23 Comentários


  1. Cabuloso viu! Agora a coisa ficou tensa pra ele, o que será que vai pegar??? Aguardem os próximos capítulos, kkkkkkk. Muito bom Philipe.

    Responder
  2. Daniel Bart Pinheiro

    Tenso demais, já falei que esse é o seu conto mais assustador né? Philipe, da próxima vez que demorar assim pra postar o próximo capítulo, manda uma mensagem para os leitores dizendo que não foi pego por uma Ljuvbna rsrsrsrs. Ótimo capítulo, ansioso pelo 13º capítulo.

    Responder
  3. Lucas Machado

    Apagou a luz, ferrou. Cadê o Leonard pra ajudar ele? Será que a Regina tá na Caixa?? Kkkkkk

    Responder
  4. Carlos Dente

    “-Eu conheço um homem que pode lhe ajudar. (…)”
    “-E como é o nome dele?”
    “-Eu… Eu não me lembro. (…)”

    Mas nós lembramos!

    Responder
      1. John Doe

        Philipe, o conto está interessante, mas, sinceramente, não consigo entender algumas reações dos demais leitores fiéis. Sim, é curioso (prefiro ler à noite, sempre que possível. Foi o que fiz com o conto da caixa, para entender alguns comentários) mas… só isso. Curiosidade, apenas. Não consigo sentir “medo” na história.
        Para mim, é uma ficção como outras tantas. Sem desmerecer o crédito do autor, claro, mas acho que não me “desligo” da realidade o suficiente, para “entrar” na história. Nunca tive medo dos mortos (ou seja lá qual for o “estado” deles). Sempre tive – e tenho – medo de alguns “vivos”.
        Deve ser por isso que sou fã de um certo vulcano orelhudo, lógico ao extremo, e que sempre saúda: “vida longa e próspera!”.

        Responder

        1. Acho natural. Algumas pessoas vivenciam mais a fantasia que outras. Uma vez li um livro do stephen king e não senti medo algum tb, mas o cara é aclamado como o “papa do terror”. Mas por outro lado, ja senti medo vendo filme e até em videogame. Acho que é uma questão de imersão, sei lá.

          Responder
          1. John Doe

            Também sou fãzaço dele, mas não sinto medo com seus livros, nem com os filmes decorrentes deles. Sustos acontecem, os sentidos parecem enganar, mas, terminado o filme – ou o livro – restam apenas as lembranças.
            A propósito, lí o conto da Caixa, para entender alguns comentários dos colegas, e não pude deixar de notar algumas coincidências:
            A faca de quatro lâminas, com uma cabeça, lembra a “phurba” do filme “a batalha de Riddick”;
            As transições entre este mundo e o “mundo de lá” – o da caixa – lembram o seriado “Fringe”, com seu universo paralelo;
            O tal Leonard, que transita entre mundos, me lembrou o filme “Constantine”.
            Serão meras coincidências – existem outras – ou foram inspirações para o desenrolar da trama?


          2. Bom, eu nunca vi Fringe, e nem li o constantine, e só vi, mas não lembro de como era A batalha de Riddick. Eu me inspirei num tipo de punhal ritualístico do Tibet. Talvez eles tb.
            O Leonard foi sendo criado aos poucos. Ele apareceu primeiro como um cara que seria um louco mas que não era em “O caçador”. Depois em “A busca de Kuran”, ele apareceu na juventude, numa expedição ao deserto da China. Na Caixa ele estava velho. A caixa se passa já bem recente, e podemos ter um pouco mais de ideia de quem é o Leonard. Mas creio que as coisas sobre ele e sua ordem mística ainda estarão mais claras no próximo conto do caçador, que se passará na Segunda Guerra Mundial.

  5. Aline Carneiro

    Ca-ga-ço!
    Eu achava que tinha medo da menininha tenebrosa, mas a tiazona sem cabeça é muito mais assustadora.

    Responder
  6. Priscila

    Queeee medooo, nossa, credo ainda bem que isso é um livro, pq se fosse eu iria borrar as calças cair e esperar a morte kkkkkkkkkkkkkkkk creedo!!!!!!!! Muito bom fhilipe!!!!! =D

    Responder
  7. Dhiego

    Leonard é o pica das galáxias! Vai chegar nessa burxa biscate, dar uma bicuda, e falar, “arranca esse vestido preto que você é moleca!”.

    Responder
  8. bielchico

    Quem será o tal homem misterioso que irá ajudá-lo hein???
    Eu tenho um palpite fortíssimo e acho que todos já sabem também…
    sdauhsdauhsdhusdahuhsdahusda

    Muito bom o conto Philipe…

    Responder
  9. Marcy

    Phillipe, tem uma periodicidade para vc publicar esses contos? Comeceis. Ler ontem e na verdade não notei se vc faz isso semanalmente ou quando acha q tah legal. Sinceramente, a pior parte é esperar pelo próximo capítulo.
    Está sensacional isso. Vou ler “A caixa” pois aqui tem muitos comentários sobre ele.

    Responder

    1. O certo mesmo seria Todo dia ter, mas é que nem sempre eu consigo e tempo necessário para escrever o conto. Eu publico ele imediatamente após escrever (e nem reviso antes) eu já reviso com ele publicado, pra aumentar a adrenalina. Atualmente a periodicidade é “quando dá”. Provavelmente a parte 13 farei hoje. Espero consegui fazer ela até de noite. Eu tb tento intercalar, pq sei que embora muita gente esteja seguindo o conto, tem muitos leitores que naõ estão, assim, de vez em quando eu pauso ele e posto posts “stand alones”.

      Responder
      1. John Doe

        Sem contar que a espera aumenta a ansiedade, e “prende” ainda mais o leitor fiel, certo? Como dizem os pescadores: para pegar o peixe, não se pode deixar a linha frouxa, para não sair do anzol, nem esticada demais, para ela não arrebentar.

        Responder
  10. Rogério Calsavara

    Olha aí! Tentar pegar a mulher sem cabeça lá no hotel tinha tudo pra dar errado. Ela não gostou de ter que pular a janela pra fugir dele e agora quer se vingar!

    Responder
  11. Diego

    -Eu conheço um homem que pode lhe ajudar. Mas…
    -Mas?
    -Eu não sei onde ele está. Ele viaja pelo mundo o tempo todo. Ele conhece os dois mundos.
    -E como é o nome dele?

    Nem posso imaginar!!!

    Responder
  12. Juliana Vetromille

    Leonard, Leonard, Leonard!!!! Pomponzinhos no ar torcendo pra ele aparecer!!!!! Ele é o Chuck Norris do Mundo Gump!!!!
    Bjos
    Juju

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.