A cidade azul da Índia

Compartilhe

 

Fundada em meados do século XV, Jodhpur é uma cidade típica do Rajastão. O quadrado central da cidade velha é chamado Nonchok. Aqui, cruzam-se nove ruas, cada uma delas habitada por representantes de uma casta particular ou de uma profissão particular. Assim, à direita, estão os nativos da casta dos comerciantes. À esquerda – os trabalhadores do couro. As casas dos brahmanes – os sumos sacerdotes no hinduísmo – são pintadas em azul, e é por isso que Jodhpur é chamado de “A Cidade Azul”. Este costume foi introduzido pelo fundador de Jodhpur, o Maharajah Rao Jodaji, que acreditava que as casas dos brahmanas deveriam ser diferentes de todas as outras.

0 cb337 24c26b28 orig A cidade azul da Índia

 

0 cb331 9bcfdaa9 orig A cidade azul da Índia

 

Os brahmanas eram a casta mais alta da Índia. Até mesmo a casta dos guerreiros Kshatriya, de que os Maharajas pertenciam, deu um passo adiante. A influência dos brahmanas foi enorme. Nos tribunais realizaram não só as funções dos sacerdotes, mas também astrólogos e conselheiros pessoais dos governantes. E, embora em 1950 o sistema de castas tenha sido abolido, os brahmanas continuam a ser uma parte muito influente da sociedade. À medida que as crianças herdavam a casta de seus pais, o número de brahmanas cresceu de forma constante, e cada vez mais edifícios azuis apareceram na cidade, o que tornou o visual mais bonito. Perto das  casas azuis, as vacas, animais sagrados na Índia, pastam pacificamente – uma imagem bastante comum nessa cidade indiana.

 

0 cb332 5652878b orig A cidade azul da Índia

 

Na praça central de Jodhpur há um poço especial, de onde os habitantes da cidade coletam sua própria água potável. E a sede é uma companheira permanente na cidade azul, porque ela fica na extremidade do enorme deserto de Tar. Não é incomum que o termômetro mostre 49 graus na sombra, então, mesmo os locais tentam ficar perto do poço. Na verdade, o poço central é a única fonte de água potável aqui. Os habitantes que possuem o luxo da água encanada são servidos apenas por quatro horas ao dia. Se você não encher o reservatório nessa “janela”, vai passar sede!

 

0 cb333 aff6ed08 orig A cidade azul da Índia

 

Uma das nove ruas que flui para a área de Nonchok, leva ao mercado da cidade, chamado “Sardar Bazaar”. Para chegar a Sardar, o mais indicado é pegar um “tuk-tuk”. O motor localizado sob o assento do condutor é enrolado da maneira mais primitiva – com a ajuda de um iniciador de cordas. É verdade, pela primeira vez. Uma alternativa aos riquixas tradicionais, que transportam passageiros e carga. Como em muitas outras cidades indianas, em Jodhpur, quase todos viajam em riquixás, só que nesta cidade, eles costumam ser mais ornamentados: com corrimãos encaracolados, com alças especiais para segurar, sem cair nos cantos. E, em geral, a propósito, o fato de haver um espelho retrovisor já é um grande progresso. Em comparação com os riquixas, que pode ser visto em Agra ou em Delhi, a cidade Azul está na vanguarda. O tráfego de rua em Jodhpur, é como você já pode imaginar, caótico. Nas ruas locais, a única regra é: Cada um por si. Em muitos lugares, a largura da estrada é tal que não permite sequer a passagem de dois riquixás.

 

0 cb334 5d3c5105 orig A cidade azul da Índia

 

Na entrada do Sardar Bazaar são trocados tecidos de algodão multicoloridos, dos quais se faz o famoso sari, a roupa da Indiana. Ao contrário das principais cidades da Índia, onde o sari ainda é uma roupas principalmente festiva, eles são constantemente usados ??no Rajastão. Com esta roupa, os ornamentos tradicionais de ouro e prata se harmonizam perfeitamente. O Sardar Bazaar é um mercado e uma oficina. Ali mesmo, as mulheres pintam jarras de cerâmica e as lojas de sapatos estão prontas para reparar os sapatos imediatamente.

E ainda, o principal, o que o mercado de Sardar Bazaar é famoso, são especiarias. Aqui é um verdadeiro paraíso para aqueles que não estão acostumados a cozinhar sozinhos com sal e pimenta. Jodhpur para todos os habitantes do Rajastão é famosa por todos os seus molhos e especiarias.

 

0 cb335 69d1f344 orig A cidade azul da Índia

Um dos habitantes locais é Sunila, um brâmane. Na casa de Sunila, que é pintada, conforme prescrito pela tradição, em azul, vive sua mãe, pai e cachorro. Quase sempre alguns dos quartos estão alugados para turistas que vêm para Jodhpur. Apesar de Brahmane, ele trabalha como um guia. Ele conduz os turistas ao redor da cidade, mostrando-lhes atrações locais. O Bramane também faz bicos no cinema, onde normalmente, ele interpreta os pais dos personagens principais …  Um fato curioso é que geralmente casas azuis são azuis também por dentro. A razão é simples. O primeiro motivo: Jodhpur sempre está muito quente. Uma casa tem geralmente trinta e oito graus, não menos o tempo inteiro. Os indianos acreditam que a cor azul protege as casas do calor. Pensam que fica mais frio se a casa é azul. A segunda razão é a melhor: eles acham que “os mosquitos não gostam dessa cor”. E, porra… Há muitos mosquitos aqui!

 

0 cb330 2d287108 orig A cidade azul da Índia

Em novembro, quando uma celebração de luz e renovação ocorre na Índia – Di Vua Lee, Jodhpur brahmanas, eles renovam a pintura em suas casas, fazendo a cidade mais brilhante.
Do forte, chamado Mehrangarh, começou a história da cidade de Jodhpur. O nome do forte é traduzido do hindi como “lugar conquistado”. Foi fundada em 1459. Naquela época, não havia nada além de assentamentos dispersos. Jodhpur também cresceu em torno do forte. E é dele a melhor paisagem da cidade azul. Numerosos principados do Rajastão atacaram-se constantemente, então os fortes tiveram o mesmo papel de castelos na Europa medieval. Os vizinhos nunca conseguiram capturar Mehrangarh. No entanto, Jodhpur perdeu sua independência. Em 1544, a Cidade Azul foi anexada ao poderoso império Mongol. Por quase 300 anos eles governaram o Rajastão. E com eles, e quando o império já estava desmoronando, os principados locais continuavam em conflito. Mehrangarh tem sido repetidamente submetida a bombardeios de artilharia, como evidenciado por inúmeros buracos de tiro por toda a cidade. A maioria deles, cobertos com tinta.

 

0 cb336 92945dfb orig A cidade azul da Índia

Quando o Marajá morreu em conflitos civis, suas esposas ordenaram o costume de um rito de auto-imolação. Em meados do século XIX, isso, no entanto, não era mais praticado. Mas quando, em 1847, não havia o Marajá de Jodhpur,  Man Singh, as quinze de suas esposas decidiram cometer suicídio. Antes de irem à pira funerária, eles mergulharam as mãos em henna e as aplicaram na parede. Poucos anos depois, em memória deste evento, as estampas de suas mãos foram estampadas em pedra. Você pode vê-las se for ao forte no lado oeste, através do portão de Loapoel, ou o portão de ferro. Mehrangarh é chamado de bastião mais inexpugnável do Rajastão. Realmente construído pelo Marajá Rao Jodaji, o forte na época era o pináculo supremo na arte da fortificação.

 

0 cb338 b3eca32c orig A cidade azul da Índia

Existem também os palácios dentro do forte. Alguns com nomes peculiares, como “o Palácio dos Prazeres”, o Palácio das Pécaras, o Palácio das Flores, que são separados por pátios acolhedores. Em um dos corredores do forte, que foi transformado em um museu nos dias de hoje, há selas para cavalgar em elefantes, onde os Marajás costumavam se sentar. Um deles foi feito no meio do século XIX de madeira e adornado com prata. O Marajá sempre ia sentado no primeiro assento. E na parte de trás, seu servo sempre estava sentado com um abanador nas mãos. Em outra sala, a munição de combate do marajá é apresentada. Capacetes, escudos, armaduras, sabres. Por exemplo, uma espada que é combinada com um mosquete, ou seja, um Marajá  corta e atira ao mesmo tempo. Ainda há lanças, centenas delas. E uma vitrine apresenta as adagas, cada uma mais escalafobética que a outra.

Na próxima sala estão reunidos os berços, nos quais os filhos do Marajá, os herdeiros do trono, dormiam.

0 cb339 31160e1f orig A cidade azul da Índia

Já no salão do “Palácio dos Prazeres”, o olhar daqueles que estavam sentados perto do trono do Marajá de Jodhpur ficaria encantado com os dançarinos, famosos por sua arte em todo o Rajastão. E no século 21, os dançarinos se deleitam com o olhar não mais dos Marajás, mas de viajantes comuns que se encontraram em Jodhpur, assistindo as danças que ainda são as mesmas de cinco séculos atrás. Os instrumentos nas mãos dos músicos também são tradicionais – catracas de madeira, que chamam de Chapra, um pequeno tambor – o dolly. Na verdade, em Jodhpur, toda vida é tradicional, apesar do fato de que os brahmanas servem como guias e o palácio do Marajá  agora é um museu.

 

0 cb33a 624ef060 orig A cidade azul da Índia

 

Agora, Jodhpur é a segunda maior cidade do Rajastão.

 

0 cb33b c076b93f orig A cidade azul da Índia

 

Há outra versão que Jodhpur é chamada de “cidade azul” não pela cor das casas da cidade, mas também chamada de “a Cidade do Sol”, pelo fato de que durante todo o ano há um clima claro e ensolarado. (quente para Cacilda)

 

0 cb31c 6ba83905 orig A cidade azul da Índia

 

 

0 cb31d 540cbc8c orig A cidade azul da Índia

0 cb31e faaf9d6d orig A cidade azul da Índia

 

0 cb321 4050f70f orig A cidade azul da Índia

 

 

0 cb31f d9cdac67 orig A cidade azul da Índia

0 cb320 7681d5c4 orig A cidade azul da Índia

 

0 cb322 dd7b659 orig A cidade azul da Índia

 

0 cb323 2a5f0287 orig A cidade azul da Índia

0 cb324 927e188 orig A cidade azul da Índia

 

0 cb325 3945f7db orig A cidade azul da Índia

 

0 cb326 e7b17adb orig A cidade azul da Índia

 

0 cb328 e5a75dd2 orig A cidade azul da Índia

 

0 cb329 549f76d0 orig A cidade azul da Índia

 

 

0 cb32a 29b61947 orig A cidade azul da Índia

 

 

0 cb32b f52d00a6 orig 1 A cidade azul da Índia

 

0 cb32c e364f9b0 orig A cidade azul da Índia

 

0 cb32d 751e086b orig A cidade azul da Índia

 

0 cb32e 9d5ee6bb orig A cidade azul da Índia

 

0 cb32f 1b0b0143 orig A cidade azul da Índia

fonte

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.