, por isso enquanto não lutarmos por uma forma de criarmos combustíveis melhores do que temos hoje acredito que o homem não voltara a lua….Mérito unicamente a Sir Issac Newton.

    Responder
  24. Então , se o homem esteve na lua eu não sei mas que há muitas fotos e evidencias forjadas isso todo mundo pode ver , como nesta foto . http://www.hq.nasa.gov/office/pao/History/alsj/a15/AS15-86-11565HR.jpg . Ai eu pergunto se alguem tem conhecimento desta foto ou se ela é famosa . Ou essa http://spaceflight1.nasa.gov/gallery/images/apollo/apollo17/html/as17-137-20979.html , sem rastros , de onde veio esse veiculo .

    Responder
  25. o maior problema, é que a propria nasa põe em duvida o tal pouso lunar, sabe porque ?porque a tal sonda LRO mostra imagens do rover chines na lua, e segundo não mostra os tres rover norte-americanos na lua ! então com certeza eles nunca pisaram na lua,,

    Responder
  26. Ao invés da NASA ficar tentando provar que eles pisaram na lua,, deveriam provar que estiveram lá, e sabe porque eles não provam que les estiveram la? porque nunca foram !!MOSTREM OS TRES ROVERS que ai eu acredito!! chega de conversa fiadaa!

    Responder
  27. O HOMEM NUNCA FOI A LUA EXISTE ENTRE A TERRA E A LUA UMA COISA CHAMADA ANEL DE VAN HALEM ALTAMENTE RADIOATIVA E QUE TUDO QUE TENTAR PASSAR É DESTRUIDON NAUM PODEMOS APRENDER DETERMINADAS COISAS NOS COLEGIO DAQUI
    AMERICANOS MESTRE NA ARTE DE MANIPULAR SERIA A MAIOR FAÇANHA HUMANA SE DEUS ASSIM PERMITISSE PORÉM AS INTENSSÕES NAUM ERAM BOAS TIPO COISAS NUCLEARES

    Responder
    • O cinturão de Van Hallen não matou os astronautas por N motivos. O principal deles: tecnologia.
      O próprio descobridor do cinturão de Van Allen, James Van Allen, trabalhava na NASA na época, e ajudou a elaborar um plano para que a radiação não matasse os astronautas. Este plano envolvia uma proteção na nave, uma velocidade de passagem mínima, e uma trajetória que evitasse a porção mais central do cinturão, onde a radiação (não radioatividade, radiação, são coisas diferentes) é menor.

      Responder
  28. Só mesmo com muito esforço e muita vontade de acreditar nisso tudo para concluir que esses borrões brancos (no meio de milhares de outros borrões) apontados por essas setas são mesmo os equipamentos deixados pelos americanos. Têm “cientistas” que olham a porra dessas manchas e conseguem ver até as pegadas do Armstrong.
    Mas se quem forjou os primeiros filmes foram os mesmos estão enviando estas imagens, não dá pra confiar.
    Tá. Pode até ser que esses espertos americanos tenham mesmo andado na superfície da Lua, mas não por conta dessas nódoas brancas apontadas por essas setas. Aliás, as setas são as únicas imagens perfeitas mostradas.

    Responder
  29. Tenho aproveitado um tempo da minha aposentadoria para acompanhar os assuntos polêmicos em seu site.. Nesta questão (do homem na Lua), eu estranho que, você que tem sido tão detalhista em diversos assuntos, deixe escapar que, para alguém que envie um veiculo à Lua, é facilmente constatável se existe ou não qualquer objeto previamente deixado. Não importa o tamanho da Lua, tais objetos lá existentes tem, com certeza sua posição geográfica conhecida, tornando fácil constatar ou não a sua existência, independente da Lua ter o tamanho que tiver. Por que você não citou (e eles devem existir) sites que tentam provar que a ida do homem a Lua é uma farsa? Por que você mostra vídeos com marcas dos outros voos Apollo se a grande polêmica diz respeito ao primeiro pouso. É nesse que não acredito. Quanto aos demais, eu nem me preocupo, pois de fato, podem ter até acontecido, Minha descrença neste primeiro pouso é decorrente do fato de que utilizando equipamento telescópico amador, porém com capacidade suficiente para identificar objetos (como uma bandeira fincada) nada pode ser visualizado nas coordenadas conhecidas. Esta informação me foi passada pelo proprietário do equipamento que por consequência não acredita no “primeiro” pouso. Eu assisti ao pouso pela TV (aos 12 anos) e me emocionei muito, mas não tanto quanto na decepção que tive quando aos 50 anos fui convencido de que tudo não passou de uma grande armação. Reafirmo que não tenho opinião formada quanto as demais missões.

    Responder
  30. O engraçado é que os céticos acreditam em todos os vídeos e fotografias com astronautas na “Lua”. Argumentam que os mesmos são provas suficientes pra acabar com todas as dúvidas desse que foi o maior feito da humanidade. Agora mostre aos céticos uma foto ou um vídeo de um ovni pra ver a reação deles…
    O meio que servia de provas agora já não é mais aceito.
    São assuntos que incomodam os 2 lados.
    Pensem bem a respeito disso.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares